Algumas Noções de Cabalá Judaica

Arvore-judaica
Texto de Leichgeist

O Deus de Israel, Deus Vivente, Rei do Universo, El Shaddai. Misericordioso e Cheio de Graça. Mais Alto e Exaltado Habitando na Eternidade. Cujo nome é Sagrado. E Ele criou Seu universo com três livros (Sepharim), com texto (Sepher), com número (Sephar) e com comunicação (Sippur).
Sepher Yetzirah 1:1

Kabbalah é o Verbo da Criação. É a raiz na qual se sustenta o tronco e os galhos de toda a Sabedoria Divina. É o caminho de retorno para o Ponto Central. Não há nada que a contenha (exceto o Criador), porém ela está em Tudo (a partir do Criador). O Senhor nos deu a possibilidade de sermos unos com Ele através da apreensão dos frutos da Árvore da Vida (Etz haChaim).
(mais…)

Continuar lendo Algumas Noções de Cabalá Judaica

Malakim – Arcanjos e Anjos

Hoje muito se fala sobre os Anjos. Mas o que ou quem são Eles? Qual a diferença entre Arcanjo e Anjo?

Na Kabbalah, estes seres são expansões do Criador, para a manutenção da Ordem Cósmica do Universo Manifestado. A criação do Universo é explicada por um sistema kabalístico chamado de Árvore da Vida, composta de 10 Esferas inteligentes. Cada uma delas, cumprindo seu papel pré-determinado na Criação, como se fossem departamentos de uma Grande Empresa, independentes mas interligados entre si, cada um com sua própria hierarquia.

Os seres Celestiais, que na língua hebraica são chamados de MALAK GADOL (Grande Anjo/Arcanjo) e MALAK (Anjo), mantêm a Ordem no Cosmo, como também conduzem os seres humanos ao retorno da pureza original, para a reintegração com D’us (Devekuth).

Anjo é uma palavra de origem grega, cujo significado é mensageiro ou intermediário, porém dentro da Kabbalah estes seres Celestiais são extensões de D’us e não somente intermediários.

Mas quantos seres Celestiais existem?

(mais…)

Continuar lendo Malakim – Arcanjos e Anjos

O Monte Hermon


Por Charle Bispo

A ligação entre o povo judeu e as Colinas do Golã remonta aos tempos bíblicos. Diz a tradição judaica que foi no Monte Havtarim, na região do Monte Hermon, a 1.296m acima do nível do mar, nos declives de Katef Sion, que D’us prometeu a Abrão que lhe daria a terra para seus descendentes. Um antigo túmulo marca o local e um robusto carvalho ergue-se, ao lado.

“Os olhos de Israel”. Assim é carinhosamente chamado o Monte Hermon, ponto culminante do país, localizado no topo da Cordilheira do mesmo nome, entre a fronteira de Israel e a Síria. Assim denominado por causa de seus picos, é um dos principais centros de prática de esportes de inverno. Com 2.224m, foi o local escolhido para a implantação de um centro de lazer para turistas e amantes do esqui, pois a neve faz parte da paisagem natural da área de novembro a março, cobrindo de branco os picos do Hermon. De suas encostas, que degelam após o inverno, nasce o rio Jordão. Nos dias claros de verão, do alto das montanhas, tem-se uma das vistas mais belas da Galiléia. A região é apreciada também por outro tipo de turistas, além dos esquiadores: os observadores de pássaros. Por sua altura e a existente fauna e flora, é considerada uma das melhores áreas da região.
(mais…)

Continuar lendo O Monte Hermon

O quão grande é Hochma?

Olá crianças,

Durante o curso de Porto alegre, enquanto explicava sobre Hochma, um dos alunos me perguntou até que limite poderíamos ser capazes de imaginar o inimaginável de Hochma…

Para o leitor do Blog que ainda não está muito familiarizado com os termos que eu utilizo na Kabbalah Hermética, Hochma é a Segunda esfera de manifestação, que representa a Sabedoria, ou a Multiplicidade absoluta do Criador. Hochma é o princípio masculino, a gigantesca multitude da Onipotência. Hochma era representado pelo Zodíaco, enquanto as esferas abaixo dele possuíam atributos planetários. Em Hochma, “tudo pode” conforme os Pretos-Velhos nos ensinam… Mas como trazer estes conceitos para o mundo real?
(mais…)

Continuar lendo O quão grande é Hochma?

Hochma

Texto extraído do livro “A Cabala Mística”, de Dion Fortune
1. Toda fase de evolução tem início num estado de força instável e caminha, graças à organização, para o equilíbrio. Uma vez este alcançado, nenhum desenvolvimento posterior poderá ocorrer, se a estabilidade não for superada, dando início, mais uma vez, a uma fase de forças em conflito. Como já vimos, Kether é o ponto formulado no vazio. De acordo com a definição euclidiana, um ponto tem posição, mas não dimensões. Se, contudo, concebermos esse ponto movendo-se no espaço, ele se transformará numa linha. A natureza da organização a da evolução das Três Supremas está tão distante da nossa experiência que só podemos concebê-la simbolicamente; mas, se imaginarmos o Ponto Primordial que é Kether estendendo-se pela linha que é Hochma, teremos a representação simbólica mais adequada que seremos capazes de alcançar em nosso presente estágio de desenvolvimento.
(mais…)

Continuar lendo Hochma