Se7en, a origem dos Sete Pecados Capitais


Como hoje é meu aniversário, escolhi fazer uma pausa nos textos mais científicos envolvendo Plano Astral e Demônios para escrever alguma coisa mais leve, voltada para o conhecimento interior. Na verdade, um exercício interessante que vai ajudar a explicar a origem de certas palavras que todo mundo usa diariamente mas pouca gente conhece o real significado delas.
Falarei sobre os Sete “Pecados” Capitais e as Sete Virtudes.
Em primeiro lugar: ninguém nunca se perguntou qual a diferença entre os Dez Mandamentos e os sete Pecados Capitais? Porque os pecados, que a Igreja tanto fala e que são formas certas de levar uma pessoa para o tal do Inferno, mencionados na Divina Comédia (escrita por Dante Alighieri, um iniciado) não estão na bíblia em lugar algum?

Os chamados “Pecados Capitais” são originários da alquimia e das tradições iniciáticas muito antigas, remontando dos antigos rituais egípcios e babilônicos. Antes de começar, vamos usar a nomenclatura certa: DEFEITOS capitais.
Os defeitos capitais são em número de sete, diretamente relacionados com o avanço espiritual e estando cada um deles associado a um Planeta, de acordo com uma estrutura denominada “Estrela Setenária”.

ORGULHO

 

Defeito capital relacionado com o SOL e, na minha opinião, o mais difícil de ser destruído.
Em sua síntese, Orgulho é um sentimento de satisfação pessoal pela capacidade ou realização de uma tarefa. Sua origem remonta do latim “superbia”, que também significa supérfluo.
Algumas pessoas consideram que o orgulho para com os próprios feitos é um ato de justiça para consigo mesmo. Que ele deveria existir, como forma de elogiar a si próprio, dando forças para evoluir e conseguir uma evolução individual, rumo a um projeto de vida mais amplo e melhor. O orgulho em excesso pode se transformar em vaidade, ostentação, soberba, apenas então sendo visto apenas então como algo de negativo.
Outras pessoas classificam o orgulho como “exagerado” quando se torna um tipo de satisfação incondicional ou quando os próprios valores são superestimados, acreditando ser melhor ou mais importante do que os outros. Isso se aplica tanto a si próprio quanto ao próximo, embora socialmente uma pessoa que tenha orgulho pelos outros é geralmente vista no sentido da realização e é associada como uma atitude altruísta, enquanto o orgulho por si mesmo costuma ser associado ao sentimento de capacidade e egoísmo.

 

O Orgulho é um defeito muito traiçoeiro, justamente porque, conforme coloquei no parágrafo anterior, a maioria das pessoas não o enxerga como um “defeito”, mas como uma “recompensa” moral ou espiritual por um trabalho que executaram. Por esta razão, é muito mais difícil livrar-nos dele, pois, ao nos acostumarmos com a recompensa, nos sentimos inferiorizados se não somos “reconhecidos” por nossos feitos.
Em minhas palestras sobre alquimia, sempre coloquei o orgulho como o último (e mais complexo) dos defeitos a serem finalmente destruídos, pois, ao contrário da preguiça ou da raiva, por exemplo, que são (na minha opinião) mais simples de serem trabalhados, o orgulho está enraizado em nosso pensamento de uma maneira intrínseca. É muito fácil cair na tentação de, ao “final” do caminho, batermos com as mãos no peito como o Fariseu da parábola de Lucas ou nos sentirmos injustiçados caso ninguém “reconheça” nossa “evolução”.

Aprender a trabalhar a via interior como algo íntimo para nós mesmos (e não para mostrarmos aos outros) certamente é o primeiro passo para o desenvolvimento espiritual.

A virtude cardeal do Sol é a MAGNANIMIDADE. A capacidade de brilhar e iluminar os outros ao seu redor. A virtude de brilhar pelo reto pensar, reto falar e reto agir. Assim como o orgulho é o pior de todos os vícios, a magnanimidade é a maior de todas as virtudes.

São Thomas de Aquino determinou sete características como inerentes ao orgulho:
Jactância – Ostentação, vanglória, elevar-se acima do que se realmente é.
Pertinácia – Uma palavra bonita para “cabeça-dura” e “teimosia”. É o defeito de achar que se está sempre certo.
Hipocrisia – o ato de pregar alguma coisa para “ficar bem entre os semelhantes” e, secretamente, fazer o oposto do que prega. Muito comum nas Igrejas.
Desobediência – por orgulho, a pessoa se recusa a trabalhar em equipe quando não tem suas vontades reafirmadas. Tem relação com a Preguiça.
Presunção – achar que sabe tudo. É um dos maiores defeitos encontrados nos céticos e adeptos do mundo materialista. A máxima “tudo sei que nada sei” é muito sábia neste sentido. Tem relação com a Gula.
Discórdia – criar a desunião, a briga. Ao impor nossa vontade sobre os outros, podemos criar a discórdia entre dois ou mais amigos. Tem relação com a Ira.
Contenda – é uma disputa mais exacerbada e mais profunda, uma evolução da discórdia onde dois lados passam não apenas a discordar, mas a brigar entre si. Tem relação com a Inveja.

 

ACÍDIA (Preguiça)
Isto provavelmente quase ninguém entre vocês deve saber, mas o nome original da Preguiça é Acídia. Acídia é a preguiça de busca espiritual. Quando a pessoa fica acomodada e passa a deixar que os outros tomem todas as decisões morais e espirituais por elas. É muito fácil de entender porque a Igreja Católica substituiu a Acídia pela Preguiça dentro dos “sete pecados”! trabalhar pode, mas pensar não !!!
A preguiça está ligada diretamente à LUA. Mas você já devia ter desconfiado disso… qual o dia da semana onde sentimos mais as influências destas energias? Moonday.
A virtude cardeal relacionada com a Lua é a HUMILDADE. É necessário lembrar que estamos sempre falando em termos espirituais dentro da alquimia. Em sua origem, a Humildade (Humilitas) está relacionada a “fazer o seu trabalho sem esperar reconhecimento e sem esperar por recompensas”. Humilde não é sinônimo de “coitadinho”, de “idiota”, de “pobrezinho” e outras tolices que vocês foram forçados a engolir por causa da Igreja. Uma pessoa humilde não precisa (nem deve) ser um pateta. “Cordeiro Humilde” nas palavras de Yeshua significa “Aquele que tem as características de Áries e faz o seu trabalho sem esperar reconhecimento”. Bem diferente do coitadinho medíocre que a Igreja espera que você seja.

São Thomas de Aquino determina sete características como filhas da acídia.
Desespero – quando o homem considera que o objetivo visado se tornou impossível de ser alcançado, por quaisquer meios, gerando um abatimento que domina o seu afeto.
Pusilanimidade – covardia, falta de ânimo, falta de coragem para encarar um trabalho árduo e que requer deliberação.
Divagação da mente – é quando um homem abandona as questões espirituais e se instala nos prazeres exteriores, permanecendo com sua mente rondando assuntos do âmbito material.
Torpor – estado de abandono onde a pessoa ignora a própria consciência.
Rancor – ressentimento contra aqueles que querem nos conduzir a caminhos mais elevados, o que acaba gerando uma agressividade. Está relacionado à Ira. Posso ver muito de rancor em relação aos textos ateístas e outros textos religiosos mais fanáticos..
Malícia – desprezo pelos próprios bens espirituais, resultando em uma opção deliberada pelo mal. Está ligada diretamente ao materialismo e á Luxúria. Hoje em dia tornou-se sinônimo de sexualidade explícita.
Preguiça – a falta de vontade ligada aos esforços físicos.

 

IRA
Defeito capital ligado diretamente a MARTE, representado acertadamente pelos Deuses da Guerra. A ira é o mal uso da energia agressiva de marte. Ao invés de direcioná-la para o sexo ou para os esportes, a pessoa canaliza este excesso de energia para a destruição. “Faça amor, não faça a guerra”. Com tantas travas e tabus sexuais, não é de se admirar que fanáticos religiosos sejam tão violentos.
A Virtude cardeal relacionada com marte é a DILIGÊNCIA, ou seja, a capacidade de guiar a energia e a capacidade de produzir de maneira efetivamente produtiva.
São Thomas de Aquino determina seis características inerentes como sendo filhas da Ira:
Insulto – uma forma de violência verbal, na qual o interlocutor visa ofender ou agredir moralmente o atacado, atingindo algum ponto fraco para humilhar o outro.
Perturbação – agitação física e psíquica produzida por emoções intensas e acumuladas. Um dos maiores problemas na psicologia, a tensão das emoções acumuladas pode gerar todo tipo de problemas no organismo.
Indignação – sentimento de ira em relação a uma ofensa ou ação injusta.
Clamor – queixa ou súplica em voz alta, reclamação, gritos tumultuosos de reprovação. Quando a Ira extravasa de uma pessoa para um grupo, como se fosse uma entidade viva (na verdade, astralmente, o Clamor É uma entidade viva, manifestada pelas Fúrias).
Rixa – briga, desordem, contestação, tumulto. A Rixa tem ligação com o Orgulho
Blasfêmia – difamação do nome de um ou mais deuses. A Ira voltada para dentro de si mesmo.

 

INVEJA
Defeito capital ligado ao Planeta MERCÚRIO. Hoje em dia, as pessoas utilizam-se do termo “inveja” de maneira errada. Seu sentido original quer dizer “Caminhar segundo o passo espiritual de outra pessoa”. Ter inveja de outra pessoa é tomar seu próprio caminho com base nos esforços e resultados obtidos por outras pessoas. A Inveja como a conhecemos hoje é a parte material do defeito.
Por esta razão que a Virtude cardeal associada a Mercúrio é a PACIÊNCIA. A paciência é a capacidade de caminhar (espiritualmente) no seu próprio ritmo. Não é sinônimo de “lerdeza” ou de “calma” ou de “ir devagar”… ir devagar é para gente devagar! Ter paciência é ter a capacidade de avançar nos estudos iniciáticos no seu próprio passo.
São Thomas de Aquino determina cinco características inerentes como sendo filhas da Inveja:

Exultação pela Adversidade – Diminuir a glória do próximo. Por causa do sentimento de inveja, a pessoa tenta de todas as maneiras diminuir o resultado do trabalho e das glórias das pessoas ao redor.
Detração – Significa falar mal às claras. Possui os efeitos semelhantes aos do murmúrio, com as mesmas intenções, mas mais abertamente. A diferença entre os dois é que a detração está maculada pelo Orgulho de se mostrar como causador do dano.
Ódio – o efeito final da inveja: o invejoso não apenas se entristece pelas conquistas do outro e deseja o fim das glórias e objetivos alcançados pelo próximo, mas passa a desejar o mal sob todos os aspectos para aquela pessoa também.
Aflição pela Prosperidade – A tristeza pela glória do próximo. Ocorre quando não se consegue de nenhuma maneira diminuir as realizações da outra pessoa, então passa a se entristecer com o resultado das conquistas alheias.
Murmuração – Também conhecido como fofoca, consiste em espalhar mentiras, meias-verdades, distorções, mentira (associada à Avareza) ou fatos embaraçosos ou depreciativos em relação a outra pessoa, com o intuito de prejudicar o próximo.

 

GULA
A gula, como já era de se esperar, era uma característica do Planeta JÚPITER. Júpiter, como o benfeitor da astrologia, rege a fartura e a prosperidade. O defeito é a gula e a virtude é a caridade.
Oras… estamos lidando com Excessos. A Gula é absorver o que não se necessita, ou o que é excedente. Pode se manifestar em todos os quatro planos (espiritual, emocional, racional e material). Claro que a igreja distorceu o sentido original da alquimia, adaptando-a para o mundo material, então hoje em dia, gula é sinônimo apenas de “comer muito”.
A virtude relacionada a Júpiter é a CARIDADE. A caridade lida com a maneira que tratamos nossos excessos. Ao invés de consumi-los sem necessidade, os doamos para quem não os possui. A caridade não está relacionada apenas a dinheiro, mas também aos 4 elementos da alquimia (espiritual, emocional, racional e material). Esta coluna, por exemplo, faz parte dos meus projetos de caridade intelectual.

São Thomas de Aquino determina cinco características inerentes como sendo filhas da gula:
Loquacidade Desvairada – a desordem no falar, o excesso de palavras atrapalhando e causando confusão mental. Está relacionada ao elemento Ar.
Imundície – aparência desleixada devido à falta de higiene por estar preocupado em demasia com a obtenção de excessos. Não tem o mesmo significado desta palavra em nosso vocabulário moderno, onde imundície quer dizer apenas “excesso de sujeira”, mas sim uma imundície espiritual, ligada à falta de cuidado com o corpo físico por conta dos excessos.
Alegria Néscia – desordem do pensamento e das emoções através do descontrole da vontade, muito associada ao ato de beber. Ligada ao elemento Água.
Expansividade Debochada – O excesso de gesticulações e movimentos do corpo ao comunicar, causando tumulto e desordenação.
Embotamento da inteligência – obstrução da razão devido ao consumo desordenado de alimentos.

 

LUXÚRIA
Defeito capital ligado ao Planeta VÊNUS, quer dizer em seu sentido original “deixar-se dominar pelas paixões”. Em português, luxúria foi completamente deturpado e levado apenas para o sentido físico e sexual da palavra, mas seu equivalente em inglês (Lust) ainda mantém o sentido original (pode-se usar expressões como “lust for money”, “lust for blood”, “lust for power”). A melhor tradução para isso seria “obsessão”. A luxúria tem efeito na esfera espiritual quando a pessoa passa a ser guiada pelas suas paixões ao invés de sua racionalidade. Para chegar ao auto-conhecimento, é necessário domar suas paixões (vide a representação do Arcano da Força no tarot!).
A virtude associada a Vênus é a TEMPERANÇA (do latim temperatia), ou a virtude de quem é moderado.

São Thomas de Aquino determina 8 características inerentes como sendo as filhas da Luxuria:
Cegueira da Mente – é aquela que nos impede de ver os acontecimentos, situações e ações ao nosso redor. A pessoa fica tão entregue às suas paixões que não consegue raciocinar nem intuir a respeito do mundo ao seu redor.
Amor de Si – faz com que a pessoa feche seus sentimentos para dentro de si mesmo, gerando um amor egoísta que segundo Thomas de Aquino é a origem de todos os outros pecados.
Ódio de Deus – com a vontade dominada pelas paixões, o indivíduo abandona a busca espiritual para se dedicar aos afazeres prazerosos mundanos, esquecendo sua busca por Deus no processo. Do esquecimento, estas paixões acabam se tornando ódio ao criador e a todo o mundo espiritual.
Apego ao Mundo – Os vícios e as paixões criam no indivíduo um apego ao mundo e aos seus desejos e ambições, desviando totalmente o foco espiritual de sua missão.
Inconstância – deixar-se dominar pelas paixões faz com que o indivíduo se torna inconstante, balançando sua dedicação à Grande Obra para dedicar-se às perseguições dos prazeres mundanos.
Irreflexão – Quando as paixões cegam o indivíduo, ele fecha-se a todo estímulo externo ou interno, procurando apenas satisfazer seus instintos, sem refletir nas conseqüências de seus atos.
Precipitação – da mesma forma, a urgência em saciar seus apetites e prazeres gera no indivíduo uma precipitação em agir sem pensar, tomando ações e atos sem o devido pesar.
Desespero em relação ao mundo futuro – os atos mal pensados ou não-pensados causam tantos problemas ao indivíduo que o levam a uma situação de desespero em relação ao seu futuro, quando se vê obrigado a encarar os resultados de suas ações.

 

AVAREZA
A Avareza (avaritia) é o defeito capital relacionado ao planeta SATURNO. Caracteriza-se pelo excesso de apegos pelo que se possui. Normalmente se associa avareza apenas ao significado materialista, de juntar dinheiro, mas sua manifestação nos outros elementos (espiritual, emocional e mental) é mais sutil e perniciosa. A avareza é a origem de todas as falsidades e enganações.
A virtude associada ao planeta Saturno é a CASTIDADE, ou a pureza dos costumes. Do latim Castitas, quer dizer “de sentimentos puros”. Normalmente a associação errada de “sentimentos puros” com a palavra “castidade” usada da maneira incorreta leva à associação de “abstinência sexual feminina” com “pureza”, esquecendo que esta pureza é Espiritual. A Mãe de Jesus que o diga.

São Thomas de Aquino determina sete características inerentes como sendo as filhas da Avareza:
Mentira – Ao procurar para si coisas que não lhe pertencem, o avaro pode se servir do engano. No desespero para não perder o que possui ou adquirir mais coisas que realmente não necessita, o avaro pode apelar para a falsidade. Se este se verificar através de simples palavras, caracteriza-se a mentira, mas se for através de juramento, então está classificada como Perjúrio.
Quanto ao engano em si: se for aplicado contra outras pessoas, classifica-se como Traição, se for em relação a coisas, classifica-se como Fraude:
Inquietude: Excesso de afã para juntar para si gera excessivas preocupações e cuidados.
Violência: Ao procurar para si bens alheios, o indivíduo pode se servir da violência, tamanha a ganância que possui, ao ver seus desejos negados pelo outro. O sentido esotérico se perdeu e violência hoje em dia é sinônimo de agressão, descaracterizando a razão causadora da agressão.
Dureza de Coração: O excesso de apegos pelo que se tem produz a dureza no coração, pois não permite à pessoa usar de seus bens para socorrer aos irmãos. Para se ser misericordioso, é necessário saber gastar seus bens excedentes.

Lição de Casa:
Utilizando-se da estrela Setenária, São Thomas de Aquino afirma que a bondade divina era tão grande que para cada Defeito Capital existiam DUAS virtudes que poderiam ser utilizadas para combatê-lo. Assim sendo, basta seguir as pontas da estrela para as virtudes associadas dos planetas opostos e meditar sobre quais virtudes podem ser utilizadas para combater os sete pecados capitais.

Este post tem 53 comentários

  1. Libano

    Ótimo texto! Muito bom mesmo!
    Estou lendo justamente “A Divina Comédia” e este texto contribui bastante para o entendimento hehe….aliás Tio, vc já fez algum post sobre Dante?

    Ah e parabéns pelo aniversário!

    Grande abraço

    PP

  2. Luiz Filipi

    Marcelo,

    Veja se meu raciocínio é coerente:
    Pecado na verdade seria o uso exagerado de qualquer uma dessas qualidades supracitadas por você, e que até nos pecados capitais “puros” sendo usados com moderação podem ser algo de “bom”. Por que vejo as caridades , num contexto maior, opostas aos pecados. Os pecados por si só podem produzir virtudes dentro desse cosmo dividido em 2 polaridades, o que nos remete a Lei da Polaridade de Hermes Trimegistro, onde TUDO tem seu oposto e por fim é a mesma coisa e também do conceito de bem e mal dentro de cada ser. Claro isso evoca a “materialização” do pecado como uma “entidade’. E essa regra pode ser aplicada as “virtudes”.

    Por favor verifique se há consistência e desculpe-me se eu estiver muito errado, espero pelas correções necessárias pois apenas sou um novato por essas terras ocultas.

    Obrigado pelo espaço

    1. Luiz Filipi

      Caridades=virtudes heheh

  3. Igor R,

    Marcelo, já que estamos falando de Dante, posso deixar aqui uma animação para o deleite de todos?
    Uma belíssima animação baseada na primeira parte da obra clássica de Dante, Inferno – A Divina Comédia, feita para o jogo que infelizmente não saiu para PC, Dantes Inferno. Não é um curta, tem 1hora e meia de duração e merece ser visto.

    http://www.megaupload.com/?d=SY9F3WA7

  4. Bruno Mais

    Esse post ,os do orixás e a série de hermetimo são os clássicos do blog!
    [ ]’s

  5. Andrey

    Como é que a pessoa faz aniversário e doa um presente tão bom quanto esse? Parabéns MDD !

  6. André

    Pra deixar claro: A gente tá falando de moderação, medir, esses defeitos. Ou extingui-los?

    @MDD – Os defeitos já são excessos e desequilíbrios, então a resposta à sua pergunta é: Extingui-los.

  7. Ghabriel

    Ah mdd, vc deu a resposta 🙁

    mas segue , mesmo assim 😀

    orgulho = humildade / castidade
    luxuria = castidade / caridade
    inveja = caridade / diligência
    acídia = diligência / magnanimidade
    avareza = magnanimidade / tempêrança
    gula = tempêrança / paciência
    ira = paciência / humildade

    abraço fraterno

  8. bruno

    já comecei a lição! heheheheh

  9. darkbass04

    Então é daí que vem o ditado, transformar o chumbo em ouro…… hmmmmmmm

  10. D

    Interessante como nunca o homem é livre. Quando ele deseja deixar de lado a busca por alguma evolução espiritual para viver algo mais material, dizem-lhe que está sob o efeito de um defeito, e que é inferior por conta disso ¬¬

    Interesso-me pela evolução espiritual, certamente, mas não vejo porque sou obrigado a ficar obssecado por ela, assim como pelos outros assuntos. E é justamente isso que todos parecem estar dizendo a todo instante.

    Talvez nossa sociedade seja luxuriosa. O homem é sempre estimulado a se obssecar. Obssecar-se por trabalho, por dinheiro, por imóveis, por seguir algo ou alguém, por fazer exercícios, por gastar o tempo….

    Como se chega a um destino de aprendizagem, sem antes aproveitar a viágem de ida ?

  11. Moscadeprata

    Parabéns pelo seu aniversário! Tá aqui na terra ao que, uns 38 anos já? heuheuehuehue abraços

  12. Ghabriel

    MDD, Impressão minha ou a imagem de INVEJA tá dando pistas sobre um possível algo mais ? Me parece existir uma lembrança de fauno + serpente = lucifer, prometeus, etc (…)

    🙂

    abraço fraterno.

  13. Eduardo Oliveira Rocha

    Legal esse texto Marcelo, mas ficou umas dúvidas.
    Por exemplo, você fala que devemos vencer esses defeitos capitais para conseguir uma elevação espiritual…mas, qual é a vantagem de se obter elevação espiritual? Conseguiremos ser mais felizes assim? Ou mais inteligentes?
    Qual é o problema de se entregar aos defeitos capitais? Por exemplo, uma pessoa avarenta no sentido do dinheiro…o que ela perde não sendo casta?
    E qual o problema em receber o reconhecimento das pessoas? Acredito que o ser humano, por ser um ser que vive em sociedade, acaba construindo seu ego com base na sua convivencia…por exemplo, uma pessoa honesta é honesta pois recebe o reconhecimento de seus pares…pois então, se assim não fosse, qual a vantagem de ser honesta?Ou qual a vantagem de ter essa ou aquela virtude?
    Outra coisa… a virtude associada a avareza é que deveria ser a caridade, né?

    @MDD – 1) Uma pessoa evoluída não é honesta porque tem medo de ir pro inferno ou acumular Karma… Esta é toda a diferença.
    2) Não, caridade é como você gerencia as benesses de Júpiter; o que você faz com os excessos.

    Eu dei uma de joão sem braço em algumas dessas perguntas, mas gostaria sinceramente receber suas respostas…

    1. Guest

      É possível que o medo, como fator determinante nas escolhas ético-morais, traduza algum sinal de evolução?

  14. Jiovane

    Bom… eu não sei se eu entendi direito, mas doer não vai se postar minha opinião aqui…

    como foi dito cada pecado(planeta) possui uma virtude, e tambem segundo a estrela de São Thomas de Aquino está ligado a outros 2 pecados (planetas).

    a minha relação de “pecados” e virtudes está aqui

    orgulho = magnanimidade / humildade

    acídia = humildade/diligencia

    ira = diligencia/paciencia

    inveja = paciencia/caridade

    gula = caridade/temperança

    luxuria = temperança/castidade

    avareza = castidade/magnanimidade

    Eis minha opinião, abraço a todos.

  15. Carolina

    Esses defeitos capitais tem alguma relação com os níveis dos seres humanos?

  16. Eduardo oliveira Rocha

    Resposta à resposta do post 16

    Você disse que o que faz uma pessoa ser honesta é que ela age honestamente, mas não para ir para o inferno. Então o que faz com que uma pessoa aja honestamente?

    Eu respondo: a vontade de alimentar seu ego, com o pensamento “Eu estou certo”. ou de alguma forma achar que está no caminho certo, de dar valor a sua vida. Ou ainda o pensamento de que, se ela agir honestamente, as outras pessoas DEVERÃO agir honestamente, ou seja “Eu faço a minha parte agindo honestamente, então espero que as pessoas ajam honestamente comigo para não se prejudicarem.”

    Veja, no fim, o que move uma pessoa a agir honestamente ou agir com bondade ou a agir com caridade, ou a agir com quaiquer desses valores que você citou pelo tópico é o interesse em si mesmo.

    Por exemplo, no caso da caridade: o que faz com que uma pessoa aja dessa forma, para com uma pessoa miserável é simplesmente um mecanismo imaginativo em que ela se coloca no lugar da outra pessoa, se coloca no mesmo estado de miséria, e resolve ajudar A SI MESMA, ou como no exemplo anterior, alimentar seu ego com o pensamento “Eu sou uma pessoa boa”.

    @MDD – Não. A virtude da Humildade consiste em fazer o que é certo sem esperar louros ou reconhecimentos de ninguém, nem esperar comportamento semelhante daqueles que estão mais atrasados na escala evolutiva espiritual. Isso que voce descreveu acima ainda está muito abaixo do que chamamos de “pessoas evoluídas”. Uma pessoa evoluída não precisa se definir como “uma boa pessoa” simplesmente porque um iniciado está acima deste tipo de qualificação: ele faz o que a sua Verdadeira Vontade determina, e isto está de acordo com a evolução do todo. A descrição que voce colocou é basicamente apenas materialista, de alguém que não tem nem noção de que a estada aqui no Planeta é apenas temporária e de aprendizado e, para isso, precisa ficar se validando ou validando suas ações o tempo todo.

    Reforça isso, o filósofo alemão Friedrich Nietzsche, que diz que não existem ações altruítas. Isso mesmo. ninguém faz nada para ajudar o próximo, apenas a si mesmo, e si contenta com a idéia de que está seguindo a lei cósmica, seja do(s) Deu(ses) ou mesmo a lei cósmica de que “O que você fizer, volta para você”, que aliás é um dos princípios do ocultismo, segundo você (devo ter lido em algum post).

    Lei essa questionável, visto que não é possível comprová-la cientificamente. Ao contrário, o que se vê no mundo são a predominância de seletos grupos de indivíduos em detrimento de outros (seja nos campos científico, econômico, político…). De modo que a regra é a injustiça.

    @MDD – De maneira nenhuma… a Lei do karma é ridiculamente fácil de ser comprovada cientificamente. Da próxima vez que for a um restaurante, faça o seguinte: sorria para o garçon, dê bom dia a ele e seja extremamente gentil… observe comos erá o seu tratamento. Na vez seguinte, escolha outro graçon, humilhe-o, grite com ele e seja estúpido quando fizer o pedido. Veja o que acontecerá com a sua comida… Isto demonstra acima de qualquer dúvida razoável a lei de causa-e-efeito. Efeitos mais longos (de uma encarnação para outra, por exemplo) são mais complexos de serem medidos, por falta de instrumentos adequados enquanto estamos encarnados.

    Então, você diz que as pessoas que cometem injsutoças e não ajudam as pessoas, vão ser punidas segundo a lei de “Você colhe o que planta”, se não enssa vida, será na outra. De certa forma, esse é um pensamento a respeito da retribuição muito comum em todas as religiões ( que também não tem provas concretas). Para entender a origem desse pensamento vou contar uma história:

    @MDD – Novamente, Karma não é um princípio religioso, é uma reação física que pode ser comprovada materialmente (se eu empurro uma pedra, ela se move). Mentalmente, emocionalmente ou espiritualmente, as leis da física seguem a mesma regra: uma ação mental causa uma reação mental, uma ação emocional causa uma reação emocional e uma ação espiritual causa uma reação espiritual). O tempo de resposta é que pode variar (exemplo, se eu coloco uma pedra sobre um apoio que esteja fraco, ele pode demorar 1 dia, 10 dias, 100 dias até que outras causas façam com que, finalmente, aquele apoio ceda e a pedra caia. Do ponto de vista mental, emocional ou espiritual, funciona da mesma maneira… os resultados podem demorar a se manifestar (às vezes se manifestando apenas em outra vida, o que também não tem nada de religioso ou sobrenatural nisso, como os leigos/crentes/ateus pensam). Não existe credi-karma… pode-se explodir uma bomba e matar pessoas sem que se esteja ali para sofrer as ações danosas da mesma… porém, investigações podem (ou não) chegar até você e fazer com que você seja punido, e muitas vezes a punição não chega a ser proporcional ao dano causado… nos Planos mental, emocional e espiritual funciona da mesmíssima maneira, e não tem absolutamente NADA de mágico nisso, apenas leis físicas aplicadas a planos de vibração mais sutis ou mais densos.

    Era uma vez um povo que vivia dominado por outros povos no oriente médio (acho). Uma dominação seguida da outra. Era um povo que experimentou um apogeu, mas agora era fraco. Os povos dominadores (principalmente um deles, que mais se destacou na história), louvava os atributos da força, do poder, e da dominação. Os heróis, os fortes, seriam recebidos nos campos elísios, os comandantes, apesar das atrocidades que faziam com os outros povos, era vistos como heróis. Aos fracos e não destacados, era destinados destinos menos favorecidos na cultura desse povo. Mas de forma geral, eles acreditavam que o que deveria ser vivido, tinha que ser feito agora e não numa improvável pós-vida.

    Enfim, esse contexto foi favorável para um surgimento, por parte do povo dominado, de uma nova filosofia de vida. Uma filosofia que pregava a negação de todos os valores culturais dos povos dominadores. Esses novos valores falavam que os povos dominadores eram maus. Que a eles, na verdade,seria reservado punições num local imaginário muito desagradável. Que a força, a dominação e o poder eram coisas ruins. Baseado nisso, valores como a humildade, igualdade foram promovidos. Mas isso não deixa de ser a filosofia criado pelo povo fraco e dominado por não suportarem a reaidade. Com base nisso eles desenvolveram uma metafísica em que as pessoas que seguiam esses novos valores eram recompensadas, e as pessoas que não seguiam esses novos valores eram punidas. Isso aconteceu em muitas religiões, mas as religiões antigas tinham ainda essa visão elitista e dominadora (não estou dizendo que isto é bom ou ruim, estou tentando ir além do bem e do mal).

    Essa interpretação nega a própria vida como ela é. A vida é dominação, e celebração, não negação da força, do poder e da dominação.

    Continua no proximo post…to com medo do meu pc cair, e perder o texto digitado…

    @MDD – Não faz muito sentido porque o povo forte (os egipcios, já que voce nao mencionou) TAMBÉM valorizava a (nada improvável e muito menos imaginária) vida após a morte. O questionamento era de se existiam ou não deuses que manipulavam estas decisões (e a resposta é não… deuses existem apenas como figuras alegóricas de emoções e sentimentos humanos). O ateísmo ainda gasta tempo demais com falácias de espantalho, acreditando que as filosofias espiritualistas ainda se baseiam em textos do século XIX.

  17. Eduardo oliveira Rocha

    Capítulo II (brincadeira, heheheh…)

    Enfim, negação da vida. Sem charminho: claro que você deve ter enxergado na história, o cristianismo como a nova filosofia, os romanos como dominadores, e os judeus como dominados.

    Negação da vida. Isso é que o cristianismo é. isso reflete em sua cultura: isolamento das freiras , da contemplação, do jejum, do flagelo, da redenção pelo sofrimento, da culpa (culpa cristã), da privação sexual. Você observa? Todos esses valores negam a vida como ela é. Negam a celebração, a força, a dominação, o prazer, o sexo…tudo em prol de uma idealização, de uma satisfação numa pós-vida improvável, por que eles não conseguiram se satisfazer aqui. ” Amor a Deus”. Ao invés de celebrar a dominação, temos de freiar nossos impulsos, dados a nós mesmos pela natureza, freiar nossa vontade sexual, dados também pela natureza, e agirmos com base na castidade, etc, etc.

    Mas isso tudo não começou com o cristinaismo. Platão, em suas idéias, já pregava essa metafísica. Ele conta a lenda de um herói ( que esqueci o nome) que desce para o mundo dos mortos (isso parece ser uma atividade comum nos heróis gregos) e encontra o julgamento divino: os bons eram recompensados e iam para o paraíso sugados por um buraco no céu, e os maus eram punidos num lugar, através de um buraco na terra ( conhece algo similiar?) E todo mundo no mundo antigo aprendeu isso…foi um pensamento filosófico muito comum, que o cristianismo herdou. E tudo por causa de que? Porque Platão não suportou o julgamento de Sócrates, condenado como inimigo da sociedade grega, e que também pregava o embrião desse pensamento metafísico. Ele queria um lugar em que Sócrates fosse recompensado pelo seu “Amor à filosofia”.

    Metafísica, baby. A crenças em coisas que não existem a fim de suportar teorias a respeito da moral, a respeito de como o homem deve se comportar no mundo físico. Muitos filósofos andaram por essa vereda. Na verdade esse pensamento de Sócrates e Platão influenciaram toda a filosofia ocidental. E segundo Nietzsche, essa foi a desgraça do mundo ocidental, pois originou o pensamento cristão de negar a vida.

    @MDD – Mas e se voce constata empiricamente que algumas destas coisas que “não existem” existem? comofas? Claro que eu concordo com voce a respeito da celebração da vida. Isto faz parte de todas as religiões pagãs, independente de pós vida ou não. Ficar esperando como cordeirinhos em busca de “uma próxima vida melhor” só faz sentido para as massas ignorantes, que acabam manipuladas justamente nesse ponto “pague o dízimo e seja feliz depois, que eu vou ser feliz agora com o seu dinheiro”. Um ocultista, como agnóstico, tem de estar preparado para a existencia de um pós vida OU para a não existência de um pós vida. Eu posso dizer que tanto faz quem esteja certo, eu terei aproveitado 100% do planeta. Se houver algo depois, estou preparado; se não houver, tive uma vida que valeu a pena ser vivida. ESTE é o verdadeiro sentido em se estudar Alquimia.
    Esta história de “não há provas de reencarnação” é uma falácia, e das toscas. Existem dezenas de milhares de cartas psicografadas, contatos mediúnicos, relatos e textos de contatos com pessoas que já desencarnaram, para não precisar mencionar o Chico Xavier e outros (fora as entidades em centros de Umbanda/Candomblé). Eu acompanho os tais “céticos” há anos e só vejo besteiradas ali. Palpites e idéias leigas, ignorantes e preconceituosas… as refutações estão uns 200 anos atrasadas (outro dia um sujeito lá postou algo sobre “Kardec ser racista”, um texto que se o infeliz tivesse um conhecimento mínimo, teria visto que já foi refutado 60 anos atrás, por exemplo). Ninguém fez nenhuma pesquisa a fundo, nenhum deles sequer visitou um centro, não há nenhuma pesquisa a sério sobre este assunto. Seguem praticamente os mesmos tipos de dogmas dos crentes, só que na negação.

    A dominação, a força, o orgulho, a soberba, não são defeitos…são qualidades, que se tornaram defeitos (” pecados capitais”) devido a filosofia dos fracos, dos dominados, dos invejosos, dos que não coneguiram dominar.

    A própria vida nos mostra isso. As árvores não choram porque uma pessoa está sendo injustiçada. A natureza, os céus, a terra, os mares, são indiferentes aos problemas morais dos seres humanos. O resultado de seguir uma filosofia que nega a própria natureza, os próprios desejos humanos é um só: hipocrisia. Você não irá se tornar melhor por negar os pecados capitais. Para melhores informações, consulte:

    Humano, Demasiado Humano, um Livro para Espíritos Livres.
    Assim Falou Zaratustra, um Livro para Todos e para Ninguém
    Genealogia da Moral, uma Polêmica
    O Crepúsculo dos Ídolos, ou como Filosofar com o Martelo
    Todos de Nietzsche. Só li alguns.

    Enfim…É essa a conclusão da filosofia…como o ser humano se comportar é um problema moral, criado para regular a sociedade, e para dominar os outros, nada mais.

    Parabéns por esse site, tenho lido vários artigos, porra, tá massa…

    Porra, deu trabalho digitar o texto..será que valeria a pena um comentário seu?

    @MDD – O satanismo de orkut prega exatamente o que vc afirmou. Quem pode mais chora menos… É uma filosofia de quem está extremamente atrasado em consciência, mas reflete, como voce disse, as leis da natureza (e a sociedade, no geral). Isso é o que estudamos nas Qliphoth, as cascas vazias das Esferas Divinas. E neste ponto eu discordo… as pessoas se tornam melhores ao destruírem seus defeitos capitais.

    1. thibas

      preciso fazer uma observação…eduardo, isso que você descreveu é o catolicismo, não cristianismo…

      acredito que o verdadeiro cristianismo vc encontra em escolas filosóficas, não em igrejas e religiões

    2. Marcos

      A popularidade de Nietzsche se deve ao suporte que ele dah aaqueles que simpatizam com a lei do forte. Expõe a origem da culpa e fornece base teórica para os que querem se orgulhar do próprio egoísmo e da própria amoralidade. Acho curioso como os fãs de Nietzsche, em geral, nao sabem citar qualquer outra leitura. Nietzsche tritura tudo. Bacana. Mas nao vejo muito sentido se nao se sabe exatamente o que ele estah triturando.
      Nada contra a lei do forte. Longe disso. Mas o que se faz com a forca eh opcional. O orgulho pelo desprezo ao fraco nao eh bacana. De qualquer forma, Nietzsche soh faz sentido numa perspectiva eminentemente material do mundo. Aí a discussão eh de fundamentos. E, bem dito, o ateu confunde a critica aa religiosidade com a critica aos mediadores. A igreja católica pode merecer todas as criticas e censuras. A idéia de deus ou de reencarnacao nao tem nada que ver com isso. Um bom filosofo no mínimo exploraria a forca e o poder explicativo dessas idéias. Mesmo que soh como hipóteses. Simplesmente nega-lãs eh marca de quem precisa reduzir a própria perspectiva para se sentir seguro dentro do seu sistema conceitual.

  18. thibas

    @MDD – […] pode-se explodir uma bomba e matar pessoas sem que se esteja ali para sofrer as ações danosas da mesma… porém, investigações podem (ou não) chegar até você e fazer com que você seja punido, e muitas vezes a punição não chega a ser proporcional ao dano causado… […]

    se a “punição” pode ou não chegar até vc e se chega, pode ou não ser proporcional, estão a definição de karma como lei de causa e efeito é uma definção falha…

    @MDD – Mas o karma como descrito pelos espíritas kardecistas É uma versão falha (“simplificada” seria um termo melhor) da Lei de Causa e Efeito. Não é como eles imaginam do tipo “eu furo seu olho, depois vou nascer cego na outra vida” por exemplo. Existem MUITAS variáveis e muitas novas causas e efeitos acontecendo dinamicamente o tempo todo. A somatória é perfeita, mas a maneira como tudo vai acontecer é muito mais caótica do que os espíritas querem fazer acreditar.

    1. thibas

      não seria melhor usar uma versão não falha nos seus comentários/respostas? pq neles não fica claro que a coisa não funciona na base do “eu furo seu olho, depois vou nascer cego na outra vida”

      todas as experências, cada fato, cada instante, que passamos na vida aqui servem unicamente para nos ensinar o que ainda não conseguimos enxergar…acho que a grande maioria das pessoas aqui entende isso. vc não vai passar por experiências nas quais o ponto que se tem para ser aprendido com elas vc já aprendeu, já tem dentro de vc (exceto qdo vc passa unicamente para ajudar o outro, mas diria que isso ainda é muito muito raro)…seria desperdício…e o universo não desperdiça…

      as experiências veêm para nós de acordo com aquilo que somos, não com aquilo que fizemos…

      então vc poderia dizer que karma é o processo que faz com que vivenciemos somente as experiências das quais temos algo a aprender, e não repitamos as experiências já aprendidas e resolvidas…se vc concordar com isso, óbvio…

      simples assim…matou 25.000 passoas durante a vida…prestes a morrer, com um esforço homérico atinge a iluminação (exemplo besta, mas não impossível)…acabou..na próxima encarnação não vai nascer deformado, nem eunuco, nem sem cabeça..isso se ainda voltar…se voltar vai ser só pra ajudar provavelmente…

      1. HiroNakamura

        thibas,

        Penso que seja algo mais do que o simples “aprendi a lição” posso fazer o que quiser agora, eu diria que mesmo Jesus ao realizar seus “milagres”, estava gerando um certo tipo de karma, pois manipulava a matéria para tal, com a diferença que ele tinha plena compreensão de seus efeitos e como trabalhá-los.

        Toda ação gera uma consequência, porém as leis karmicas não são um algoritmo, com resultados exatos, é uma “lei” dinâmica e inteligente. Devido a sua complexidade sobre-humana e mesmo por nos faltar uma visão sobre-humana, é válida a simplificação a título de entendimento inicial.

  19. Eduardo oliveira Rocha

    Obrigado por ter respondido meu post

    De certa forma o que você fala aqui pode refutar muito da filosofia que é aprendida na academia, muito do que eu mesmo aprendi, visto que a filosofia interpreta o mundo apenas com o que se vê neste plano e você fala de coisas que não podem ser detectadas nesse plano ( ou podem, seilá). Isso significa que, se for verdade o que você disse, a filosofia tem esudado apenas parte das coisas até hoje.

    @MDD – Cada pessoa vai pensar dentro do seu grau de entendimento. O maior problema é que todas as discussões filosóficas que eu vi fora das Ordens Invisíveis esbarra em falácias de espantalho… discutem sobre o entendimento que um pensador de 3.000 anos atrás tinha sobre o que ele observava, e não sobre o que está sendo pesquisado e descoberto hoje no campo do hermetismo. Cito a Astrologia, porque é um exemplo bobo e fácil de entender… nos “acadêmicos”, simplesmente refutam sem pensar, afirmando que é absurdo que planetas influenciem pessoas (e claro que é!)… e ai começa a falácia: Este pensamento está uns 200 anos atrasado. Ele é fruto de um debate sobre idéias medievais, não sobre o que conhecemos do funcionamento da Astrologia hoje (Hermética, nem vou entrar no (des)mérito dos charlatões, picaretas e horóscopos de jornal). Mas o lado academico parou no tempo. Fecharam as “conclusões” e assumem automaticamente (quase como um dogma) que qualquer um que diga qualquer coisa a respeito do tema é um picareta. Filosofar é pensar sobre o mundo. Se o mundo evolui e as pessoas se recusam a discutir sobre novas hipóteses, então não dá para dizer que é filosofia.

    A história que eu descrevi tem lógica. Não é minha, Nietzche a usa para explicar a formação do cristianismo.

    Realmente ela é do século XIX, mas para a academia ela ainda tem lógica, apesar de todo sistema filosófico ter suas falhas. De certo modo, é também uma possível explicação para as idéias que você disse. Mas me chamou a atenção o conceito de Verdadeira Vontade. Como comprovar sua existência? Quais livros falam a respeito? Que sistema de moral ela segue? Por que, as ciências mundanas, com osociologia e filosofia, explicam o comportamento humano com base na moral… Não entendo muito de ocultismo, o que me impede de continuar essa discussão. Então uso o que eu sei um pouco que é a filosofia.

    Agradeço pela atenção, e obrigado pelo mapa astral. Quando eu olhei a primeira linha do mapa, e estava escrito :” Você é um filósofo…” Eu pensei: “Putz”…

    @MDD – Eu que agradeço por voce ter tido a mente aberta para ir testar ANTES de emitir opiniões. E agora? será que eu acionei todos os meus contatos maçônicos e pesquisei TODA a sua vida e preparei uma ‘leitura fria” em 2 dias com todos estes aspectos? será que o mapa é “genérico” e serve para qualquer pessoa? seria uma coincidência gigantesca? (teoria dos grandes números… o mapa é todo chutado e 1 em 1 milhão de donos de mapa seriam filósofos, e calhou de ser voce)… isso em UM mapa… e quando voce começa a examinar 5, 10, 20 mapas (ou 700, no meu caso) e vê que todos eles possuem graus de acerto muito grandes e muito além do que poderia ser explicado pelas teorias mais usadas pelos “céticos” (essas que eu listei acima: leitura fria, generalização e coincidência), o que um pesquisador de verdade faria? o que um filósofo faria?

  20. Vinicius

    Friederich Nietzsche: 15 de Outubro de 1844 Se tiver jeito de fazer um mapa desse cara….

    rapaz, taí um debate que eu queria ver há tempos, as ideias do Nietzsche e o ocultismo.. gostaria de acrescentar a lista do Eduardo (excelentes questionamentos) outros dois livros: O Anticristo, que é bem divertido e é a visão do cara sobre as origens do cristianismo, e intragável Além do Bem e do Mal, bem mais complexo, formando um par com o Genealogia do Moral.

    Aproveitando o comment: Eu não sei qual a intimidade que O FN tinha com o ocultismo e as virtudes herméticas e tal (ele foi amigo do maçom e talvez-mais-alguma-coisa Richard Wagner), mas pelos dois livros dá pra ver que ele só acreditava no mundo cão materialista. Basicamente a visão dele sobre o cristianismo é a de que Jesus era um idiota (no sentido grego do termo) que levou ao extremo a noia epicurista de evitar a dor, criando o “Reino dos Céus”, um estado de espírito baseado no amor incondicional a qualquer coisa, uma especia e anestesia em relação ao mundo externo. Mas o gado que o seguia não soube interpretar isso, e quando mataram o cara inventaram as mais absurdas e ridículas teorias a respeito (que inclusive duram até hoje). Daí dizer que o único cristão morreu na cruz.

    Depois São Paulo foi quem matou de vez o cristianismo original, deturpando tudo o que podia na doutrina. Na minha opinião ignorante essa ideia faz mais sentido que a do Paulo cabalista good guy. As cartas de Paulo são o que há de mais repulsivo no novo testamento, e daí que vem uns 98% da doutrina católica/evangélica: sexo como pecado, mulher independente como pecado, roupas curtas como pecado, vida como pecado (e Sermão da Montanha que é bom, nada) bem como o dogma mais execrável do cristianismo, de que só se salva aceitando Jesus…hmpf.. prefiro o inferno…

    Mas enfim, na ideia do cara, foi o cristianismo adulterado, com o ressentimento impotente que criou toda a apologia a essas virtudes: humildade, caridade, ajudar quem precisa… eles que inventaram … uma reversão de valores total que foi o fruto da ascensão da tschandala ao poder em Roma. A vingança dos excluídos.. e realmente não estamos acostumados a ver isso antes… as virtudes dos faraós eram outras; poder, dominação… humildade? Caridade? Magnanimidade? Hmm acho que não com os núbios…

    E se levarmos a filosofia dele para qualquer coisa que exista hoje, tudo é negação da vida… o espiritismo por exemplo seria só uma xaropada pra aliviar a dor de quem ta se lascando na Terra, e pra isso deve-se sacrificar a vida…. só que talvez ele nunca tenha ido a um terreiro e só estivesse mesmo a fim de xingar o mestre Kant…

    Mas volto a recomendar os livros do cara, especialmente esses acima que foram os únicos que li. Claro que é preciso ter força de vontade e estômago, coisa que nunca tive… o duro é que quando se lê direito coisas assim, você percebe que não sabe de nada, que nada é certo…nem ciência, nem experiência a realidade é só o que existe sem precisar de um sujeito.. tudo o mais é invenção/interpretação nossa… (coisa que tbm já ouvi muito aqui no TdC)

  21. Henrique

    Bom @mdbb,primeiramente, obrigado por abrir portas,estou a dois dias estudando tópicos no site e me sinto livre de seis anos de cativeiro,tenho 19 anos e desde que saí do mundo do culto evangélico,me senti desamparado por falta de informações e não por falta de pesquisas,dois momentos que marcaram meu tempo de busca foi quando ganhei o livro ” O MUNDO DE SOFIA ” aos 16 anos e agora que seu site veio até mim,ele junta imagens que antes estavam fragmentadas a minha visão.Hoje participar mais do mistério que é o ritual da vida.

    Com muito respeito.
    Obrigado.

  22. AZAERATH

    BOM EM PRIMEIRO LUGAR GOSTARIA DE ME DESCULPAR PELO MEU ANALFABETISMO NOVAMENTE EU GOSTARIA DE DIZER QUE EU ACHEI BEM INTERESSANTE SUA MATERIA DE ASSOCIAR OS SETE PECADOS AO SETE PLANETAS E LOGICAMENTE AOS SETE DIAS MAS EU GOSTARIA QUE VOCÊ ME ESPLICACE ALGUMAS ASSOCIAÇÕES DIFERENTE QUE EU ENCONTREI BOM HA UMA ASSOCIAÇÃO OCULTISTA QUE ASSOCIA LUCIPHERES O ARCHANGELOS DO ORGULHO A VENUS E UMA KABBAHLISTICA QUE ASSOCIA BELPHEGOR O DAEMON DA ACÍDIA AO SOL E LILITH DEUSA ORGINAL DA LUXURIA A LUA TAMBEM ACHEI OUTRA ASSOCIAÇÃO QUE RELACIONAVA BEELZEBUBTH ( BAEL ) DEUS DA GULA COM VENUS BELPHEGOR COM MARTE E O ODIO OU IRA COM JUPITER
    VOCÊ PODERIA ME DIZER O PORQUE DESSAS ASSOCIAÇÕES ?

  23. AZAERATH

    OBERVAÇÕES IDIOTAS PRIMEIRA ALGUMA DAS ASSOCIAÇÕES DE DEMÔNIOS PECADOS E PLANETAS QUE EU LHE DISSE ( PODE RIR POR EU TER ESCRITO DIZER COM Z ) EU ACHEI EM DIGIMON ( ACREDITE SE QUISER DIGIMON E UM ANIME BEM PHILOSOPHICO )
    SEGUNDA EU LI A SUA DISCURSÃO PHILOSOPHICA COM EDUARDO OLIVEIRA ROCHA E REFLETI ALGO SOBRE DEUS

    SINCERAMENTE SE DEUS REALMENTE EXISTIR ELE TENQUE SER MUITO PARECIDO COM O MESTRE YODA ( STAR WARS ) OU COM O DOHKO DE LIBRA MESTRE ANCIÃO DE SAINT SEIYA ( CAVALEIROS DO ZODIACO )

  24. Delilian

    Oi Marcelo,

    Não consigo enxergar uma maneira de extinguir todos os pecados.
    Acho que se és humano estás fadado a eles e ficarás sempre a merce deles, viverás com eles e morrerás com eles(ou talvez por causa deles).
    Você pode lutar contra, reprimilos, e talvez assim consiga algum “avanço espiritual”.
    Acho que até os “seres iluminados” (Jesus, Buda) tiveram que lutar contra seus pecados. Se conseguiram extinguilos nunca saberei, ou se morreram com eles, pois afinal eram humanos.
    No teu post escreveste que o orgulho, para você, é o mais difícel de ser destruído. Bom para mim o mais difícel é a preguiça (=P).
    Acho que cada um tem seu pecado, e suas virtudes … cada um é diferente, indivíduo.
    No início do ano eu coloquei como meta me livrar dos meus pecados (parece bobo isso… mas), tenho trabalhado nisso o ano todo, mas não tem jeito não … não consigo vencer a preguiça. Parece que ela sempre está presente, vc luta, as vezes ganha, mas nunca derrota por completo. O que me leva a conclusão que realmente não podemos vencer nossos pecados. Eles fazem parte de nós, assim como nossas virtudes. Ou me diga sinceramente que tu conseguiu vencer teu orgulho.
    Talvez eu tenha procurado lutar contra isso de maneira errada. Pois bem, eu nao sou uma ocultista, nao sou iniciada… nao sei fazer ritual da cruzseilaoque.
    Eu estava fazendo uma pesquisa na internet sobre as cruzadas e por acaso encontrei o teu site e comecei a ler alguns posts. Esse assunto (e alguns outros =P) sobre os 7 pecados me interessou, pois como falei tenho trabalhado nisso desdo inicio do ano.
    Eu gostaria mesmo de encontrar alguém que possa me dizer concerteza que extinguiu todos os seus pecados.

    Parabéns pelo site … é um ótimo trabalho que estás fazendo. =)

    @MDD – nao consegui, e volta e meia apanho de todos os outros seis também…mas não desisti.

    1. Cássia

      Olá Marcelo,

      Li os posts a respeito dos sete pecados e desculpe-me, mas fiquei meio feliz de saber que você ainda apanha deles(pecados) e que continua tentando destruí-los..rsrs
      Porque fiquei feliz? Ora, para sentir que sou humana, sou falha, e como todos que aqui neste planeta estudam, estou sujeita a lições, ás vezes muito difíceis e outras vezes bastante fáceis. E que este estudo vai além da minha compreensão básica de consciência.
      Há acontecimentos em minha vida que tento explicações lógicas do tipo (ação/reação) Mas não encontro o elo perdido. Tento com muito esforço lembrar-me das lições da alma, às vezes até consigo alguns resquícios de memórias ,lugares nunca visitados que me parece familiar, situações que parece já vividos, pessoas que me envolvem sem fazer nenhum esforço…e por aí vai…
      Até hoje não parei para ler com calma o meu mapa astral. espero fazer isso nas minhas férias. Assim que obtiver uma visão mais consciente, voltarei a te contatar..
      abraços,

  25. Zagan

    Ótimo texto! Gostei muito!
    Bom, eu sei que o que vou falar não tem nada a ver com esse assunto mas vou falar mesmo assim tenho 14 anos, e moro numa cidade pequena onde a maioria das pessoas são seguidoras do cristianismo e não acho nenhuma associação de ocultismo nem de hermetismo aqui que possa me ajudar na minha busca por uma religião que eu posso seguir depois de muito tempo preso ao cristianismo, então decidi procurar as informações por conta própria. Acabei de ler a Divina Comédia e agora estou lendo “O Livro de Toth”, “ABC do Ocultismo” e algumas outras obras magníficas que apreciei muito. E eu tenho uma dúvida: Eu encontrei um livro na casa da minha avó chamado “As Brumas de Avalon” e acabei por lê-lo. Gostei muito dele e fui buscar informações sobre ele e me disseram que tem muito em comum com o Ocultismo e com o Hermetismo…eu queria saber se é verdade, porque eu poderia basear meus estudos nesse livro também. E eu queria saber se você conhece alguma associação de Ocultismo na região de Campinas =)

  26. Frederico

    Cara… o Sincronismo que venho testemunhando e experimentando há algum tempo, por si só, já teria transformado minha vida de forma absurda. Mas, a-há!- este parece ser apenas a ponta do iceberg! Obrigado, chapa!
    Lendo os comentários, senti necessidade de “divulgar” 2 grandes pensadores:

    “O homem que apenas crê e não procura refletir esquece-se de que é alguem constantemente exposto à dúvida, seu mais íntimo inimigo, pois onde a fé domina, ali também a dúvida está sempre a espreita. Para o homem que pensa, porém, a dúvida é sempre bem recebida, pois ela lhe serve de preciosíssimo degrau para um conhecimento mais perfeito e mais seguro”. (Carl Jung)

    “…antes de ler o livro que o guru lhe deu, voce tem que escrever o seu”. Raul Seixas, in Todo mundo explica (tesão de música!0

  27. Dan20

    Nessa.. Jesus Cristo foi o único que conquistou as 7 virtudes logo de cara. E por isso “subiu aos céus”.

  28. Ricardo

    Provérbios 6:16-19. Aqui estão os pecados.
    “Estas seis coisas o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina: (1) Olhos altivos, (2) língua mentirosa, (3) mãos que derramam sangue inocente,(4) O coração que maquina pensamentos perversos, (5) pés que se apressam a correr para o mal, (6) A testemunha falsa que profere mentiras, e (7) o que semeia contendas entre irmãos.”
    São pecados, essa história de capital é invenção de católico.
    Certamente esses “pecados capitais” têm uma origem mais oculta e antiga que esta popularmente divulgada.

  29. Andre

    Olá, MdD.
    Relendo esse post fiquei com uma dúvida: a Humildade soa melhor como o oposto do Orgulho.

    @MDD – Procura pela Estrela Setenaria e você verá que a Humildade é uma das duas maneiras de derrotar o Orgulho (a outra é a Castidade). A VIRTUDE do Sol é a magnanimidade (que por si só, também derrota o Orgulho…

    Retirando do próprio texto do post:
    “Orgulho é um sentimento de satisfação pessoal pela capacidade ou realização de uma tarefa.”
    “a Humildade (Humilitas) está relacionada a “fazer o seu trabalho sem esperar reconhecimento e sem esperar por recompensas””

    Você poderia me explicar esse porque? Ou me indicar um livro onde possa estudar isso mais profundamente?

    @MDD – Os textos de Sao Thomas de Aquino.

  30. Lúcio

    Oi Marcelo,
    Relendo este post me chamou a atenção para a Ira:
    “na verdade, astralmente, o Clamor É uma entidade viva, manifestada pelas Fúrias”.
    Isso me lembrou o Sandman, no arco “Entes Queridos”, quando as fúrias são manifestadas a partir do ódio de Lyta.
    É possível que uma pessoa invoque as fúrias para se vingar de alguém? O tio poderia explicar um pouco mais sobre o clamor?
    Pax et lux ex tenebris

  31. Toni

    MDD, sei que esse post é meio old, mas vou tentar do mesmo jeito:

    Em que livro, ensaio, artigo, etc. você achou essas definições de São Thomas de Aquino sobre os pecados?

    @MDD – A maior parte destas descrições está no “Summa Theologica” e no “De Malo”.

  32. Phyrexiano

    MDD, seria então a Oração de São Francisco uma ‘busca’ pela magnanimidade?

  33. Lagos Enfileirados

    Feliz aniversário nesse 9 de setembro… dois anos depois.

  34. evaldo maia

    existe uma estrada, bem sinalizada pela “Vaidade”, que leva à batalha contra o Orgulho; vencê-lo, é outra história…
    a Vaidade é materialmente perceptível, pode ser encontrada e confrontada com mais facilidade…
    ao derrotar a Vaidade, terás mais força para enfrentar teu Orgulho!
    rs…
    mas é sério, essa eu aprendi com Eliphas Levi, no Grande Arcano! funciona que é uma beleza(-não-vaidosa)! hehe..

    Paz e Luz a todos!

  35. Tomás

    Creio que esse trecho do Tao Te Ching descreve muito bem o defeito do orgulho e a virtude da magnanimidade.

    Quem se ergue na ponta dos pés
    Não pode ficar por muito tempo.
    Quem abre demais as pernas
    Não pode andar direito.
    Quem se interpõe na luz
    …Não pode luzir.
    Quem dá valor a si mesmo
    Não é valorizado.
    Quem se julga importante
    Não merece importância.
    Quem se louva a si mesmo
    Não é grande.
    Tais atitudes são detestadas pelos poderes celestes.
    Detesta-as também tu, ó homem sapiente.
    Quem tem consciência da sua dignidade,
    De ser veículo do Infinito,
    Se abstém de tais atos.

    Tao Te Ching – Verso 24

  36. Kauê Rodrigues

    “I’m gonna fight them off! A Seven Nation Army coudn’t hold me back!”

  37. Marcel

    MDD, manda pra lista de textos por onde começar!!

  38. Pedro

    Olá, MDD

    por que será que muitas de nossas meditações, sobre os defeitos e virtudes, não conseguimos expressar com palavras e mais com imagens ou situações que já nos ocorreram?

  39. Daniele

    Um dos textos mais completos e mais esclarecedores que já li.
    Realmente a sincronicidade é incrível e falávamos justamente sobre os defeitos nos estudos do Centro Espírita que frequento. Porém não se tinha falado das virtudes da maneira que foi colocado aqui.

    Obrigada pelo texto Marcelo! Vou pesquisar mais sobre as virtudes e tenho certeza que isto enriquecerá meus estudos e dos irmãos do grupo!

    Muita paz!

  40. Leonardo

    Marcelo, encontrei alguns fragmentos idênticos ao deste texto, no que se refere à gula, no seguinte link de um site que trata das ciências ocultas, mas com uma ótica talvez um pouco diferente da sua. Achei que você gostaria de saber o que andam copiando do seu site por aí, se é que não foi você a copiá-los(ahahaha).

    @MDD – O texto do site católico é de 2017, o meu é de 2009, o que vc acha?

  41. cernuno

    Tava fazendo falta esse texto

Deixe uma resposta