Por quê Kether e Malkuth estão sobrepostos?

Olá Crianças,
Muitos de vocês já viram os desenhos tradicionais das Árvores da Vida conectadas, onde o Kether da Árvore de Baixo se conecta com um Malkuth de uma Árvore acima e assim por diante, mas você já parou para pensar o que isso significa? A explicação que encontramos nos livros tradicionais é a de que 10=1+0= 1 e, portanto, 10=1, mas isso é apenas uma simplificação do que representa esta “junção” de Árvores e de como esta união das infinitas Árvores da Vida forma o que chamamos de Sexta Dimensão.

Em diversas mitologias, os estudiosos compararam o tecido da realidade a um tecido de pano, que pode ser costurado, fiado e cortado por entidades como as Moiras, Parcas, Erínias e outras… não por coincidência todas representações de Daath, o CONHECIMENTO. Hoje vamos compreender o que isto realmente significa na prática.

Se já entendemos que cada pessoa é uma Árvore da Vida Completa, que envolve todos os atos de sua vida e todas as suas realizações, e que pode ser enxergada tanto VERTICALMENTE como a Jornada do Herói Pessoal no qual começamos como profanos em Malkuth e nos iniciamos nos estudos herméticos em Yesod, desenvolvemos nossa razão e emoção em Hod e Netzach até encontrarmos nossa Verdadeira Vontade em Tiferet; realizamos nossa Grande Obra até nos tornarmos Magos, a “Casa de Deus”, Beit, no qual realizamos em terra a vontade dos céus… mas também podemos enxergar o Caminho da Pomba, no qual temos uma idéia em Kether, escolhemos qual das infinitas maneiras de retratar esta idéia faremos em Hochma e Binah; estudaremos todo o Planejamento e orçamento e recursos desta idéia em Chesed e Geburah até termos a IDÉIA PERFEITA em Tiferet. a partir disto, realizamos o melhor racional e emocionalmente em Netzach/Hod até gestarmos o produto em Yesod e o apresentarmos como matéria em Malkuth…

Este último parágrafo deve ter dado um nó em quem ainda não foi meu aluno ou está aguardando ansiosamente o Livro de Kabbalah Hermética, mas garanto que assim que você conseguir compreender o quebra-cabeça que estas duas Árvores representam, você enxergará o Universo com novos olhos!

Retornando ao raciocínio e utilizando este texto de internet como exemplo: Eu, Marcelo Del Debbio, depois de 40 anos acumulando todo tipo de vivência únicas e pessoais, formei toda uma Árvore da Vida completa que pode ser chamada de “Marcelo Del Debbio”. TODO este entendimento de como enxergo o mundo está em BINAH, no MEU BINAH, que representa a “cerca” que limita todo o meu entendimento do universo, que é algo único (por exemplo, eu não sei absolutamente NADA a respeito de parto de elefantes, motor de carro de fórmula 1, escalação de times de futebol, enredo de novelas ou perfuração de poços de petróleo no Ártico…) são coisas que existem em HOCHMA, na Totalidade, mas que apenas fragmentos mínimos dessa Sabedoria chegam até dentro da minha cerca (eu sei que a gestação de elefantes possui semelhanças a humana e de outros mamíferos, como aprendi na escola; eu sei que motores de carros de F-1 funcionam por explosão e o princípio básico, mas não sei consertar um radiador furado… sei que são 11 jogadores e os reservas e cada time usa um uniforme diferente no futebol, e que existem campeonatos… já vi imagens de perfuradores de petróleo e por ai vai…) temos VISLUMBRES de Hochma dentro de nossa “cerca” de Binah.

Dentro desta minha seleção de Entendimentos da Realidade, eu decidi escrever um texto no blog a respeito de Kabbalah. Planejei em Chesed e medi quanto isso ia me tomar em tempo e trabalho em Geburah e cheguei a idéia de como este texto ficaria perfeito (Tiferet). Sentei agora de tarde na frente do laptop e digitei todas estas palavras que você está lendo, gestando este texto em Yesod e finalmente, quando terminei de apertar a tecla [Publicar], este Texto está em MALKUTH…. chamamos este processo de “Árvore Horizontal”, porque apesar de ser uma árvore COMPLETA, eu, com mais de 20 anos como escritor, já produzi centenas e centenas de textos no blog. CADA Texto no Blog obedeceu EXATAMENTE este diagrama dentro da minha Árvore Pessoal.

Continuando o raciocínio, podemos entender que eu, Marcelo Del Debbio, escritor cuja Verdadeira Vontade é escrever sobre Kabbalah, possuo dentro da minha Árvore milhares e milhares e milhares de pequenas Árvores… algumas boas, algumas uma porcaria, algumas excelentes, algumas qliphoticas… mas cada trabalho gerado cria sua própria Árvore e tem seu próprio MALKUTH.

Agora vamos olhar para você, leitor ou leitora que está com os olhos neste parágrafo agora. Você é sua própria Árvore da Vida, resultado das suas vivências únicas e pessoais, que possui sua própria “cerca” no seu próprio BINAH de limitações (talvez você seja um veterinário e saiba fazer um parto de um elefante, ou seja um mecânico e saiba desmontar e montar um motor de F-1 ou talvez saiba a escalação completa de todos os times do campeonato paulista!). Sua cerca de realidade é obviamente MUITO diferente da minha. Quanto maior nossas cercas, maior as áreas que conseguiremos nos fazer entender. Quando você lê estas palavras, todo o conhecimento que passei neste texto se torna SABEDORIA (Hochma) onde o meu Malkuth (este texto) encontra o seu Kether (seu cérebro) e você tenta interpretar este texto.

Ai temos o ABISMO.

Eu acredito que só uns 10% dos leitores nesta altura do campeonato consigam entender realmente tudo o que escrevi acima. Mas não tem problema, este texto é realmente mais complexo do que os que eu normalmente coloco por aqui. Entender este texto requer o conhecimento do que seja cada Esfera e do que elas representam. Se você acabou de começar a estudar kabbalah, palavras como “Geburah” ou “Tiferet” soam alienígenas e incompreensíveis. Tendo o Aleph-Beit (alfabeto) correto, você conseguirá fazer a passagem da Sabedoria de Hochma para o ENTENDIMENTO do seu Binah pessoal… tudo o que você não conhecer ficará para trás no Abismo de Daath. Isto posto, podemos concordar que se você imprimir este texto e mostrar para 100 pessoas na rua, cerca de 99 não terão a menor idéia do que você está mostrando para elas; algumas nem entenderão a gramática ou o que o texto quer dizer. Uma fração minúscula atravessará a “cerca” do Binah destas pessoas… por outro lado, se você levar este texto a uma sinagoga, 100% dos rabinos vão entender (mas vão falar para você que esse negócio de “kabbalah hermética” não existe, que só eles que sabem a verdade). Se você levar este mesmo texto para um grupo de estudos de kabbalah no facebook, uma quantidade bem maior de gente terá as chaves para entender o que está escrito aqui, e assim por diante… de um fazendeiro no interior de Minas Gerais ao Aleister Crowley, CADA pessoa diferente do planeta que ler este texto entenderá uma porcentagem diferente dele, de uma maneira diferente.

fractal

Então temos uma conexão infinita de Árvores da Vida! Meu texto (este MESMO texto que todos vocês estão lendo!) será interpretado milhares de vezes e passará por milhares de filtros até o final do dia… Meu Malkuth se tornará a fagulha de Kether que entrará na Árvore de milhares de pessoas em Hochma (inclusive você, que está lendo isso agora) e, ao mesmo tempo, só no decorrer deste dia, você entrará em contato com centenas de Malkuths de centenas de pessoas diferentes (filmes, livros, músicas… tudo isso é o Malkuth da produção de diversos profissionais que estão em suas jornadas por suas próprias Árvores também). Este entrelaçamento é chamado de Wyrd, ou o “Tecido”. E assim conseguimos entender a razão pela qual é DAATH que traz a representação das Nornes que lidam com esta dimensão.

Se você gostou do texto mas ainda achou ele muito complicado, vou lembrar que esta é a última semana para apoiar o Livro de Kabbalah Hermética no Catarse. Marque este texto nos seus favoritos e eu prometo que, em 90 dias, quando você já tiver lido sobre o assunto, toda a realidade fará muito mais sentido para você.

Este post tem 20 comentários

  1. Gustavo

    Esse paragrafo final ficou igualzinho ao final da conversa do oráculo com o Neo em Matrix…”prometo que se comer esse biscoito se sentirá muito melhor.” =) ahuahaua

  2. Marcus

    Isso se assemelha ao que Spinoza diz da natureza das individualidades.

    E também a natureza da matéria, somos formados de células, que são formadas de moléculas, que são formados de átomos e assim vai até o infinitamente pequeno. Quando aumentamos formamos planetas, que formam sistemas solares, que formam galáxias, e assim vai até o infinitamente grande.

    Assim temos uma relação de 0/0 = infinito/infinito = 1.

    É muito difícil mesmo, até para estudiosos de magia que sejam mais ortodoxos, mas nada que um pouco de Descarte, Pascal, Spinoza, Hiparco, Nietzche e Planck, não resolvam.

  3. Victor

    Muito bom o post, lembrou os antigos do TdC, o livro vai ser vendido depois pra quem não conseguiu apoiar?

  4. Oliver

    Obrigado pelo texto, muito legal mesmo. Mais ou menos uns 90% foi para o meu Binah, kkk!

  5. Bárbara

    Daath fez todo sentido depois desse texto. Sensacional!

  6. Cleiton Vidal

    Ótimo texto.Será possível comprar o Livro de Kabbalah Hermética pela loja da Daemon ou por outras lojas ou só pelo financiamento mesmo?

    @MDD – Vai dar para comprar pela http://www.lojaderpg.com.br mas sem os prêmios gratuitos das metas.

  7. LN

    Lembrei do conceito de cadeia operatória, muito utilizado na arqueologia, que parte de um princípio/sabedoria/vontade imaterial para construir (?) a chamada cultura material.

  8. Fabio

    Salve Deldebbio.
    Acho que agora que eu entendi porque você parou de escrever tanto no blog e se dedicou a colocar os cursos na internet.
    Eu to há algum tempo esperando esse tipo de texto seu, mas só agora eu entendi porque ele não vinha. Antes eu não ia entender nada!
    Obrigado pelos cursos e pelas chaves que agora eu tenho para compreender melhor as coisas. Já estou aguardando o livro de Kabbalah Hermética.
    Uma pergunta, você pretende continuar com alguns posts nesse estilo? As desculpas pro povo não entender estão acabando.

  9. Daniele

    Não entendi completamente o texto por não saber exatamente o que cada esfera representada na Árvore significa. (embora deu para ter uma breve ideia, tenho noção como o estudo é muito maior que esta ideia vaga)

    Porém, foi muito claro de entender que cada pessoa é uma Árvore completa (“Temos todo um Universo dentro de Nós”), e é incrível a conexão de um Universo (Árvore) com o outro.

    Lindo também saber que com o meu conhecimento, seja em que área seja, seja o menor que seja, também pode fazer parte da Árvore de alguém.

    Afinal, somos todos partes de um Grande Universo que gosto de ver como uma escola, trocando experiências e aprendendo.

    Obrigada pelo texto, Marcelo. Como, disse no início embora não dê inda para saber tudo, esclareceu bastante meu pensamento sobre o tema.

  10. Marcos

    Na minha compreensão a Kabbalah é uma escala que vai do plano mais abstrato do universo/homem, para o mais concreto.

    É como se em Keter só houvesse energia potencial, e em Malkut essa energia está completamente cristalizada e materializada, mas se você decompor a matéria de Malkut você chegará a percepção que o mundo é feito de elementos abstratos “congelados”.

  11. Marlon

    E não é que graças ao curso de Kabbalah Hermetica do eadeptus consegui entender tudinho, assim como tbm utilizar a arvore da vida pra estruturar e organizar os diversos fractais da minha vida e tirar o melhor proveito dela. =P

    Thank YOU Sr. Del Debbio =D

  12. D

    O texto faz algum sentido, mas eu vejo mais como o malkuth de uma árvore se conectando com o Daath de outra do que com o Kether.

    Afinal, o cérebro e o ilimitado pessoais já existiam e continuam existindo antes do seu texto chegar às pessoas, e não são enigmáticos nem tem que ser decifrados, podendo ser portais para energias vazias.

    Se o seu texto chega à minha árvore do conhecimento como um código que pode ser portal para outras árvores e que está entre Chockmah e Binah, mas não é exatamente chockmah e binha, podendo inclusive ser algo inferior a Binah, no caminho da sacerdotisa, isso me parece mais com o malkuth do seu texto do que cm o meu kether (cérebro).

  13. Listen

    Muito bom. Estou começando a compreender Kabbalah. É difícil entender por causa dos nomes das Sephiroth. Sempre achei que Kabbalah era magia abra cadabra. Infelizmente minha mentalidade pseudo-cética me privou de muita coisa relacionada ao ocultismo. Também é o caso de Astrologia e Alquimia.

  14. Faah

    São tantas ideias que vem lendo um texto assim, mas a q me deixou mais abalado foi lembrar do discurso do Steve:

    “You can’t connect the dots looking forward; you can only connect them looking backwards. So you have to trust that the dots will somehow connect in your future.”

    Realmente não tem como conectar os pontos tentando olhar para frente. Malkuth do Marcelo chegou em nossos Kether, mas daqui pra frente ngm consegue conectar os proximos pontos. Apenas qdo atingir nossa verdadeira vontade vai dar para olhar para tras e pensar “putz tava tudo ligado!”

    É incrivel, ansioso pelo livro

  15. PeX

    Cara… Sem muito estudo da minha parte, consegui entender tranquilamente seu texto. Mas acho que somente porque eu já pensava nisso desde muitos anos. Estamos todos ligados direta ou indiretamente.
    Assim como células compõem órgãos, que compõem corpos e, estas mesmas células, contêm organelas que são feitas de materiais que um dia já foram o solo do ambiente que o corpo se movimenta, ou mesmo a água que este mesmo corpo usa para se nutrir.
    Em se tratando de matéria, eu sou o universo e o universo sou eu, junto com tudo o que há nele e o que há em mim. Certamente que em se tratando de “matéria” astral, mental, etc, acontece o mesmo.

  16. William

    Então Daath representaria nosso inconsciente ???

    1. Cian

      Representa conhecimento.
      O formato de seu da’ath filtrará e moldará seu entendimento.

Deixe uma resposta