O Martinismo

Nos faz meditar, profundamente, o brado de alerta de uma das maiores inteligências contemporâneas, a do filósofo francês Jean François Revel, que no discurso intitulado “Elogio da virtude”, proferiu na Academia Francesa de Letras, na sessão de encerramento do ano de 1998, perante as mais destacadas figuras representativas do mundo cultural e científico da Europa, finalizou-o, assustadoramente, com as seguintes palavras : “… Para além de todos os limites até agora conhecidos, o século 20 foi o século do vício. Nossa civilização democrática não se perpetuará e não se estenderá, se no século 21 não for o século da VIRTUDE”.

Mas o que é virtude …

Platão a chama de ciência do bem. Aristóteles, o hábito de dirigir a nossa conduta pela inteligência; os estóicos, a disposição da alma que, durante todo o decurso da vida, está de acordo consigo mesma; Malebranche, o amor da ordem; Kant, a força moral pela qual obedecemos às ordens da razão.

Comparando todas estas definições, vê-se que a virtude implica essencialmente duas condições : o conhecimento do dever e uma disposição firme e constante de praticá-lo.

Os antigos reuniam toda a Moral em quatro virtudes, que denominaram de virtudes cardeais, isto é, preeminentes ou principais, em torno das quais giram todas as outras ou das quais dependem as outras. Estas qualidades viris ( virtutem) eram : Sabedoria, Coragem, Justiça e Temperança. Foram posteriormente classificadas como : Temperança, Fortaleza, Prudência e Justiça.

Após esses esclarecimentos iniciais, os Martinistas, em razão de sua condição de buscadores da verdade, no caminho ascendente em direção ao Grande Arquiteto do Universo, praticam e cultuam a Virtude, combatendo, como se fossem inimigos mortais, a hipocrisia e a traição, defendendo a Virtude e a Inocência, contra a violência, o engano e a calúnia.

Lutam ardorosamente e sem desfalecer jamais nesta empresa, em favor da Liberdade, do Direito e da Livre Manifestação do Pensamento e da Palavra; defendem a Sabedoria contra a superstição; tem por principio o Amor aos semelhantes, por base a Ordem e por fim o Progresso .

As sete virtudes que devem praticar : Sinceridade, Paciência, Coragem, Prudência, Justiça, Tolerância e Devotamento.

O Martinista tem como premissa de vida, o Amor ao Grande Arquiteto do Universo, e o Amor ao seu próximo.

O Amor Martinista é, com efeito, muito mais do que uma virtude de ordem moral, é o Amor no sentido cristão, como dele falam São João e São Paulo, realização do conhecimento, participação direta do Absoluto.

A fé e a Caridade, unindo-se a todos os homens na comunhão do Amor, procuram tudo o que pode contribuir para a reabilitação da humanidade.

O mal desaparecerá sobre a Terra, uma vez que a humanidade seja remunerada pela lei do Amor, uma vez que todos os homens se amem a si mesmos, graças à propagação pelo Martinismo das doutrinas de Fé, Esperança, de Caridade e de Amor fraternais que constituem a Verdade.

O Martinista tem a mais ampla visão relativamente aos seus deveres para com os seus semelhantes. O seu Amor por eles aumenta porque sabe que é somente pelo Amor que a humanidade poderá aniquilar as tiranias, destruir as intolerâncias e fazer desaparecer os fanáticos, sejam eles de ordem política ou religiosa.

A lei do dever induz a prática do Bem; fazer o Bem é dever do Martinista e ele deve ser praticado sem visar recompensa nem futura nem imediata.

Para o Martinista o dever deve ser cumprido porque é o dever; ele não se limita aos bens materiais; o auxilio em forma de bens perecíveis; mas o apoio de todo irmão deve a seu irmão, que é um imperativo absoluto; não se pode fazer parcialmente um bem; ele é completo e total.

Esse, também, foi o espírito da Cavalaria; e se no passado, tantos nobres como plebeus, leigos e religiosos, deram a sua própria vida pelo ideal da prática do Bem, merecem seguimento. Finalmente os Martinistas são os Cavaleiros do século 21, que devem praticar e difundir as virtudes morais, para que todos tenham a oportunidade de, seguindo o caminho do meio, talvez, neste novo Milênio, se aproximar do Absoluto.

Pelo irmão Sarih SI, no fantástico site Hermanubis.

Este post tem 38 comentários

  1. Daniel Diego (Rrollisso)

    que seja ovacionado após sinceras e verdadeiras palavras…explicita a definição de como devemos agir, não só em contexto do “plano material”, mas sim Universalmente, pois isso esta determinado e assim deve ser, como todas as leis que regem o unvierso…

    Bélissimo post ^^

  2. Daniel Diego (Rrollisso)

    Ahhhhhh……..a bandeira do Brasil? ela de certa forma representa “o olho de horús” e esta ligado a ao citado “Ordem e Progresso” , pois e lógico que varios países foram influenciados por ordens íniciáticas….? Só pa aprofunda…..Orion esta determinantemente ligada a isso ja que, bom pelo menos aqui em casa ela esta otalmente vísivel recobrindo o céu?……

    Valew pela atenção…att

    1. Rizzelli

      Lamento, mas a bandeira nacional nada têm a ver com o Olho de Hórus ou qualquer símbolo iniciático. Essa associação de ideias é meramente especulativa. A única bandeira que tem origem totalmente iniciática é a bandeira do Estado de Minas Gerais. As razões ocultas por trás dessa bandeira cabem somente aos mineiros conhecer. Como não sou mineiro, nada sei sobre isso, mas em conversas com ir.’. de lá, foi-me explicado que o dito popular “o mineiro age em silêncio” guarda um importante aprendizado para todos nós, brasileiros. Somos um povo falador, uma sociedade de falantes. Com meia-hora no Rio de Janeiro, todo gaúcho se cansa – uma brincadeira regional, é óbvio – mas ninguém discorda do importante trabalho maçônico realizado em Minas Gerais. Dizem que ninguém dá certo na terra dos mineiros, se não tiver o apoio deles. Nem a criminalidade. O PCC não consegue entrar naquele Estado, “não há apoio da polícia, que é cheia de ir.’.”, como disse um jornalista.

  3. Daniela

    Realmente algo notavel. DD há algo sobre eles, movimento, onde encontrar, pela net?

  4. thibas

    “[…] por base a Ordem e por fim o Progresso.”

    não me são estranhas essas duas palavras…rs

    1. Rizzelli

      Não é o que parece, sob as aparências. Ela é apenas a fusão e evolução gráfica do símbolo imperial português com a bandeira do império brasileiro. Por outro lado, a frase que invocas é do positivista Auguste Comte. Essa frase pouco diz atual,te, pois está ultrapassada. O positivismo comteano é a identidade do séc. XIX, que, portanto, situa a imagem e conscoêncua de mundo na modernidade e no modernismo. Desde os anis 60, o mundo vive em outro paradigma, o da pós-modernidade e do pós-modernismo, que é refratærio ap tecnicismo e à obediência da modernidade e das tolices com intuito de dominaçao do positivismo. Isso foi responsável por duas grandes guerras.Os Rosacruzes trouxeram, finalmente,a pós-modernidade, que acaba com a autoridade, o autoritarismo e, por consequencia, com a tirania e ditadura.

    1. Rizzelli

      O site Hermanúbis é sincrético, somente isso. Não é o lugar ideal para começar no martinismo. Há muitos artigos bastante ingênuos e fantasistas.

  5. Marcos Ganine

    Relancionando as virtudes cardeais com os elementos, seria correto afirmar?

    Terra (Sabedoria, Prudência),
    Fogo (Coragem, Fortaleza),
    Ar (Justiça),
    Temperança (Agua).

    Tambem interessante é esse trecho que encontrei no link em seguida:

    “O número 4, segundo Pitágoras, representa a justiça pois 4 corresponde a soma de dois números pares e iguais (2 + 2)”

    http://www.algosobre.com.br/sociofilosofia/as-4-virtudes-cardeais.html

    (:

  6. thomaZ

    Interessante… (direi algo não ‘exatamente’ sobre isso mas….)
    DD, um homem que conheço, maçom, disse que um maçom já é um maçom antes mesmo de pertençer a uma loja ou saber nada sobre isso. O que eles’ fazem é apenas iniciá-lo, para que ele tome consciencia disso ou sei lá oq… bom, isso me foi interessante também… Acredito que ele disse isso baseado no modo de agir e pensar do homem em questão, sei não.

    >>>Pergunta: Se um homem já é iniciado regularmente pelo Rito Brasileiro ou qualquer outro, como ele faria pra frequentar uma loja do REAA ou qualquer outro? Pode-se iniciar em um Rito mesmo já sendo iniciado em outro Rito, ou não há necessidades? E se for da vontade dele, poderia se iniciar em mais de um Rito… Eu não pertenço à maçonaria, e pensei na possibilidade de o sr. me dar essa luz… Isso é meio confuso pra quem se interessa pelo assunto e “tá de fora”…
    Obrigado

    @MDD – Uma vez maçom em loja regular, ele pode frequentar qualquer rito. No Brasil, existem 6 ritos regulares: REAA, York, Adonhiramita, Schroeder, Brasileiro e Escoces Retificado (ou Moderno). cada rito tem suas particulariedades e caracteristicas, e o seu grau até 3 é reconhecido em todos os ritos. a imensa maioria dos maçons conhece apenas o seu próprio rito, outros, como eu, gostam de conhecer e estudar todos os 6 ritos.

  7. TL

    Aí DD! Ótimos textos! Bom pro futuro!! Talvez um dia possamos trocar idéias sobre a maçonaria e a Ordem Oculta Secreta que eu faço parte há 15 anos ( tomara que eu não tenha nascido nela, rsrsr). Este nome é inventado, poderia ser (SOS), ou “CEU”, até mesmo uma antena de rádio simbolizaria o conjunto de ensinamentos. No grau que estou “eles” acharam necessário fazer contato com alguém, então escrevi para você. Agradeço de alma, respeitosamente pelo seu trabalho, e felicidades sempre. Que o futuro nos faça plenos de amor eterno. Que irmãos como vocês possam entender os outros irmãos!! Glória ao GADU!

  8. ogoid

    Marcelo vc participa da Tradicional Ordem Martinista?

    @MDD – Eu deveria participar mais… em 2008 fui muito relapso. Quero ver se agora em 2009 eu volto a participar mais ativamente.

    1. Thiago

      MDD,

      O Martinismo é algo novo?

      Estava conversando com uma pessoa que foi da Rosa Cruz e ela nunca tinha ouvido falar em Martinismo.

      Pode acontecer? ou corro para as montanhas?rs

      @MDD – o Martinismo tem mais de 200 anos e é o desdobramento natural de todos os estudantes mais sérios dos caminhos rosacrucianos… o mais provavel é que a pessoa que foi da Rosa Cruz nunca aprofundou muito nos estudos 🙂

  9. Márcio

    @MDD: Não querendo ser parcial, mas o trabalho templário da TOM é muito bom, e três anos passam rapidinho…… 🙂 Outra coisa, o rito de Memphis-Mizraim não faz parte dos ritos aceitos pela maçonaria brasileira/mundial?

    @thomaz: Eu também já ouvi essa afirmação e tendo a acreditar nela.

    @MDD – Não tem este rito aqui no Brasil nem no GOB nem na GLESP.

  10. Rafael

    Marcelo, como uma pessoa evoluida consegue lidar com o fanatismo se ela for muito influenciada pelo arquétipo de sagitário(casa IX)?

  11. Márcio

    Cara, tem algum e-mail para fazer contato direto com você?

    @MDD – marcelo (at) daemon.com.br

  12. Márcio

    Já mandei um e-mail para você, quando puder dá uma olhadinha e me responde.

  13. Ricardo Argenta

    Já leu o “Tratado da Reintegração dos Seres”? Se sim, recomenda?

    @MDD – altamente recomendado.

  14. IRR

    DD, Você tem alguma referência sobre a OKRC? Recebi um convite numa palestra que fui de astrologia. Tenho amigo da AMORC, mas ele não conhecia.

    @MDD – OKRC é séria.

  15. Renato

    Gostaria de saber sobre a SCA. Tem alguma informação?
    Muito obrigado

    @MDD – A SCA é muito séria. Uma das mais sérias.

  16. Kuan Yin

    Marcelo, ocorreu-me apenas uma dúvida, como você concilia duas doutrinas tão adversas como Thelema, de Crowley, e o Martinismo, essencialmente Cristão?

    @MDD – Eu estudo as filosofias que vieram antes delas, e vejo quais as estruturas de cada uma e como tudo se originou. Desta forma, não acho que sejam tão diferentes assim, apesar de PARECEREM diferentes, porque enxergam a mesma coisa com dois pontos de vista… seria algo como o Darwinismo da ritualística…

  17. Livio

    Em relação a seu empenho em estudar diversas ritualísticas, não haverá algum momento (se é que já não houve) em que vai se fazer necessário alguma escolha, no sentido de se optar por um caminho em detrimento de outro ou outros?

    Por exemplo, seria possível estudar teoricamente várias artes, mas sempre vai haver um momento onde voce vai se defrontar com energias diametralmente opostas, e uma acaba por interferir com a outra.

    @MDD – Sim, claro que existem. Alguém dificilmente poderia, por exemplo, querer se tornar cátaro ou martinista e ao mesmo tempo seguir fazendo sacrificios de cabras ou galinhas na quimbanda, são egrégoras incompatíveis. Não é possível preparar o corpo para evocar demônios da goecia e ao mesmo tempo querer preparar o corpo para evocar anjos da teurgia… Mas lembra que eu estou nestes estudos há 20 anos… já estudei praticamente tudo o que há para ser estudado/praticado no “darkside” e agora (uns 7 anos para cá) estou apenas trabalhando com egrégoras que visam a ascensão da humanidade.

    1. Anônimo

      Antes de entrar pro “darkside” eu preciso dominar LUX??

    2. Anônimo

      Antes de entrar pro “darkside” eu preciso dominar LUX??

  18. Hounston Santos

    putz…pior é saber que na época que teve os cursos de fortaleza eu já tinha colocado no meus favoritos o tdc .Quando de fato fui ler as colunas os cursos já tinham acontecido =(

  19. livio

    Realmente, não me atentei à possibilidade da dimensão do tempo – e pelo jeito, não ficam “cicatrizes”, seqüelas e estigmas de ter trilhado caminhos diferentes, ou existem?

    Esse rumo de caminhar do “Darkside” para o “Light Side” é curiosamente mais facilmente percebido pelo não iniciado – o contrário é tão comum quanto ele, ou existe de certa maneira, um fluxo preferencial neste sentido por diversar razões, incluindo até a progressão natural do conhecimento dos praticantes?

    Com sua atual enfase na ascenção da humanidade, o que voce considera das últimas atuais gerações, no sentido de espiritualidade? Somos mesmo inferiores à gerações passadas, ou isso é apenas uma impressão, do tipo “agora estamos com o tapete levantado”…?

  20. Hounston Santos

    “putz…pior é saber que na época que teve os cursos de fortaleza eu já tinha colocado no meus favoritos o tdc .Quando de fato fui ler as colunas os cursos já tinham acontecido =(”
    Mandei o comentario no lugar errado era pra ser nos cursos XD

  21. Pierre

    Parabéns! Em novembro é uma atividade única Martinista no ano, o Cenáculo Martinista.

  22. Roseli

    Por favor o nome Alberto Costet Mascheville, é conhecido por vocês, encontrei referências sobre ele na minha pesquisa para Dissertação de Mestrado acerca uma instituição educativa em 1930, aqui em Caxias do Sul. Estranhamente sinto-me atraida pelo tema, sei que no meio iniciático era chamado de CEDAIOR, oqu mais posso saber sobre o Martinismo, seria imbecilidade dizer que está ligado a maçonaria?

    @MDD – Alberto Costet de Maschuiavelle, personagem nascido na França em 1872, iniciado maçom na Loja Hermanubis em 1893 e que militou na maçonaria até 1909. Tinha boa formação musical. Foi para Buenos Aires em 1910. Dedicou-se ao Martinismo e lá fundou uma Igreja em 1919. Veio para o Brasil em 1923 e juntou-se à causa Martinista. Foi do grupo de Dario Veloso.

  23. Padre Judas

    Existe alguma igreja (instituição religiosa) aberta aos profanos (não-iniciados) baseada nos ensinamentos rosacruzes/martinistas? No Brasil? No estrangeiro?

    @MDD – Em São paulo, todos os domingos de manhã tem a Missa Gnóstica da FRA (Rosacruciana). http://www.fra.org.br/
    Em outras cidades também, basta dar uma olhada no site.

  24. Arkhanubis

    Vale ressaltar que o Celebre Irm.: Alberto Costet de Maschuiavelle (CEDAIOR), juntamente com seu filho Jehel, influenciaram a Darío Vellozo ( na época soberano Delegado Geral da Ordem Martinista para o Brasil) a iniciar fazer um movimento de reorganização do Martinismo no continente.

    A historia de vida da CEDAIOR e sua família é uma das mais ricas para os anais do esoterismo sul-americano.
    Sua esposa Emma Costet de Mascheville (também conhecida por Dona Emy ou pelo nome mágico de Lorelair), discípula fiel de seu esposo na arte da astrologia, foi uma das mais conceituadas astrólogas do mundo, e sobrinha da lendária Ida Hofman.
    Hofman, era uma das fundadoras da Colônia Espiritualista, Monte Verità, e tinha relações de teor iniciatico e fraterno com figuras como Theodore Reuss (Um dos Fundadores da O.:T.:O.:).

    Por fim, recomendo esse link:

    http://www.youtube.com/watch?v=1Vk5plY3Wkw

    Vídeo sobre a vida da Sra.Emma Costet de Mascheville , onde faz referências ao Martinismo.

    PAX ET LVX

  25. Murilo Stadkowiski

    Marcelo , se eu for a uma missa católica , posso “rezar como um martinista”?

    Obs: eu não entendo nada de martinismo, somente que trata-se de uma ordem mistica catolica!?

    @MDD – Não… rsrsrsrs o Martinismo é “CRISTÃO”, não “Católico”.

    1. Rizzelli

      Dizem que o martinismo é cristão, embora estude a cabala. Eis o paradoxo! rsrsrs…

      @MDD – nao ha paradoxo algum.

  26. Há alguma restrição de sexo na ordem ?

    @MDD – Nao. O Martinismo é um rito estelar. Apenas o Rito Escoces Retificado, que é o martinismo-maçônico, é solar.

    1. Rizzelli

      Com o devido respeito pela opinião contrária, tu sabes que a maçonaria não transcende. Logo, não é martinismo. Adiante, ficas claro que é operativa somente em malkuth. Por isso, após a idade de cristo, antigamente seguia-se para a Rosacruz ou, mais tarde, no séc. XX, para o martinismo (que é originalmente papusiano). Saint-martin não fundou ordem e não baseava sua iniciação em magia cerimonial, razão pela qual pseudo-martinezistas do séc. XXI se tornaram somente saudosistas pretendendo operar em uma egrégora que não existe mais. O resto da história,mconheçes bem DD.

  27. cristiano

    estou na AMORC e gostei dela por ela não ser dogmática, mas vejo que seu desdobramento, o martinismo, parece ser meio moralizante demais para mim (eu repugno a moral e a ética), além de acreditarem na tal “queda”. Será que a Astrum Argentum é mais indicada para mim? Ou alguma outra ordem?

Deixe uma resposta