Igreja Evangélica roubando doce de criança…

Um grupo de evangélicos está tirando doce de criança com uma mão para dar com a outra. A troca acontece em pleno Dia de São Cosme e São Damião, comemorado em 27 de setembro na cultura popular. E dentro da igreja Projeto Vida Nova, na Vila da Penha, onde os pastores “convidam” mil meninas e meninos a entregar-lhes os saquinhos que conseguiram na rua para receber outros, “abençoados por Deus”.
– É apenas um convite. Só entrega os doces quem quer – avisa o pastor Isael Teixeira.

O pastor Isael Teixeira diz que sua igreja pede para trocar o doce abençoado pelo amaldiçoado.
Ele conta que geleia, pipoca doce, bananada e pirulito chegam às mãos de oito a dez mil crianças, nos 70 templos da unidade, ao lado de uma surpresa: a Bíblia. É para comer “orando”.
– A gente pede para trocar o doce abençoado (da igreja) pelo amaldiçoado. Nosso projeto é um meio de trazer as crianças (que não são evangélicas) para o bem, livrando-as do mal. Se a criança come doce (de rua), pode plantar uma semente dentro dela. Eles (outros religiosos) invocam os espíritos para que entrem nos doces – diz.
A entrega dos sacos gospel é promovida na igreja há mais de 20 anos. Três deles com a presença da cabeleireira Raquel Cristo, de 36 anos, uma fiel convertida.
– Se alguém dá doce para meu filho na rua, eu até pego para não fazer desfeita. Mas depois jogo fora. Minha mãe foi espírita e nós vivíamos doentes. Ela fazia mesa de doces de Cosme e Damião e chamava sete crianças para comê-los. Hoje, acredito que a função disso era transferir a nossa doença para elas.
Para o presidente da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), babalaô Ivanir dos Santos, a ação evangélica “dá sentido a uma mentira”.
– Estão fazendo troca simbólica com as crianças porque, no fim das contas, também dão doces. Demonizar a fé de outra religião e ter um mesmo sentido, que é o doce, é um ato de intolerância. E isso, sim, é pecado.
A vice-presidente do Movimento Umbanda do Amanhã (Muda), Marilena Mattos, concorda.
– Isso é um fiel retrato da intolerância religiosa. Eles estão mostrando que não aceitam a Umbanda como religião, pois estão denominando nossos rituais como sendo do mal – defende.
Outra casa de Deus onde também há entrega de doces é a católica Paróquia da Ressureição, no Arpoador. Mas algumas crianças atendidas lá ouviram que os saquinhos seriam do diabo.
– Algumas disseram que a professora falou isso. Esse fanatismo de alguns evangélicos pode nos levar a um extremismo. Incutem o medo nas crianças ao dizer que o doce é do diabo. E isso não é de Deus – diz o padre José Roberto Devellard.
Psicóloga especializada em crianças, Katia Campbell diz que as polêmicas religiosas não conseguem competir com o verdadeiro interesse dos pequenos.
– As crianças não entendem isso. Elas só querem o doce.

@MDD – A Igreja Católica fez isso por mais de 1500 anos, agora é a vez dos picaretas das Igrejas Evangélicas aplicarem o mesmo processo… demonizam Rock e criam rock-gospel, demonizam funk e criam funk-gospel, criam MMA-Gospel, pagode-gospel, filme pornô gospel, smilinguido, toalhinha abençoada, tapete de sal grosso, copo d´água sobre a TV… tudo é válido para roubar o seu dinheiro em nome de Jesus.

Este post tem 46 comentários

  1. Leonardo Borges

    Tenho medo que isso fique igual Israel e a palestina , pior ainda , o talibã , esse fanatismo e a criação de um bode espiatorio pra que estes vermes lucrem mais e mais , o Brasil tem um povo refém de suas paixões , quando ama é ao extremo , quando odeia , é pra matar , isso se tornou muito perigoso.

    1. flasHQ

      Umbral é estado de espirito…

      1. D

        Lembrando que, sem um corpo físico, você literalmente só vê e sente o que seu “estado de espírito” (emoções-corpo astral) permite .-.

    2. Sandro Damasceno

      Acho que deves tomar cuidado com a sua intolerância para com o próximo…

  2. Squivo

    Algum professor que tente converter meu filho quando chegar a hora de ele ir pra escola.

    Meto um processo na cara por ferir o direito de livre religião no professor e na escola, se for particular.

  3. Gabriel

    Com ctz tem um monte de malandrinhos espertos que deixam no saquinho só os doces que eles não gostam, comem os gostosos e trocam por um saquinho novo na igreja! hahahahha

  4. Nando

    HAUhuaHUA…”filme pornô gospel”…chorei aqui,…ahuauahu

  5. Phillipe

    Imagina a quantidade de futuros otários que teremos no Brasil quando estas crianças evangélicas alienadas estiverem adultas.

  6. Marcio

    A criança quer o doce, não a doutrina. O doce é uma diversão passageira. A doutrina é um mal permanente. Do qual é difícil se desvencilhar quando adulto.

  7. Cairo

    Tio MDD, isso é brincadeira, né? Primeiro de Abril atrasado?

  8. Roberto Vasconcelos (@Be3eto)

    Perdoai-os, Senhor, pois não sabem mesmo o que fazem, já diria o Avatar. E de fato, hoje em dia quando vejo essas coisas, nem stresso. O jeito é continuar eu mesmo tentando evoluir para, talvez, essa evolução pelo menos atingir os que estão ao meu redor. xD

    1. Tiago

      Pois é! Já que a gente não pode mudar o mundo pode pelo menos dar um bom exemplo pros outros.. Mas que dá raiva isso dá…

    2. uilian

      Nem que seja com uma tijolada

  9. dynacx

    Entra século, sai século, mudam as religiões mas as práticas ainda são as mesmas, mas o pior de tudo é que os humanos gostam de ser enganados, gostam que pensem por eles, a grande massa se recusa a ver a realidade por mero comodismo, daqui a alguns anos teremos outras religiões , e igual a Roma simplismente o demonio mudará de lado, afinal o deus do vencido é o demonio do vencedor e vice-versa.

  10. L.G.

    Picaretagem sem fim =/

  11. Frater Zé Pequeno

    Um Hitler ou bandidos pra explodir os templos evangélicos, por favor…

    Se bem que, sem ter a pretensão de um profeta, acredito que daqui um tempo a própria ganância das igrejas serão a ruína das mesmas, vai ter igreja brigando com a outra e quem sabe o povo acordar; senão, é apelar pra purificação das raças, só que eliminando evangélicos fanáticos…

    1. homer

      Frater Zé Pequeno, ao desejar isso, você está sendo tão ruim quanto os nazistas e pior, está querendo colocar nas costas de alguém a responsabilidade por resolver o problema, lavando suas mãos. Existem diversas instituições que lutam contra o racismo, a homofobia, intolerância religiosa, violência contra a mulher, etc, dentro da lei e sem prejudicar ninguém. Tudo que a gente não precisa agora é um IV Reich.

  12. Mozart

    Pensei em postar essa no Mayhen, mas o Marcelo foi mais rápido.
    Lembrei de uma musica antiga do Jorge Ben Jor, ruim até cuja introdução era assim: “Os alquimistas estão chegando, estão chegando os alquimistas”. Pois é, depois desse post a musica fica bem assim: Os idiotas estão chegando, estão chegando os idiotas:
    Quando pensamos que eles chegaram ao fundo do poço esse pessoal consegue cavar mais um pouquinho. O estrago a longo prazo que é feito nessas crianças que são criadas dogmatizadas não tem conserto. Isso deveria ser caso de policia.

    1. luiz cochi

      Poxa, eu adoro essa música do jorge Ben (sem o jor) que é de um álbum chamado a tábua esmeralda. aliás o álbum é muito bom, dele eu partir a estudar o hermetismo.

      Algum motivo específico pra sua opnião, ou é só questão estética mesmo?

    2. Borba

      Peraí gente, eu não me dou muito bem com certos Evangélicos, mas nao culpo o gado, eles são atrevidos, são cegos mas a culpa é de quem explora os necessidades deles oferecendo um “nada” que é esse show de horrores que os pastores fazem, talvez alguns sejam idiotas, mas antes de serem evangélicos, antes de serem até idiotas que são até por outros motivos e não exclusivamente por serem evangélicos, não os vejo como “outros” ,como o lado de lá e sim como semelhantes, que infelizmente são domesticados através do medo. Não desejo tijolada, não desejo fogo nos templos deles, pois não me sinto ameaçado por eles. O pouco que aprendi aqui nas colunas do Tio Del Debbio ainda não me fizeram subir no meu ego pra pisar no pescoço de ninguém e nem acho que isso um dia acontecerá por mais que eu tenha aprendido. Se o cara recolhe saquinhos de doce e eu acho que ele ta é sendo trollado como alguem disse acima, (a mulekada come o doce bom e entrega so os piores pra ganhar um saquinho recheado hehehe é o que eu faria se fosse mlk)

  13. flasHQ

    “filme pornô gospel”

    Bem que eu queria ver isto!

    1. fiote

      acho que só podem filmar quando a mulher está em período fértil, de luz apagada, fazendo papai e mamãe.

  14. lincoln

    Parafraseando o Pastor Metralhadora dos irmãos Piologo…

    QUEIMA ELE XESSSSUSSSS!!!!!!!!

  15. D

    Não é atoa que eu estou encarnado nesse mundo.

    Vejo umas merdas dessas, e a única coisa que eu sinto vontade de fazer é dar uma bela de uma lição nos fdps.

    Querem doce amaldiçoado ? Não é toda maldição que adoece ou destrói – um docinho com meia dúzia de encantamentos pode quebrar mais grilhões do que eles são capazes de colocar, na surdina, durante anos…

    Deuses…. melhor eu lembrar do posto do Aya Sofia e parar de reclamar. A menos que alguém aí esteja interessado em montar um projetinho a respeito, claro :3

  16. Ronaldo

    Eu nem sabia da existência dessa data, mas a partir desse ano passo oficialmente a comemorar Cosme, Damião, Erê, Exu-Mirim, etc.

  17. Nats

    Nossa… eu tenho NOJO da Igreja Evangélica… ali só tem hipócritas querendo se aproveitar a todo custo…

    Deus é desculpa pra eles… o que interessa é apenas $$$

  18. Varlei

    Engraçado eles abolirem a Umbanda e usarem muita coisa dela… sal grosso, descarrego, etc.
    Ignorância pura.

    1. uilian

      Antes fosse ignorância . . . mas não é . . . é má fé. Eles estão agindo deliberadamente e sabem o que estão fazendo.

  19. Roberto

    Concordo com o pessoal,

    até aonde vai a intolerância e ganância destas igrejas!?

    Enquanto as pessoas não pregarem a verdadeira paz e a coexistência e se preocuparem em “demonizar” as demais religiões e qualquer outra coisa que não seja do meio deles, fica difícil enchegar uma luz…

    Um grande abraço para todos!

  20. Phyrexiano

    Discordo da psicóloga, a criança quer o doce, mas se ela for ensinada a diferenciar os doces e sua procedência ela vai cristalizar esta ignorância.

    Pena que alguns profissionais ainda tenham medo de falar a verdade, pra não gerar “polêmica”…

  21. Silva

    Em Salvador quase não se vê mais Caruru de Cosme e Damião. É uma pena uma cultura popular tão rica como a baiana se perder por preconceito religioso. Falo de cultura popular porque a cultura baiana foi tão influenciada pelo Candomblé como a cultura ocidental pelo cristianismo. Apesar de ter sobrevivido à ICAR através do sincretismo religioso, esta mesma cultura tem sido demonizada pelo meio evangélico crescente. Até mesmo o Caruru feito fora dos padrões religiosos tem sido demonizado nesta época do ano e boatos de carne humana em acarajés também surgem na época dos festejos de Santa Bárbara. Enfim, reduzir a pluralidade em apenas um ponto de vista é algo triste, pois se perde todo o colorido da festa da vida e é isto que tenho visto a maior parte dos evangélicos tentarem fazer: “clones mentais seus, num único tom de uma cor indefinida, talvez, cinza arrependimento…”. A velha máxima: o que eu creio é de Deus e o diferente disso é do diabo… Santa Sofia derrame-se aos baldes porque a ignorância se multiplica mais rápido que câncer agressivo!

    @MDD – “carne humana nos acarajés”… a cretinice evangélica parece mesmo não ter limites…

    1. M

      Eu ouvi que os evangélicos queriam instituir aí em salvador algo como um acarajé gospel, já que as baianas ofertam para os orixás, e portanto, eles não poderiam comer. Obviamente, todo o know-how e tudo o que os ingredientes representam na cultura são soterrados pela hipocrisia e preconceito.

  22. Vinícius Pedro

    Quando eu era criança nunca pegava doces, pq na igreja falavam que os doces possuíam demônios e que faziam rituais para passar doenças para crianças o que incluía um ritual em que um tuberculoso cuspia nos doces. em várias igrejas falavam a mesma coisa para as crianças… por isso virei ateu aos 11/12 anos de idade eram muitas histórias mal contadas,hipocrisia ,fofoca e falta de senso crítico, só depois comecei a criar uma espiritualidade, lá pelos 15 anos.

    1. Alberto Silva

      Sou obrigado a concordar com o que o o Pedir Mais Cedo disse nesse post, é sim importante que se faça um controle populacional, sair botando criança no mundo sem capacidade de oferecer de fato um futuro só prolifera a miséria, mas perceba que interessante, se os fiéis tiverem que gastar menos com crianças terão mais renda para oferecer no dízimo.

  23. D.E.G

    MDD
    Você acha que estas são práticas isoladas e inférteis de líderes tão ignorantes quanto as massas que eles lideram? Ou tudo isso é muito bem arquitetado? Pois lembro uma vez você dizendo que tudo aqui no site era arquitetado, logo, no “outro lado” deve ser assim também…

  24. tereza

    eu tenho muito nojo deles usam a fe pra arrancar dinheiro ,demonizam todas religioes ,eles n querem concorrente .o negocio e money, money ,money

  25. Gustavo

    É um pesar saber que a falta de cultura, estudo e conhecimentos gerais, unido à indução psicológica exercida por pessoas sem escrúpulos, transforme uma tradições religiosa em maldição, como a de São Cosme e Damião, ou mesmo como transformaram o ano novo celta (Samhaim) em Halloween (“Festa das bruxas do mal”). Percebo que estão tentando transformar a festa de São Cosme e Damião em um novo Halloween, pois na idade média a igreja pregou que era uma festa diabólica e em paralelo criou o dia de todos os santos (que por curiosidade cai na mesma data), para que as pessoas escolhessem entre o bem e o mal, e até hoje temos essa visão negativa de Samhaim.
    Engraçado como as coisas são, anos e anos de história, de conhecimentos adquiridos após erros e tropeços, a humanidade insiste em repetir esses erros, como o erro da intolerância, pois, já são séculos e mais séculos de guerra santa, no inicio erram guerras entre tribos, depois egípcios contra judeus, anos mais tarde, judeus contra cristãos, depois cristãos contra pagãos, e mesmo após décadas e mais décadas, se olharmos para o outro lado do mundo, vemos guerra e intolerância religiosa.
    Tenho muito medo de imaginar quais frutos essa semente de intolerância vai gerar nas próximas gerações, e por isso, somente por isso, estou criando uma completa aversão a instituição religiosa, muito embora, eu estude muito todas as crenças, mas infelizmente, a humanidade seria muito melhor sem verdades absolutas, pois o humano não sabe respeitar a diferença, ele insiste em procurar e criar igualdade, quando na verdade, deveria procurar o respeito e a autocritica.

  26. Parzival

    Ola,Marcelo,
    Um texto que de qualquer forma ajudou a me questionar um pouco mais (sob a otica espiritual)sobre essa “epopeia” evangelica, foi aquele do romance “Legiao” de Robson Pinheiro que anexo aqui.
    Gostaria de uma opinião a respeito.
    Obrigado

    “Como esses espíritos em sofrimento não possuem, quase em sua totalidade, o conhecimento da vida espiritual, precisam de um tempo para meditar, fazer algumas reflexões; a seguir, devem ser conduzidos, em breve espaço de tempo, à reencarnação. Durante a próxima vida, em novo corpo físico,entrarão em contato natural com o sofrimento e a marginalidade, mas se verão também envoltos em algum conhecimento espiritual elementar. Reclamarão um tipo de alimento espiritual básico, sem complexidade nem sofisticação, para que possam começar a ter noções de algo além do mundo material.
    — Se precisam de um conhecimento tão básico assim, com certeza não estarão preparados para o ensinamento espírita ou umbandista, pois que ambos já expressam um grau maior de iniciação espiritual,não é assim? — inquiriu Raul.
    — Pois é, meu filho — anuiu o pai-velho. — Precisamente por essa razão é que vemos no mundo a atuação cada vez mais intensa das chamadas igrejas pentecostais e neo-pentecostais, bem como do movimento católico carismático, os quais abordam a questão espiritual de maneira bem distinta daquela que o espiritismo apresenta. Esses nossos irmãos, com sua fé radical e grande poder de persuasão, têm prestado imenso benefício, pois retiram esses espíritos, já reencarnados, de dependências químicas e antros de perdição, como dizem. Conduzem-nos à vivência de algum princípio moral, que desperte neles conceitos elementares, a fim de elevá-los em relação à vida puramente material.
    — Mas será válida a forma como trabalham com esse público? Em suas pregações, valem-se de imagens como o inferno, a perdição eterna e o diabo, arrebatando fiéis para suas igrejas através do medo.
    — Que outra linguagem tais irmãos entenderiam?
    Emergem de uma situação no plano astral na qual conviveram com imenso sofrimento; eram fantoches nas mãos de espíritos marginais. Sobretudo, seu despreparo espiritual é tamanho que não compreenderiam jamais a linguagem detalhada e explícita da doutrina espírita. Reencarnam, então, em meio à marginalidade, conforme dita a própria sintonia de seus espíritos, integrando gangues ou agindo sozinhos, de conformidade com as impressões e lembranças firmemente gravadas na memória espiritual.
    Habituaram-se de tal maneira às imagens mentais de sofrimento e dor do plano onde estagiaram que,uma vez na Terra, só estão aptos a dar ouvido aos apelos das pregações fortes e recheadas de elementos familiares a seu universo. O inferno do qual querem escapar, ou o diabo, por quem alimentam tanto pavor, são os obsessores e magos negros que deles se serviam antes da reencarnação atual. Decorrem desse fato o conteúdo de medo e as imagens mentais fortes que muitos ministros pentecostais e carismáticos empregam.
    “Tudo tem uma finalidade útil. Muitos dos atuais pregadores que se dedicam a trabalhar nos guetos, nas favelas e nos lugares de peso vibratório são espíritos de guardiões, que já desempenhavam esse papel nas regiões do mundo oculto, antes de reencarnar. Especializaram-se no resgate dessas almas;ao reencarnarem, em seu ministério, contam com a linguagem mais adequada a coibir os abusos que esses espíritos trazem como marca de sua conduta. Somente esse tipo de linguagem e vocabulário poderá ser capaz de conter seus instintos primitivos.”
    — Reencarnados, tanto os espíritos sofredores como os quiumbas ou marginais e outros semelhantes encontrarão no linguajar típico das igrejas reformadas um eco, imagens expressas de acordo com o que viveram na er-raticidade.
    “Talvez vocês entrem em contato com alguma propaganda igrejeira, falando de ex-drogados, exladrões,ex-prostitutas, que agora se converteram àquela determinada religião. Mesmo em contato com uma fé mais elementar, esses ex-sofredores e ex-quiumbas, agora encarnados, têm oportunidade de ouvir falar também de um paraíso cristão, de uma continuidade da vida em alguma estância do universo.
    Ou seja, estão recebendo informações simples, sem complexidade, para que mais tarde possam assimilar o alimento espiritual mais elaborado das religiões espiritualistas de caráter mediúnico.”

  27. Edson

    Ainda ontem, saindo de uma cidade para pegar a rodovia, me deparei com uma caminhonete com o som ligado bem alto (som na carroceria, de péssima qualidade, diga-se de passagem) tocando Reggae-Gospel.
    De uma só vez, o indivíduo cometia vários erros: roubava a individualidade daqueles que estavam próximos, já que ninguém é (ou deveria ser) obrigado a ouvir tanta porcaria; cometia intolerância religiosa, ao “achar” que a sua religião seria a verdadeira, o que lhe daria o direito de agir daquela maneira; etc etc etc… sem contar o crime previsto na lei de contravenções penais, que proíbe o abuso de instrumentos sonoros em detrimento da paz pública.
    São pessoas que se acham num pequeno mundo, só seu, dogmatizadas, domesticadas a aceitar o que o líder religioso prega como sendo verdade absoluta, fechando os olhos para todo o resto.
    É triste, mas essa nova geração “zumbi”, está crescendo cada vez mais e mais.
    Aí eu pergunto: isso tudo tem uma finalidade invisível que foge aos nossos limitados olhos???

    1. Parzival

      Olá Edson,
      Um texto que de qualquer forma ajudou a me questionar um pouco mais (sob a otica espiritual)sobre essa “epopeia” evangelica, foi aquele do romance “Legiao” de Robson Pinheiro, que anexo aqui:

      “Como esses espíritos em sofrimento não possuem, quase em sua totalidade, o conhecimento da vida espiritual, precisam de um tempo para meditar, fazer algumas reflexões; a seguir, devem ser conduzidos, em breve espaço de tempo, à reencarnação. Durante a próxima vida, em novo corpo físico,entrarão em contato natural com o sofrimento e a marginalidade, mas se verão também envoltos em algum conhecimento espiritual elementar. Reclamarão um tipo de alimento espiritual básico, sem complexidade nem sofisticação, para que possam começar a ter noções de algo além do mundo material.
      — Se precisam de um conhecimento tão básico assim, com certeza não estarão preparados para o ensinamento espírita ou umbandista, pois que ambos já expressam um grau maior de iniciação espiritual,não é assim? — inquiriu Raul.
      — Pois é, meu filho — anuiu o pai-velho. — Precisamente por essa razão é que vemos no mundo a atuação cada vez mais intensa das chamadas igrejas pentecostais e neo-pentecostais, bem como do movimento católico carismático, os quais abordam a questão espiritual de maneira bem distinta daquela que o espiritismo apresenta. Esses nossos irmãos, com sua fé radical e grande poder de persuasão, têm prestado imenso benefício, pois retiram esses espíritos, já reencarnados, de dependências químicas e antros de perdição, como dizem. Conduzem-nos à vivência de algum princípio moral, que desperte neles conceitos elementares, a fim de elevá-los em relação à vida puramente material.
      — Mas será válida a forma como trabalham com esse público? Em suas pregações, valem-se de imagens como o inferno, a perdição eterna e o diabo, arrebatando fiéis para suas igrejas através do medo.
      — Que outra linguagem tais irmãos entenderiam?
      Emergem de uma situação no plano astral na qual conviveram com imenso sofrimento; eram fantoches nas mãos de espíritos marginais. Sobretudo, seu despreparo espiritual é tamanho que não compreenderiam jamais a linguagem detalhada e explícita da doutrina espírita. Reencarnam, então, em meio à marginalidade, conforme dita a própria sintonia de seus espíritos, integrando gangues ou agindo sozinhos, de conformidade com as impressões e lembranças firmemente gravadas na memória espiritual.
      Habituaram-se de tal maneira às imagens mentais de sofrimento e dor do plano onde estagiaram que,uma vez na Terra, só estão aptos a dar ouvido aos apelos das pregações fortes e recheadas de elementos familiares a seu universo. O inferno do qual querem escapar, ou o diabo, por quem alimentam tanto pavor, são os obsessores e magos negros que deles se serviam antes da reencarnação atual. Decorrem desse fato o conteúdo de medo e as imagens mentais fortes que muitos ministros pentecostais e carismáticos empregam.
      “Tudo tem uma finalidade útil. Muitos dos atuais pregadores que se dedicam a trabalhar nos guetos, nas favelas e nos lugares de peso vibratório são espíritos de guardiões, que já desempenhavam esse papel nas regiões do mundo oculto, antes de reencarnar. Especializaram-se no resgate dessas almas;ao reencarnarem, em seu ministério, contam com a linguagem mais adequada a coibir os abusos que esses espíritos trazem como marca de sua conduta. Somente esse tipo de linguagem e vocabulário poderá ser capaz de conter seus instintos primitivos.”
      — Reencarnados, tanto os espíritos sofredores como os quiumbas ou marginais e outros semelhantes encontrarão no linguajar típico das igrejas reformadas um eco, imagens expressas de acordo com o que viveram na er-raticidade.
      “Talvez vocês entrem em contato com alguma propaganda igrejeira, falando de ex-drogados, exladrões,ex-prostitutas, que agora se converteram àquela determinada religião. Mesmo em contato com uma fé mais elementar, esses ex-sofredores e ex-quiumbas, agora encarnados, têm oportunidade de ouvir falar também de um paraíso cristão, de uma continuidade da vida em alguma estância do universo.
      Ou seja, estão recebendo informações simples, sem complexidade, para que mais tarde possam assimilar o alimento espiritual mais elaborado das religiões espiritualistas de caráter mediúnico.”

  28. Daniel Mary

    O que me assusta é a quantidade de pessoas que preferem o comodismo preguiçoso de que alguém os diga o que fazer, o que pensar, o que sentir; seja na religião, na política etc.
    Essa prostração mental que muito alivia aos não despertos – isso digo também aos espiritualistas que mesmo conhecendo a existência do mundo etéreo praticam a mesma prostração – conduz a todos estes a uma recursividade cármica dadas suas inclinações, pouco avançam em termos de progresso espiritual.
    Notório que esse movimento é evidenciado como uma massa não tão pouco esclarecida assim mas que, incapazes de racionalizar, seguem o cardume sem saber o porquê.
    Estes estão tomando enorme vulto nas organizações todas e em nome de uma força maior, cometem atrocidades onde essa força já não fala mais por eles ao final.
    Vem aí a Nova Idade-Média ?
    A dita transição planetária reza exílio para estes e permanência no plano Terra para aqueles cuja luz já se faz fortalecida o suficiente para romper a crisálida dos preconceitos.
    Ao nos percebermos onde estivermos, veremos se fomos ou ficamos, daí saberemos realmente quem éramos, quem estamos e quem deveremos ser.
    Enquanto isso não acontece, a situação é bastante preocupante.

Deixe uma resposta