História do GOB (Grande Oriente do Brasil)

Embora tenha, a Maçonaria brasileira, se iniciado em 1797 com a Loja Cavaleiros da Luz, criada na povoação da Barra, em Salvador, Bahia, e ainda com a Loja União, em 1800, sucedida pela Loja Reunião em 1802, no Rio de Janeiro, só em 1822, quando a campanha pela independência do Brasil se tornava mais intensa, é que iria ser criada sua primeira Obediência, com Jurisdição nacional, exatamente com a incumbência de levar a cabo o processo de emancipação política do país.
Criado a 17 de junho de 1822, por três Lojas do Rio de Janeiro – a Commercio e Artes na Idade do Ouro e mais a União e Tranquilidade e a Esperança de Niterói, resultantes da divisão da primeira – O Grande Oriente Brasileiro teve, como seus primeiros mandatários José Bonifácio de Andrada e Silva, ministro do Reino e de Estrangeiros e Joaquim Gonçalves Ledo, Primeiro Vigilante. A 4 de outubro do mesmo ano, já após a declaração de independência de 7 de setembro, José Bonifácio foi substituído pelo então príncipe regente e, logo depois, Imperador D. Pedro I (Irmão Guatimozim). Este, diante da instabilidade dos primeiros dias de nação independente e considerando a rivalidade política entre os grupos de José Bonifácio e de Gonçalves Ledo – que se destacava, ao lado de José Clemente Pereira e o cônego Januário da Cunha Barbosa, como o principal líder dos maçons – mandou suspender os trabalhos do Grande Oriente, a 25 de outubro de 1822.
Somente em novembro de 1831, após a abdicação de D. Pedro I – ocorrida a 7 de abril daquele ano – é que os trabalhos maçônicos retomaram força e vigor, com a reinstalação da Obediência, sob o título de Grande Oriente do Brasil, que nunca mais suspendeu as suas atividades.

Instalado no Palácio Maçônico do Lavradio, no Rio de Janeiro, a partir de 1842, e com Lojas em praticamente todas as províncias, o Grande Oriente do Brasil logo se tornou um participante ativo em todas as grandes conquistas sociais do povo brasileiro, fazendo com que sua História se confunda com a própria História do Brasil Independente.
Através de homens de alto espírito público, colocados em arcas importantes da atividade humana, principalmente em segmentos formadores de opinião, como as Classes Liberais, o Jornalismo e as Forças Armadas – o Exército, mais especificamente – O Grande Oriente do Brasil iria ter, a partir da metade do século XIX, atuação marcante em diversas campanhas sociais e cívicas da nação.
Assim, distinguiu-se na campanha pela extinção da escravatura negra no país, obtendo leis que foram abatendo o escravagismo, paulatinamente; entre elas, a “Lei Euzébio de Queiroz”, que extinguia o tráfico de escravos, em 1850, e a “Lei Visconde do Rio Branco”, de 1871, que declarava livre as crianças nascidas de escravas daí em diante. Euzébio de Queiroz foi maçom graduado e membro do Supremo Conselho da Grau 33; o Visconde do Rio Branco, como chefe de Gabinete Ministerial, foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil. O trabalho maçônico só parou com a abolição da escravatura, a 13 de maio de 1888.
A Campanha republicana, que pretendia evitar um terceiro reinado no Brasil e colocar o país na mesma situação das demais nações centro e sul americanas, também contou com intenso trabalho maçônico de divulgação dos ideais da República, nas Lojas e nos Clubes Republicanos, espalhados por todo o país. Na hora final da campanha, quando a república foi implantada, ali estava um maçom a liderar as tropas do Exército com seu prestígio: Marechal Deodoro da Fonseca que viria a ser Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil.
Durante os primeiros quarenta anos da República – período denominado “República Velha” – foi notória a participação do Grande Oriente do Brasil na evolução política nacional, através de vários presidentes maçons, além de Deodoro: Marechal Floriano Peixoto Moraes, Manoel Ferraz de Campos Salles, Marechal Hermes da Fonseca, Nilo Peçanha, Wenceslau Brás e Washington Luís Pereira de Souza.
Durante a 1ª Grande Guerra (1914 – 1918), o Grande Oriente do Brasil, a partir de 1916, através de seu Grão-Mestre, Almirante Veríssimo José da Costa, apoiava a entrada do Brasil no conflito, ao lado das nações amigas. E, mesmo antes dessa entrada, que se deu em 1917, o Grande Oriente já enviava contribuições financeiras à Maçonaria Francesa, destinadas ao socorro das vítimas da guerra, como indica a correspondência, que, da França, era enviada ao Grande Oriente do Brasil, na época.
Mesmo com uma cisão, que, surgida em 1927, originou as Grandes Lojas Estaduais brasileiras, enfraquecendo, momentaneamente, o Grande Oriente do Brasil, este continuou como ponta-de-lança da Maçonaria, em diversas questões nacionais, como: anistia para presos políticos, durante períodos de exceção, com estado de sítio, em alguns governos da República; a luta pela redemocratização do país, que fora submetido, desde 1937, a uma ditadura, que só terminaria em 1945; participação, através das Obediências Maçônicas européias, na divulgação da doutrina democrática dos países aliados, na 2ª Grande Guerra (1939 – 1945); participação no movimento que interrompeu a escalada da extrema-esquerda no país, em 1964; combate ao posterior desvirtuamento desse movimento, que gerou o regime autoritário longo demais; luta pela anistia geral dos atingidos por esse movimento; trabalho pela volta das eleições diretas, depois de um longo período de governantes impostos ao país.
E, em 1983, investia na juventude, ao criar a sua máxima obra social; a Ação Paramaçônica Juvenil, de âmbito nacional, destinada ao aperfeiçoamento físico e intelectual dos jovens – de ambos os sexos, filhos ou não filhos de maçons.
Presente em Brasília – capital do país, desde 1960 – onde se instalou em 1978, o Grande Oriente do Brasil tem, hoje, um patrimônio considerável, e em diversos Estados, além do Rio de Janeiro, e na Capital Federal, onde sua sede ocupa um edifício com 7.800 metros quadrados de área construída.
O Grande Oriente do Brasil é, hoje, a maior Obediência Maçônica do mundo latino e reconhecida como regular e legítima pela Grande Loja Unida da Inglaterra, de acordo com os termos do Tratado de 1935. (Fonte GOB)

Este post tem 6 comentários

  1. Everton

    Artigo Bacana, sempre conteúdo de qualidade, Tenho aprendido muito com os artigos deste site, principalmente sobre hermetismo. Sei que nao tem muito a ver com o post, gostaria de saber ser para desnvolver o conhecimento em Hermetismo posso fazer soh, ou seria ideal se juntar a algum grupo ligado a isso como a ARMOC? Obrigado por compartilhar tanto conhecimento.

  2. giovane

    Cada vez admiro mais

  3. johnny

    muito legalo texto mas ainda tenho umas dúvidas..
    como o GOB se posicionou perante a politica do café com leite?
    e na ditadura militar?

  4. Felipe

    O problema atual são as infinitas divisões por ego e os inúmeros ritos espúrios da maçonaria, o trabalho se bem feito pode render frutos equilibrar o praticante, principalmente se o grupo no qual ele está é sincero e honesto.

  5. Felipe

    Del Debbio, peço que por favor leia e não publique aqui este comentário, é coisa séria e você é um dos poucos que vi falando na net sobre esse tema, na verdade o único. Tentei contato pelo facebook e nâo consegui então submeto este post na esperança de obter uma resposta. Vou colar o que escrevi no messenger:
    _

    Marcelo, bom dia. Sou leitor do seu blog e ocultista também, com uns 20 anos de leitura e 10 de prática em ordens como a martinista, treinamentos e yoga, conscienciologia, etc…
    Fiquei intrigado com uma colocação sua sobre o tema goetia e gostaria de sua atenção.

    Há cerca de 9 anos atrás com pouca experiência prática e mal influenciado, me orientei por comunidades de orkut por um suposto “amigo” experiente em goetia e fiz 2 rituais.
    O entendimento para a situação que ocorreu só veio recentemente com a leitura de seu blog. Ao que parece há algum tipo de vampirismo ligado a goetia, a situação não é difícil de entender – de alguma forma você expõe o seu problema e ao fazer o ritual eles enviam um vampirizador astral.

    Tive tantos problemas e dificuldades devido aos rituais feitos, doença física, obsessão profunda; muitos fenômenos estranhos que podemos chamar de “trancamento de caminhos”.
    Um dia faz anos atrás(uns 4, agora já estou bem recuperado) querendo sem motivo racional se suicidar devido a um fracasso após o outro me apareceu uma visão de olhos abertos que mesmo ao abrir e fechar os olhos não saia: um vampiro trajado como nas histórias e o sigilo do demônio evocado, mesmo de olhos abertos a visão não desaparecia tamanho o grau de vinculo astral que havia na época. Outros fenômenos ocorreram dando a prova de que havia algo errado.

    A partir dessa e outras experiencias procurei o que me ajudasse e pude ligando-me ao candomblé e umbanda sair do buraco; a sua teoria para a questão de vampirização astral BEM ORGANIZADA, por marginais de ordens vampíricas é muito plausível, e nem falo só da ONA, deve ter mais gente envolvida nisso.

    Como faço para obter maiores informações sobre esse vespeiro ? Porque estive diretamente envolvido, tenho certas desconfianças, mas minhas pesquisas empacam e não pude desenvolver mais, mas sinto que devo ir a fundo nisso para ao menos saber o que se passou ( e deve ter muitos em pior situação agora mesmo).
    Agradeço

  6. johnny

    “escalada da extrema-esquerda no país, em 1964; combate ao posterior desvirtuamento desse movimento”

    não tinha escalada nenhuma. tinha apenas um presidente que ia fazer a reforma agrária,distribuir a terra tomada por bandidos, grileiros. mas até hoje nada mudou .

    a maçonaria teve um importante papel contra o absolutismo.. mas desde que seus pares passaram a ser elegíveis os ideais progressistas já não importam muito. rsrsrs

Deixe uma resposta