da Iniciação


Muito se fala sobre iniciação, seja em um grupo, ou sozinho, da sua importância, do seu papel na vida do magista, do ser humano como um todo. Muito se fala sem saber, muito se sabe sem falar. Pouco se sabe, muito se fala.
Vejo a iniciação não como uma etapa isolada, mas como uma parte constante, com influencias tanto antes quanto depois de sua realização, um processo que acompanha a vida do magista.
Apenas ao morrer aprendemos a viver, e simbolicamente a iniciação representa isso: a morte de uma vida profana, para o renascimento em uma nova vida, buscando novos horizontes, novos caminhos, deixando de lado o ego e nosso lado mais animal, afastando-nos da besta, compreendendo sua parte em nós e aproximando-nos do divino, descobrindo nossa própria centelha, tornando-nos estrelas iluminando o caminhos dos justos.

Um rito de passagem, onde o que fica, o resultado dos nossos esforços, noso trabalho se torna o nosso presente para o mundo. Viemos ao mundo para aprender, para contemplar, para ensinar. Não vejo nada mais belo do que nosso próprio mundo, síntese material de tudo o que há no universo, de tudo o que é sutil e efêmero, onde ao descobrirmos o que é nosso, o que devemos fazer torna-se a descoberta do que é do mundo, do que pertence a nossos irmãos, e aos poucos o mundo acorda e percebe o que é de cada um. Resta-nos viver e descobrir quem somos, e fazer de nosso caminho o caminho do mundo, da humanidade, da divindade.
A iniciação representa uma quebra, um rompimento, uma mudança à nivel espiritual, e que sua vida a partir desse momento jamais voltará a ser o que era. É ver o mundo com outros olhos, ser alguém melhor, diferente do que se era, é deixar velhos vícios e buscar novas virtudes. Uma iniciação onde não há essa ruptura é no máximo simbólica, e pouco muda na vida do dito iniciado, sendo apenas simbólico. O rito de passagem, a Iniciação, deve conter esse corte, essa ruptura, e para que isso possa ocorrer o Iniciador deve conter o toque, mostrar-se merecedor e possuidor da linhagem à qual o novo candidato está para ingressar.
Sejam 3, 7 ou 15 neófitos iniciados em um mesmo ritual, a Iniciação é puramente individual, cada um tem sua percepção, e a visão do divino, do real sentimento se ingresso na egrégora deve sersentido por si mesmo, e mesmo com sentimentos e visões diferentes as sensações serão iguais em efeito, o real marco da entrada no Templo.
A iniciação em um grupo, o marco de entrada do ser renascido para uma nova vida coroado e divinizado pela egrégora dos que o cercam, é motivo de jubilo, de votos de sucesso e de trabalho, de luta por sua evolução e autoconhecimento, afirmação de si perante a divindade suprema. Motivos divididos pelos que foram acolhidos como irmãos, como iguais, indiferente das diferenças, papéis e subtrações impostos socialmente. Não é apenas o grupo que acolhe o iniciado, é uma troca, um diálogo de idéias, de forças, por um bem comum maior.
Sejam os do esquadro e compasso, da rosa e da cruz, dos símbolos da natureza, ou dos buscadores solitários, somos todos artistas, moldando a realidade perante nossa vontade, buscando o Éden em nossos próprios jardins, fazendo de nós, assim, a síntese de todo o macrocosmo em nossos corpos profanos, veículos talvez toscos da luz divina que é nossa alma, centelhas do principio criativo superior.
Somos um só, um principio e uma alma, uma mesma energia que se propaga e se manifesta das mais variadas formas, com o mesmo papel: evoluir, elevar-nos ao nosso verdadeiro lugar, a despeito da negatividade, intempéries e desafios, nossos fados enquanto divindades em treinamento.

Este post tem 18 comentários

  1. Carlos

    Muito bom texto.

  2. Gustavo Costa

    Muito bom o texto ! Lembrou alguns textos do zzurto, não no estilo mas por falar sobre o todo

  3. Glauber Correa

    Eu li uma vez em algum lugar, que o iniciado é aquele que toma ciência do plano astral conscientemente, porém não são todos que mediante um rito simbólico adquirem esse conhecimento, mas é inegável que um ritual é deveras importante, diria até imprescindível para que nossa mente abstrata, “acorde” e possa entender o que está se passando para realizarmos uma evolução, que é justamente a finalidade preconizada nas iniciações. Valeu Igor, excelente texto.
    @Luciuxlynx – Igor? Colunista errado ^^

  4. Glauber Correa

    Caramba meu, que vacilo, me desculpe Taffarel, que tremenda bobeira de minha parte!!! Mas agora corrigindo, excelente texto Taffarel!!! \o\
    @Luciuxlynx – heheh, acontece

  5. Marcos

    5º parágrafo, erro de digitação:
    ” ser alguém melhr”

    @Luciuxlynx – corrigido, obrigado

  6. Edel

    Bela mensagem,parabéns…

  7. Deluan

    A iniciação real, a transformadora e não só simbólica, é uma espécie de epifania?
    @Luciuxlynx – Não vejo dessa forma, a Iniciação representa uma ruptura, uma mudança à nivel espiritual que se reflete permanentemente na vida do magista, a partir daí a pessoa não é mais a mesma, e a mudança é sentida em todas as manifestações de sua vida, é um passo que não se volta atrás, quase um salto de fé.

  8. Petri

    “afastando-nos da besta, compreendendo sua parte em nós e aproximando-nos do divino”
    Você se refere a entender a besta, e aprender algo a partir de sua existência em nós?
    @Luciuxlynx – Sim, ao subjugá-la estarás sublimando parte de seu ser, temos luz e trevas dentro de nós, isso é inerente ao ser humano, então vejo que o equilibrio não está em atos puramente bons, nem atos puramente maus, ou mesmo atos neutros, e sim saber se posicionar e agir quando se deve agir, e parar quando se deve parar, afinal bem e mal são questões de ponto de vista. Somos a Besta, e somos o Divino, nosso papel é ser uno com o Universo, portanto compreender a besta, e compreender a Deus.

  9. Muito legal o texto, Taffarel…
    bendita sincronia… to estudando bastante sobre isso ultimamente…
    Grande abraço, irmão

  10. Glauber Correa

    Pessoal experiente, eu quero saber se alguem se auto-iniciou, e se foi efetiva a mudança, na verdade eu creio que todas as iniciações são auto-iniciações, mas eu me refiro ao modo solitário entendem? se alguém puder dar algum norte ai por gentileza se manifeste!!!

    1. Alan J

      Glauber, também concordo que toda iniciação é uma auto-iniciação.
      Como disse o Taffarel, e eu também concordo, isso é “quase um salto de fé”…
      E do modo solitário isso pode vir numa roupagem acidental, e o momento passar batido ou não. Aliás, se auto-iniciar solitariamente é muito mais complicado. É necessário tomar cuidado pra não se enganar, se iludir.
      Em tempo… Quantos entram na AMORC, na Maçonaria, e etc, e pensam “puxa vida, vou me tornar um Iniciado!”?? Bom, de fato, a pessoa vai passar pelo ritual de iniciação da loja e tal, mas até ai nada prova que ela é uma Iniciada, verdadeiramente. Se for assim, qualquer trote de universidade (que também corresponde a uma morte simbólica) já te tornaria um (rs).
      Não é a toa que o MDD diz e repete que as ordens discretas são apenas pra separar o joio do trigo: nem todo mundo que ta lá dentro tem noção do que diabos é ser um Iniciado.
      E é nesse sentido que eu vejo uma ligeira vantagem do buscador solitário: ninguém vai te dizer que você se Iniciou, em coisa alguma. Tudo vai depender única e exclusivamente da auto-consciência do indivíduo, da auto-observação, e do que tal momento representou simbolicamente na sua vida.
      “O passo que não se volta atrás”. Quantos sabem o que é isso? Quantos conseguem se lançar, solitariamente, nessa nova perspectiva? Muitas vezes um episódio marcante da sua corriqueira vida profana subitamente te Iniciaria, se você prestasse a devida atenção. Muitos o fazem e nem percebem… Qual foi sua última morte simbólica? Essas coisas devem vir naturalmente, não podem ser forjadas em rituais mecânicos. Quantos dizem ser Iniciados, só porque sabem fazer um RPM, e não passam de babacas?
      Iniciados? Há aqueles que o são, há aqueles que nunca foram.
      A Iniciação verdadeira é aquela que afeta todas as esferas da sua vida. Todas. E há uma gama literalmente fractal de iniciações. Aqui estamos discutindo a mais simbólica e elevada das que podemos usufruir, creio eu.
      E, solitariamente ou não… Quem sabe quantas iniciações são necessárias pra chegar na Iniciação, de fato?

  11. Glauber Correa

    Grande Alan J.
    Muito boa sua explicação, eu concordo com cada palavra sua, até porque pelo menos em minha experiência, o “joio” tem sido mais frequente que o “trigo” nas diversas ordens, com gente pomposa e seus símbolos na lapela do terno que só querem se mostrar mesmo.
    Creio que se um buscador solitário, for realmente sincero consigo mesmo, será bem melhor quando tomar ciência de que é um iniciado.
    Eu até tenho oportunidades de me ingressar em ordens, mas anda difícil confiar nessas ordens, não pelo fato de sua filosofia, que em todas são lindas, mas pelo “joio” que há nelas, que sinceramente, desanima. Mas com certeza, um norte, um direcionamento de uma escola esotérica é muito salutar, desde que tenhamos a ciência de que para iniciarmos é “matar os cascões energéticos de nossa personalidade” e não simplesmente passar por um rito, como o nosso amigo Alan J, colocou.
    Abraços, e obrigado Alan pelos seus esclarecimentos.
    @Luciuxlynx – Sou a favor das ordens, de um tutor/mestre para guiar o neófito pela simples diferença entre ‘errar sozinho’ e ‘errar acompanhado’, sobre seguir seu caminho sozinho após a base ter sido construida e os meandros da magia dominados: concordo plenamente, mas par ao neófito, é perigoso.

    1. Alan J

      De fato, é perigoso. Como eu disse, o neófito se arrisca a enganar-se, iludir-se… e se machucar. A busca solitária é um caminho de dolorosa luta. Creio até que todos tem o direito e dever de começarem sozinhos, antes de embarcarem numa Egrégora iniciática/magística, justamente pra explorar o seu próprio limite e adquirir conhecimento.
      @Luciuxlynx – Limite esse que é bastante curto, claro que a vontade de aprender, a busca pelos conceitos, começa dentro de si mesmo, mas só com um mestre, um grupo que possa te orientar, é que esses limites são traablhados e ampliados a contento, afinal seu tutor é obrigatóriamente alguém que já domina o grau para o qual você aspira. Abusar de certas coisas, como tentar rituais ou conhecimentos avançados para seu nivel de conhecimento é perigoso, lembrando que Magia é um fio de navalha: só se erra uma vez.
      Caso opte por se vincular a uma Ordem, já terá certa bagagem e/ou talvez até já tenha se Iniciado. Com um mestre/tutor pra guiá-lo, o Caminho fica sensivelmente aliviado e a evolução salta mais rápido. Tudo depende da disposição do neófito.
      Caso opte pela via solitária, será um treino muito mais longo, feroz e eficaz para a Vontade e a Sinceridade. Mas a chance de fracasso e decepção é exponencialmente maior, sem dúvidas. Aprender a lidar com os erros e atingir um discernimento superior sobre “o que serve e o que não serve” é fundamental, e coisa muito difícil hoje em dia.
      @Luciuxlynx – Vejo que com tutores competentes deixa-se de poerder um tempo precioso que seria gasto com tentativa e erro, e com a guia correta certos erros podem ser evitrados e todas as dúvidas devidamente sanadas.
      Só almas fortes chegam no ouro dos alquimistas. E buscar esse ouro sozinho exige que a pessoa seja ainda mais indestrutível e auto-ciente. Como nem todos nascem com uma vocação pra luta incessante e uma fé inabalável, sempre será recomendável adentrar uma ou várias Ordens.
      @Glauber:
      Quanto ao “joio”… não deixe que eles o desanimem. Eles não são a Ordem. Confie na Ordem, e nas suas filosofias. O “joio” sempre vai existir, não tem jeito de expurgá-los desse planeta (rs). Afinal, no fundo no fundo, só há buscadores solitários (trigo) e não-buscadores (joio). E acredito que caminhando sozinho, você encontrará muito mais “joio” do que nas Ordens. O “joio” é a quantidade. O “trigo” é a qualidade.
      Seja mais qualitativo e menos quantitativo quando avaliar uma Ordem.
      Porém, se me fosse perguntado, eu diria que todas as Vias são boas e sou a favor de todas. O importante é: A qual delas o Espírito se adapta melhor? Qual delas fundamenta melhor seus objetivos? Qual o melhor método de treinar sua divindade e dominar os meandros da magia?
      A via solitária? Então, esteja devidamente preparado, porque a luta é extremamente árdua… e embora seja 100% eficaz nas transformações alquímicas, ela só o é naqueles que são imbatíveis e de Vontade incorruptível. Caso contrário, fica muito fácil ceder às tentações de Malkuth e, assim, comprometer todo o processo iniciático.
      Se você não tem essa Força, faz-se necessário a presença de um Mestre até que atinja esse patamar.
      Pois nós todos sabemos que pra cada 10 Iniciados nas Ordens, existe 1 Iniciado solitário. Ou menos.
      Grande abraço e muita Luz.

      @Luciuxlynx – Repetindo: não condeno a via solitária, mas aconselho que se evite, caso o aspirante ou neófito ainda esteja buscando suas próprias bases. Há de haver bom senso.

  12. TiagoMazzon

    Estou ansioso pela minha Iniciação de Templo… ainda mais depois de ler uma descrição dessas.

  13. Glauber Correa

    Meus caros, obrigado pelos esclarecimentos, estejam certos de que embora não os conheça vou ponderar as palavras de vocês, e realmente, as ordens são magníficas, todas as filosofias são lindas e salutares com certeza, cabe a nós fazermos por onde não tornarmo-nos o “joio”, muito bem colocado. Pensando a respeito disso, vi o quanto preciso transmutar “meus metais grosseiros” pois estava um tanto quanto radical, quanto a entrar em ordens (pelo fato de muitos serem o joio, pervertendo suas filosofias) mas se continuar a pensar assim, não exercerei mais minha profissão, não trabalharei mais, nem sequer sairei mais de casa, haja vista haver muita corrupção em todos os setores de nossa sociedade. Cabe a nós elevarmo-nos, e fazer o que estiver ao nosso alcance.
    Esse tema de iniciação é fascinante!!! Tomara que novos tópicos surjam!!! Abraços

  14. Amarildo

    3,7,15 – na verdade quantos podem ser iniciados de uma só vez?
    Existe alguma regulamentação entre a quantidade de iniciados nas diferentes Potencias ?
    Os diferentes Ritos , de uma mesma Potencia , há diferenças nas quantidade de candidatos nas suas Iniciações?

    @Luciuxlynx – Até onde sei, e nesse caso é pouco, o numero pode variar, mas eu acredito que uma iniciação completa, de verdade, é feita com poucas pessoas ao mesmo tempo, e ainda, a iniciação é individual, indiferente do numero de pessoas sendo iniciadas ao mesmo tempo, pois ela representa uma ruptura para a pessoa, e a iniciação não é sentida e interpretada por todos da mesma forma. Sobre informações mais diretas sobre numeros em lojas acredito que o Ir.: Kennyo é bem mais capacitado que eu para responder ^^.

  15. roberto

    Ola
    Não tendo como dizer o que penso, acho melhor colocar parte de um texto que recebi há algum tempo:
    Quis ouvir mais ? O que é ser iniciado?
    Veralgor não se fez de rogado ? Ser iniciado é estar em busca da verdade e do conhecimento. O iniciado é um eterno buscador e não aquele que afirma ter encontrado o conhecimento.
    O iniciado busca o conhecimento e a verdade por dois meios, o primeiro através da pesquisa sobre todo o saber acumulado pela humanidade durante séculos, e o segundo através de uma busca em seu interior, no cabedal imenso que todo ser humano carrega em seus genes. Essa busca interior termina por uma revelação, ou seja, conseguir acessar o conhecimento dos seus ancestrais desde o início do mundo. Para o homem são isto será realmente chegar ao conhecimento, porém, para o paranóico parecerá ter contatado com a divindade.

  16. Evandro S. Morais

    Saudações, eu gostaria da sua opinião sobre uma questão.
    Eu comecei muito recentemente a estudar sobre o oculto só, você me indicaria continuar solitário ou me afiliar a uma (ou mais) ordens?
    Obs.: me sinto bem estudando sozinho, mas me falta alguma disciplina (rs), e pode ser que o acompanhamento de um mestre e irmãos ajude o aprendizado e desenvolvimento.
    Agradeço desde já a paciência com “iniciantes” como eu.

Deixe uma resposta