Brooklyn 99 e a Árvore da Vida

Por Gabriel Queiroz

Temos o herói tiferetiano Jake Peralta, um detetive brilhante, porém muito imaturo, egoísta e imaturo, que desvenda crimes no Brooklyn, em NY, na 99ª delegacia. Toda a história começa com a aposentadoria do antigo Capitão, que deixava Jake fazer o que queria e aprontar um monte de besteira na delegacia. O novo capitão, Raymond Holt, é extremamente linha dura, mandão, sem humor e conhecido por não expressar emoções e ter sempre a mesma cara fechada. Jake e Holt teimam muito um com o outro sempre, mas o tempo faz com que eles cresçam. Jake fica mais responsável e Holt aprende a embarcar nas loucuras de Jake.

A história de Jake é sobre amadurecimento como homem para deixar de ser um menino grande que é fã de Duro de Matar. A série volta e meia brinca com a relação de Jake e Holt, que se tornam como pai e filho (Jake tem problemas com sua figura paterna biológica).

TIFERET / SOL: Jake é sempre retratado como egoísta, vaidoso e mimado, se acha o melhor detetive do mundo e vive fazendo brincadeiras na delegacia e nas missões. Porém, ele sempre está disposto a ser sacrificar pelos seus amigos e acaba tomando atitude verdadeiramente magnânimas, quando deixa de lado suas próprias ambições para ajudar seus amigos (abrir mão da glória de um caso grande para que Holt consiga retomar a delegacia, deixar seu “inimigo pessoal” fugir e ajudar a Força-Tarefa de Rosa a desmanchar uma quadrilha).

YESOD / LUA: Amy Santiago é a amiga, namorada e esposa de Jake. Amy tem um jeito meigo, carinhoso, sensível e temperamental (fases, incluindo diversos estágios de ficar bêbada). Também é detetive, como Peralta, mas ela é certinha e puxa-saco do Capitão Holt para ser seu mentor para que ela progrida na carreira. Amy tem alergia a cães, gosta de cuidar dos outros, é bastante atrapalhada e nerd. Ela é caseira e gosta tipicamente de coisas de vovozinha, como crochê e caça-palavras. Ela também tem o lado “psíquico” de Yesod, boa de intuição (disputa com Jake como melhor detetive) e boa em leitura labial.

NEZTACH / VÊNUS: O mais óbvio de todos, Charles Boyle. Excessivamente amoroso, extravagante, afetuoso e agregador. Boyle é o melhor amigo de Jake e seu parceiro de polícia e sempre concorda com ele, elogia ele e o ama a ponto de criticar Amy por qualquer coisinha que faça o Jake se chatear. Charles é tão unha e carne com Jake que disse que se sentia abandonado pelo pai do Jake também, porque ele abandonou seu melhor amigo quando criança. Charles tem vários romances apaixonados e sempre sofre com desilusões por se jogar demais nos relacionamentos e por medo de acabar sufocando suas parceiras. Eventualmente, se casa com Genevieve e tem todo um arco envolvendo sua fertilidade, acaba por adotar um menino da Letônia, Nikolaj. Charles inclusive é o sexy symbol do distrito, seduzindo criminosas e obtendo informações privilegiadas com mulheres com seu rebolado de bumbum e suas “curvas voluptuosas”. Charles é sempre manso e até capacho, mas quando seu filho corria o risco de não ter um Natal feliz, Charles virou um Rambo e moveu mundos e fundos, desmantelou um cartel de drogas quase que sozinho, a verdadeira força de uma “água doce”, a cachoeira. Charles também é muito requintado, cozinha comidas finas, todas essas guloseimas chiques que Vênus adora e é um Cupido entre Jake e Amy, induzindo os dois a terem filhos e falando sobre o período fértil dela. Charles vive falando sobre amor, paternidade, detalhes de sua vida sexual, fertilidade, crianças, culinária. Inclusive ele teve noites quentes com a Gina e ambos se relacionaram como amantes, embora sejam “irmãos” agora que o pai dele e a mãe dela se casaram. Charles inclusive é parteiro. Não preciso nem dizer que esse aqui é o exemplo mais óbvio de encaixe perfeito em todos os arquétipos de Netzach.

HOD / MERCÚRIO: Gina Linetti, a versão humana do emoji 100 e fiel escudeira do Capitão Holt. Ela é amiga de infância e estudou com o Jake. Uma verdadeira trickster, a única civil da delegacia. Logo que Holt chega, a promove a sua assistente por ver “talentos” nela, a magia da Gina. Ela é eloquente, expressiva, uma “alfa” que manda na delegacia, cruel com as palavras, mean queen, vive conectada à tecnologia e sempre atenta às mensagens, é a mensageira da delegacia. Transita no dual, ser civil no meio policial, tem atitudes questionáveis, mas inúmeras vezes salva o dia com seu modo peculiar de pensar e agir. Ela é dançarina, uma atriz, uma estrela, blogueirinha, se acha demais e mentirosa das boas. Vive pregando peças nos outros, às vezes parece boa (ofereceu seu apartamento quando Jake ficou sem teto), às vezes parece má (bullying com Amy), consegue fazer mil coisas ao mesmo tempo, é preguiçosa e detesta trabalhar, adora uma fofoca. Gina já chegou a reformular a forma como se comunica porque o inglês não é capaz de expressar a complexidade de seus pensamentos, inserindo emojis em suas falas para se comunicar melhor.

GEBURAH / MARTE: Detetive Rosa Diaz, a melhor amiga de Jake, a policial mais assustadora, sem frescura e violenta do distrito. Ninguém sabe detalhes de sua vida particular e pouco se sabe sobre o soft side dela (fez balé na infância, “combina” coisas em casa para deixar mais bonito), ela diz que o nome dela nem é Rosa. Ela é sempre a primeira a propor técnicas de tortura, esfolar pessoas e querer encher de porrada os bandidos. Ela tem um acervo de armas, está sempre com um facão escondido e usa muito bem armas pesadas. Ela é tão violenta que dá socos direto em Hitchcock, Scully e até no Boyle quando eles fazem algo que a desagrada. Ela é fria, não tem emoções, não sorri, esconde seus medos, gosta de destruir e demolir coisas. Quando o esquadrão está em apuros, ela é a primeira a se jogar no perigo, tirar seus bastões da cintura e ir para luta corporal, ela tem várias cenas de ação. No entanto, ela não é só explosão, tem um forte sendo de hierarquia e obediência a Holt mesmo quando ele a impede de prosseguir com Deus planos de tortura e linchamento, ela também tem a disciplina militar. Com o tempo, ela se abre mais para essa coisa estranha de “ter sentimentos”.

CHESED / JÚPITER: O Capitão Holt, líder da 99 e que usa os talentos de cada policial para que dia delegacia seja a melhor do país. Ele é durão, mas já sofreu muito na carreira por ser gay (fora do esteriótipo) e negro. Ele é extremamente inteligente, cortês e generoso com os que estão abaixo dele, gosta de ensinar aos outros e tem um nível cultural tão elevado que isso frequentemente é uma das piadas da série, quando ele fala com seu tom monótono sobre música clássica ou referências de literatura que ninguém pega. Como bom Mestre dos Magos, ele sempre orienta os policiais e gosta de desafios de palavra, adivinhação e vive propondo charadas ou criando códigos cifrados para manter investigação em sigilo que o esquadrão tem dificuldade de desvendar (como pegar cada letra do nome da investigação, transformar em número e elevar ao quadrado, decorando e dizendo a todo momento uma sequência enorme de números). Mora em uma grande casa que mais parece um palácio, está realmente “em um nível acima” dos policiais do distrito.

BINAH / SATURNO: Sargento Terry Jeffords, incrivelmente forte e musculoso, quase um Hulk. Sua patente é superior à de Jake, Amy, Rosa e Charles, o que o faz chefe deles. É o primeiro que Holt chama para entender o funcionamento da delegacia. Enquanto Holt quer expandir os horizontes e fazer cada policial melhorar e fazer a delegacia crescer, cabe a Terry ficar contendo ou tomando conta principalmente de Jake. Ele é um tanto pessimista, muito pé no chão, sério, um pouco rabugento e corta as asas de Jake. Muito tradicional, é o marido e pai perfeito, vive falando da esposa e das filhas gêmeas. Inclusive um episódio já brincou com o aspecto velho de Saturno do Terry, quando ele se achou velho e surgiu do nada com óculos de leitura de correntinha, uma manta e tomando mingau de aveia simplesmente porque é o que velhos tomam. Ele tem uma tendência controladora e quer que todos no esquadrão sigam certinho as normas e comandos. Também não gosta de luxo e fala muito em dinheiro e emprego pra sustentar a família.

MALKUTH / TERRA: Esse aqui fez muito sentido porque, como os próprios dizem ao longo da série, eles são uma pessoa só: Michael Hitchcock e Norm Scully. Eles representam tudo o que há de se mudar no serviço das organizações à população: são preguiçosos, não gostam de trabalho, fazem só a papelada e só querem saber de sombra e água fresca. Eles são tão “mundo créu”, que só querem saber de dormir, comer e falar besteira, Hitchcock inclusive pensa em “universitárias gatinhas” e outras safadezas, diferente do Boyle, que é muito sexual, mas como manifestação de amor e não de prazer mundano. Os dois são tão inertes (terra), que é como se tivessem raízes, não levantam das cadeiras pra nada quase e vivem sentados, a cadeira já tem até os formatos do assento deles. Eles são bons policiais, na verdade, mas não querem se desenvolver, preferem a papelada para não receberem missões porque é confortável ficar comendo e fazendo nada dentro da delegacia. Hitchcock e Scully são o padrão (lembra, “Norm” é o primeiro nome do Scully) de onde quer se sair para chegar em uma nova polícia “uma oitava acima”, onde não haverão mais maus policiais e não haverá mais crimes no Brooklyn.

Este post tem um comentário

  1. Lúcio

    Excelente correção entre os personagens da série e as energias da Árvore da Vida ^^

Deixe uma resposta