Beltane

Hemisfério Norte: 1o de Maio
Hemisfério Sul: 31 de Outubro

Também conhecido como Dia 1o de Maio, Dia da Cruz, Rudemas e Walpurgisnacht, o Sabbat Beltane é derivado do antigo Festival Druida do Fogo, que celebrava a união da Deusa ao seu consorte, o Deus, sendo também um festival de fertilidade. Na Religião Antiga, a palavra “fertilidade” significa o desejo de produzir mais nas fazendas e nos campos e não a atividade erótica por si só.

Beltane celebra também o retorno do sol (ou Deus Sol), e é um dos poucos festivais pagãos que sobreviveu da época pré-cristã até hoje e, em sua maior parte, na forma original. é baseado na Floralia, um antigo festival romano dedicado a Flora, a deusa sagrada das flores. Em tempos mais antigos, esse festival era dedicado a Plutão, o senhor romano do Submundo, correspondente do deus Hades da mitologia grega. O primeiro dia de maio era também aquele em que os antigos romanos queimavam olíbano e selo-de-salomão e penduravam guirlandas de flores diante de seus altares em honra aos espíritos guardiães que olhavam e protegiam suas famílias e suas casas.

No dia de Beltane o sol está astrologicamente no signo de Tauros, o Touro, que marca a “morte” do Inverno, o “nascimento” da Primavera e o começo da estação do plantio. Beltane inicia-se, acendendo-se, segundo a tradição, as fogueiras de Beltane ao nascer da lua na véspera de 1o de Maio para iluminar o caminho para o Verão. Realiza-se o ritual do Sabbat em honra à Deusa e ao Deus, seguido da celebração da Natureza, que consiste de banquetes, antigos jogos pagãos, leitura de poesias e canto de canções sagradas. São realizadas várias oferendas aos espíritos elementais, e os membros do Coven dançam de maneira muito alegre, no sentido destrógiro, em torno do Mastro (símbolo fálico da fertilidade). Eles também entrelaçam várias fitas coloridas e brilhantes para simbolizar a união do masculino com o feminino e para celebrar o grande poder fertilizador do Deus. A alegria e o divertimento costumam estender-se até as primeiras horas da manhã, e, ao amanhecer do dia 1o, o orvalho da manhã é coletado das flores e da grama para ser usado em poções místicas de boa sorte.

Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat Beltane são frutas vermelhas (como cerejas e morangos), saladas de ervas, ponche de vinho rosado ou tinto e bolos redondos de aveia ou cevada, conhecidos como bolos de Beltane. Na época dos antigos druidas, os bolos de Beltane eram divididos em porções iguais, retirados em lotes e consumidos como parte do rito do Sabbat. Antes da cerimômia, uma porção do bolo era escurecida com carvão, e o infeliz que a retirava era chamado de “bruxo de Beltane”, e tornava-se a vítima sacrificial a ser atirada na fogueira ardente.

Nas Terras Altas da Escócia, os bolos de Beltane são usados para adivinhação, sendo atirados pedaços deles na fogueira como oferenda aos espíritos e deidades protetores.

Incensos: olíbano, lilás e rosa.
Cores das velas: verde escuro.
Pedras preciosas sagradas: esmeralda, cornalina laranja, safira, quartzo rosa.
Ervas ritualísticas tradicionais: amêndoa, angélica, freixo, campainha, cinco-folhas, margarida, olíbano, espinheiro, hera, lilás, malmequer, barba-de-bode, prímula, rosas, raiz satyrion, aspérula e primaveras amarelas.

Ritual do Sabbat Beltane

O Sabbat Beltane dos Bruxos começa oficialmente ao nascer da lua da Véspera de 1o de Maio (ou de Novembro, no hemisfério sul), sendo tradicionalmente realizado no alto de uma montanha onde são acesas as imensas fogueiras de Beltane para iluminar o caminho para o verão e aumentar a fertilidade nos animais, nas sementes e nas casas. (Antigamente as grandes fogueiras da Irlanda, que simbolizavam o Deus Sol doador de vida, eram acesas com a centelha de uma pederneira ou pela fricção de duas varetas.)

Se você planeja festejar Beltane em ambiente fechado, deverá acender o fogo em um local apropriado. Certifique-se de colocar um galho ou ramo de sorveira sobre o fogo para reverenciar os espíritos guardiães de sua casa e sua família, trazendo boa sorte para a casa e mantendo afastados os fantasmas, duendes e fadas malévolos. Se você não tiver lugar apropriado, poderá acender 13 velas verdes-escuras para simbolizar a fogueira de Beltane.

Vista-se com cores brilhantes da Primavera (a não ser que prefira trabalhar sem roupa) e use muitas flores coloridas e de odor forte nos cabelos. Antes de vestir-se para a cerimônia, medite e banhe-se à luz de velas com ervas para limpar seu corpo e sua alma de quaisquer impurezas ou energias negativas.

Comece traçando um círculo de 3m de diâmetro e monte um altar no centro, voltado para o leste. No topo do altar, coloque duas estatuetas para representar a Deusa da Fertilidade e Seu consorte, o Deus Cornífero. Ao lado de cada uma delas, um incensório contendo olíbano e selo-de-salomão. No lado direito do altar, coloque um punhal consagrado e um cálice cheio de vinho. Acenda 13 velas verdes-escuras em torno do círculo.

Prepare uma coroa de flores do campo que florescem na Primavera, tais como margaridas, prímulas, primaveras ou malmequeres, e coloque-a no altar diante dos símbolos da Deusa e do Deus. Pode ser colocado um pequeno mastro decorado (com cerca de 1m de altura) à direita do altar, enfeitado com flores e fitas de cores brilhantes.

Ajoelhe-se diante do altar. Acenda as velas e o incenso. Feche os olhos, concentre-se na imagem divina da Deusa e do Deus, e diga: EM HONRA à DEUSA E AO DEUS CORNíFERO, E SOB A SUA PROTEçãO, INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Abra os olhos. Pegue o punhal que está no altar, cumprimente com ele o leste, e diga: OH, DEUSA DE TODAS AS COISAS SELVAGENS E LIVRES, A TI EU CONSAGRO ESTE CíRCULO. Segure o punhal em saudação na direção sul e diga: ABENçOADA SEJA A VIRGEM DA PRIMAVERA, PARA ELA EU CANTO ESTA PRECE DE AMOR. ELA TORNA VERDE AS FLORESTAS E OS PRADOS, OH, DEUSA DA NATUREZA, ELA REINA SUPREMA.

Segure o seu punhal em saudação ao oeste, e diga: OLíBANO E SELO-DE-SALOMãO, GRAçAS A ELA QUE FAZ GIRAR A RODA!

Segure o punhal e saúde o norte, dizendo: ABENçOADO SEJA O SENHOR DA PRIMAVERA, PARA ELE EU CANTO A PRECE DO AMOR. DEUS DIVINO DAS TREVAS, DEUS DIVINO DA LUZ, ESTA NOITE EU CELEBRO OS SEUS PODERES FERTILIZANTES.

Coloque o punhal de volta no altar. Pegue a coroa de flores do campo e coloque-a no alto de sua cabeça. Quando esse ritual é realizado por um Coven, o costume é que o Alto Sacerdote a coloque sobre a cabeça da Alta Sacerdotiza. Ajoelhe-se diante do altar, olhando para as imagens das deidades pagãs da fertilidade. Abra os braços e diga: ESPíRITOS DA áGUA E DO AR, EU PEçO QUE OUçAM A MINHA PRECE: QUE O CéU E O MAR PERMANEçAM LIMPOS, QUE A TERRA SEJA FéRTIL E VERDE. ESPíRITOS DO FOGO, ESPíRITOS DA MãE TERRA, QUE O MUNDO SEJA ABENçOADO COM PAZ, AMOR E ALEGRIA.

Pegue o cálice de vinho e levante-o com o braço esticado, e, enquanto derrama algumas gotas no chão, como libação à Deusa e ao Deus, feche os olhos e diga: QUEIMEM OS FOGOS SAGRADOS DE BELTANE, ILUMINEM O CAMINHO PARA O RETORNO DO SOL. AS TREVAS DO INVERNO DEVEM AGORA TERMINAR, A GRANDE RODA DA VIDA GIROU NOVAMENTE. QUE ASSIM SEJA.

Beba o resto do vinho do cálice e, então, coloque-o de volta no altar. Apague as velas, mas deixe que o incenso termine de queimar. O ritual está agora completo, devendo ser seguido de um banquete, de cantos e danças na direção do movimento do sol em torno da fogueira de Beltane ou do mastro decorado para simbolizar a união divina da Deusa com o Deus.

Fonte: ‘Wicca – A Feitiçaria Moderna’, de Gerina Dunwich

Este post tem 9 comentários

  1. Eduardo

    Fantástica essa parte prática Marcelo, Tranquilo de tentar reproduzir em casa de uma forma mais simples? Vou procurar o material. Não tenho um punhal consagrado ainda, poderia usar outro objeto? Talvez um galho representando uma baqueta ou algo do tipo?

    Abraços e P.P.!!!

  2. HOJE EU VOU PROVAR A NOITE
    HOJE EU VOU… TOCAR NO CÉU
    O ENLACE DOS AMANTES
    ARDENDO NO FOGO DE BEL

    AO ENTRAR NESSE BAILE DE MÁSCARAS
    A MAGIA ESTAVA NO AR

    HOJE EU VOU PROVAR A NOITE
    HOJE EU VOU… TOCAR NO CÉU
    O ENLACE DOS AMANTES
    ARDENDO NO FOGO DE BEL

    FACE A FACE NÃO IMPORTA QUEM ERAS
    A BELEZA ESTAVA POR TRÁS
    SEDUÇÃO A DESPIR O MOMENTO
    NÃO HAVIA NEM ESPAÇO NEM TEMPO

    HOJE EU VOU PROVAR A NOITE
    HOJE EU VOU… TOCAR NO CÉU
    O ENLACE DOS AMANTES
    ARDENDO NO FOGO DE BEL….

  3. Gustavo Costa

    Curioso mas o começo da primavera sempre marca o começo dos meus namoros e mais especificamente o atual, que comecei a conversar e olhar ‘diferente’ com minha atual namorada neste periodo

  4. R.Augusto

    Salve, MDD!

    Minha dúvida é a seguinte:
    Considerando a dependencia extrema desses povos pela agricultura,sendo essa o unico meio de subsistencia,é evidente o proposito de um ritual que abençoe a terra. Mas,considerando as mudanças que ocorreram na sociedade desse periodo até a atualidade,qual seria o propósito de um individuo do seculo XXI,que disca pro fastfood mais proximo e sua comida chega em casa em 20 minutos, em realizar tal ritual?

    Outra duvida,que se relaciona com a primeira de certa forma:
    Percebe-se a importancia das Estações na vida desses povos(sempre vinculada com a questão da fertilidade, é claro).Mas ,nos dias de hoje, pouco importa se é Inverno,Pirmavera ou Verão, você terá comida no prato.Diante dessa questão, mais uma vez eu pergunto, qual seria o proposito desse ritual no mundo contemporaneo?

    Obs:As perguntas parecem contestaçoes arrogantes mas são duvidas mesmos.

    @MDD – O proposito do Ritual de Beltane é PROSPERIDADE. Antigamente isso era traduzido como “comida”, hoje existem outras formas de se traduzir esta energia. O que vale é o símbolo.

  5. Estou lendo as Brumas de Avalon. É interessante ler essa parte prática relacionada à Beltane. Bem que a autora não se concentra tanto no ritual em sí, mas no “gamo-rei”. O fruto da união ou a fertilidade.
    É interessante ler o começo dessa invasão cristã e o conflito, por vezes mesmo que velado de Morgana e Gwen. O melhor é saber que resiste ainda hoje.
    Sei que é só uma pequena parte do livro focada neste ritual, mas é ótimo conhecer um pouco mais.

  6. Eduardo oliveira Rocha

    Hmmm…DD, olhe, realmente é muito interessante esse texto, principalmente para mim que adoro cultura celta.
    Mas, tipo, o fato de você ter publicado um texto detalhando, o ritual de Beltane… você fez isso também por valor histórico, ou realmente essa descrição tem valores práticos?
    Se a resposta for a segunda opção, então qual o sentido de fazer o ritual para uma deusa da fertilidade?Por, exemplo, por que eu devo agradecer a algo que, na verdade, não é resultado de uma entidade mítica da cultura celta, mas sim resultado de processos naturais?
    A crença em deuses é um resquício das sociedades primitivas humanas, que não conseguiam compreender coisas básicas a respeito do funcionamento da natureza e do mundo, e usavam explicações míticas religiosas para explicar coisas que hoje nós conseguimos compreender graças ao desenvolvimento do conhecimento e da natureza. Exemplos:
    Você fez uma enciclopédia a respeito de mitologia. Os gregos acreditavam que as constelações de ursa menor e ursa maior eram na verdade Calisto e seu filho, Arcas, transformados em constelaçoes pelos poderes de Zeus, a fim de evitar que Arcas matasse Calisto, sua mãe, que estava em forma de ursa. É um exemplo de como os gregos utilizavama as histórias das mitologias para dar um entendimento ao mundo. Essa história possui um valor histórico cultural, mas é cientificamente uma mentira. Do mesmo modo os vikings tinham rituais religiosos para “acelerar” os processos naturais, com base na crença em Thor como o deus que trazia a chuva e consequentemente fazia as colheitas crescerem.
    Outra coisa, supondo que Beltane exista, e que as pessoas devem devoção à ela por meio de rituais, o que aconteceria se as pessoas deixassem de cultuá-las? Existiriam outras divindades que exigem rituais como, seila, Marzanna, Boitatá, Juno, afinal, cada panteão possui diversos deuses, cada um regendo diversos aspectos.

    @MDD – Valor histórico E valor prático. O problema com voces, ateus, é que caem no mesmo erro dos crentes: acharem que os deuses existem de maneira física ou presencial (a diferença é que vcs acham que eles não existem e os crentes acham que eles existem), quando na verdade, Deuses existem como SIMBOLOS. Então, “Belenos” não é um guerreiro ruivo carregando uma lança e uma harpa, acompanhado de uma loira gostosa; ele é o SIMBOLO do Sol como provedor de todas as qualidades do Verão. Sua descrição nada mais é do que a soma dos atributos de virilidade, paixão e fertilidade associados ao sexo pleno, aos machos e fêmeas alfa que estão dentro de cada pessoa, adormecidos na maioria.
    Então, cultuar a Belenos é cultuar A SI MESMO, ou aos ASPECTOS DE BELENOS dentro de si mesmo. Assim como todos os outros “deuses” que os ocultistas evocam. Quem cultua é crente, que acha que essas imagens são coisas externas; e os ateus se fecham cada vez mais em negar tudo sem conhecer, parecendo mais e mais com robozinhos sem alma.
    O princípio pela qual os rituais funcionam é o mesmo pelos quais os chamados “amuletos” funcionam: A manifestação da Vontade (Thelema) focada em um determinado ponto do tempo e espaço. Os materialistas chamam de “autosugestão” ou “efeito placebo” ou “autocura” ou “coincîdência” embora isso seja apenas nomes; para o Hermetismo, todos os processos começam na mente e depois se manifestam no físico. Ou seja, se voce cultua Belenos, isso causa todo um processo de transformação mental que manifestará estes atributos dentro de você, tornando-o mais próximo de Belenos.
    Até agora, os cientistas conseguiram provar que amuletos da sorte funcionam: http://www.deldebbio.com.br/index.php/2010/08/26/amuletos-aumentam-sua-chance-de-sucesso/
    E existem alguns estudos que concluiram que meditar sobre Hermes ou sobre pilotos de fórmula 1 faz com que as pessoas fiquem mais rápidas e ativas, enquanto meditar sobre esclerose ou paralíticos faz com que as pessoas se tornem mais lentas (Richard Wiseman, renomado psicologo inglês, no livro “Esquisitologia”, conduziu estas experiências, fazendo com que voluntários atravessassem um corredor do elevador até a sala de testes e passassem uma hora escrevendo redações sobre Hermes ou sobre paralíticos, e depois medindo e comparando as velocidades com que eles percorriam o corredor na ida e na volta). Ou seja: Meditar em deuses traz os deuses para dentro de nós. Sem sobrenatural nenhum. Apenas Conheça a si mesmo e conhecerá todos os Deuses do Universo.

    Hmmm…por favor, não considere esse texto um ataque a sua pessoa ou a sua crença, sei como você deve está de saco cheio de responder a pessoas iguais a mim, milhares de vezes, deve ser algo cansativo. Sou ateu, e minha mente só funciona de duas formas: ou algo é verdade, ou não é. Se achar uma perda de tempo me responder, pelo menos cole aqui um link de um livro que fale (e comprove) a respeito da efetividade dessas crenças. Fique tranquilo, não irei contra-argumentar, nem nada do tipo, já que acho seu blog muito curioso…

    @MDD – eu tenho 4 planetas no Signo de Virgem, o que me torna tão cético e ateu quanto você. Só acredito no que eu fui lá, testei pessoalmente e funcionou. Ou no que apresenta resultados práticos e mesuráveis. A única diferença é que eu sou chato e curioso o suficiente para ir lá verificar se o que os médiuns afirmam é verdade ou não ao invés de ficar sentado na frente do micro esperando o James Randi dizer o que eu devo acreditar. Muita coisa do que é afirmado nas listas céticas são falácias ou argumentos totalmente infundados, ignorantes ou preconceituosos de gente que nunca pisou em um terreiro ou olhou um mapa astral, por exemplo, e toma como dogma que são charlatanices sem nem testar (o que irônicamente deveria ser a definição de “ceticismo”… testar pra ver se funciona ou não…).

  7. R.Augusto

    Minha pergunta foi respondida indiretamente atraves da pergunta do Eduardo – que de modo impressionante calhou demais com o que eu buscava.

    Esqueça esse argumento ai de cima – só uma necessidade extrema de contestar que as vezes me surge – que, creio eu, venha do posicionamento de meu Marte em Gemeos.(O que as vezes é uma virtude e as vezes é impulsivo demais;mas creio que com controle,maturidade e conhecimento penderá só para o lado da virtude)

    Queria saber se voce se comunica com alguns leitores do blog atraves de e-mail,caso surja alguma duvida ou mesmo para se discutir algum assunto.Se sim,gostaria que me respondesse por email se voce conhece(e se conhece o que pode dizer sobre) o livro “No tumulo do fanatismo ” de Voltaire – que é uma serie de analises biblicas(analisando tanto o conteudo como manipulacoes que houveram devido a certos interesses das autoridades) e sobre religiao(principalmente a judaica,mostrando os disparates dessa mesma, e com um antissemitismo que pode ser agressivo aos espiritos mais sensiveis).Te peço uma referencia sobre esse livro por que Voltaire se guia por um vies extremamente cetico(em coerencia com o espirito de sua epoca – o que me faz perguntar se ele esta sendo parcial) e por vezes usa de argumentos,me parece, não muito convincentes;mas outras vezes seus argumentos impressionam pela simplicidade e genialidade.

    Por fim te parabenizo pelo trabalho, principalmente pelos textos que desmascaram as intituicoes tidas como verdades unicas e os idolos seculares.Continue assim.

  8. Eduardo oliveira Rocha

    Sobre o modo como procede o ritual, acredito que eu e outros tomamos conhecimento das fogueiras de Beltane através do livro “As Brumas de Avalon” de Marion Zimmon Breadley. Ela conta a história do rei Arthur a partir da pespectiva de Morgana, com destaque para os personagens femininos. No livro, o ritual é diferente de como você descreveu: eles dançavam, nús, e chegavam à um ponto em que todos os participantes da fogueira faziam uma “bacanal” (desculpe o termo inapropriadamente usado), fazendo sexo livremente ao relento, sendo que os homens poderiam até mesmo possuir a força as mulheres que estiverem participando das fogueiras. As crianças nascidas “da fogueira” eram consideradas filhas diretas do Deus com a mãe.
    DD, você conhece este livro e sua versão das fogueiras de Beltane?

    @MDD – O termo está correto. “Bacanal” é bem diferente de “orgia”. Bacanal vem das bachanalias, que eram festas dedicadas ao prazer hedonista, enquanto Orgia vem de Orgyon, que significa Segredos, e eram ritos sexuais coordenados pelo Orgiofante. Um excelente exemplo desta diferença está no filma “De olhos bem fechados” no qual o protagonista vai a uma mansão no Natal (O Ritual de Solstício de Inverno), onde ocorrem os dois rituais: o Círculo com as mulheres nuas e o sacerdote é a orgia, a festa hedonista na mansão para os não-iniciados é o bacanal.
    A versão do “Brumas de Avalon” é baseada em relatos celtas.

  9. Eduardo oliveira Rocha

    DD, faz um texto dia desses sobre Belenos, que você falou, tal como você fez com Beltane neste post. Fica aí a dica.

Deixe uma resposta