As Constelações (Estrelas Fixas)

Achei este post no Blog do frater Matheus, que trata das constelações por aquilo que elas realmente são: Pontos de referência simbólicos no céu. Os profanos e esquisotéricos acabaram associando-as à Astrologia, embora as constelações não tenham papel algum na confecção de Mapas Astrais.

As chamadas “estrelas fixas” (o que é também apenas um referencial, já que nada está “fixo” no universo) – em contraposição às “estrelas errantes” (os planetas) – constituem um dos mais antigos focos de interesse da humanidade. Registros históricos atestam que os primeiros assentamentos humanos do Neolítico já se maravilhavam com a observação delas. Ocupavam o plano mais alto e estável de tudo o que se movia aparentemente no céu.

Agrupadas nas constelações, as “estrelas fixas” ajudavam a orientação dos viajantes, marcavam início de colheitas, épocas de plantio, festas anuais e muitas outras atividades.

Constelação é o nome dado a certos grupos de estrelas do Céu onde é projetado o imaginário coletivo de um grupo social. As formas, desenhos e atributos variados as distinguem no firmamento. A palavra constelação vem do latim com-stelattus, marcado com estrelas. Em 1945, a União Internacional Astronômica marcou oficialmente os limites das constelações e quais estrelas pertencem a qual constelação. Por volta de 1970, 88 constelações eram aceitas universalmente, além de grupos estelares menores, chamados asterismos.

Catálogos do Céu para ajudar o trabalho na Terra
Os gregos povoaram a esfera celestial com suas lendas e mitos acrescidos das que herdaram da Mesopotâmia e da Fenícia. Tales, o mais antigo astrônomo grego conhecido, era de origem fenícia. Em Hesíodo (Teogonia e Os trabalhos e os dias) e em Homero há referências a certas estrelas e constelações que têm relação com mitos sumérios. N’ O Trabalho e Os Dias – um calendário/tratado para uso dos pastores gregos – Hesíodo faz referência às Plêiades, Híades, Orion, Sirius e Arcturus. Assim ocorre também nos Hinos Homéricos, em que há citações sobre as anteriores, além da constelação do Boieiro – e outras que são elencadas em Jó (do Antigo Testamento). A partir do sec VI a C, as constelações começam a aparecer nos registros de historiadores e poetas gregos: Aglaóstenes registra a Ursa Menor (Cinosura) e a translação de Aquila; Epimenides de Creta observa a translação de Capricórnio e da estrela Capella; Ferécides de Siros escreve sobre Orion, observando que, quando esta constelação se põe, o signo de Escorpião ascende; Ésquilo e Helano de Mitilene narram a lenda das 7 irmãs Pleiades, filhas do gigante Atlas, e Hécato de Mileto relaciona o mito da Hidra à constelação de mesmo nome.

Euctêmon, um astrônomo grego (séc. V a C), compila um calendário de estações no qual Aquário, Aquila, Cão Maior, Coroa Boreal, Cisne, Golfinho (Delphinus em latim), Lira, Orion, Pegasus, Sagitário e os asterismos Hiades e Plêiades estão ali mencionados, em relação ao tempo, às mudanças de estação. Neste calendário, solstícios e equinócios estavam associados aos signos.

O mais antigo trabalho grego com relação às constelações foi escrito por Eudoxo de Cnido (Phaenomena). Embora perdido, o original emprestou a base e o nome para que Arato, um poeta da corte macedônia, escrevesse seu longo poema. No Phaenomena, são descritas 44 constelações, sendo 19 ao norte, 13 zodiacais e 12 ao sul.

Cláudio Ptolomeu, astrônomo alexandrino, cerca de 300 anos mais tarde, no livro 6o de seu Almagesto, adota o sistema de Hiparco e cataloga 48 constelações por nome e localização, atribuindo a cada estrela próxima da eclíptica características de um ou mais planetas. O Almagesto foi a base para todos os catálogos de estrelas posteriores.

Outros catálogos estelares importantes, bem posteriores, foram feitos por J Bayer (1603), J Flamsteed (1725), J Hevelius (1690), N de Lacaille (1751), entre outros. Cada um destes astrônomos, além da catalogação, criou métodos de classificação estelar e, ainda, outras constelações, como por exemplo a de Lacerta (Lagarto) ou de Camelopardalis (Camelo). A constelação do Cruzeiro do Sul (Crux Australis) foi incluída por Augustine Royer em catálogo de 1679. Essa constelação, próxima do Escorpião, tem estrelas como Gacrux, Acrux e Mimosa, que, além de serem consideradas, em astrologia política, relativas ao Brasil, têm um simbolismo que está associado à astrologia, astronomia, botânica e a poderes psíquicos.

Este post tem 11 comentários

  1. chicoh1981

    Como já disse Raul: “O problema é muita estrela, pra pouca constelação.”, lá em Brasília acredito ser a mesma coisa, eles não trabalham juntos… nunca trabalharam.

  2. Paulo Tarso

    Os gregos tinham mania de falar que pessoas quando morrem viram estrelas no céu que lembram o herói de um momento de esperança na noite escura e dão uma indicação de como se comportar.

    Vieram os cientistas e falaram que estrelas são nuvens de gás inanimado em um processo de fusão nuclear, que pode ser que tenham deixado de existir há muito tempo, mas que, como são fixas servem pra orientar navegantes perdidos no mar quando eles não tem nenhum outro ponto de referência.

    Anos depois Sartre disse que pessoas quando morrem se transformam numa imagem cristalizada dessa pessoa, que perde completamente a capacidade de mudança pelo fato que vivem apenas na nossa memória. Ou seja, pessoas quando morrem viram uma lembrança cristalizada, que se torna um ponto de referência estático que pode nos indicar o que fazer e o caminho a seguir quando estamos perdidos, em dúvida e sem direção no meio de um oceano de possibilidades.

    Exatamente como uma estrela.

    1. Juliano

      Nossa, excelente reflexão, muito obrigado por compartilhar.

  3. Shaka

    Muito interessante essa história. Mas eu gostaria mesmo de indicações para poder ir atrás disso de modo mais aprofundado, as estrelas sempre guiaram nossos antepassados e nós mal as conseguimos enxergar por causa das luzes e da poluição, é vergonhoso.

  4. alessandro

    Putz… Será que as Linhas de Nazca no Perú, não foram feitas baseadas nos desenhos que os povos enxergavam nos céus daquela Época?

    Paz e Luz TIO !!

  5. IRR

    DD, apenas por curiosidade, ou caso você saiba algo mais que possa nos ser útil. Você poderia nos falar sobre a ligação de Asclepius, Caduceu e o 13º Signo?

    @MDD – A relação entre Asclepius e o Caduceu é obvia, essa dá pra achar no google…
    E não existe 13o signo: 4 elementos x 3 qualidades = 12 signos, não 13…

  6. IRR

    @MDD – A relação entre Asclepius e o Caduceu é obvia, essa dá pra achar no google…
    E não existe 13o signo: 4 elementos x 3 qualidades = 12 signos, não 13…

    A relação entre Asclepius e o Caduceu com certeza é obvia e da inclusive pra achar no google. Mas minha pergunta foi referente não num sentido formatadozinho e bonitinho como nos é ensinado, mas de uma forma mais abrangente. Pq e como ele conseguiu esse mérito? Qual o significado? Afinal, se for ver um mito meramente como uma estórinha pra boi dormir, este não será de muito proveito. (No pouco que consegui achar consegui subtrair alguma coisa, mas foi muito pouco).

    @MDD – Asclepius e o Caduceu têm ambos a ver com a Kundalini. A história deles é bem elucidativa, não tem nada “escondido” nela.

    E em relação ao 13º signo, também não foi uma pergunta literária. Se for ver tudo de forma literária nem os 12 signos existem.O 13º signo não poderia ser, por exemplo, o domínio completo das 12 energias? Assim como o Kundaline está para os chakras? Por isso ser representado também por uma serpente?

    @MDD – Não… 13o signo é invencionice de “astrólogo” para vender livro, nunca foi sequer considerado antes de 2003. Não há correspondência simbólica neste sentido… lembre que as constelações são meros auxiliares para se explicar algo extremamente complexo para pessoas de mente muito simplórias. Se você quisesse ser astronomicamente correto, teria de incluir ai as constelações de Baleia e Arachne também…

    PARA QUEM NÃO CONHECE:
    ps¹: Asclepius, Deus da Medicina, que andava sempre com o Caduceu de Hermes na mão esquerda, foi foi fuminado por um raio de Zeus, pois tinha o conhecimento de levar a vida eterna as pessoas. Mas Zeus reconheceu seus atos e o eternizou na constelação da Serpente.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Asclepius

    ps²: E só por motivo de curiosidade(e por incrível coincidência), é lá que está localizada a Nebulosa Aquila M16, há pouco descoberta berço das estrelas do Sistema Solar e muito provavelmente do Sol.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Nebulosa_Aquila

  7. IRR

    DD, eu procurei mais um pouco saber sobre isso, e achei esse texto:
    http://www.angelfire.com/wizard/acervowiccan/textos/O_13__Signo_e_o_Calend_rio_Wiccano.txt
    que tem referências e fala sobre o 13º Signo existir desde o Antigo Egito.

    E esse aqui que fala da precessão dos equinócios o o zodiaco atual estar atrasado.
    http://www.ghiorzi.org/signozod.htm

    Fui conferir no google earth
    Print do Google Earth, fazendo um periodo de movimento da lua em 30 dias (que é o máximo que consegui com o Google Earth. E deu o mesmo resultado, pela roda do zodiaco, só existe uma constelação, fora as 12, por onde os planetas passam, que é a de Ophiuchus:
    http://i466.photobucket.com/albums/rr30/schaukelkind/zodiacwheel-1.jpg

    Se você observar, aquele circulo laranja com preto é Plutão, e ele está bem acima, vai passar (não sei em quanto tempo, mas alguns anos acredito pela constelação de Ophiuchus, e pelo periodo orbital dele que é muito longo, com certeza ele vai ficar alguns anos nessa constelação.

    E além disso, esse último link que coloquei fala de por causa da precessão dos equinócios o zoadiaco estar hoje atrasado. Talvez isso explique pq eu que nasci no solstício de verão (de acordo com o hemisfério norte) as 05:05. E Me ache de Cancêr, meus amigos que me conhecem bem o mesmo, mas no mapa astral diz que sou de Gêmeos.

    E uma pergunta, uma forma muito fácil de descobrir se os solsticios e equinócios realmente estão acontecendo em datas diferentes (por causa de nosso calendário desconexo etc..) Não é indo em Stonehenge, templos iniciáticos, e tantas mais construções que estão alinhadas com os solstícios e equinócios, e então marcar a data correta que isso ocorre?

    @MDD – 1) constelações não afetam em nada a Astrologia, são apenas marcos para facilitar o ensino de como ela funciona para o povo. Tanto que cada astrologia utiliza estrelas e constelações diferentes para simbolizar cada um dos signos. Ofiúco, então, não serve para nada na Astrologia, a não ser decorar o céu.
    2) Câncer e gêmeos como signos solares… ainda faltam 9 planetas para desenvolver sua personalidade, então também não faria diferença, porque provavelmente devem haver muitos planetas em câncer no seu mapa, o que faz com que você mostre maiores características deste signo.
    3) hoje em dia isso é calculado no computador, não precisamos mais usar circulos de pedra para isso. Existem tabelas de Efemérides no http://www.astro.com

  8. jackeline

    olá, muito interressante este blog. Adoro as contelações muito legal saber que existem pessoas que valorizam- nas. Olha dêem uma olhada no meu blog não é sobre contelações mais fala sobre o romantismo é bem legal .< [email protected]

  9. Livio

    Ahhh, a oitava esfera…

Deixe uma resposta