Mitologia e Hermetismo


Das que ainda se tem lembrança de sua existência, a civilização grega é, quiçá, uma das que alberga o maior número de deuses e mitos. Efetivamente, o panteão (palavra que deriva de pan, “todo”, e theon, “deuses”) grego é verdadeiramente fecundo e prolixo, só comparável ao das culturas hindus, e das pré-colombianas, especialmente a asteca e a maia. O próprio nome “mito” é de origem grega, e sua raiz é a mesma da palavra “mistério”, derivando ambas da palavra “muein”, que significa “fechar a boca”, “calar-se”, aludindo sem dúvida ao silêncio interior em que se recebem os segredos da iniciação. Desde os mistérios órficos, passando pelas iniciações de Eleusis, das quais participaram Pitágoras, Sócrates e Platão, até o crisol de culturas que representou a Alexandria dos séculos II e III de nossa era, a mitologia grega nutriu o universo sagrado de todas as culturas do Ocidente mediterrâneo, particularmente a do Império de Roma.
(mais…)

Continuar lendo Mitologia e Hermetismo

Paganalia

Post rápido só para lembrar aos celtas e romanos de plantão que hoje é dia de Paganalia, a tradicional festa de preparação do solo para o plantio, em homenagem a Ceres e Tallus Mater. Dia propício para fazer um pedido que você deseje muito, escrevê-lo em uma fita amarela e amarrar nos galhos de uma árvore que dê frutos (se quiser ser mais específico, em uma macieira, mas qualquer árvore de frutos serve).
Engraçado como esta tradição celta é muito similar à tradição japonesa do Tanabata.
E por uma razão: Ambas as festas organizam os calendários solares e lunares.

(mais…)

Continuar lendo Paganalia

Hércules – Herakles

Esta figura, protótipo do herói triunfante, do homem que através de uma série de esforços e aventuras consegue “divinizar-se”, ou melhor, retornar a suas origens divinas (já que é filho de Zeus-Júpiter), é talvez a mais importante e exemplificadora da Antigüidade greco-latina. Sua simbólica inclui não só os doze famosos trabalhos e provas em que deve realizar as exigências de Hera-Juno, a contraparte feminina de Zeus-Júpiter (este último, símbolo do espírito fecundador), senão igualmente uma série de fabulosas vitórias que correm casadas com suas nutridas fraquezas. Esta oposição entre as energias masculinas, celestes e espirituais, e as femininas, terrestres e materiais, prefiguradas pelo casal olímpico Zeus-Hera (Júpiter-Juno para os romanos), marcará a vida de Heracles-Hércules, nascido humano e que, por meio dos combates purificadores de toda sua existência, é recebido no Olimpo como o filho preferido de seu Pai celestial, em razão do continuado sacrifício mediante o qual não só venceu a inumeráveis inimigos externos, senão que pôde sair vitorioso dos combates internos contra suas indefinidas tendências para a densidade, reflexo de seus inumeráveis egos, antes de aceder ao conhecimento e à paz, emblemas da imortalidade da alma e da vida eterna que finalmente consegue por seu espírito combativo, sublimado pela busca constante do Espírito e da Verdade, através de um percurso limitado por erros, retificações e conquistas.
(mais…)

Continuar lendo Hércules – Herakles

Décimo Segundo Trabalho: A morte de Cérbero

A morte de Cérbero: A elevação da personalidade

Valorizar as qualidades da alma. O desafio era descer ao inferno para vencer Cérbero, cão de três cabeças que guardava o Mundo Inferior. O herói agarrou o animal pelo pescoço e não o soltou até que concordasse em acompanhá-lo. “Esse trabalho fala da imortalidade. Ensina que o corpo pode perder o viço, mas a alma deve irradiar cada vez mais a beleza construída ao longo dos anos. É um ensinamento importante para estes tempos, em que o envelhecimento e as transformações do corpo não são aceitas com naturalidade.”

Os Doze Trabalhos de Hércules e a iniciação
O Leão da Neméia
A Hidra de Lerna
A Corça Cerínia
O Javali de Erimanto
Os Estábulos de Augias
As Aves de Estinfalo
O Touro de Creta
As Éguas de Diomedes
O cinturão de Hipólita
O Gado de Gerião
O Jardim das Hespérides

(mais…)

Continuar lendo Décimo Segundo Trabalho: A morte de Cérbero

Hércules e o Gado de Gerião


O Gado Vermelho de Gerião: A transcendência da animalidade e da matéria

Hércules empreendeu uma grande viagem para derrotar o rei Gerião e se apoderar de seus bois. Enfrentou também o gigante Anteu, invencível porque, cada vez que tocava a terra, recobrava as forças. Para derrotá-lo, ergueu-o no ar. Essa é uma lição de desapego, sobre derrotar a cobiça e o materialismo. Gerião e os bois simbolizam as posses. A verdadeira riqueza, que é eterna, está dentro de nós. São nossos sentimentos e valores.

Os Doze Trabalhos de Hércules e a iniciação
O Leão da Neméia
A Hidra de Lerna
A Corça Cerínia
O Javali de Erimanto
Os Estábulos de Augias
As Aves de Estinfalo
O Touro de Creta
As Éguas de Diomedes
O cinturão de Hipólita
(mais…)

Continuar lendo Hércules e o Gado de Gerião

Hércules e o Cinturão de Hipólita


O Cinturão de Hipólita: A Coragem de Ser Autêntico

A missão do herói era conseguir o cinturão da rainha das amazonas, mulheres conhecidas por sua bravura. Mas não poderia obtê-lo pela força: precisaria ganhá-lo conquistando o coração da guerreira. Esse trabalho fala sobre a importância de construirmos laços afetivos duradouros. Ensina que a arte de conquistar uma pessoa não se faz pela força nem criando ilusões e falsas aparências, mas pelo respeito ao outro e pela coragem de mostrar quem verdadeiramente somos.

Os Doze Trabalhos de Hércules e a iniciação
O Leão da Neméia
A Hidra de Lerna
A Corça Cerínia
O Javali de Erimanto
Os Estábulos de Augias
As Aves de Estinfalo
O Touro de Creta
As Éguas de Diomedes
(mais…)

Continuar lendo Hércules e o Cinturão de Hipólita

Hércules e as Éguas de Diomedes


As Éguas de Diomedes: A Arte de Amar

Hércules teve de enfrentar quatro éguas que se alimentavam de náufragos estrangeiros. Como no trabalho anterior, esse é mais um passo para o herói se aperfeiçoar na arte de amar.

Essa é uma iniciação: aprender a entregar o coração com sinceridade, não se deixar levar pela tentação, movido apenas pela atração física”.

Os Doze Trabalhos de Hércules e a iniciação
O Leão da Neméia
A Hidra de Lerna
A Corça Cerínia
O Javali de Erimanto
Os Estábulos de Augias
As Aves de Estinfalo
O Touro de Creta
(mais…)

Continuar lendo Hércules e as Éguas de Diomedes

O mito da caverna comentado, parte 2

Clique no Banner para conhecer o Blog Textos para Reflexão

Texto de Platão em “A República”. Os comentários ao final são meus.

continuando da parte 1

Sócrates – E se o forçarem a fixar a luz, os seus olhos não ficarão magoados? Não desviará ele a vista para voltar às coisas que pode fitar e não acreditará que estas são realmente mais distintas do que as que se lhe mostram?

Glauco – Com toda a certeza.

Sócrates – E se o arrancarem à força da sua caverna, o obrigarem a subir a encosta rude e escarpada e não o largarem antes de o terem arrastado até a luz do Sol, não sofrerá vivamente e não se queixará de tais violências? E, quando tiver chegado à luz, poderá, com os olhos ofuscados pelo seu brilho, distinguir uma só das coisas que ora denominamos verdadeiras?

Glauco – Não o conseguirá, pelo menos de início.

Sócrates – Terá, creio eu, necessidade de se habituar a ver os objetos da região superior. Começará por distinguir mais facilmente as sombras; em seguida, as imagens dos homens e dos outros objetos que se refletem nas águas; por último, os próprios objetos. Depois disso, poderá, enfrentando a claridade dos astros e da Lua, contemplar mais facilmente, durante a noite, os corpos celestes e o próprio céu do que, durante o dia, o Sol e sua luz [5].

Glauco – Sem dúvida.

(mais…)

Continuar lendo O mito da caverna comentado, parte 2

Hércules e o Touro de Creta


O Touro de Creta: governar os instintos

Nesse trabalho, Hércules domou o furioso touro de Creta, ao qual eram
oferecidos jovens em sacrifício. Essa tarefa chama a atenção para o controle dos instintos, especialmente da sexualidade. Hércules precisava manter o animal vivo: tinha que domar e governar seu instinto, mas não matá-lo. Em um mundo com tantos apelos eróticos e sensuais, esse é um desafio para todos, em especial para os jovens.

Os Doze Trabalhos de Hércules e a iniciação
O Leão da Neméia
A Hidra de Lerna
A Corça Cerínia
O Javali de Erimanto
Os Estábulos de Augias
As Aves de Estínfalo
(mais…)

Continuar lendo Hércules e o Touro de Creta

Hércules e os Pássaros do lago Estínfalo


Os Pássaros do lago Estínfalo: Recuperar a lucidez

Para derrotar aves antropófagas que tinham penas de bronze e as lançavam como flechas, Hércules atordoou-as com o som ensurdecedor de um címbalo. O teste de Hércules é igual ao de qualquer um de nós: conseguir reconhecer e usar a intuição. Os pássaros simbolizam a falta de lucidez e o som é nossa voz interior. O trabalho em excesso, a pressa e o estresse são pássaros que nos atordoam. O antídoto para essa situação é nos aquietarmos para ouvir o que verdadeiramente queremos fazer.

Os Doze Trabalhos de Hércules e a iniciação
O Leão da Neméia
A Hidra de Lerna
A Corça Cerínia
O Javali de Erimanto
Os Estábulos de Augias
(mais…)

Continuar lendo Hércules e os Pássaros do lago Estínfalo