Três Amores: Agape, Philos e Eros


O ser humano não precisa de amor, mas de amores. Precisa sim de três: Agape, Eros e Philos, para que seja um ser (quase) completo. Completo como um ente único manifestando três aspectos do amor humano e divino que se complementam e são transferidos para os objetos desses amores, interagindo com outros entes também únicos.
Sem as influências estéreis da maioria dos filósofos acadêmicos, vamos abordar algo sobre esses três amores do ser humano, de maneira inteligível, sintética e prática para que possamos assimilá-los em nossa existência.

Agape, Philos e Eros são fundamentais na vida de qualquer indivíduo e devem ser desenvolvidos por todo aquele que tem consciência desse fato. São também aspectos considerados muito importantes e trabalhados na Via Draconiana. Nessa Via, pouco explorada pela grande maioria, os três amores podem ser tipificados pelos arquétipos de Lucifer (Agape), Sophiae (Philos) e Venus (Eros), entre outras associações e correlações. O leitor verá, pelo que segue, o porquê dessas associações. Contudo, por hora, não abordaremos as extensas implicações desse Caminho. O interessado pode se aprofundar nessa matéria, sem medos infundados, estudando as obras A Cabala Draconiana e A Revolução Luciferiana.
Mas, vamos aos amores da humanidade, amores “doados” por Lúcifer e Vênus para que façamos bom proveito, com discernimento.
As três formas de amor – Agape, Philos e Eros – manifestam-se em três níveis que interagem entre si: Agape é o amor em nível espiritual e universal (coração de Lúcifer); Philos, em nível psicomental (cabeça de Lúcifer); e Eros, em nível etérico-material e sexual (genitália de Lúcifer). É um sistema ternário que funciona no ser humano, sendo cada forma de amor em maior ou menor grau. No humano superior, mais evoluído, em seu estado lux-venusiano, iluminado pela consciência e pela sabedoria, os três amores estão em equilíbrio.
“Agape” em grego significa “amor”. Esse é o amor fraternal e espiritual entre camaradas, irmãos e irmãs, entre a família, entre casais e seus filhos (quando de fato existe o sentimento fraterno, e não uma mera convenção social de fachada). Agape é o amor afetivo isento de conotações sexuais, isento de segundas intenções, isento de malícia e de interesses pessoais. Sendo Agape o amor de afeição, é também amor de satisfação, pois uma fraternidade, quer seja entre irmãos de sangue ou não, quer seja entre esposo e esposa, quer seja entre um núcleo familiar, etc., esse amor satisfaz porque é compartilhado e tem resposta entre todos aqueles que se reúnem para formar uma fraternidade de homens, mulheres e crianças.
A satisfação de Agape também se refere ao prazer por boas comidas e bebidas, por banquetes geralmente alegres e harmoniosos partilhados entre pessoas fraternas e espiritualizadas que se respeitam. Em antigos textos clássicos gregos como o poema épico A Odisséia, de Homero, Agape expressa essa satisfação, esse prazer de compartilhar refeições entre determinada fraternidade, determinado grupo, seja de homens, mulheres, crianças, etc. Ao longo da obra de Homero, Agape pode ser evidentemente percebido nas ações de seus personagens, especialmente entre Odisseus e seus companheiros, bem como entre Odisseus e sua esposa Penélope, entre Odisseus e seu filho Thelêmaco, entre Odisseus e seus empregados, o que é manifestado com notável respeito e admiração. Podemos ver também a satisfação entre esses atos fraternos associados às refeições em diversas circunstâncias descritas ao longo da obra homérica.
Ainda na mitologia grega, Prometheus (uma forma de Lúcifer) é um dos principais exemplos da manifestação de Agape, vindo dos céus, do divino, com sua vontade e amor titânicos, para a humanidade na Terra. A propósito, as palavras gregas Thelema (vontade) e Agape (amor) têm ambas valor numérico 93 (9+3=12; 1+2=3, os três amores fundamentais, Agape, Philos e Eros).
Assim, devido ao seu significado e importância, Agape também existe no interior de ordens maçônicas, ordens ocultistas, ordens esotéricas, ordens draconianas, etc.
Philos (ou phileo, philia), em certo sentido, é também o amor fraternal, manifestado por lealdade, igualdade e mútuo benefício, um amor de dedicação ao objeto amado. Contudo, Philos vai além dessas definições, e a “dedicação” desse amor pode chegar a ser mental, que é um nível abaixo do espiritual e acima do emocional. É o caso do amor pela sabedoria (o objeto amado), ou seja, a filosofia. Esta pode ser um meio de engrandecimento mental, intelectual e cultural, de busca pela verdade das coisas, bem como todo um modo de vida que se adota e que se ama profunda e conscientemente. Philos como amor, dedicação e apreciação, manifesta-se como inquietudes interiores que impulsionam o ser humano à busca da sabedoria que irá torná-lo maior, mais nobre, mais digno de ser amado e mais capaz de amar conscientemente. Manifesta-se também como prazer mental, intelectual e cultural, como prazer e sede por conhecimento e cultura útil, estimulante e construtiva. O benefício mútuo que existe em Philos é o benefício que se tem quando se vai adquirindo sabedoria ao longo da vida, pois quando se ama a sabedoria (Sophia, a Deusa Mãe provedora de virtudes), ela própria nos devolve mais sabedoria em troca de dedicação e adoração.
Nosso terceiro amor, Eros, expressa o amor sexual, sensual, carnal, de atração física com a consumação do prazer, e manifesta o instinto de união e reprodução. Sendo filho de Afrodite (ou Vênus, a deusa da beleza, do amor, do sexo e dos prazeres, um aspecto de Sophia), Eros (Cupido) manifesta o amor em seu nível físico-etérico, no mundo material, com o estímulo dos cinco sentidos físicos e sua gratificação. Eros é o amor que evoca a beleza, o prazer pela beleza e a perigosa obsessão pelo objeto amado e pelo prazer que ele traz. Mas é também o amor essencial da Natureza, a força primitiva da procriação de tudo o que vive, o amor theriônico, bestial, de instinto sexual e de preservação da espécie. Eros deve unir-se com Agape para gerar a beleza do amor romântico e sensual, a princípio, que evolui para o amor de reciprocidade e de desejo mútuo um pelo outro, fluindo em trocas de energias polarizadas entre o homem e a mulher. Tal troca de energias ocorre por meio do sexo, em determinado nível, e por meio das afinidades mentais e espirituais quando desenvolvido em amor completo (Agape-Philos-Eros). Entretanto, Eros representa o amor mais perigoso dos três, pois traz prazer, e (muita) dor se não for devidamente administrado, assimilado e combinado com Agape e também com Philos.
Mas devemos sim buscar o prazer, com o discernimento de epicuristas espiritualizados, pois é um direito da raça humana, um bem de todos aqueles que o merecem. Devemos buscar os prazeres sadios que nos enriquecem, que nos confortam, e que não degradam o espírito, a mente e o corpo, de maneira que nosso esforço para obtê-los não seja maior do que o seu desfrute. A obsessão e o vício doentios não são um prazer, mas dor que leva à própria destruição do ser como um todo, o que não contribui em nada para a evolução. Lúcifer não é debilidade, não é submissão aos vícios, não é escravidão, não é decadência, não é degradação. Quando combinado com Agape e Philos, o prazer erótico luciferiano é essencial para a saúde do corpo e para a saúde do amor romântico (sem vulgarização), entre o homem (Lúcifer) e a mulher (Vênus).
Nesse caso, para nascer uma união ideal ou (quase) perfeita, é preciso de:
-Eros (atração física e desejo);
-Philos (afinidade mental e cultural);
-Agape (afinidade de ideais espirituais e de grau evolutivo).
Assim, se forma a unidade ternária do amor criativo e criador, a inspiração e o estímulo para a Senda da evolução.
Para concluir, fazendo uma outra analogia, no ser humano temos a cabeça (Philos), o coração (Agape) e os genitais (Eros) unidos em um sistema cérebro-cardio-genital que deve funcionar em harmonia. O ser humano deveria se esforçar para unir em si esses três amores para que haja satisfação sadia em suas inter-relações, cada qual no lugar certo e na medida certa, evitando a degeneração em seus vícios opostos (paixonite grosseira, obsessão egoísta e depravação sexual). Tal corrupção dos três amores pode causar uma “perda da alma” e seu conseqüente sofrimento, como podemos facilmente observar ao redor do mundo com sua lastimável “civilização”.
Amar nessas três formas não é sofrer mas sim atingir a paz ataráxica, quer dizer, a paz interior impertubável do espírito auto-consciente, do espírito sábio, desfrutando o prazer sadio e natural da alma, da mente e do corpo, traqüilamente.
Por Fr.’. Adriano Camargo Monteiro
http://br.geocities.com/viadraconiana/tres_amores_luciferianos_agape_philos_eros.htm

Este post tem 17 comentários

  1. Bolivar

    Quanto mais eu leio estes textos, mais eu me curvo a sabedoria.

  2. yumejin

    Os três amores… o orador do meu Capítulo, Irmão Tarcizo, que também assina como -TCZ-, já havia falado deles em umas duas ocasiões.
    Acredito que esse seja o motivo pelo qual meu namoro me satisfaz tanto. Temos muitos interesses intelectuais em comum, a mesma vontade de conhecer o mundo e como ele funciona, a mesma curiosidade, estamos em níveis aproximados de desenvolvimento espiritual [acho] e nos desejamos. Penso que o maior sinal disso seja o fato de que me sinta pleno ao lado dela.

  3. philosp

    Será esse o “cordão de três dobras” (haKhut haMeshulash)? Estudando Kabbalah encontrei essa expressão ligada a certos aspectos de amor e admiração, entre humanos e entre o humano e Deus…

  4. Cristão

    Ola dizer sobre o três tipos do sentimentos do amor, e dizer que foi o Lucifer que criou, isso é um blasfêmia a Deus, Lucifer não tem a chave da casa dele, ele esta preso, e espera anciosamente Jesus voltar para ver se saí um pouco de sua casa, poís, ele já não aguenta mais ficar usando alguns tipos de pessoas, para praticar o mal, ele mesmo quer fazer.
    Deus Pai, Deus Filho e Deus Espiríto Santo essa trindade é infalível.
    Sem eles tudo o que existe são obras de suas mãos.
    Jesus está voltando
    Fiquem na Paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

  5. Dilo

    Via Draconiana
    a mesma que se encurvou a alguns milênios atrás pra que uma antiga profecia se cumprisse DO VENTRE DA MULHER Sairias UM QUE ESMAGARA A “CABEÇA DA SERPENTE “melhor personificado para via Draconiana ela que estava no equinocial ou seja bem evidente uma estrela que pairou sobre um determinado ponto em uma estrebaria em Belém da galiléia levando homens a deixarem três partes da Caldéia para saberem por que causa a “cabeça da serpente ” apareceu no céu !bem próxima a terra se vc e um estudante astrologia e dos mistérios.não sabia que ela estava mostrando o nascimento de AGAPE o verdadeiro não o que acima e citado reveja seus conhecimento faça como o três MAGOS va procura-lo passe o que vc sabe pelas três peneiras gregas

  6. Carlos

    Três são as divindades da Santíssima “Trindade”. Também se compõe por três cruzes o “Sinal da Santa Cruz”, que reflete o pedido que fazemos a Deus para que nossa mente não pense coisas ruins, que de nossa boca não saiam palavras maldosas e que de nosso coração não se encha de sentimentos maldosos. Porque não três amores?

  7. Juan Pablo

    Acho muito interessante essa visão luciferiana.
    Marcelo,
    você pretende algum dia desemaranhar os vários tipos de satanismo e luciferianismo ? Aquele post sobre os diversos sistemas mágicos tá meio errado nesse ponto.
    Na verdade no satanismo de lavey não existe isso de praticar o mal pelo mal ou “poderes especiais”. Como você mesmo disse no post sobre Yeshua, Lavey pregava uma certa responsabilidade espiritual, responsabilidade para os responsaveis, e apesar de ter nascido da oposição aos ensinamentos da igreja católica, algumas coisas que ele diz são bem úteis.
    Fora isso tem o satanismo tradicional, que também não é ficar só adorando o diabo. A ONA prega que o indivíduo deve se fortalecer, enfrentar vários perigos reais e se aperfeiçoar, até se tornar um deus.
    tem os Setianos também que parece com o satanismo da ONA, mas parece ser mais metafísico e mais “Dark” …
    Você acha que a leitura deles podem ajudar ou só atrapalham o nosso caminho ?
    Obrigado.

  8. ateu cristão

    os cara tão levando a sabedoria pra brasa deles sim a sabedoria é algo luminoso forte segundo a biblia 1reis o rei salomão tinha o coração prenchido pela sabedoria uma vez que um coração normal é apenas obiscuridade.
    bom Deus deu a sabedoria ao sabio é conhecimento ao enstruido(poxa deixei a desejar no portuques). mas isso fica complicado misturar lucifer ao olho de horus é vise versa.
    filon – sophia
    amor filon; amor amizade, aos amigos coisa rara numa sociedade capitalista.
    sophia = sabedoria é não serpente porém sibulos misticos ao decodificar vemos esses tipos de interpretações paralelas mesmo é muito facil pular pro lado da tolice, conclusão os simbulos são algo humano codigo uma revolução .
    filosaofia acontecia numa roda de sabios que foram caçados pela religião da epoca uma bela realidade dos fatos.

  9. Gabriel

    Saudações Adriano!
    Comprei os seus livros e estou impressionado com as mudanças de paradigmas, de pontos de vista e como você nos deixa bem a vontade em relação a doutrina. Terminei de ler “A Revolução Luciferiana” e estou mudando habitos aos poucos.
    O mais engraçado de tudo isso, é que vi na doutrina um amigo meu que o segue a risca! Não sei se é propositalmente ou ele já tinha o conhecimento, porem, não vejo a hora de presentea-lo.
    Melhor frase:
    “Lembremos sempre que é preferivel arcar com os resultados do conhecimento do que com as consequencias da ignorancia.”
    Só não consegui achar ainda o livro “Sistemagia” a venda, por tanto, não me aprofundei muito no ultimo capitulo do livro.
    Abraços e parabens pelo trabalho!

  10. Renata

    O que é isso, o mundo esta acabando, Jesus esta voltando, galera acordaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

  11. ivone marques reis

    Respeito as crenças…pois tenho a minha também e sei segundo a verdade que somente se chegará ao pai através do filho…nele concentra-se todo o amor, e existe uma infinidade de coisas ocultas, porem que os mortais podem saber através de minusiósos estudos…talvez muitos sintam pena de mim por eu saber assim, mas sou feliz e grata por tudo que sei…não ando a gritar e sim a estudar. O criador abomina cultos pagãos…existem duas igrejas…um final e um duelo…oro todos os dias pra ser implacável no bom combate, vai haver ranger de dentes…
    @MDD – Sua logica nao faz sentido. Se Deus criou tudo, foi ele mesmo quem criou os cultos pagãos…
    mas hoje eu, vivo como qualquer mortal…estudo, trabalho, canto, danço, faço atividades físicas, faço trilhas…tudo normal, convivo com todas as pessoas num tento fazer a cabeça de ninguém, se posso falo, pois todo advertido deve advertir seu próximo ” haverá uma última batalha” e eu estou com cristo, ele não ilude…se tem sofrer, tem que sofrer, mais vai crescer, vai chegar ao topo levado por Cristo e pelo conhecimento. No final quero ser valente, implacável, mas o defenderei….o inferno ta cheio de boas intensões e devemos tomar cuidado….

  12. Denis Fernandes

    Percebi que Jesus era Luciferiano.
    Ontem, conversando com um amigo e vendo os videos “Evidence” explicando sobre o deus da Guerra semita, procurei onde estava o humanismo na biblia. Onde estavam os preceitos que contrariavam esse deus fascinora. E estava lá, em Lúcifer e depois em Jesus.
    Entendi tudo, como um raio. E hoje finalmente consegui aceitar esse nome que eu tanto temia, “Lúcifer”. Enfrentei meus medos e comecei a ler estes textos luciferianos, e percebi que uma grande verdade chegou no meu coração.

    1. Nilo Miranda

      Vá de retro satanás

  13. OJ Cristão Filósofo

    Uma coisa que aprendi através de filosofia e reflexão é que pessoas inteligentes, quando fazem uso disso, podem deter o poder de manobrar mentes (brincar com a mente). Entretanto não quer dizer que essas pessoas estejam certas. Tal inteligência e conhecimento podem ser usados tanto para o lado bom quanto para lado ruim. Logo, o q consigo enxergar é q pode-se, através de teorias filosóficas, explicar como que o amor poderia ser visto como obra de Lúcifer (Satanás, na doutrina cristã), o q não quer dizer que seja a verdade, mas “verdade” para aqueles que assim aceitar. Mais: Some isso à natureza corrupta e pecaminosa do homem, considerando também que a nossa própria História é repleta de deturpações.
    Cabe a cada um de nós não aceitar diretamente o que se lê ou ouve (isto vale para o presente artigo), e sim pensar e julgar isso conforme as premissas já tidas como as mais valiosas. Isto é que é difícil, e privilégio de poucos, ainda mais num mundo dividido em muitas crenças – na minha percepção, o mais fácil entre aqueles que pensam, é ser ateu, ao passo que também é mais fácil descobrir Deus da forma mais simples. O que fazemos no jogo da vida é justamente isso: nossas apostas.
    Se quiser pode pensar e apostar até todas as suas fichas. E pode montar sua ideologia misturando mitologia, religião, filosofia, pessimismo, otimismo, verdade, mentira, amor, ódio… Mas por mais que estude e investigue, pode pensar em Lúcifer, em Agape, Eros e Philos, como quiser, mas não saberá com exatidão qual é a verdade. Acredito que Lúcifer possa ser mais complexo do que se pode imaginar.
    O que assusta é entender q no fim do jogo, não é necessariamente todo mundo que vai sair ganhando. Em outras palavras, todos encontrarão suas verdades. Mas, tal como descobri em meus estudos, a grande verdade – aquela que te libertará e que hoje é supostamente desconhecida por todos os homens – será uma contemplação e descoberta de poucos – de apenas um time.
    Abraço e paz a todos os leitores, escritores e pensadores que passam por aqui.
    “Eis aquele que avançou um sinal vermelho acreditando que estava certo de que ninguém vinha, mas no entanto foi surpreendido com um repentino acidente.” (OJ)

Deixe uma resposta para alagacone Cancelar resposta