Taliesin

“Bom Elffin, cesse o seu lamento!
Falar em vão não faz bem a ninguém.
Não faz mal ter esperanças,
Nem nenhum homem vê o que lhe suporta,
A prece de Cynllo não é um tesouro vazio,
Nem Deus quebra suas promessas.
Nenhuma pescaria na rede de Gwyddno
Foi tão boa quanto a de hoje.


Bom Elffin, seque suas bochechas!
Tal tristeza não lhe faz bem,
Apesar de se sentir traído,
Tristeza em excesso não traz bem algum,
Muito menos duvidar dos milagres de Deus.
Apesar de ser pequeno, sou habilidoso.

Do mar e da montanha,
Das profundezas do rio,
Deus dá seus dons aos abençoados.
Elffin do espírito generoso,
Seu propósito é covarde,
Não deves ficar tão triste.
Bons agouros são melhores que maus.
Apesar de ser fraco e pequeno,
Nas ondas do mar revolto,
Serei melhor para você
Que trezentas cargas de salmão.
Elffin de nobre generosidade,
Não entristeça ante seu pescado.

Apesar de ser fraco no fundo da cesta,
Há maravilhas na minha língua.
Equanto eu estiver cuidando de você,
Nenhuma grande necessidade há de ter.
Lembre-se do nome da Trindade
E nada te vencerá.”

“Flutuando como um barco nas águas,
Fui jogado numa bolsa escura,
E num mar infinito, fiquei à deriva.
Logo quando estava sufocando, tive um bom agouro,
E o mestre dos céus me libertou.”

Este post tem 13 comentários

  1. Guilherme

    Tio Macelo,

    e o Rei Arthur e o Merlin???

  2. Guilherme

    Dito e feito!! =]

  3. DK

    DelDebbio, Shakespeare também era conhecido como bardo. Esse era algum título. ou eles realmente eram apenas bardos?

  4. Paulo

    Marcelo,

    pq Taliesin estaria falando sobre santos e trindades?

    Esse poema fala de quando ele foi achado (ainda garoto) por Elffin, não?

    Muitas vezes fico confuso com tantas coisas… KKK.

    Abraço e muita paz.

  5. Jorge

    Marcelo, antes de tudo parabéns pelo blog. Leio há tempos mas é a primeira vez que escrevo. Peço licença para comentar um post de 10 dias atrás: karma e Linearidade.

    A passagem do texto, “não atuando como elemento de ajuste entre consecutivas experiências lineares”, não soa errada?

    Isso porque as doutrinas que estudo do ocultismo, afirmam que sim, sua vida egóica desta encarnação é cosequência direta das anteriores, funcionado como processo evolutivo do eu superior.

    Ou seja, as causas desta vida – condutas, comportamentos e valores – possuem efeitos na(s) vida(s) futura (s).

    Qual sua opinião, por favor?

    Abraço Fraternal,

    @MDD – Possuem, mas nao tanto quanto os espiritualistas acham.

    Jorge

  6. Rafael

    Marcelo,

    primeiramente grande trabalho..

    gostoria de saber qual o nome do yoga que vc postou aqui um tempo atras reclamando da falta de noção de seus dirigentes e como suas medidas..

    procurei ele na busca mas nao achei..

    @MDD – O post é “Guerra dos Roses”.

  7. alef

    “Flutuando como um barco nas águas, (o corpo astral se desprende do físico)
    Fui jogado numa bolsa escura, (o túmuo, sarcófago, etc)
    E num mar infinito, fiquei à deriva. (o stress e a dúvida iniciáticos)
    Logo quando estava sufocando, tive um bom agouro, (a morte simbólica)
    E o mestre dos céus me libertou.” (a ressurreição)

    @MDD – Grande Alef!

    Viagens à parte,
    Pra mim é uma alegoria iniciática.

    1. Rafael

      Fico pensando em até que ponto aprender sobre um sistema ou padrão molda a nossa interpretação de textos como esse. Falo isso pois a tinha interpretado esse último texto porém ao ler seu comentário, vejo que parece ter sentido também.

      Será que não internalizamos tanto um modo de ver o mundo que enxergamos isso em tudo? Um texto escrito de maneira simbólica pode ter tantas interpretações que eu nunca sei até que ponto minha interpretação pode ser tendenciosa.

  8. nathalia

    esse poema me lembrou que Taliesin aparece em um dos meus livros favoritos As Brumas de Avalon. Você já leu? O que você acha dele? E de sua autora, Marion Zimmer Bradley?
    Aguardo sua resposta, estou curiosa. ^^

  9. Rafael

    Perdoem minha ignorância caso esteja falando bobagens, pois desconheço a época em que o poema foi escrito, mas o último trecho é uma referência a história bíblica de Jonas? Ao menos soa parecido.

    “Porque tu me lançaste no profundo, no coração dos mares, e a corrente das águas me cercou; todas as tuas ondas e as tuas vagas têm passado por cima de mim.
    E eu disse: Lançado estou de diante dos teus olhos; todavia tornarei a ver o teu santo templo.
    As águas me cercaram até à alma, o abismo me rodeou, e as algas se enrolaram na minha cabeça.
    Eu desci até aos fundamentos dos montes; a terra me encerrou para sempre com os seus ferrolhos; mas tu fizeste subir a minha vida da perdição, ó Senhor meu Deus.
    Quando desfalecia em mim a minha alma, lembrei-me do Senhor; e entrou a ti a minha oração, no teu santo templo.”

    No mais, interessante como existem histórias que parecem tentar explicitar mensagens semelhantes usando simbologias similares.

Deixe uma resposta