O mito da caverna comentado, parte 2

Clique no Banner para conhecer o Blog Textos para Reflexão

Texto de Platão em “A República”. Os comentários ao final são meus.

continuando da parte 1

Sócrates – E se o forçarem a fixar a luz, os seus olhos não ficarão magoados? Não desviará ele a vista para voltar às coisas que pode fitar e não acreditará que estas são realmente mais distintas do que as que se lhe mostram?

Glauco – Com toda a certeza.

Sócrates – E se o arrancarem à força da sua caverna, o obrigarem a subir a encosta rude e escarpada e não o largarem antes de o terem arrastado até a luz do Sol, não sofrerá vivamente e não se queixará de tais violências? E, quando tiver chegado à luz, poderá, com os olhos ofuscados pelo seu brilho, distinguir uma só das coisas que ora denominamos verdadeiras?

Glauco – Não o conseguirá, pelo menos de início.

Sócrates – Terá, creio eu, necessidade de se habituar a ver os objetos da região superior. Começará por distinguir mais facilmente as sombras; em seguida, as imagens dos homens e dos outros objetos que se refletem nas águas; por último, os próprios objetos. Depois disso, poderá, enfrentando a claridade dos astros e da Lua, contemplar mais facilmente, durante a noite, os corpos celestes e o próprio céu do que, durante o dia, o Sol e sua luz [5].

Glauco – Sem dúvida.

(mais…)

Continuar lendo O mito da caverna comentado, parte 2

O mito da caverna comentado, parte 1

Clique no Banner para conhecer o Blog Textos para Reflexão

Texto de Platão em “A República”. Os comentários ao final são meus.

Trata-se de um diálogo metafórico onde as falas na primeira pessoa são de Sócrates, e seus interlocutores, Glauco e Adimanto, são os irmãos mais novos de Platão. No diálogo, é dada ênfase ao processo de conhecimento, mostrando a visão de mundo do ignorante, que vive de senso comum, e do filósofo, na sua eterna busca da verdade [1].

Sócrates – Agora imagina a maneira como segue o estado da nossa natureza relativamente à instrução e à ignorância. Imagina homens numa morada subterrânea, em forma de caverna, com uma entrada aberta à luz; esses homens estão aí desde a infância, de pernas e pescoços acorrentados, de modo que não podem mexer-se nem ver senão o que está diante deles, pois as correntes os impedem de voltar a cabeça; a luz chega-lhes de uma fogueira acesa numa colina que se ergue por detrás deles; entre o fogo e os prisioneiros passa uma estrada ascendente. Imagina que ao longo dessa estrada está construído um pequeno muro, semelhante às divisórias que os apresentadores de títeres [2] armam diante de si e por cima das quais exibem as suas maravilhas.

Glauco – Estou vendo.

(mais…)

Continuar lendo O mito da caverna comentado, parte 1

Como ter a sorte ao seu lado

Frases motivacionais dizem que nós criamos a nossa própria sorte, e que o destino depende apenas de nossas próprias escolhas. No entanto, os antigos pensavam que o acaso tinha um grande papel em…

Continuar lendo Como ter a sorte ao seu lado

Antes que se apague a chama

Eu queria lhes apresentar um amigo…

Foi um dos maiores educadores que já se viu e, no entanto, diz-se que seu primeiro trabalho foi de auxiliar da mãe, Phaenarete, que era parteira. Ainda assim, ao observar um parto complicado da mãe, já demonstrou a extensão de seu pensamento: “Minha mãe não irá criar o bebê, apenas auxiliá-lo a nascer, e tentar diminuir a dor do parto. Porém, se ela não realizar o parto, talvez ambos, a mulher e seu filho, morram… Eu também serei um parteiro, um parteiro do conhecimento que jaz na alma das pessoas, mas, por ignorância dele, elas não se dedicam devidamente ao seu nascimento. Eu os ajudarei fazer nascer sua sabedoria.”

(mais…)

Continuar lendo Antes que se apague a chama

A medida de todas as coisas

Desde que a pitonisa do templo de Apolo afirmou que Sócrates era o homem mais sábio da Grécia, ele se dedicou a procurar saber quem era realmente sábio, e quem se julgava sábio, mas não era. A suspeita de Sócrates era simples: ele mesmo não se julgava sábio, portanto se os deuses afirmavam que o era, a única explicação era a de que a sua parca sabedoria advinha do fato de reconhecer a própria ignorância. O mundo era muito vasto, e o grande sábio da Grécia era sábio exatamente por perceber que ainda havia muito por ser descoberto – não era possível julgar-se coisa alguma no ramo da sabedoria, ou pelo menos não no sentido de estarmos numa posição superior aos demais.

(mais…)

Continuar lendo A medida de todas as coisas

O que você sempre quis saber sobre o amor, mas teve vergonha de perguntar

Em outra oportunidade, pude falar sobre a paixão. Disse-lhes, naquela ocasião, que a paixão é um efeito de semblante. Uma determinada aparência misteriosamente nos atrai numa outra pessoa. Trata-se de um estilo, uma forma de pensar, agir ou ser. Podemos olhar para alguém e depois de breves interações nos sentirmos apaixonados. Habitados por um desejo de ter algo mais com aquela pessoa.

O amor relaciona-se com a paixão, mas se difere de uma simples atração, constituindo um laço. Quando amamos, queremos passar tempo com a pessoa amada. Conhecê-la melhor. Usufruir de sua companhia. Enquanto a paixão é um semblante que oculta algo, o amor é justamente aquilo que está ocultado pelo semblante. Essa coisa misteriosa que, por detrás das aparências, me faz ficar mais do que atraído. Fico preso a alguém, enrolado em suas teias: palavras, gestos e perfumes.

Mas quê objeto oculto é esse que o amado possui e nos atrai tanto?  (mais…)

Continuar lendo O que você sempre quis saber sobre o amor, mas teve vergonha de perguntar