Toda demanda é uma demanda de amor

A criança, ao nascer, tem como primeira experiência uma situação de profundo desamparo. A criança é um ser desamparado, que não possui por si própria as condições de sobrevivência, sendo dependente dos pais ou outros cuidadores. Alimentação, abrigo, introdução à vida cultural, entre outras necessidades, são responsabilidades dos adultos cuidadores até que o indivíduo alcance certo grau de autonomia. É uma fase também de edificação das relações afetivas da criança. Como um ser emocional, a criança liga-se afetivamente aos seus cuidadores, ainda que não tenha recursos simbólicos para nomear esta ligação. A criança ama seus cuidadores devido a sua condição de desamparado, sendo dependente deles, e estes atendem às suas necessidades. Por sua vez, ela deseja conquistar o amor deles, desenvolvendo uma série de comportamentos com o objetivo de atrair sua atenção. Assim como ama este outro que cuida dela, a criança deseja ser o objeto amado do outro. (mais…)

Continuar lendo Toda demanda é uma demanda de amor

A ponte em reforma

Clique no Banner para conhecer o Blog Textos para Reflexão

» Parte final da série “Para ser um médium” ver a introdução | ver parte 1 | ver parte 2 | ver parte 3 | ver parte 4

Segundo a falsa ideia de que não é possível reformar a sua própria natureza, o homem se julga dispensado de empregar esforços para se corrigir dos defeitos em que de boa-vontade se compraz, ou que exigiriam muita perseverança para serem extirpados. É assim, por exemplo, que o indivíduo, propenso a raiva, quase sempre se desculpa com o seu temperamento. Em vez de se confessar culpado, culpa seu organismo, acusando a Deus por suas próprias faltas. (Hahnemann em O evangelho segundo o espiritismo) [1]

Para ser um médium é preciso abandonar o que fomos, e nos preparar, sem medos ou falsas expectativas, para o que viremos a ser – novos homens e mulheres forjados no único fogo que queima sem se ver, e arde pela eternidade.

Para ser um médium é preciso reconhecer nossa própria alma, tomar posse, mergulhar profundo dentro de nós mesmos, pois que só assim nos conheceremos em verdade. Manuais de natação e mergulho podem ser importantes, mas há algo que são incapazes de nos ensinar – somente mergulhando, sem medos ou dúvidas improdutivas, é que saberemos. O grande poeta português já nos alertou:

Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu. [2]

(mais…)

Continuar lendo A ponte em reforma

Eu Não Sei Na Verdade Quem Eu Sou

Texto inspirado pela música homônima do Teatro Mágico

Salve Adeptus!

Se autoconhecer, buscar aquilo que chamamos de Eu Superior, saber quem somos de verdade, uma tarefa um tanto difícil, acredito que é necessário várias encarnações para descobrir a resposta, mas será que um dia vamos saber na verdade quem “Eu Sou”?

Quando iniciamos nossos estudos seja no ocultismo ou na espiritualidade de uma forma geral, a primeira regra que encontramos e que também é desprezada por muitos, é justamente buscar quem nós somos, entrar nesse escuro túnel cheio de segredos, medos, raivas, amores e paixões.

É então nesse momento que damos o primeiro passo para se autoconhecer, buscando calcular aquilo que chamamos de “Valores”, valores estes que guardamos, usamos, mostramos e até escondemos dos outros, já reparou como você age de uma maneira totalmente diferente quando está na presença dos seus pais, e quando está na presença dos seus amigos?

Sim, isto é o que chamamos de máscara, mas não é esse nosso intuito agora. Voltando aos valores pessoais, muito diferentes dos valores que as pessoas nos atribuem. Nossos grandes amigos, nossos familiares, aquela pessoa que amamos e que nos olha com um grande sorriso, o sorriso do amor. (mais…)

Continuar lendo Eu Não Sei Na Verdade Quem Eu Sou

Eros Vendado

Dizem que foi sua prometida quem desesperou-se ao ver-se privada de sua beleza, mas os mitos não contaram esta outra história acerca de Eros:

O deus estava arrependido da brutalidade com que tratou Psiquê quando esta, pensando que o amado fosse um monstro, retirou suas vendas enquanto dormia, e pôde enfim admirar toda a sua beleza… Assim, desde então, Eros andava enlouquecido em meio ao Elísio, coberto de vergonha…

Como estava vendado, e se recusava a ver toda a beleza a sua volta, tornou-se amargo, temeroso do contato íntimo com qualquer um que lhe cruzasse o caminho: “vão retirar minha venda, vão ver minha beleza, mas somente Psiquê é digna de me ver!” – pensava consigo mesmo, angustiado.

Zeus, que tudo via e sabia, encarregou seu mensageiro, Hermes, de tentar convencer Eros a retornar a razão…

(mais…)

Continuar lendo Eros Vendado

Nosso Evangelho

Eu digo: minha religião é meu pensamento.
Pois a religião não é uma doutrina de regras fossilizadas, mas um caminho eterno, uma via que se inicia estreita, mas cujo final se perde na névoa que o próprio infinito interpõe ao horizonte.

Que não se busque a religião como quem busca um reino específico: o reino dos céus, o cume da montanha de todos os sábios, a sombra da árvore de onde se pode alcançar um nirvana…

Pois se tudo que fazemos neste mundo é reflexo daquilo que somos, daquilo que pensamos, daquilo que sentimos, daquilo que intuímos, é somente através do pensamento, da música tocada pelas mãos etéreas, que efetivamente caminhamos à frente, em Sua direção.

(mais…)

Continuar lendo Nosso Evangelho