Harry Potter e as Núpcias Alquímicas


Esta semana, vou citar alguns pontos interessantes de comparação entre o Castelo de Hogwarts e o Castelo “Casa do Sol”, que representa Tiferet, o coração dos iniciados, nos textos de alquimia clássica. Sim, o tio Marcelo é fã do Harry potter. Acredito que qualquer escritor ou escritora que faça uma criança de 12 anos ler 3.600 páginas de texto merece ser a mulher mais rica da Inglaterra. Além disso, HP está recheado de citações de ocultismo que passam despercebidas para os olhos dos leigos.
Um destes casos é o fantástico livro “As Núpcias Químicas de Christian Rosenkreutz” (Chymische Hochzeit Christiani Rosencreutz), escrito em 1614 e utilizado na iniciação de algumas ordens rosa-cruzes, que serviu de modelo para o Castelo de Hogwarts.
(mais…)

Continuar lendo Harry Potter e as Núpcias Alquímicas

Nigredo, Albedo e Rubedo

Alquimia é a arte e ciência que procura a transformação do corpo e da mente com a finalidade de converter, o indivíduo que a pratica, num canal cristalino para uma nova consciência. Essa consciência, diferentemente daquela que está presente no homem natural, outorga uma percepção do mundo na qual a unidade é a característica fundamental. O alquimista percebe o elo indivisível entre o Criador, o Universo e a Natureza Humana. Esse novo “estado de ser” foi conhecido pelos antigos como a descoberta e desenvolvimento da Pedra Filosofal.
(mais…)

Continuar lendo Nigredo, Albedo e Rubedo

Movimentos Rosacruzes

Assim como a Maçonaria se intitulava uma Sociedade Secreta, assim também eram os Rosa-Cruzes [cada corrente adota uma maneira especial de grafia: Rosacruz, RosaCruz, Rosa-Cruz, Rosa Cruz]. Hoje, os movimentos Rosacruz são considerados uma Irmandade Secreta, ocultista-cabalística-teosófica, que pretende ter conhecimentos e sabedoria esotérica preservados do mundo antigo.
(mais…)

Continuar lendo Movimentos Rosacruzes

O Simbolismo do Labirinto

O símbolo do Labirinto exemplifica perfeitamente o processo do Conhecimento, ao menos em suas primeiras etapas, naquelas em que o ser tem de se enfrentar com a densidade de seu próprio psiquismo (reflexo do meio profano em que nasceu e vive), isto é, com seus estados inferiores, separando alquimicamente o espesso do sutil, que a alma experimenta como sucessivas mortes e nascimentos –solve et coagula–, destinando ao mesmo tempo numerosas provas e perigos que somente fazem traduzir o próprio conflito ou psico-drama interior.
(mais…)

Continuar lendo O Simbolismo do Labirinto

Deus não é um Ser

Este texto originalmente foi um comentário de um leitor (o Phanta) sobre o texto “A Corrupção da Magia Moderna” mas foi tão coerente com o que eu penso e com a maneira como os ocultistas vêem o universo que vale a pena ser transformado em um post para debate.
(mais…)

Continuar lendo Deus não é um Ser

O Selo de Salomão

O Selo Salomônico. A realidade, sendo una e universal, apresenta-se, no entanto, a nossos olhos como múltipla e fragmentária, particular, efêmera e limitada. Esta visão de “superfície” implica, aliás, numa dualidade que convém resolver, já que como tal não poderia realmente subsistir, estando em si mesma dividida. As analogias e correspondências simbólicas são os laços que permitem articular, dentro de uma mesma esfera inteligível, duas realidades, estados ou mundos aparentemente díspares e inconexos. A conhecida figura do Selo Salomônico, ou Estrela de David, sintetiza esotericamente esta realidade, o desenrolar integral do Cosmo através da cópula indissolúvel dos dois aspectos polarizados e complementares de uma mesma entidade Universal. A projeção triangular dos princípios universais do Ser (triângulo superior) no “espelho das águas” ou substância universal (triângulo inferior) produz a “reflexão cósmica” de todas suas possibilidades existenciais, o mundo em sua indefinida variedade e continuidade.
(mais…)

Continuar lendo O Selo de Salomão

Básicos de Alquimia

Outra das artes herméticas é a Alquimia. Assim se chamava na Antigüidade a ciência das transmutações, minerais ou vegetais, da natureza. Estas operações têm uma réplica no homem, que pode se ver nelas como num espelho que refletisse seu próprio processo de desenvolvimento e simbolizam a possibilidade da regeneração. Ou seja, a de mudar de condição e de forma, a tal ponto que a substância com que se trabalha –neste caso a psique humana nos primeiros níveis– passe a ser uma coisa distinta da que conhecemos atualmente. Esta busca e achado do Ser é, em suma, a autêntica Liberdade, não empanada por nenhum preconceito, e pode ser equiparada a um novo nascimento.
(mais…)

Continuar lendo Básicos de Alquimia