Origens do Espiritismo

Neste trabalho procuraremos reunir alguns dados importantes da história do Espiritismo, especialmente os referentes a Allan Kardec e ao Espiritismo nascente. Nossa fonte básica será a obra Allan Kardec, em três volumes, da autoria de Zêus Wantuil e Francisco Thiesen, dada a público pela Federação Espírita Brasileira em 1979/80. Qualquer estudioso do Espiritismo reconhecerá prontamente que ela representa o mais completo e rigoroso estudo já publicado sobre a vida e a obra de Kardec. Os volumes 2 e 3 contêm ainda análises e comentários de grande justeza e profundidade sobre muitos tópicos referentes à Doutrina e ao movimento espíritas.

Os três volumes dessa obra apresentam uma massa de informações bastante densa. Dispõem de índices e antroponímicos e analíticos, mas não remissivos. Nos dois últimos volumes, os capítulos são de amplas proporções, contendo muitas seções. Os autores optaram, com razões ponderáveis, por não fazer uma apresentação cronológica dos fatos. Tudo isso torna um tanto difícil a localização rápida de determinados assuntos. Por tais motivos, julgamos útil compilar aqui, de forma mais simples e direta, alguns dos acontecimentos mais importantes. Fomos motivados por nossa experiência pessoal, de muitas vezes querermos citar datas e lugares precisos e não conseguirmos encontrar de pronto as referências. Também pode ser de alguma utilidade dispor de um painel sucinto dos fatos, que permita sua visualização global.

Naturalmente, sabemos que o que mais importa não são os nomes, as datas e os lugares, mas a sua significação histórica, científica e filosófica. O pesquisador cuidadoso não poderá dispensar a respeitável obra de Thiesen e Wantuil. Também deve-se lembrar que a segunda parte das Obras Póstumas de Allan Kardec consiste de textos de enorme relevância para a história do Espiritismo, repletos, como não poderia deixar de ser, de preciosas considerações doutrinárias. O mesmo vale para os volumes da Revue Spirite editados por Kardec.

Há algumas outras fontes sobre o Espiritismo e sua história, que podem ser consultadas, embora nem de longe se aproximem, em abrangência e precisão, da que nos legaram Thiesen e Wantuil. Entre elas encontram-se:

* Moreil, André. La vie et l’Œuvre d’Allan Kardec. Paris, Vermet, sem data.[2]

* Sausse, Henri. Biographie d’Allan Kardec. 4a ed., Paris, Éditions Jean Meyer, 1927. A Federação Espírita Brasileira faz figurar uma tradução dessa biografia em sua edição de O que é o Espiritismo, sem indicação do tradutor.[3]

Para facilidade de referência, adotaremos as seguintes abreviaturas:

* AK I, AK II e AK III ¾ respectivamente volumes I, II e III da obra Allan Kardec.

* OP ¾ Obras Póstumas

* Revue ¾ Revue Spirite

* SPES ¾ Société Parisienne des Études Spirites

* FEB ¾ Federação Espírita Brasileira

Os números que aparecerão diante desses símbolos referem-se a páginas das obras, salvo indicação em contrário. Utilizamos a 1a edição de Allan Kardec e a 18a edição da tradução febiana de Obras Póstumas, traduzida por Guillon Ribeiro (o texto em francês, em versão fiel à edição original de Leymarie, está hoje disponível na Internet, na “página” do Centre d’Études Spirites Léon Denis (http://perso.wanadoo.fr/charles.kempf/).

2. Hippolyte-Léon Denizard Rivail

1804 – (3/10) – Nascimento de Hippolyte-Léon Denizard Rivail, o futuro Allan Kardec, em Lyon, a segunda maior cidade francesa depois de Paris. Seus pais foram Jean-Baptiste Antoine Rivail, homem de leis, e Jeanne Louise Duhamel, residentes à Rue Sale, 76; essa casa foi demolida ainda em meados do século XIX. (AK I 29)

1815 – Rivail segue para o Instituto de Johann Heinrich Pestalozzi para continuar seus estudos. O Instituto ficava na cidade de Yverdon, Suíça, e funcionava em regime de internato. Os alunos recebiam ali educação integral esmerada, segundo inovador método pedagógico do famoso professor, baseado na convicção de que o amor é o eterno fundamento da educação. (AK I caps. 2 a 11 e 15)

1822 – Rivail deixa Yverdon e instala-se em Paris. Não há segurança completa sobre essa data. Sabe-se que em janeiro de 1823 já residia à Rue de la Harpe, 117. Confirma-se também que pelo menos de 1828 a 1831 morou na Rue de Vaugirard, 65. (AK I , caps. 12, 21 e p. 184)

1824 – Rivail publica o seu primeiro livro didático, o Cours pratique et théorique d’arithmétique, concebido segundo o método pestalozziano. Foi publicado em Paris na Imprimerie de Pillet Ainé, Rue Christine, 5. (AK I caps. 14 e 16)

1825 – Rivail abre sua primeira escola, a École de Premier Degrée. (AK I cap. 18)

1826 – Rivail funda a Institution Rivail, instituto técnico, sito à Rue de Sèvres, 35; funcionou até 1834. Neste mesmo local existiria depois o Lycée Polymathique, dirigido também por Rivail, até 1850, quando foi cedido a A. Pilotet. A partir dessa data o Prof. Rivail não mais exerceria atividades didáticas. (AK I cap. 19 e pp. 131, 145 e 146)

1828 – Rivail dá a público o “Plan proposé pour l’amélioration de l’éducation publique”, sugerindo diretrizes para a educação pública, à venda com o autor e com Dentu (que mais tarde publicaria diversas obras espíritas de Kardec; ver AK I cap. 21 e p. 184).

1831 – Aparece, da autoria de Rivail, a Grammaire Française Classique sur un nouveau plan. (AK I cap. 22)

1832 – Casa-se com Amélie-Gabrielle Boudet (1795-1883), que seria sua dedicada companheira e apoio de todos os momentos, até a sua desencarnação. Conhecida mais tarde entre os espíritas como “Madame Allan Kardec”, Amélie-Gabrielle era professora e colaborou com o esposo em suas atividades didáticas. Não tiveram filhos, conforme explicitamente se lê na Revue Spirite de 1862. (AK I cap. 20, III 45)

Rivail e sua esposa foram pessoas dignas, de moralidade inatacável, dedicando-se integralmente aos ideais superiores da cultura, da educação, do bem. Lutaram a favor das causas da liberdade de ensino e da educação para meninas. Rivail ministrou por muitos anos cursos gratuitos para crianças pobres. Além de mestre, foi sempre amigo dos alunos. (AK I cap. 23 a 29)

Do ponto de vista material, o casal Rivail levou vida simples, não raro enfrentando dificuldades econômicas. Na fase espírita, seus parcos recursos seriam empregados na publicação das obras iniciais e em outras despesas referentes ao Espiritismo. Nos anos de maiores limitações, Rivail complementou sua receita com empregos temporários modestos, como o de guarda-livros. (AK I cap. 33)

Há referências seguras de cerca de 21 textos publicados pelo Prof. Rivail, entre livros didáticos e opúsculos diversos referentes à educação. (AK I cap. 37)

Rivail possuía sólida erudição, conhecendo bastante bem as diversas ciências, a filosofia e as artes. Traduziu, preferencialmente, obras alemãs para o francês, e vice-versa. Foi membro de diversas academias culturais, possuindo vários diplomas. (AK I caps. 22, 30, 35)

Contrariamente ao que afirmou Henri Sausse, e alguns mantém até hoje, Rivail não foi médico (AK I cap. 31). Também não há evidência de que tenha sido maçon, sendo mais razoável assumir que não o foi (AK I cap. 32).

3. Das observações iniciais à primeira edição de O Livro dos Espíritos

1848 – Início dos famosos fenômenos espíritas que envolveram a família Fox, em Hydesville (EUA). A 28 de março verificam-se as primeiras manifestações físicas; três dias após, estabeleceu-se a primeira comunicação tiptológica. Em poucos anos, fenômenos semelhantes passaram a chamar a atenção pública, não somente nos Estados Unidos, mas também na Europa. Foi a fase das chamadas “mesas girantes”. (AK II 49-60; ver também As Mesas Girantes e o Espiritismo, de Zêus Wantuil, publicado pela FEB.)

1854 – Rivail é informado pelo Sr. Fortier, magnetisador seu conhecido, acerca da ocorrência dos fenômenos das mesas girantes. Embora estranhando-os, não os julgou impossíveis, já que poderiam ter alguma causa física ainda não bem determinada. No entanto, algum tempo depois esse mesmo Sr. Fortier lhe disse que as mesas também “falavam”, isto é, davam sinais de inteligência. A reação agora foi cética: “Só acreditarei quando o vir e quando me provarem que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir e que possa tornar-se sonâmbula.” (OP 265; AK II 62)

1855 – No início desse ano, o Sr. Carlotti lhe faz longo relato dos singulares fenômenos. Embora Rivail o conhecesse havia 25 anos, mais uma vez expressa reservas, dado o temperamento exaltado do amigo, tão em oposição ao seu. (OP 266; AK II 124)

1855 – Em maio, Rivail vai, em companhia de Fortier, à casa da Sra. Roger, sonâmbula, onde conhece o Sr. Pâtier e a Sra. Plainemaison. Este lhe fala dos fenômenos, mas com seriedade e frieza, o que o predispõe, finalmente, a observar os fatos. (OP 266)

1855 – Assim foi que, ainda em maio, a convite de Pâtier, Rivail assiste a algumas experiências na casa da Sra. Plainemaison, sita à Rue Grange-Batelière, 18. Rivail impressiona-se com os fenômenos, declarando que se verificavam em condições “que não deixavam lugar para qualquer dúvida. […] Minhas idéias estavam longe de precisar-se, mas havia ali um fato que necessariamente decorria de uma causa. Eu entrevia naquelas aparentes futilidades […] qualquer coisa de sério, como que a revelação de uma nova lei, que tomei a mim estudar a fundo.”(OP 267; AK II 64)

1855 – Numa dessas reuniões, conhece a família Baudin, então residente à Rue Rochechouart (a partir de 1856 iria para a Rue Lamartine; ver AK II 64). Convidado pelo Sr. Baudin, passou a freqüentar assiduamente as sessões semanais que se realizavam em sua casa. Os médiuns eram as filhas do casal, Caroline e Julie, que no início escreviam com o auxílio de uma cestinha.[4] De numerosas e frívolas que eram, sob a influência de Rivail as reuniões passaram a reservadas e sérias, dedicadas à pesquisa racional e metódica do novo domínio. “Compreendi, antes de tudo, a gravidade da exploração que ia empreender; percebi, naqueles fenômenos, a chave do problema tão obscuro e tão controverso do passado e do futuro da Humanidade […]. Era, em suma, toda uma revolução nas idéias e nas crenças; fazia-se mister, portanto, andar com a maior circunspeção, e não levianamente; ser positivista e não idealista, para não me deixar iludir” (OP 267-68; AK II 64). Rivail submetia aos Espíritos séries de questões visando a elucidar problemas relativos à filosofia, à psicologia e à natureza do mundo invisível. Um grupo de intelectuais encarregou-o de analisar e joeirar cerca de 50 cadernos com comunicações espirituais diversas. (AK II 71, 68 e 125)

1856 – Nesse ano passou a freqüentar também as reuniões espíritas da casa do Sr. Roustan, na Rue Tiquetonne, 14. O médium era a Srta. Japhet, sonâmbula. As anotações de Rivail, provenientes em grande parte das comunicações obtidas pelas Srtas. Baudin, tomaram as proporções de um livro, embora se saiba que por volta de abril ainda não estava claro para ele que deveria ser um dia publicado (OP 276). Depois que isso se tornou evidente, foi por intermédio da Srta. Japhet que os Espíritos auxiliaram Rivail a fazer uma revisão completa do texto já elaborado. Era O Livro dos Espíritos. (OP 270, 276 e 277; AK II 72)

1856 – A 30 de abril, pela mediunidade da Srta. Japhet, Rivail tem a primeira notícia de sua missão, em linguagem bastante alegórica. Outras se seguiram, de cunho mais positivo. O conjunto dessas comunicações e, principalmente, os comentários de Rivail indicando sua reação, constituem leitura obrigatória para todo espírita, por sua beleza e elevada significação. (OP 277-87; AK II 69 e 72)

1857 – No início desse ano o texto manuscrito de O Livro dos Espíritos está concluído; o editor, E. Dentu, envia-o à Imprimerie de Beau, em Saint-Germain-en-Laye, que dista 23 km de Paris, a oeste (AK II 73 e 75). As despesas correm inteiramente por conta de Rivail (AK II 257). O casal Rivail residia então à Rue des Martyrs, 8, no segundo andar, nos fundos do pátio, onde estava pelo menos desde março de 1856 (OP 273).

1857 – A 18 de abril, vem à luz a primeira edição de O Livro dos Espíritos (Le livre des Esprits). Contendo os princípios da doutrina espírita sobre a natureza dos Espíritos, sua manifestação e suas relações com os homens; as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da humanidade; escrito sob o ditado e publicado por ordem de Espíritos Superiores por Allan Kardec. Paris, E. Dentu, livreiro, Palais Royal, Galerie d’Orléans, 13.[5]

Essa primeira edição contém 501 questões, distribuídas em 3 partes (176 pp.). Afora a tábua dos capítulos, há um útil índice remissivo (“Table alphabétique”). Não há conclusões; apenas um Epílogo, de menos de uma página. As notas de Rivail, em número de 17, vêm todas no final, ocupando 12 páginas. Ao longo de toda a primeira parte (“Livre premier. ¾ Doctrine spirite.”) adota-se uma forma de exposição dupla: na coluna da esquerda, perguntas e respostas; na da direita, o texto corrido equivalente. É nesta obra que Rivail adota o pseudônimo de Allan Kardec, nome que teria tido em antiga encarnação entre os druidas, sacerdotes do povo celta, que ocupou a Gália, a Grã-Bretanha e a Irlanda (AK II 74-80). No Epílogo, anuncia-se para breve a publicação de um suplemento, contendo novos ensinos. No entanto, Kardec acaba desistindo da idéia, elaborando, em seu lugar, uma se­gunda edição “inteiramente refundida e consideravel­mente aumentada”, que viria a público em março de 1860 (ver seção 6 deste nosso trabalho). Em 1957 Canuto Abreu publicou edição bilíngüe da primeira edição de O Livro dos Espíritos, sob o título O Primeiro Livro dos Espíritos (São Paulo, Companhia Editora Ismael).

4. A Revue Spirite

1858 – A 1o de janeiro Kardec lança o primeiro número da Revue Spirite (Revista Espírita), jornal de estudos psicológicos. Contendo o relato das manifestações materiais ou inteligentes dos Espíritos, aparições, evocações, etc., assim como todas as notícias relativas ao Espiritismo. ¾ O ensino dos Espíritos sobre as coisas do mundo visível e do mundo invisível; sobre as ciências, a moral, a imortalidade da alma, a natureza do homem e seu porvir. ¾ A história do Espiritismo na Antigüidade; suas relações com o magnetismo e o sonambulismo; a explicação das lendas e crenças populares, da mitologia de todos os povos, etc. Paris; bureau à Rue des Martyrs, 8.

O primeiro número, com 36 páginas, foi impresso na Imprimerie de Beau, em Saint-Germain-en-Laye, a mesma que já imprimira O Livro dos Espíritos; as despesas, como no caso desse livro, também ficaram por conta e risco de Kardec (AK III 21-33; II 76). A Revue era de periodicidade mensal e durante a vida de Kardec funcionou em sua própria residência, ou seja:

· 1o /1/1858 – Rue des Martyrs, 8.

· 15/7/1860 – Passage Ste.-Anne (Rue Ste.-Anne, 59)).

· 1/4/1869 – Nessa data estava programada a transfferência dos Escritórios e do Expediente para a Librairie Spirite, Rue de Lille, 7, que também sediaria provisoriamente a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas; a Redação iria para a Villa Ségur (Av. de Ségur, 39), casa de propriedade de Kardec pelo menos desde 1860, para a qual se mudaria com a dedicada esposa. (AK III 21-24, 35-37, 118-19; II, pp. 24-25). Kardec desencarnou na véspera.

Era Kardec quem redigia integralmente a revista e cuidava de toda sua correspondência e expedição, trabalho hercúleo suficiente para consumir todo o tempo de uma pessoa ordinária. E isso era apenas uma parte de seus trabalhos, havendo ainda os livros, a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, as centenas de visitantes anuais, as viagens…[6]

A Revue Spirite constitui rico manancial doutrinário, pouco explorado pelos espíritas. Os originais franceses, necessários para pesquisas cuidadosas, são raríssimos em todo o mundo. Em feliz iniciativa, motivada pela comemoração do 140o aniversário da fundação da Revue, o Centre d’Études Spirites Léon Denis, de Thann, França, está inserindo o precioso material em seu “site” na Internet (http://perso.wanadoo.fr/charles.kempf/), à razão de um fascículo por mês.

Kardec discorre sobre a idéia da criação da Revue em OP 293-94. Em suas própria palavras, ela tornou-se-lhe “poderoso auxiliar” na elaboração da doutrina e na implantação do movimento espírita (AK III 22; OP 294).

A partir da declaração de propósitos do primeiro número da Revista e do exame dos volumes escritos por Kardec (ver também AK III 21-33; II 24-25), podem-se identificar os seus objetivos principais, entre os quais destacam-se:

1. Manter o público atualizado quanto à evolução da ciência espírita;

2. Alertá-lo acerca dos excessos de credulidade e ceticismo;

3. Servir de meio de comunicação entre as pessoas que compreendem a doutrina “sob seu verdadeiro ponto de vista moral”;

4. Veicular relatos de fenômenos espíritas, psicológicos e antropológicos que contribuam para a elucidação da natureza espiritual do ser humano;

5. Fazer a “apreciação racional” desses fenômenos e examinar-lhes as conseqüências;

6. Publicar e analisar criticamente produções mediúnicas selecionadas, obtidas na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas ou enviadas por correspondentes;

7. Sondar a opinião dos homens e Espíritos sobre princípios em elaboração;

8. Examinar, à luz do Espiritismo, as crenças, lendas e tradições referentes aos Espíritos;

9. Comentar artigos de jornais, obras literárias, filosóficas e científicas à luz do Espiritismo.

Kardec editou a Revue até o número de abril de 1869, inclusive. Após a morte de Kardec (31/3/69) ela continuou sendo publicada, graças ao idealismo da Senhora Allan Kardec, de Pierre-Gaëtan Leymarie e de Jean Meyer, principalmente (AK III 153-57; Reformador, 09/1990, p. 286). A partir de 1913, aditou-se ao título da revista o artigo ‘la’ (‘a’), a qual ficou, desde então ‘La Revue Spirite’ (AK III 32 e 47).

Em lamentável decisão, a publicação foi extinta em 1976 por André Dumas, junto com a Union Spirite Française,[7] para dar lugar a Renaître 2000 e a Union des Sociétés Fran­cophones pour l’Investigation Psychique et l’Étude de la Survivance (USFIPES), ambas de cunho não-espírita. Sob a lúcida e firme direção de Francisco Thiesen, a FEB envidou esforços para salvá-la em 1977, não obtendo sucesso (AK III 45-57). Felizmente, em 11 de maio de 1989 a Union Spirite Française et Francophone, com sede em Tours, conseguiu judicialmente recuperar o título, retomando a publicação da Revue, com periodicidade trimestral.[8]

5. A Société Parisienne des Études Spirites

1857 – Por volta de outubro desse ano iniciaram-se reuniões espíritas na residência do casal Allan Kardec, à Rue des Martyrs, 8. Aconteciam às terças-feiras à noite e o médium principal era a Srta. Ermance Dufaux. Com o número crescente de freqüentadores, fez-se indispensável encontrar um local mais amplo. A solução encontrada foi alugar uma sala, cotizando-se as despesas entre as pessoas. (OP 294-95; AK III 34)

1858 – A 1o de abril é fundada legalmente a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, ou, em francês, Société Parisienne des Études Spirites (SPES), cujo título Kardec freqüentemente abreviava para ‘Societé Spirite de Paris’, ‘Societé des Études Spirites’, ou mesmo ‘Societé de Paris’.

Foi nas reuniões semanais da Société que boa parte das atividades mediúnicas e de estudo supervisionadas por Kardec se desenvolveram. As portas da SPES não eram abertas ao público, conquanto houvesse “reuniões gerais” em que visitantes apresentados por membros da Société podiam ser admitidos; essas reuniões se alternavam, semanalmente, com as “reuniões particulares”, às quais somente os sócios tinham acesso. Isso se compreende perfeitamente, dados os objetivos das reuniões, ligados essencialmente à pesquisa teórica e experimental dos fenômenos. A Société era, assim como a Revue, um terreno de elaboração da doutrina espírita. (OP 294-95; AK III 34-44; II 36-37)

Durante a vida de Kardec, a SPES esteve em três endereços (OP 295; AK III 35-37 e 118):

· 1o /4/1858 – Galerie de Valois, 35, no Palais Royal. As reuniões eram às terças-feiras. O Palais Royal é importante edifício histórico situado ao lado do Louvre. Foi construído pelo Cardeal Richelieu no século XVII. Suas elegantes galerias externas, que circundam o jardim (Galeries Montpensier, de Beujolais e de Valois), foram mandadas construir por Louis-Philippe d’Orléans, na segunda metade do século seguinte. Na Galerie d’Orléans (do séc. XIX) ficavam as livrarias de Dentu (no 13) e Ledoyen (no 31), que editaram várias das obras espíritas de Kardec (ver adiante).

· 1o /4/1859 – Galerie Montpensier, 12, no Palais Royal (num salão do restaurante Douix). Nesse local SPES reunia-se às sextas-feiras.

· 20/4/1860 – Passage Ste.-Anne (Rue Ste.-Anne, 59). Nesse mesmo endereço, a partir de 15 de julho, passa a residir Kardec, que levou consigo a Revue Spirite. Embora nessa época já possuísse a casa da tranqüila Villa Ségur, Allan Kardec viu-se na contingência de se alojar nesse apartamento com a abnegada esposa, dividindo espaço com a Revue e a SPES, para economizar seu minguado tempo.

· 1/4/1869 – Estava programada para essa data a trransferência provisória da Société para a Librairie Spirite, Rue de Lille, 7. Com a desencarnação de Kardec, a transferência ainda se verifica, mas a SPES não se sustenta por muito tempo.

6. As outras obras importantes de Allan Kardec

Fornecemos a seguir alguns dados sobre as principais obras de Allan Kardec (além de O Livro dos Espíritos, de que já tratamos; para uma lista possivelmente completa, ver AK III 15, 18 e 19). Algumas das informações referentes a dias e meses das publicações foram colhidas nas edições da FEB. Quanto às edições em francês atuais, indicamos as que pessoalmente possuímos; em alguns casos, há nas livrarias outras edições.[9] Abreviaremos os dados referentes aos editores originais segundo estas convenções (note-se que várias das obras saíram por mais de um editor):

* Dentu ¾ E. Dentu, Libraire. Palais Royal, Galerie d’Orléans, 13.
* Ledoyen ¾ Ledoyen, Libraire. Palais Royal, Galerie d’Orléans, 31.
* Didier ¾ Didier et Cie., Libraires-Éditeurs. Quai des Augustins, 35.[10]

1858 – Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas (Instruction pratique sur les manifestations spirites). Contendo a exposição completa das condições necessárias para se comunicar com os Espíritos, e os meios de se desenvolver a faculdade mediadora nos médiuns. Paris, bureau da Revue Spirite, Rue des Martyrs, 8; Dentu; Ledoyen.

Com a publicação de O Livro dos Médiuns, em 1861, Kardec deixou de imprimir a Instrução (152 pp.), à época já esgotada, considerando-a superada, quanto à abrangência, pela nova obra. O livro é, porém, de significativo valor histórico; hoje está novamente disponível em francês (Paris, La Diffusion Scientifique) e em português, em tradução de Cairbar Schutel (in: Iniciação Espírita, 6a ed., São Paulo, Edicel, 1977; foi também publicado pela Casa Editora O Clarim, de Matão, em 1987).

1859 – O que é o Espiritismo (Qu’est-ce que le Spiritisme). Introdução ao conhecimento do mundo invisível pelas manifestações dos Espíritos, contendo o resumo dos princípios da doutrina espírita e respostas às principais objeções.[11] Ledoyen. [100 pp.]

Edição francesa corrente: Paris, Dervy-Livres. Tradução brasileira recomendada: Rio, FEB (não se indica o tradutor).

1860 – (março) – Segunda edição de O Livro dos Espíritos. Contendo os princípios da doutrina Espírita sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens; as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da humanidade. Segundo o ensino dado pelos Espíritos Superiores com o auxílio de diversos médiuns, recolhidos e ordenados por Allan Kardec. Segunda edição, inteiramente refundida e consideravelmente aumentada. Didier; Ledoyen.

Acima do título, aparece agora a frase “Filosofia espiritualista”. Essa nova edição, que se tornou definitiva, tem 1019 questões, distribuídas em quatro partes. É acrescentada a Conclusão, mas o índice alfabético infelizmente não mais existe. A forma de exposição dupla não aparece em nenhuma das partes. As notas vêm agora logo após as respostas dos Espíritos, sendo muitíssimo mais numerosas; é fácil ver que muitas delas provêm do texto corrido da primeira parte da primeira edição.[12]

1861 – (15 de janeiro) – O Livro dos Médiuns (Le livre des médiums), ou guia dos médiuns e dos evocadores. Contendo o ensino especial dos Espíritos sobre a teoria de todos os gêneros de manifestações, os meios de se comunicar com o mundo invisível, o desenvolvimento da mediunidade, as dificuldades e os escolhos com que se pode deparar na prática do Espiritismo. Para fazer seqüência ao Livro dos Espíritos. Didier; Ledoyen. [498 + iv pp.; AK III 173]

1861 – Segunda edição de O Livro dos Médiuns. Revista e corrigida com o concurso dos Espíritos, e acrescida de grande número de instruções novas. Didier; Ledoyen. [510 + viii pp.]

Edição francesa corrente: Paris, Dervy-Livres. Edição brasileira recomendada: FEB, tradução de Guillon Ribeiro, inteiramente revista a partir da 59ª edição.

1862 – (fevereiro) – O Espiritismo na sua expressão mais simples (Le Spiritisme à sa plus simple expression). Exposição sumária do ensino dos Espíritos e de suas manifestações. Ledoyen. [36 pp.]

Em 1994 esse opúsculo foi recentemente reeditado pelo Centre d’Études Spirites Allan Kardec, de Paris. Existem várias traduções para o vernáculo, sendo hoje disponíveis as de Dafne R. Nascimento, publicada pela Federação Espírita do Estado de São Paulo em 1984, e a de Joaquim da Silva Sampaio Lobo (in: Iniciação Espírita, 6a ed., São Paulo, Edicel, 1977).[13]

1862 – Viagem Espírita em 1862 (Voyage spirite en 1862). Contendo: 1. As observações sobre o estado do Espiritismo; 2. As instruções dadas por Allan Kardec nos diferentes grupos; 3. As instruções sobre a formação dos grupos e das sociedades, e um modelo de regulamento para o uso deles e delas. Ledoyen. [64 pp.]

Esse livro é atualmente publicado em Paris pela Éditions Vermet; no Brasil, em Matão, pela Casa Editora O Clarim, em tradução de Wallace Leal Rodrigues. Nenhuma dessas edições trazem dizeres após o título; tomamo-los de AK III 18.[14] Afora as mencionadas instruções e regulamento, o corpo da obra consiste de três discursos proferidos por Kardec aos espíritas de Lyon e Bordeaux em sua famosa viagem.

1864 – (abril) – Imitação do Evangelho segundo o Espiritismo (Imitation de l’Évangile selon le Spiritisme). Contendo a explicação das máximas morais do Cristo, sua concordância com o Espiritismo e sua aplicação às diversas posições da vida. Por Allan Kardec, autor do Livro dos Espíritos. Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade. Paris, os editores do Livro dos Espíritos; Ledoyen, Dentu, Fréd. Henri, livreiros, no Palais Royal, e no escritório da Revue Spirite, Rue e Passage Sainte-Anne, 59.

Essa obra, impressa na Imprimerie de P.-A. Bourdier et Cie, Rue Mazarine, 30, possui 444 + xxxvi páginas. É precursora de O Evangelho segundo o Espiritismo. No entanto, é de grande valor histórico, sendo essa a razão pela qual em 1979 a FEB reeditou-a em reprodução fotográfica. Não temos notícia de outras edições recentes, nem de traduções. Naturalmente, ‘imitação’ aqui não se deve entender no sentido hoje popular, de ‘cópia’, mas no de ‘prática’ (ver as anotações de Hermínio Miranda à edição febiana para esclarecimentos adicionais).

1865 – (1o de agosto) – O Céu e o Inferno, ou a Justiça Divina segundo o Espiritismo (Le ciel et l’enfer, ou la justice divine selon le Spiritisme). Contendo o exame comparado das doutrinas sobre a passagem da vida corporal à vida espiritual, as penas e recompensas futuras, os anjos e os demônios, as penas eternas, etc.; seguido de numerosos exemplos acerca da situação real da alma durante e depois da morte. “Por mim mesmo juro, disse o Senhor Deus, que não quero a morte do ímpio, senão que ele se converta, que deixe o mau caminho e que viva.” (Ezequiel, 33:11). Paris; os editores de O Livro dos Espíritos, Librairie Spirite.

Em nossos dias, está disponível edição belga da Éditions de l’Union Spirite. A tradução da FEB é, neste caso, de Manuel Quintão. (AK III 108 faz menção à “21a edição, revista, 1974, FEB.”)

1866 – O Evangelho segundo o Espiritismo (L’Évangile selon le Spiritisme).

Os dizeres da página de rosto são idênticos aos de Imitation, exceto pela data e pela frase “Terceira edição, revista, corrigida e modificada”. Segundo se infere do que é dito no prefácio de Thiesen à edição febiana de Imitation (página 15, não numerada), a segunda edição, de 1865, seria apenas outra tiragem da edição princeps. No entanto, em AK III 18 está escrito: “Da 2a ed. – 1865 – em diante, essa obra tomou novo título…”, querendo-se com isso dizer que já na 2a edição o título fora mudado para O Evangelho segundo o Espiritismo, tal como consta na coluna 322 do tomo II do Catalogue Général des livres imprimés de la Bibliothèque Nationale (Auteurs), Paris, Imprimerie Nationale, MDCCCXCIX, edição essa assim catalogada na referida Biblioteca: R 39901. Na Revue de 1865, meses antes do lançamento da 3a edição, já se fazia referência, em artigos, a O Evangelho segundo o Espiritismo, certamente da 2a edição.[15]

De qualquer modo, é a terceira edição que se tornou definitiva, servindo de base para as edições posteriores em francês e nos vários idiomas em que foi traduzida. Também devido à sua raridade e seu valor histórico, a FEB lançou, em 1979, uma reprodução fotográfica dessa edição. Na França, é hoje em dia publicada por La Diffusion Scientifique. Em português, a tradução clássica recomendada é a de Guillon Ribeiro (FEB), inteiramente revista a partir da 104a edição.

1868 – (6 de janeiro) – A Gênese, os milagres e as predições segundo o Espiritismo (La genèse, les miracles et les prédictions selon le Spiritisme). Paris, Librairie Internationale.

Esse foi o último livro publicado por Kardec. Pode ser encontrado hoje em edição da La Diffusion Scientifique, de Paris. A corrente edição da FEB foi traduzida por Guillon Ribeiro, da 5a edição francesa, “revista, corrigida e aumentada”.

1890 – Obras Póstumas (Œuvres Posthumes). Paris, Société de Librairie Spirite. [450 pp.]

Organizado e editado por Pierre-Gaëtan Leymarie, esse livro reúne importantes textos de Kardec, quer de caráter teórico, sobre diversos assuntos, quer sobre fatos relativos às atividades espíritas do mestre. Em AK III 19 lê-se que uma segunda edição veio a lume ainda no mesmo ano de 1890. Guillon Ribeiro traduziu o livro para a FEB, a partir da primeira edição francesa. Hoje está disponível, em francês, a edição parisiense da Dervy-Livres, em que, no entanto, as matérias foram rearranjadas e renomeadas relativamente à edição original de Leymarie. Um aprofundado estudo sobre a história dessa obra pode ser lido no artigo “No centenário de Obras Póstumas”, de Zêus Wantuil, estampado em Reformador de janeiro de 1990, pp. 3 e 4.

Consoante o objeto deste nosso trabalho, a lista que acaba de ser dada menciona somente os textos mais importantes, dando, a seu respeito, apenas algumas informações básicas. O volume III da obra Allan Kardec é de consulta obrigatória para o estudioso que queira acercar-se da fonte mais extensa e segura de dados sobre o conjunto da produção de Kardec.

7. A partida de Allan Kardec e alguns acontecimentos posteriores

1869 – (31 de março) – Desencarna subitamente Allan Kardec, enquanto atende a um caixeiro de livraria, no seu apartamento da Rue Ste.-Anne, muito provavelmente vitimado pela ruptura de um aneurisma de aorta (AK III 110, 116 e 119). No dia seguinte, deveria desocupar esse imóvel, indo para a casa da Villa Ségur; os escritórios da Revue iriam para a Rue de Lille, 7 (onde funcionava a Librairie Spirite), que sediaria também a SPES.

O corpo foi sepultado ao meio-dia de 2 de abril, no cemitério de Montmartre. Estima-se que mais de mil pessoas acompanharam o cortejo, que seguiu pelas ruas de Grammont, Laffitte, Notre-Dame-de-Lorette, Fontaine e pelo Boulevard de Clichy. À beira da sepultura, Camille Flammarion, astrônomo e médium da SPES, pronunciou o seu importante discurso, que a FEB fez figurar na sua edição de Obras Póstumas. Na primeira reunião da SPES após esse fato, os membros presentes lançaram a idéia de se levantar um monumento ao mestre, que logo recebeu adesão de espíritas de muitas cidades. Foi assim que se fez construir o famoso dólmen do cemitério Père-Lachaise, para onde os restos mortais de Kardec foram transladados a 29 de março de 1870.

1870 – (31 de março) – Inaugura-se o monumento druida do Père-Lachaise. Esse famoso cemitério é considerado museu, tendo sido ali sepultados inúmeros dos grandes vultos franceses e mesmo de outros países. O de Kardec é o túmulo mais visitado e o mais florido de todos.[16]

Quando de sua inauguração, o dólmen não registrava a célebre frase “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir continuamente, tal é a lei”, que foi insculpida ainda em 1870. Ao contrário do que muitas vezes se afirma, essa frase não se deve textualmente ao próprio Kardec, não obstante represente corretamente o pensamento espírita (AK III 118-152).

1871 – ( junho) – Pierre-Gaëtan Leymarie assume a gerência da Revue e da Librairie Spirite (AK III 157).

1875 – Vêm à público as primeiras edições brasileiras de livros de Kardec (excetuando-se o já citado opúsculo O Espiritismo na sua Expressão mais simples, publicado em São Paulo em 1862; ver nota no 10, acima): O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns e O Céu e o Inferno, traduzidos pelo Dr. Joaquim Carlos Travassos. No ano seguinte, 1876, também apareceria, pelo mesmo tradutor, O Evangelho Segundo o Espiritismo. O Editor dessas obras foi B. L. Garnier, do Rio de Janeiro. (AK III 175-80)

1883 – (21 de janeiro) – Desencarna Madame Allan Kardec. Dois dias após seu corpo é sepultado junto ao do esposo, no Père-Lachaise, saindo o féretro de sua casa na Villa Ségur. Amélie-Gabrielle Boudet nascera em 1795, a 23 de novembro, e não a 21, como se insculpiu no túmulo. (AK III 158-60)

1883 – (21 de janeiro) – Fundação, por Augusto Elias da Silva, da revista Reformador.

1884 – (2 de janeiro) – Fundação da Federação Espírita Brasileira, também por Augusto Elias da Silva, à qual Reformador passa a pertencer.

1898 – A Revue muda-se da Rue du Sommerard, 12 para a Rue St.-Jacques, 42, onde permaneceu por um bom tempo; no local existe hoje a Librairie Leymarie, que pertenceu a Pierre-Gaëtan Leymarie. (AK III 226-27)

1923 – Jean Meyer funda a Maison des Spirites, na Rue Copernic, 8 (AK I 172; cf. porém AK III 203 ). Continha arquivos importantes que foram destruídos pelos nazistas. Sediou a Éditions Jean Meyer (B.P.S), que publicou muitas das obras clássicas do Espiritismo, bem como a Revue, de 1923 a 1971, quando morreu Hubert Forestier (AK III 227).

8. Relação dos endereços:

Fornecemos abaixo uma relação dos principais endereços ligados ao Espiritismo na França, destinada a facilitar visitas e a localização em mapas:

1) Rue Sale, 76 (Lyon) – Local onde nasceu Rivail.

2) Rue de la Harpe, 117 – Rivail estava nesse endereço em janeiro de 1823.

3) Rue Vaugirard, 65 – Rivail esteve nesse endereço pelo menos de 1828 a 1831.

4) Rue Christine, 5 – Imprimerie de Pilet-Ainé, que em 1824 publicou o primeiro livro de Rivail.

5) Rue de Sèvres, 35 – Institution Rivail, de 1826 a 1834; Lycée Polymathique, até 1850.

6) Rue Grange-Batelière, 18 – Casa da Sra. Plainemaison, onde Rivail fez as primeiras observações, em maio de 1855.

7) Rue Rochechouart – Família Baudin, 1855. Aqui começaram as pesquisas sistemáticas de Rivail.

8) Rue Lamartine – Novo endereço dos Baudin, a partir de 1856. Grande parte do trabalho inicial de Kardec desenvolve-se nesse local.

9) Rue Tiquetonne, 14 – Casa do Sr. Roustan. Com a médium Srta. Japhet, Rivail realizou aí importantes trabalhos, como a revisão de O Livro dos Espíritos.

10)Rue des Martyrs, 8 (segundo andar, ao fundo do pátio) – Residência de Rivail pelo menos desde março de 1856, ficando até 14/7/1860. Em outubro de 1857, começaram aí as reuniões de estudo que dariam origem à SPES. No local foi lançada 1a edição de O Livro dos Espíritos (18/4/57) e a Revue Spirite (1/1/58).

11)Saint-Germain-en-Laye (23 km oeste de Paris) – Imprimerie de Beau, que imprimiu a 1a ed. de O Livro dos Espíritos e a Revue Spirite.

12)Galerie d’Orléans, 13 (Palais Royal) – Dentu, editor da 1a edição de O Livro dos Espíritos, da Instrução Prática, da Imitação e de O Evangelho.

13)Galerie d’Orléans, 31 (Palais Royal) – Ledoyen, editor da 2a ed. de O Livro dos Espíritos, da Instrução, de O Livro dos Médiuns, de O Espiritismo em sua expressão mais simples, da Viagem Espírita, da Imitação, de O Evangelho e de O Céu e o Inferno.

14)Galerie de Valois, 35 (Palais Royal) – primeiro endereço da SPES, a partir de 1/4/58 (reuniões às terças-feiras)

15)Galerie de Montpensier, 12 (Palais Royal; restaurante Douix) – segundo endereço da SPES, a partir de 1/4/59.

16)Quai des Augustins, 35 – Didier et Cie, editor da 2a edição de O Livro dos Espíritos, de O Livro dos Médiuns e de O Céu e o Inferno.

17)Rue Mazarine, 30 – Imprimerie de P.-A. Bourdier et Cie, que imprimiu L’Imitation de l’Évangile, em abril de 1864.

18)Passage Sainte-Anne (Rue Sainte-Anne, 59) – SPES, a partir de 20/4/60; domicílio de Kardec e Revue Spirite, a partir de 15/7/60;

19)Villa Ségur (Av. de Ségur, 39) – casa de propriedade de Kardec pelo menos desde 1860, para a qual se mudaria definitivamente em 1/4/1869. O casal por vezes usava a casa para recepcionar visitas e para realizar trabalhos que exigiam recolhimento. Amélie-Gabrielle ficou nela até sua morte, em 1883. Era desejo de Kardec que a casa se transformasse, quando não mais estivessem encarnados ele e a esposa, em abrigo para espíritas desvalidos.

20)Rue de Lille, 7 – Revue e SPES depois da morte de Kardec (31/3/69); aí já funcionava a Librairie Spirite.

21)Rue du Sommerard, 12 – Sediou a Revue por breve período, de 1897 (quando foi liquidada a Librairie Spirite ) a 1898 (AK III 202, 227 e 262).

22)Rue Saint-Jacques, 42 – Librairie Leymarie, que abrigou a Revue de 1898 até 1923 (AK III 227); existe ainda hoje como livraria espiritualista.

23)Rue Copernic, 8 – Maison des Spirites, fundada em 1923 por Jean Meyer (AK I 172), funcionou até a década de 1970.

24)Rue Jean-Jacques Rousseau, 15 – Union Spirite Française, fundada em 1919 por Jean Meyer e Gabriel Delanne; substituída em 1976 pela U.S.F.I.P.E.S.

25)Rue du Docteur Fournier, 1, 37000 Tours – Union Spirite Française et Francophone, que atualmente publica La Revue Spirite.

26)Rue de Flandre, 131, Résidence Île de France, bâtiment E1, 75019 Paris, tel.: (01)42090869- Centre d’Études Spirites Allan Kardec (em funcionamento).

27)Cemitério de Montmartre (região norte de Paris) – Sepultamento de Kardec a 2/4/69.

28)Cemitério do Père-Lachaise (região leste de Paris) – Sepultura definitiva de Kardec, a partir de 29/3/70; o dólmen é inaugurado dois dias depois.

——————————————

[1] Gostaríamos de expressar nosso agradecimento a Zêus Wantuil, que leu com excepcional cuidado uma versão preliminar deste trabalho, contribuindo, com sua experiência e erudição, para que diversas falhas de conteúdo e de forma fossem eliminadas. Forneceu-nos ainda algumas informações históricas bastante relevantes, que não pudéramos haver obtido de outra forma; as principais delas são explicitamente indicadas nos locais pertinentes do texto.

[2] Na p. 79 do vol. I da obra Allan Kardec, encontra-se estampada a página de rosto de uma edição parisiense de 1961 do livro de Moreil, da editora Sperar. Em sua introdução a esse vol. I, Thiesen se refere, à p. 26, a uma tradução para o vernáculo, de Miguel Maillet, publicada sem data em São Paulo pela Edicel. Zêus Wantuil gentilmente informou-nos que tal tradução brasileira teve sua impressão concluída em junho de 1966.

[3] A primeira edição dessa biografia data de 1896 e aparecia traduzida na coletânea O Principiante Espírita, que a FEB publicava no passado; a quarta edição foi prefaciada por Léon Denis (ver Allan Kardec, vol. I, pp. 200, 198 e 29; vol. II, p. 15). Há referências a uma “nouvelle édition”, de 1910, com prefácio de Gabriel Delanne (ver ibid., vol III, p. 117 e vol II, p. 15).

[4] Em Obras Póstumas, p. 271, há uma comunicação atribuída à mediunidade da Senhora (“Mme” ) Baudin; teria sido uma falha tipográfica, ou ela também era médium? Embora na página 267 Kardec diga que os médiuns eram “as duas senhoritas Baudin”, nas comunicações mediúnicas transcritas nunca especifica qual serviu de médium, escrevendo simplesmente “Mlle Baudin”. Na Revue Spirite de 1858 (ver AK II 64-65) Kardec refere-se explicitamente a uma série de comuncações transmitidas por Caroline, notando, incidentalmente, que “mais tarde o médium se serviu da psicografia direta”. Em OP 271 Kardec relata que em fins de 1857 ambas se casaram e a família se dispersou, ficando implícito que não pôde mais contar com sua mediunidade. Em seus controversos comentários à edição bilíngüe da primeira edição de O Livro dos Espíritos (p. viii), Canuto Abreu avança que Caroline e a irmã tinham, em agosto de 1855, 16 e 14 anos, respectivamente, e que a mais velha era o médium principal; não pudemos confirmar essas informações em fontes independentes.

[5] Esses dizeres que se seguem ao título são os que constam da página de rosto da obra (ver fac-símile à p. 75 de AK II). Observações semelhantes valem para os demais livros de Kardec mencionados nas seções seguintes.

[6] Em 1866 sofreu séria crise de saúde, conseqüente à sobrecarga de trabalho e de preocupações, sendo assistido pelo Dr. Demeure, que o advertiu quanto aos limites das forças corporais. Por insistência desse Espírito, Kardec passou a contar, para a correspondência comum e a parte mais material das tarefas, com a ajuda de um secretário, o Sr. A. Desliens, médium e membro da SPES ( AK III 111, 286, 301, 302 e 42). Com a desencarnação do mestre em março de 1869, Desliens ficou como secretário-gerente da Revue, até junho de 1871 (AK III 157, 136).

[7] A Union Spirite Française foi fundada por Jean Meyer e Gabriel Delanne em 1919, não tendo relação direta com a antiga SPES, que encerrou suas atividades ainda no século passado, bem pouco tempo após a morte de Kardec. (AK II 16 e 17; III 156)

[8] Notícia veiculada em Reformador, abril e maio de 1990, pp. 128 e 130, respectivamente; ver também La Revue Spirite, janeiro de 1997 (no 30), p. 7. Assinaturas podem ser feitas escrevendo-se para o endereço da USFF: 1, Rue du Docteur Fournier, 37000 Tours, France. A USFF pode também ser contactada por e-mail ([email protected]), tendo recentemente inaugurado sua “página” na Internet (http://www.creaweb.fr/union-spirite). Além de editar La Revue Spirite, a Union, promove o intercâmbio entre os grupos espíritas da França (pouco mais de uma dezena, a maioria de criação recente), e tem representado o movimento espírita francês no plano internacional. Segundo se depreende de artigo da autoria de Affonso Soares publicado em Reformador de novembro de 1986 (p. 341), a USFF teria sido fundada em fins de 1985, junto com uma publicação oficial, a Revue des Spirites. No entanto, no número de junho de 1989 do periódico febiano, o mesmo autor diz que a fundação da Union ocorreu em 1987; este dado parece dever-se a um lapso. Neste artigo mais recente assevera-se ainda que a publicação trimestral se chama La Nouvelle Revue Spirite. Desse modo, antes de conseguir recuperar o título ‘La Revue Spirite’ o valoroso grupo espírita de Tours teria dado dois outros nomes à sua revista.

[9] No “site” da Federação Espírita Brasileira na Internet (http://www.febrasil.org.br) estão disponíveis diversas obras de Kardec, em francês, português, inglês e espanhol. Alguns outros originais franceses podem ser encontrados no “site” do Centre d’Études Spirites Léon Denis (http://perso.wanadoo.fr/charles.kempf/). No primeiro desses endereços também está a Livraria Virtual da FEB, com seu rico acervo de obras. Destacamos ainda que as exemplares traduções febianas das obras de Kardec foram recentemente lançadas em CD-ROM, que pode ser adquirido escrevendo-se para a FEB ou para [email protected] .

[10] Pierre-Paul Didier foi um dos mais dedicados colaboradores de Kardec, membro fundador da SPES, tendo nela atuado como médium (AK III 377, 79, 323 e 82); desencarnou em 2/12/1865, mas como Espírito continuou diretamente envolvido nas atividades de Kardec (ibid. 85, 92, 289).

[11] Não vimos a primeira edição; nas edições a que tivemos acesso, há divergência quanto ao texto que segue ao título. O que traduzimos consta da edição atual da Dervy. Nas notícias da segunda edição de O Livro dos Espíritos (ver fac-simile no Reformador de abril de 1989, p. 105) está do seguinte modo: “Introduction à la connaissance du monde invisible ou des Esprits, contenant les principes fondamentaux de la doctrine spirite et la réponse à quelques objections préjudicielles.” O que se encontra em AK III 15 corresponde aproximadamente a esse texto.

[12] Constatou-se, em época relativamente recente (ver Reformador, abril de 1989, pp. 104-107), que Kardec anexou à segunda edição algumas notas e erratas, destinadas a complementar e corrigir o texto. Pôde-se também verificar que na oitava edição elas ainda apareciam; não se sabe a partir de qual edição deixaram de figurar, nem por que Kardec não conseguiu inserir as correções e acréscimos refundindo o texto. Lamentavelmente, nem as edições francesas atuais nem as traduções para o vernáculo incorporam ou sequer mencionam as modificações, que o próprio Kardec considerava imprescindíveis. Parece-nos de suma importância que esse material venha a público de forma completa, e que seja incorporado às novas edições.

[13] Em AK III 18, 176 e 353-54 informa-se acerca de três traduções antigas: uma por Alexandre Canu, colaborador da SPES, “que se achava à venda com J.P. Aillaud, Monlon e C…, em Lisboa, Rio de Janeiro e em Paris (1862); outra publicada em São Paulo, sem indicação de tradutor, pela Typographia Litteraria (1866); e finalmente outra da FEB, traduzida e anotada por Guillon Ribeiro (não se menciona a data da primeira edição, dizendo-se apenas que ainda há nos arquivos exemplares de 1921 e 1933).

[14] Zêus Wantuil gentilmente confirmou-nos que são os que constam na edição original da obra.

[15] As substanciais informações desse parágrafo foram-nos comunicadas por Zêus Wantuil, a quem agradecemos.

[16] Destaca-se esse ponto no próprio mapa do cemitério. Na madrugada 2 de julho de 1989 o túmulo sofreu um atentado a bomba, que o danificou parcialmente, sendo posteriormente restaurado pela Prefeitura de Paris. (Reformador, julho de 1989, p. 194, e setembro de 1990, p. 284.)

Texto fantástico e completo do Silvio Seno Chibeni.

Este post tem 36 comentários

  1. Fëanor Bellato"

    Tio Marcelão, fiquei interessado e até pensei em abrir um capitulo do
    Collegium ad Lux et Nox : http://www.collegium.org.br/ aqui no no ES

    e queria saber de vc, q conhece muito, se é uma boa opção, de acordo com a grade curricular do Collegium. Tem algum erro, ou vale a pena ?

    Abração”

  2. Remy

    Kardec é reverenciado no Brasil. Na França, é conhecido.

    @MDD – No Brasil transformaram ele em um substituto espírita dos santos católicos.

    1. Tula De Vito Franco

      Infelizmente, o pessoal faz muito confusão sobre o que é e o que não é Espiritismo. Confundem-no com umbanda, candomblé, teosofia… Se quiserem aprender mais sobre o Espiritismo, estudem as obras da Codificação e a Revista Espírita. Não será uma pessoa que fará as explicações, mas o estudo das obras. O Espiritismo é uma doutrina sem vínculos com instituições, seitas, sacramentos, dogmas. Não é uma doutrina secreta, com iniciáticos… É uma doutrina com bases filosóficas, científicas e religiosas. Não foi inventada por Kardec, ele apenas a codificou, organizou. Kardec tinha um vasto conhecimento, mas sempre analisava tudo o que vinha dos Espíritos com muita lógica e razão. Ele criou um sistema que todos os Espíritas deveriam se utilizar: o CUEE, ou seja, o Controle Universal do Ensino dos Espíritos. Ela – a Doutrina – é o Consolador prometido pelo Cristo, na passagem bíblica João 14:16-26. Portanto, a pessoa que realmente se considera espírita, deve sempre utilizar-se da lógica e da razão diante de livros e mensagens ditos “espíritas”! Mas infelizmente, hoje em dia, as pessoas buscam se instruir a respeito do Espiritismo em literatura não-espírita…
      Apesar disso, gostei do texto, bastante instrutivo.

      @MDD – Na verdade, o que voce chama de “espiritismo” chamamos de Kardecismo, que é a doutrina criada pelo Kardec e transformada em dogmas por seus seguidores. Até parece que todos os espíritos sábios são cristãos rsrsrsrs

      1. Tula De Vito Franco

        Dogma, no sentido que você coloca, me parece que ser algo que não pode ser discutido. Mas se você diz que dogma são os princípios de uma crença ou doutrina, aí sim, eu acredito nos princípios ou postulados da Doutrina Espírita. Nós que somos espíritas, adoramos discutir temas que em religiões não pode ser discutido. O Espiritismo não é religião. E vc bem sabe disso. Não sou limitada ou mesmo contra polêmicas. Só acho que para falar ou falar sobre o Espiritismo, as pessoas deveriam ao menos conhecê-lo. Não sou adepta de Chiquismo, Divaldismo, Baccelismo, ou outros médiuns. O que procuro fazer é estudar a Doutrina como foi proposta pelos Espíritos superiores a Kardec. E veja, como vc mesmo diz, nem todos os Espíritos são sábios, porque nem todos os Espíritos tem moralidade, conhecimento, ética o suficiente para sequer passar algum ensinamento. E como vc tb sabe, pois para colocar esta matéria aqui no site vc deve ter pesquisado, etc, então compreende que para Kardec, ao codificar a Doutrina, rechaçou muitas mensagens de Espírito pseudo-sábios que se contradiziam com os demais. Ele, Kardec, durante anos, de forma incansável, pois além de codificar a Doutrina, ele tb trabalhava para se manter, analisava cada mensagem ou conhecimento dado pelos Espíritos, tudo baseado na lógica, na razão. O Espiritismo, prezado, não é algo que deva ser aceito sem discussão. Eu, como espírita, estudo sempre, e não aceito qualquer ensinamento como algo fechado, absoluto. O próprio Kardec, disse que o Espiritismo caminharia junto com a Ciência. Concordo com isso. Eu sou Espírita não só pelo aspecto cristão, mas porque eu considero a Doutrina absolutamente racional e lógica. Um exemplo de literatura que explica bem o Espiritismo fora dos livros da Codificação e a Revista Espírita, são os livros de Herculano Pires. Discutem a Doutrina de forma lógica, crítica e racional. Abraços.

        @MDD – Tenho varias ressalvas com alguns desses autores, que sao preconceituosos e com pouca informação, sobretudo em relação a Umbanda… volta e meia aparece algum espirita-xiita pra comentar nos posts de umbanda e candomblé, com o papo velho de “espiritos de luz nao usam charuto”… rsrsrsrs

        1. Tula De Vito Franco

          Mas vc já leu alguma coisa do Herculano Pires? Acho que vai gostar…

  3. Luiz Ag

    Tenho que admitir que ainda não li, mas já tenho uma boa leitura pro fim de semana.
    Estava esperando ansiosamente por algo sobre o espiritismo.

    Marcelo, você possui alguma informação ou opinião sobre um livro chamado: O livro de Urântia? Me deparei há alguns meses com esta obra bem extensa e que vem sendo debatida ultimamente impulsionada pela paranóia do 2012 (até Superpop agora se meteu a debater “o fim do mundo que se aproxima, meteoros e nibiru”).

    @MDD – O Livro de Urantia é uma salada de frutas esquisita… pode ficar longe dele.

  4. Padawan

    Uma pergunta para o MDD ou para quem tem contato com a doutrina de Kardec no Brasil.

    Pesquisando poraí vemos que o Espiritismo/Kardecismo é muito mais difundido no Brasil (largamente devido à afinidade com o Catolicismo, ao que parece) do que no resto do mundo. Mas acredito que existam outras doutrinas mundo afora que tem fundamentos semelhantes com maior repercursão nesse ou naquele país ou cultura. Por exemplo, estava dando uma olhada no fórum Veritas e não achei praticamente nenhuma referência concreta à obra de Kardec ou diretamente ao Espiritismo.

    Para nós aqui é recomendado pelo próprio MDD estudar a obra básica de Kardec (que acho excelente e recentemente voltei a estudar depois de muitos anos), mas o que “os outros” estão estudando para começar?

    A propósito, texto excelente como sempre… 🙂

  5. Remy

    Kardec foi um excelente indagador. Sua doutrina possui vinculo com o saber humano contruído até aquele período. Uma ótima base para o construção do conhecimento espiritual. Mas não esqueçamos da palavra bem reinterada pelo Espírito Verdade: progresso!

    O progresso espiritual.

    Pois o plano extrafísico, para nós terrenos, não é o Paraíso prontinho divulgado pela Igreja. Ele progride, avança, evolui… enfim, a vida segue avante; aqui, e lã.

  6. raph

    Religião existe uma só, e não é necessário lhe dar um nome, pois ela não possui CNPJ nem hierarquia de clero.

    Igreja tem um monte por aí…

    No espiritismo, não é diferente: existe a parte que se liga a essa tal Religião-Sem-Nome, e existe a parte que se liga a Igreja.

    Basta evitar a segunda, e se focar na primeira… Com o tempo, torna-se um exercício muito prazeiroso.

    1. Tula De Vito Franco

      Eu se fosse você, procuraria compreender um pouco mais sobre o Espiritismo. Não existem divisões na Doutrina Espírita. Procure dar uma “olhada” em “O que é o Espiritismo” de Allan Kardec. Lá vc vai tirar algumas de suas dúvidas. Se alguém te disse que Doutrina é igual à Umbanda, Candomblé, não sabe o que seja Espiritismo. Abraços.

      @MDD – Existe um monte de divisões no espiritismo… Posso citar de bate pronto o Chico Xavier e o Waldo Vieira, que criaram suas vertentes, e o povo da federação que absorveu os ranços do catolicismo na “Federação espírita” querendo cagar regras para todos; e os centros independentes kardecistas que misturam fraternidade branca, Ashtar Sheron e Alan Kardec… e os centros de “umbanda branca” que são espíritas/umbandistas mesclados e por ai vai. Entao, Tula, antes de querer vir “ensinar” aqui no blog, preocupe-se em aprender mais sobre o que vai falar 😉

      1. Tula De Vito Franco

        Caríssimo, não estou aqui pra ensinar. Procuro sempre aprender. Imagine, eu sou apenas uma estudiosa. Não pretendo ensinar nada a ninguém. Tenho aprendido muito com coisas legais que tenho lido no blog. Mas porquê me censurar assim? Achei que pudesse como os demais, discutir assuntos. Eu adoro polêmicas e gosto tb, assim como vc, de polemizar. Polemizar, com respeito, gera conhecimento, desperta para o estudo.
        Creio que como vc disse, a FEB, infelizmente, nunca foi de fato, Espírita. Ela, na realidade admite muita coisa que nada tem a ver com o Espiritismo. Sinto às vezes, vergonha mesmo de saber que aqueles que deveriam promover o estudo das obras da Codificação, criam tantos problemas e confundem os que desejam obter conhecimento através dos livros Espíritas. Há então esta divisão ridícula, a meu ver, de Chiquista, Waldista, Baccelistas, Divaldistas e ainda permitem tanta coisa estranha ao Espiritismo em centros, até então espíritas, que se tornaram espiritualistas. Eu, particularmente, não tenho nada contra religiões, respeito-as, mas sou contrárias aos “novidadeiros”. Deveriam então fundar uma seita, ou outra religião. Por que querem incorporar suas crenças ao Espiritismo? Abraços.

        @MDD – Eu faço uma pergunta melhor… Porque deixar o Espiritismo ficar preso a dogmas? A Ciencia deve sempre evoluir, e tenho certeza que Kardec pensava assim… entao… por que engessar a doutrina com coisas que sabemos estarem ultrapassadas?

        1. Tula De Vito Franco

          Concordo. Mas muita gente não entendeu isso. Acho que só mesmo a dedicação ao estudo e compreensão da Doutrina irá mudar o panorama. Paciência!

          1. Sofia Pombo

            Tula, estou a (tentar) iniciar-me no espiritismo e apreciei a sua forma de abordar a temática: aberta mas rigorosa, crítica porém tolerante e, acima de tudo, sempre construtiva. Para sistematizar novos conhecimentos é fundamental estar receptivo ao diálogo. Beijo, Sofia.

  7. Vinicius Lira

    Eu não conheço muito do espiritismo, mas pelo que deu pra ver no texto, Allan Kardec assumia uma postura meio cientificista perante os acontecimentos mediúnicos (apesar de não se restringir àpenas isso). Ele não era um médium que recebia diversas elucidações diretamente dos espíritos.. ele foi meio que um guia para tudo isso.

    Essa foi a minha impressão.

  8. gustavo

    Caro marcelo.. existe algumas discordâncias do espiritismo com magia, pois, no livro dos espiritos a questão que fala sobre poder oculto, fentiçaria e talismãs discorda de rituais,conjurações pentaculos etc… dizendo que os espirtos riem de quem utilizam, que nada de material afasta os espiritos inferiores, só a boa conduta. Coloquei esse comentário pois, vc recomenda ler os livros de allan kardec ,que já discordão dos de elipas leví, matta e silva outros de magia prática.

    @MDD – eu não vejo os espíritos rindo quando são presos dentro de círculos mágicos… A ritualística e os objetos mágicos afetam o Astral, e muito. Mas dependem da vontade de quem os usa; uma pessoa fraca poderá ter um milhão de talismãs que não vão servir para nada.

  9. Melkisedeq

    Salve Marcelo,

    esta pergunta e resposta no coments do Gustavo veio a calhar, pois no começo do ano após leitura do livro dos espiritos por mim e por um amigo e livro dos médiuns pelo meu amigo, estávamos debatendo estas afirmações do Kardec e eu cheguei a conclusão (não sei se meu amigo concorda), de que Kardec conhecia magia, denominândo-a como magnetismo, porém evitava falar dela, mesmo porque não era seu foco. Mais estava estranha a resposta de um espirito q dizia a magia não funcionar… Acho que a bem da verdade, Kardec revolucionou os dogmas ocidentais da época, trazendo luz a muitas coisas esquecidas e perdidas, porém não devemos olhar seus ensinamentos como dogmas divinos inalterados, pois tudo é passível de evolução, seguindo a própria linha de raciocínio dele. Para cada tempo, ou eon, novos ensinamentos são revelados. O conhecimento torna-se mais acessível e os corações mais ávidos por essas informações.
    A meta é sempre evoluir a caminho de Kéther.

    @MDD – Não esquece de levar em consideração os tempos em que ele viveu… Kardec não poderia simplesmente se declarar “mago” e achar que tudo ia ficar de boa… ele romanceou bastante as palavras, tentando fugir da estigma de “magia” e buscando palavras de cunho mais científico para explicar o que acontecia. Também não se pode deixar de lado o fato que ele entrevistou, em sua maioria, espíritos de ex-protestantes, de franceses, europeus, que já tinham uma visão religiosa dentro do pós-vida (não é porque você morreu que vai mudar sua forma de pensar tão rapidamente…).

  10. guilherme costa

    Caro Marcelo, não concordo com kardec, quando diz que os espíritos estão influencinado, a todo instante nossos pensamentos. Acredito mais nos elementais,larvas,espectros e cascões. Estou tabém com helena da teosofia, que diz, em casos raros podemos nos comunicar. Acho que vc complica um pouco, quando responde as perguntas , sempre voltado ao espiritismo que pode ter um espirito influencinado etc… principalmente sobre um poster da prece de cáritas que vc diz ao internauto… @MDD – A explicação mais provável é que tenha alguma entidade próxima a você e que esteja com algum sofrimento, buscando a luz, mas sem conseguir, então esta prece afeta o seu cardíaco e produz alguma faísca, e você, por estar ligado a ela, manifesta esta sensação.

    @MDD – mesmo se nao estiverem, as egregoras e pensamentos poluidos ao redor estao. Já deve ter feito o exercicio de ficar em silencio prestando atençao em seus pensamentos durante 5 minutos para perceber o quao poluido é o ambiente ao nosso redor. Cascões, larvas, eguns, elementais são os mais comuns, concordo com voce; mas usar a nomenclatura do kardecismo é mais facil para nao confundir os novatos. Depois eles aprendem a diferenciar os tipos de interferencia, quando lerem os textos após um ano, dois anos de estudos…

  11. guilherme costa

    Mas, esses eguns que você fala, são espíritos legítimos que estão perto de nós no astral inferior, o que é realmente egun?

    @MDD – Exato. Espíritos de pessoas menos esclarecidas, cascões astrais.

  12. guilherme

    @MDD – Exato. Espíritos de pessoas menos esclarecidas, cascões astrais.

    ‘SIM ESPIRITOS DE PESSOAS MENOS ESCLARECIDAS OU ESPÍRITO REAL INCRIADO,OK! MAS OS CASCÕES SÃO DIFERENTES DOS ESPÍRITOS REAIS QUE TEM VONTADE PRÓPIA, VEJA:os chamados cascorões ou cascões avivados são em via de regra, restos em decomposição dos corpos astrais de seres humanos desencarnados, assim como, vestígios no astral de entidades de outras linhas de evolução que atingiram o mesmo grau de coesão psíquica que o ser humano, que vulgarmente chamamos de seres elementais artificiais.

  13. guilherme

    Marcelo,, o que vc diz sobre os boatos que dizem, do livro dos espiritos que kardec seria racista e até falam da Helena blavatsky tabém. procede isso?

    @MDD – ah, e eu sou satanista, o Chico Xavier era picareta de leitura fria, o Eliphas Levi era charlatão, os Templários adoravam o demônio, as wiccas sacrificam bebês e os maçons precisam matar um bode na iniciação..

  14. Philippe

    Olá Marcelo, qual a sua opinião acerca da mediunidade? Sobre uma visão ocultista e possivel trabalhar com as duas?

    @MDD – a minha opinião, embasada em 15 anos de experiencias empíricas, é que existe e funciona. Praticamente todas as Ordens Invisíveis estão ligadas direta ou indiretamente a entidades que residem em outros planos de consciencia e que se comunicam com os discipulos através de médiuns, seja na umbanda, kardecismo, candomblé, espiritualismo ou ordens invisíveis.

    1. Tula De Vito Franco

      A mediunidade não foi inventada pela Doutrina Espírita. Ela sempre existiu desde os primórdios. O Espiritismo apenas estudou-a, sistematizou-a.

      1. Gastão

        “O Espiritismo apenas estudou-a, sistematizou-a.”

        Tula, sua visão é muito limitada. Espiritismo surgiu ali pelos 1800 e pouco. Muitas doutrinas já estudavam, tinham sistematizado e já tinham muito mais conteúdo que esse pessoalzinho preconceituoso da França.

        Por exemplo, no Taoísmo a mediunidade é muito usada. E foi estudada e sistematizada com uma mente aberta, muito antes dos seus heróis, e de fato, querer comparar o que o Kardec deixou escrito com o Dao Zang é o mesmo que comparar um gibi do Chico Bento com uma Barça.

        1. Tula De Vito Franco

          Prezado Gastão…
          Eu não disse que a mediunidade não foi utilizada antes do advento da Doutrina Espírita. O que eu disse que a sistematização, método e estudo como ciência, foi dado pelo Espiritismo. Todas as civilizações utilizaram-se da mediunidade, fato em que está registrado na história da Humanidade. Talvez, prezado, você não tenha entendido o meu posicionamento. Faço um convite a você: procure ler a introdução de O Livro dos Espíritos, ou mesmo alguns artigos da Revista Espírita a respeito de como Kardec, através do minucioso estudo de mensagens recebidas em todas as partes do mundo, as analisou, comparou, verificou, pelos processos da dialética e maiêutica, a universalidade dos ensinos dos Espíritos. Abraços.

  15. Philippe

    MDD, existiria algum problema em um indivíduo desenvolver a médiunidade por exemplo em uma casa espirita e fazer parte de ordens onde dizem trabalhar com esse desenvolver de maneira mais ativa? Não ocorre nenhum conflito?

    @MDD – quais ordens, por exemplo?

  16. guilherme

    Mas a maior crítica ao livro e às idéias de Blavatsky é em relação a um moderado racismo, particularmente quando Blavatsky refere-se a alguns grupos étnicos, os aborígenes australianos, por exemplo, como “menos humanos que os arianos”, já que os identifica como “mestiços atlanto-lemurianos”. Com relação aos semitas, particularmente os árabes, diz que são “espiritualmente degenerados”.

    Muitas destas críticas têm sua origem no fato de Blavatsky ser considerada por muitos como uma autora polêmica, a ponto de seus detratores considerarem-na uma farsante. http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Doutrina_Secreta
    MARCELO ISSO PROCEDE OU ELA ESTAVA CERTO.

    @MDD – politicamente correto é uma merda. Tem coisas que nem o tio Marcelo tem como explicar mais sem correr o risco de levar algum processo de alguma minoria pobrezinha e desprotegida. Sorry mate.

  17. Philippe

    MDD, existiria algum problema em um indivíduo desenvolver a médiunidade por exemplo em uma casa espirita e fazer parte de ordens onde dizem trabalhar com esse desenvolver de maneira mais ativa? Não ocorre nenhum conflito?

    @MDD – quais ordens, por exemplo?

    por exemplo AMORC, AURUM SOLIS,MARTINISMO,ROSA CRUZ ÁUREA,EUBIOSE

    @MDD – Tenho amigos médiuns (kardecistas e de umbanda) em todas estas ordens, eles nunca tiveram problemas. Desde que voce não misture as coisas e estude cada uma no seu quadrado, está tudo bem.

  18. Chico Kaupa.'.

    Marcelo,
    achei estranho o texto não fazer nenhuma referência ao Dr. Franz Anton Mesmer…
    Palavras de Kardec: “O que não foi feito e dito contra o magnetismo! Entretanto, todos os raios lançados contra ele, todas as armas com que foi ferido, inclusive o ridículo, esbarraram ante a realidade e apenas serviram para colocá-lo em maior evidência. É que o magnetismo é uma força natural; e ante as forças naturais o homem é um pigmeu, semelhante a esses cachorrinhos que ladram inutilmente contra tudo que lhes mete medo.” 1ª Revista Espirita.
    O magnetismo animal influenciou decisivamente o espiritismo. O interessante é que o Dr. Mesmer era maçom, e foi por diversas vezes “homenageado” por Mozart (maçom), em suas obras.

    @MDD – Dr. Mesmer, Dr. Hahnemann e dr. Bach eram todos maçons. Estou com as biografias deles na sessão de maçons da wiki (http://www.daemon.com.br/wiki). Recomendo também que veja a área de história da Maçonaria. Está bem completa.

    1. Chico Kaupa.'.

      Muito bom, Marcelo. Faltava blog deste nível para nossas consultas.
      PARABENS por este trabalho.
      Um TFA

  19. Leonardo

    saudações,

    gostaria de saber qual a relação entre os escrito de swedenborg e o espiritismo de kardec. Pergunto isso pq jah li “teorias da conspiração” que os livros de kardec em muito se parecem com os de swedenborg.

    @MDD – Sim, são muito parecidos mesmo, porque os estudos de Kardec vieram das Ordens Iniciáticas que foram inspiradas por Swedenborg.

  20. Wilson

    O Plano é Seduzir.

    Muitos centros espíritas Kardecistas são enganados por espíritos embusteiros e mistificadores do plano astral.
    Esses mistificadores se apresentam usando nomes falsos e venerados e usam também uma linguagem melosa, doce e suave para seduzir e enganar as pessoas, os espíritos enganadores gostam muito em falar em caridades, amor, Jesus, preces, tudo com segundas intenções, eles querem seduzir com palavras bonitas e melosas.
    O plano é seduzir.
    Para evitar isso, devemos sempre passar pelo crivo severo da razão e da lógica todas as informações e mensagens dos espíritos, só devemos aceitar o que tiver uma base racional e moral elevada e nobre.
    A nossa fé tem que ser raciocinada e não cega.
    Os espíritos mistificadores adoram pessoas que não questionam nada, aceitam tudo sem exame.

    Vejamos algumas observações importantes de Kardec sobre essas questões.

    Com efeito, a facilidade com quem certas pessoas aceitam tudo o que vem do mundo invisível sob a cobertura de um grande nome é o que encoraja os Espíritos mistificadores. Devemos aplicar toda a nossa atenção em desfazer as tramas desses Espíritos, mas só o podemos fazer com a ajuda da experiência, adquirida através de um estudo sério. Por isso repetimos sem cessar. Estudai antes de praticar, pois é esse o único meio de não terdes de adquirir a experiência à vossa própria custa.

    A malandragem dos Espíritos mistificadores ultrapassa ás vezes tudo que se possa imaginar.A arte com que assestam as suas baterias e tramam os meios de persuadir seria digno de atenção, caso se limitassem a brincadeiras inocentes. Mas as mistificações podem ter conseqüências desagradáveis abrimos os olhos a tempo a muitas pessoas que nos pediram conselhos, livrando-as de situações ridículas e comprometedoras.
    Entre os meios empregados por esses Espíritos devemos colocar em primeiro lugar, como os mais freqüentes, os que excitam a cupidez, como a revelação de pretensos tesouros ocultos, o anúncio de herança e de outras fontes de riqueza.
    Devem, também se considerar desde logo suspeitas às predições com épocas marcadas e todas as indicações precisas referentes a interesses materiais.Toda cautela com as providências prescritas ou aconselhadas pelos Espíritos, Quando os fins não forem claramente razoáveis.
    Jamais se deixar ofuscar pelos nomes usados pelos Espíritos para darem validade ás suas palavras.Desconfiar das teorias e sistemas científicos ousados.Enfim, desconfiar de tudo o que se afaste do objetivo moral das manifestações.Poderíamos escrever um volume dos mais curiosos com as estórias de todas as mistificações que têm chegado ao nosso conhecimento.

    Submetendo-se todas as comunicações a rigoroso exame, sondando e analisando suas idéias e expressões, como se faz ao julgar uma obra literária – e rejeitando sem hesitação tudo o que for contrário à lógica e ao bom senso, tudo o que desmente o caráter do Espírito que se pensa estar manifestando, — consegue-se desencorajar os Espíritos mistificadores que acabam por se afastar, desde que se convençam de que não podem nos enganar.

    REPETIMOS QUE ESTE É O ÚNICO MEIO, MAS É INFALÍVEL PORQUE NÃO EXISTE COMUNICAÇÃO MÁ QUE RESISTA A UMA CRÍTICA RIGOROSA. Os Espíritos bons jamais se ofendem, pois eles mesmos nos aconselham a proceder assim e nada têm a temer do exame. Somente os maus se melindram e procuram dissuadir-nos, porque têm tudo a perder. E por essa mesma atitude provam o que são.

    Eis o conselho dado por São Luís a respeito:
    “Por mais legítima confiança que vos inspirem os Espíritos dirigentes de vossos trabalhos, há uma recomendação que nunca seria demais repetir e que deveis ter sempre em mente aos vos entregar aos estudos: a de pensar e analisar, submetendo ao mais rigoroso controle da razão todas as comunicações que receberdes; a de não negligenciar, desde que algo vos pareça suspeito, duvidoso ou obscuro, de pedir as explicações necessárias para formar a vossa opinião”.

    Não há outro critério para se discernir o valor dos Espíritos senão o bom senso. Qualquer fórmula dada pelos próprios Espíritos, com esse fim, é absurda e não pode provir de Espíritos superiores.
    Julgamos os Espíritos pela sua linguagem e as suas ações. As ações dos Espíritos são os sentimentos que eles inspiram e os conselhos que dão.
    Admitido que os Espíritos bons só podem dizer e fazer o bem, tudo o que é mau não pode provir de um Espírito bom.

    A linguagem dos Espíritos superiores é sempre digna, elevada, nobre, sem qualquer mistura de trivialidade. Eles dizem tudo com simplicidade e modéstia, nunca se vangloriam, não fazem jamais exibição do seu saber nem de sua posição entre os demais. A linguagem dos Espíritos inferiores ou vulgares tem sempre algum reflexo das paixões humanas. TODA EXPRESSÃO QUE REVELE BAIXEZA, AUTO-SUFICIÊNCIA, ARROGÂNCIA, FANFARRONICE, MORDACIDADE É SINAL CARACTERÍSTICO DE INFERIORIDADE. E DE MISTIFICAÇÃO, SE O ESPÍRITO SE APRESENTA COM UM NOME RESPEITÁVEL E VENERADO.

    Não devemos julgar os Espíritos pelo aspecto formal e a correção do seu estilo, mas sondar-lhes o íntimo, analisar suas palavras, pesá-las friamente, maduramente e sem prevenção. TODA FALTA DE LÓGICA, DE RAZÃO E DE PRUDÊNCIA NÃO PODE DEIXAR DÚVIDA QUANTO À SUA ORIGEM, QUALQUER QUE SEJA O NOME DE QUE O ESPÍRITO SE ENFEITE.

    Os Espíritos bons só dizem o que sabem, calando-se ou confessando a sua ignorância sobre o que não sabem. Os maus falam de tudo com segurança, sem se importar coma verdade. TODA HERESIA CIENTÍFICA NOTÓRIA, TODO PRINCÍPIO QUE CHOQUE O BOM SENSO REVELA A FRAUDE, SE O ESPÍRITO SE APRESENTA COMO ESCLARECIDO.

    Os Espíritos bons jamais dão ordens: não querem impor-se, apenas aconselham e se não forem ouvidos se retiram. Os maus são autoritários, dão ordens, querem ser obedecidos e não se afastam facilmente. Todo Espírito que se impõe trai a sua condição.
    São exclusivistas e absolutos nas suas opiniões e pretendem possuir o privilégio da verdade. Exigem a crença cega e nunca apelam para a razão, pois sabem que a razão lhes tiraria a máscara.

    Devemos desconfiar dos nomes bizarros e ridículos usados por certos Espíritos que desejam impor-se à credulidade. Seria extremamente absurdo tomar esses nomes a sério.

    Devemos igualmente desconfiar dos Espíritos que se apresentam com muita facilidade usando nomes bastante venerados, e só com muita reserva aceitar o que dizem. Nesses casos, sobretudo, é que um controle se torna indispensável. Porque é freqüentemente a máscara que usam para levar-nos a crer em pretensas relações íntimas com Espíritos excelsos. Dessa maneira eles lisonjeiam a vaidade do médium e se aproveitam dela para o induzirem a atos lamentáveis e ridículos.

    Os Espíritos bons só ensinam o bem. Toda máxima, todo conselho que não for estritamente conforme a mais pura caridade evangélica não pode provir de Espíritos bons.
    Os Espíritos bons só dão conselhos perfeitamente racionais. Toda recomendação que se afaste da linha reta do bom senso ou das leis imutáveis da Natureza acusa a presença de um Espírito restrito e, portanto pouco digno de confiança.

    Os Espíritos maus ou simplesmente imperfeitos ainda se revelam por sinais materiais que a ninguém poderão enganar. A ação que exercem sobre o médium é às vezes violenta, provocando movimentos bruscos e sacudidos, uma agitação febril e convulsiva que contrasta com a calma e a suavidade dos Espíritos bons.

    Allan Kardec.

    Os falsos profetas não existem apenas entre os encarnados. Encontram-se também, em número muito grande, entre os Espíritos orgulhosos que sob as falsas aparências de amor e caridade semeiam a desunião e retardam a obra de emancipação da humanidade, ao lançarem entre as criaturas seus sistemas absurdos, que fazem os médiuns aceitar. PARA MELHOR FASCINAR OS QUE ELES QUEREM ENGANAR, PARA DAR MAIS PESO ÀS SUAS TEORIAS, ELES SE ENFEITAM SEM ESCRÚPULOS DE NOMES QUE OS HOMENS PRONUNCIAM COM RESPEITO, COMO OS DE SANTOS JUSTAMENTE VENERADOS, OS NOMES DE JESUS, DE MARIA E DO PRÓPRIO DEUS.
    São eles os que semeiam os fermentos da discórdia entre os grupos, que os impelem a isolar-se uns dos outros e a se olharem enciumados. Bastaria isso para os desmascarar, pois agindo assim eles mesmos dão o mais formal desmentido ao que dizem ser. Cegos, portanto, são os homens que se deixam apanhar em armadilha tão grosseira.
    Mas há muitos outros meios de reconhecê-los.

    OS ESPÍRITOS DA ORDEM A QUE ELES DIZEM PERTENCER DEVEM SER NÃO SÓ MUITO BONS, MAS TAMBÉM EMINENTEMENTE LÓGICOS E RACIONAIS. POIS BEM, PASSAI OS SEUS SISTEMAS PELA PENEIRA DA RAZÃO E DO BOM SENSO E VEREIS O QUE DELE RESTARÁ. CONCORDAI, POIS, COMIGO, QUE TODA VEZ QUE UM ESPÍRITO INDICA, COMO REMÉDIO PARA OS MALES DA HUMANIDADE, OU COMO MEIO DE SE ATINGIR A SUA TRANSFORMAÇÃO, MEDIDAS UTÓPICAS E IMPRATICÁVEIS, PUERIS E RIDÍCULAS, QUANDO FORMULA SISTEMAS CONTRADITÓRIOS COMO AS MAIS VULGARES NOÇÕES DA CIÊNCIA, NÃO PODE SER MAIS DO QUE UM ESPÍRITO IGNORANTE E MENTIROSO.

    Por outro lado, lembrai-vos de que se a verdade nem sempre é apreciada pelos indivíduos, sempre o é pelo bom senso das massas e esse é também um critério. Se dois princípios se contradizem, tereis a medida de seu valor intrínseco vendo qual deles encontrará mais ressonância e simpatia. Seria lógico, com efeito, admitir que uma doutrina cujo número de partidários esteja diminuindo fosse mais verdadeira que a outra cujo número aumenta? Deus, querendo que a verdade atinja a todos, não a confina num círculo restrito: faz que ela apareça em diferentes pontos, a fim de que por toda parte a luz brilhe ao lado das trevas.
    ERASTO

    Wilson Moreno.

  21. Finn

    “Início dos famosos fenômenos espíritas que envolveram a família Fox, em Hydesville (EUA). A 28 de março verificam-se as primeiras manifestações físicas; três dias após, estabeleceu-se a primeira comunicação tiptológica. Em poucos anos, fenômenos semelhantes passaram a chamar a atenção pública, não somente nos Estados Unidos, mas também na Europa.”

    Mas as irmas Fox não eram uma farsa?

    Recentemente saiu um video do Nerdologia “explicando” a tal brincadeira do copo e mesas girantes. Minha única crítica é que ele meio que sugere que os espiritualistas acreditam que é o espírito que movia o copo, sendo que o “certo” é que os espíritos influenciariam o “inconsciente” do grupo para escolher a palavra certa.

    “@MDD – Sim, são muito parecidos mesmo, porque os estudos de Kardec vieram das Ordens Iniciáticas que foram inspiradas por Swedenborg.”

    Então os médiuns e estudos do Kardec vieram desses cultos e não tinham nenhuma relação com os “shows” que mais tarde foram acusados de charlatanismo na época?

    @MDD – O Kardec era um cientista, não um religioso. Sua compilação do Livro dos espíritos nada teve de interesse em fundar religião alguma. Aqui no brasil, muito por influencia inconsciente do Chico Xavier, transformou-se o espiritismo em um “catolicismo com medo de fantasmas” que é o que infelizmente vemos hoje na federação.

  22. Finn

    Valeu pela resposta MDD!!

    E o Camille Flammarion?! Ele era do circulo do Kardec, mas parece que não era um grande “fã” de psicografia, tendo mais interesse em grandes revelações e fenômenos de efeitos físicos.

    Como podemos “filtrar” quais leituras são confiáveis sobre assuntos ligados a espiritualidade em geral? Outro dia mesmo mencionaram um livro chamado “Laboratories of Faith – John Monroe”, mas quando fui pesquisar sobre o autor não encontrei nada que pudesse ser um indicativo positivo ou negativo.

    Olha me desculpe se estou fazendo perguntas demais, mas é que eu mesmo sou espírita e tem tanta informação e tantas delas erradas que é difícil separar o joio do trigo.

  23. Mozart

    Apenas algumas informações de cunho eminentemente histórico. O primeiro “cisma” do espiritismo começa já na França em um briga entre Kardec e Roustaing, essa briga esta relatada na Revista Espirita. Roustaing era um advogado interessado no espiritismo e começa a se relacionar com Kardec por cartas e começa fazendo doações a sociedade espirita. Começa a apresentar trabalhos pretensamente emitidos por grandes apóstolos e psicografados todos por uma unica medium, Kardec refuta por não terem nada a ver com o material recebido por Kardec, o clima azeda e Roustaing edita seus livros sem o apoio de Kardec, na realidade é uma salada mas criou o primeiro cisma do espiritismo. Quando da reunião da FEB para adequar seu estatuto ao novo código civil a policia foi chamada para conter os ânimos dos pró e contra Roustaing. Depois da morte de Kardec Le Mayer assume a sociedade espirita e tempos depois vai preso por apoiar eventos fenomênicos fraudulentos, para piorar ele aplica um golpe na sociedade e consegue “roubar” a sede. Até hoje seus herdeiros usufruem dos lucros do que é vendido no prédio que segundo quem conhece e já foi lá virou uma salada com cartomantes, astrólogos teosofistas espiritas e etc.Essa disputa Kardec Roustaing esta descrita na revista espirita. Quando o espiritismo chega no Brasil alem da mistura citada acima aparece Chico Xavier e as traduções fraudulentas. Existem relatos na França de que a Gênese foi adulterada, e no Brasil também a Gênese e o livro dos Médiuns para se adaptar as teorias de Roustaing, Existe um pesquisador no Rio chamado Sergio Aleixo que tem um Blog e escreveu vários livros sobre o assunto. Apenas um lembrete esse cidadão surtou por conta de posições politicas, seu trabalho é de qualidade mas só deve ser considerado o de 10 anos para trás, os atuais deixam a desejar. A maioria das casas espiritas do Brasil perdeu a mão, estudam as obras de Chico Xavier e dispensam as de Kardec, alguns ciaram de cabeça nas de Roustaing, virou uma salada, em uma mesa de incorporação basta se assumir como o espirito x ou y que a turma aceita sem discutir.

Deixe uma resposta para Guilherme Cancelar resposta