O Karma e suas Leis

1- Uma senhora está grávida de gêmeos univitelinos ou idênticos. Nascem dois meninos. Estes têm a mesma genética e são criados da mesma forma, no mesmo lar, estudam nas mesmas escolas e tem um ambiente psicológico emocional idêntico com a mesma educação de caráter. Um vai bem nos estudos e o outro tem uma terrível dificuldade de aprender. O primeiro é honesto, de bom caráter e íntegro e o segundo é malandro e desonesto. O honesto tem uma vida curta, pois morre de câncer aos 20 anos e o segundo vive 90 anos e enriqueceu ilicitamente.

2- Duas crianças nascem na mesma hora e dia. Os pais da primeira são ricos, inteligentes e cultos e seu recém-nascido é saudável. Os pais da segunda criança são paupérrimos, analfabetos e doentes e seu filho nasceu todo deformado.

Qual a lógica destes acontecimentos? Deus é injusto? A natureza tem falhas? Sorte, azar e destino existem? Será que não tem ninguém governando o Universo? Posso levar uma vida inteira de crimes e bastará um arrependimento no último suspiro para que eu seja salvo? O que seria de nós com apenas uma oportunidade de existência diante do erro? Não somos infalíveis! Que “Pai” não daria uma segunda chance a seus filhos? Ninguém que não aceite a reencarnação ainda não conseguiu responder com lógica e coerência estas questões até hoje.

Infelizmente houve uma deturpação desse termo (karma) no ocidente e a cultura popular o adotou como castigo, fatalismo imutável, trazendo também a palavra dharma como mérito. Quando na verdade no Oriente utiliza-se o termo dharma com o sentido de agir segundo as leis da natureza e adharma com o significado de contrariar estas mesmas leis.

O conceito hindu a esse respeito é bem distinto do ocidental muito embora, hoje em dia também tenha se deturpado. Influenciado pelo cristianismo, rico em noção de culpa e pecado, o karma para os ocidentais tem uma configuração de algo forçosamente ruim, que se deve pagar com sofrimento. Mas em suas raízes, bom ou mau karma, advém unicamente de ação e seus respectivos efeitos. O termo karma começou a adquirir popularidade no mundo ocidental no final do século XIX através da Doutrina Espírita e a Teosofia.

Karma é um termo sânscrito que significa atividade, ação, e representa a lei de causalidade ou lei de ajuste
A lógica nos leva a crer que todo acontecimento, como efeito, provém de causas anteriores que por sua vez vão produzir efeitos futuros numa reação em cadeia. Mas karma também é a lei que rege o mundo do pensamento, do sentimento, emoções e energia. Karma é a lei que rege os fenômenos da vida, como também a lei que determina, governa e administra, não só veículo físico do homem, como também outros veículos que perfazem o Universo Consciencial (o corpo energético, o corpo emocional e o corpo mental e outros que nem sonhamos em conhecer).

Karma é o resultado do que cada um planta por seus pensamentos, sentimentos, energias e ações e demonstra que somos totalmente responsáveis por cada ato mínimo que seja.

Mais importante, no entanto, é entender que, se contribuímos com os fatos que nos acontecem através do livre-arbítrio, podemos mudar nossa “sorte”. Acelerando ou atrasando os processos da vida e até impedindo que coisas boas ou ruins aconteçam.

Estamos mergulhados num emaranhado de processos de energia entre ações e reações bem ponderadas. Estamos colhendo frutos de semeaduras do passado enquanto semeamos a colheita do futuro. Estamos sofrendo reações de nossas ações do passado enquanto criamos novas ações que por sua vez se converterão em reações no futuro.

Todo gesto, ato, evento tem seu lado positivo e negativo. Quase todo evento que causamos gera uma quantidade de Karma negativo e de Karma positivo, às vezes as mais simples ações. Só enxergamos e percebemos o que nos atinge, pois “nossa dor sempre dói mais que a dor dos outros” e percebemos mais a dor que o prazer.

O karma é a lei que regulamenta e motiva a evolução das espécies, o relacionamento e a troca entre as espécies e entre as espécies e seu meio ambiente. O Karma é o Sistema Nervoso do Universo Multidimensional e é o responsável pelas reações diante dos estímulos dos que nele habitam. Se tratarmos mal o meio ambiente colheremos os frutos que serão secas, enchentes, temporais, etc. Se poluirmos um rio como esperar um pescado sadio?

A parte mais delicada do processo kármico é entre nós mesmos. Temos vários karmas negativos com diversas consciências (almas) e nesta vida viemos dentre todos, saldar o karma mais urgente, outros karmas ficarão para depois. Façamos bom proveito.

O conhecimento dos processos espirituais, conscienciais, bioenergéticos e projetivos é muito importante para se trabalhar o karma pessoal. O esclarecimento gera conhecimento que gera responsabilidade. A responsabilidade gera mudança e gera auto-análise. Quem não produz auto-análise jamais dinamizará o processo de quitação de seu karma. Karma se quita com trabalho e não com sofrimento. O sofrimento é gerado pela consciência pesada que não confia em si e tem medo de responsabilidade optando por quitar o karma sofrendo (autopunição) atrapalhando a si próprio em seu caminho evolutivo, pois quanto maior a autopunição, mais difícil é render um bom trabalho para quitação do próprio karma. A quitação do karma pessoal é aprendizado e compensação consciencial.

O caminho é assumir o karma, aceitar, agradecer e trabalhar o máximo possível para compensá-lo. A responsabilidade de assumir o karma gera o arrependimento e este gera mudança imediata de atitude interna e externa, sincera e gera energias conscienciais renovadoras. Estas energias geram freqüências mais elevadas, sadias e positivas, dinamizando o trabalho e a vontade de quitar o karma com disposição e coragem.

Nada nem ninguém ou somente orações ou mentalizações ou meditações vão “queimar” seu karma, conforme li e ouvi de alguns espiritualistas menos informados, mais místicos e menos práticos. Karma não se queima, é um conceito errado, karma se quita com trabalho produtivo de assistência a outros seres humanos. Este é um planeta de provas e expiações, estamos imersos num planeta de karma coletivo muito grande e se começássemos a nos perdoar e nos ajudar dinamizaria o processo planetário e a paz mundial.

Karma não é vingança de Deus. Deus não é vingativo, não pune nem perdoa. Deus na verdade é impessoal e não tem piedade e nem ódio. Ele criou as leis e elas nos regem. As leis são automáticas. Não espere plantar espinhos e colher morangos, não espere semear trevas e colher luz. A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. A semeadura é o livre arbítrio da consciência e a colheita são as conseqüências kármicas adquiridas.

Para cada ação existe uma reação igual e contrária. Para mudar o karma é necessário reforma íntima gerando energias conscienciais de freqüências mais elevadas, pois a partir do arrependimento abrem-se novas perspectivas, possibilidades e oportunidades e a primeira destas aberturas é a ajuda espiritual de seus amigos invisíveis (ou não) dos seres espirituais ou seres da quinta dimensão.

Este post tem 31 comentários

  1. Lucas

    e como descobrir qual seu karma pessoal?

    1. Ricardo Costa

      “…conhece a ti mesmo e conhecerás o universo e a Deus.”

  2. Luis Henrique

    Muito bom texto. Parabéns.

  3. bradebuque

    oi acid, vejo que vc foi muito influenciado por coisas do espiritismo… mas segundo aprendi no espiritismo, deus é um ser bom que quer nossa felicidade, e que nos faz sofrer por meio do karma, e quanto mais sofrermos aqui, mas estaremos contribuindo para nossa felicidade…tipo, mas pq ele iria criar seres, e fazê-los sofrer para atingir a felicdade, isso é que eu não entendo mt bem….

    Estou errado? abçs…

    1. Vinicius

      “deus é um ser bom que quer nossa felicidade, e que nos faz sofrer por meio do karma, e quanto mais sofrermos aqui, mas estaremos contribuindo para nossa felicidade”

      O que eu vejo nessas palavras é muita influência da doutrina da ICAR: sofrer é bom, sofrer para “pagar” nossos pecados, o sofrimento na terra para compensar a vida eterna ao lado do Pai. Talvez você não compreenda porque Deus criaria um ser para fazê-lo sofrer justamente porque isso não faz sentido. Como escreveu o MDD: “Deus não é vingativo, não pune nem perdoa. Deus na verdade é impessoal e não tem piedade e nem ódio. Ele criou as leis e elas nos regem. As leis são automáticas.”

    2. josué

      Nós somos, digamos, celulas de Deus. Porem não tinhamos o conhecimento das coisas, não eramos nem bons nem maus. Por assim dizer eramos inocentes, e isso não é 1 defeito, mas também não é uma qualidade.

      Então, tivemos que descer até a materia para que aprendessemos a diferenciar as coisas, para depois retornar a Deus. E é este nosso objetivo maior, aprender para nos iluminarmos, sairmos da roda reencarnatória e nos “unirmos” novamente a Deus.

      Espero ter me feito entender, caso não, ficamos no aguardo do auxilio do MDD

      Ahh, isso é o que eu acredito, existem muitas outras crenças. Não tome como verdade o que eu acredito, procure a sua verdade 😉

    3. Rafael

      O sofrimento se traduz em oportunidade para você ter um aprendizado e evoluir. Tal qual a tese encontra sua antítese, o que faz surgir uma síntese.

    4. Thiago

      Se Deus é tudo como ele pode ser bom?

      E o que é bom?

      E se existe um DEUS bom necessariamente existe um DEUS ruim, quem seria esse?

      ahhh você esqueceu as primeiras perguntas do OLE.

  4. Hong

    Ótimo texto! Já possuía essa noção de que não existe “karma bom” ou “karma ruim”, apenas existe a reação das nossas ações: karma.

    Mas aí surgiu uma dúvida teórica: o que será que acontece com uma alma que nao “age em adharma” em sua primeira encarnação humana? Se por acaso houvesse uma alma humana em sua primeira encarnação que já fosse perfeita em tudo que fizesse?

    1. Astianax

      Caro Hong, de acordo com o espiritismo e outras doutrinas espiritualistas, não há como uma alma vir perfeita em sua primeira encarnação. Há uma constante evolução, e todas começam “de baixo” e através de suas experiências vão evoluindo, quitando seus karmas até tornarem-se “perfeitas”.

      1. Carlos

        Resumindo e com o perdão da palavra, você vem pra se foder literalmente, independente de escolher, e o livre-arbítrio é uma ilusão. Seu livre-arbítrio talvez só exista depois que você for conhecedor das reações causadas por suas ações, pois quando sua ignorância impera sobre o seu intelecto, você vai ser um cientista maluco fazendo experiências e aprendendo com seus erros e de acordo com as probabilidades tudo pode acontecer. Falando sério, somos quase ratos de laboratório.

    2. Emilio

      Oi Hong, a trajetória da alma começa com a primeira reencarnação, em total ignorância emocional e intelectual. Mesmo que emocionalmente ela não crie nenhum Karma, a fantástica distância intelectual de uma alma totalmente ignorante, equivalente só como exemplo a um aborígene australiano em comparação a um Stephen Hawking, já obrigaria essa alma iniciante a ter algumas dezenas de encarnações só para adquirir uma base intelectual mais elevada, e o nível intelectual de um Astrofísico não está ainda nem perto do necessário para que alguém atinja o máximo de elevação intelectual.
      O difícil é essa alma iniciante não cometer nenhuma “cagada” emocional lesando outra pessoa em suas primeiras encarnações. Para que não cometa erros desnecessários é que temos mentores espirituais que nos inspiram e orientam o quanto podem, pois assim eles também estão melhorando o próprio Karma.

  5. Thiago

    Não entendi a ligação entre o arrependimento e a ajuda espiritual

    1. carlos

      Vamos supor que você faz uma cagada, porém você é do tipo orgulhoso que não reconhece seus erros, por mais que você tenha se dado conta que tenha cagado no pau ainda assim você afirma que fez o certo.

      Vamos supor a mesma cagada, mas sendo esse mesmo ser orgulhoso por algum motivo você foi lá, reconheceu e daí humildemente tenta se desculpar para o alvo do seu erro, independente da outorga de perdão ou não….

    2. Emilio

      Arrependimento eleva a frequência vibratória do pensamento e com isso nos conectamos mais facilmente com as intuições telepáticas (quando encarnados e acordados) e através do contato pessoal (quando desencarnados ou durante o sono) com entidades mais elevadas espiritualmente e que por afinidade emocional com a gente, ou para reduzir seu próprio Karma nos ajudando a evoluir.
      Essas entidades podem e devem ser de graus evolutivos maiores que o nosso, podendo estar no Plano Astral ou no Plano Mental, em planos superiores, o contato com entidades do nosso nível fica mais complicado, porque nós não conseguiríamos captar a sintonia.

  6. Dantes

    Leis Herméticas em todos os lugares e.e

  7. Felipe

    Caro Acid e MDD,

    No último parágrafo é informado que somos ajudados pelos seres da quinta dimensão. Poderia esclarecer essa escala ?

    Muito obrigado.

    Abs.

  8. Kami

    Texto muito bom e esclarecedor.
    Li recentemente o livro Mantras que Curam, e algumas vezes o autor comenta sobre o poder dos mantras para a modificação interior do indivíduo, levando a uma alteração de seu karma. O que você pode dizer a respeito da utilização dos mantras com esse intuito?

    Desde já agradeço.

  9. Cezar

    É esse o tipo de texto que eu tava sentindo falta aqui no blog.

  10. Mike

    Mt obrigado! 🙂

  11. Evandro Ricardo

    …”Karma não é vingança de Deus. Deus não é vingativo, não pune nem perdoa. Deus na verdade é impessoal e não tem piedade e nem ódio…

    Nooosssaaa, os evangélicos e os crentes piram…kkkkkkk

  12. Norbs

    O karma nos consola e ajuda a entender o porquê de certas situações, como as duas colocadas no post. Entretanto se pensarmos nele como uma lei de equilíbrio natural, ou seja, para cada ação uma reação, fica difícil entender o início de tudo isso, ou seja, pensemos na primeira vítima da história universal. Um dia, alguém foi seriamente prejudicado por outra “pessoa” sem nunca antes ter cometido nenhum mal a outro ser. Nesse momento criou-se o desequilíbrio? O prejudicado ficou com crédito?

    1. Astianax

      Caro Norbs, como vc disse: ” …Um dia, alguém foi seriamente prejudicado por outra “pessoa” sem nunca antes ter cometido nenhum mal…”

      Ok, mas vc está pensando de maneira muito material, mundana, terrena. Temos que levar em consideração que a lei de karma é uma lei universal, e já existia desde o início de tudo. A lei de karma é bem newtoniana, pois “para cada ação exite uma reação…”. Não se restrinja apenas ao que é físico. Falar também é uma ação, assim como até mesmo imaginar, pensar e planejar, e todas essas ações causam reações, boas ou ruins (o que é relativo). Resumindo, de certa forma o “desequilíbrio” sempre existiu, e toda a existência (a nossa, inclusive) foi englobada nisso, mesmo assim, o universo continua buscando o equilíbro… por mais ilógico que pareça ser. Aliás nem adianta muito tentarmos achar a verdade absoluta, pois nossa lógica é limitada demais.

    2. Gu

      “O karma nos consola e ajuda a
      entender o porquê de certas situações…” Concordo com você nessa parte. Seria o mesmo que o “porque Deus quis” dos evangélicos. rs

  13. Raphael

    Acredito que a própria palavra equilíbrio assuma um sentido relativístico.

    A consciência cósmica em “essência” (pois deve haver algo nela que seja quintessencial) é imutável e atemporal, suas emanações serão sempre percebidas pelo filtro mental humano limitado que acaba categorizando essa experiência com o divino em diversos modelos e submodelos, quando na realidade o impulso emanado é puro e singular.

    Neste sentido acima descrito imagino que o equilíbrio, ajuste ou Karma pode ser entendido, de forma bem sintética, como uma aproximação da consciência humana às reverberações da fonte original. Essa aproximação se dá pelo trabalho de autoconsciência que gera o contraste da própria imperfectibilidade do ser com a totalidade da graça de Deus.

    O processo de ajuste é relativo, sobretudo, ao quão sensível é a inteligência do ser em procurar meios de se harmonizar intimamente com aquilo que busca. Se a experiência compreendida fora ruim ou boa depende da avaliação subjetiva da individualidade que lidou com as consequências das forças que manipulava.

    Se as forças domina o sujeito não pode haver transcendência, o ajuste ou Karma então revela a criatura por meio de padrões que sua conduta é incompatível com o objetivo almejado. O sofrimento surge então como um convite a uma reformulação íntima e busca de força interior.

  14. bruno mf

    quando percebemos que essa liberdade é uma grande piada, que somos criaturas condicionadas por muitos padrões e pela própria natureza, ainda assim o karma seria injusto..
    afinal, se não agimos por verdadeira vontade, como podemos colher os frutos dos condicionamentos que independem de nós?
    E aliás, de onde surgiu o primeiro karma? Como a roda começou a girar…?

    talvez seja melhor aceitar o mistério, que há uma lei de ação a reação acredito que seja unânime, mas isso de que somos responsáveis por tudo e receberemos igualmente ou muito mais daquilo que plantamos talvez não seja a exata verdade
    afinal, acredito D´us perfeito todo poderoso tem toda a sabedoria necessária para dosar sua severidade e sua compaixão de modo a atribuir aos seres apenas o sofrimento estritamente necessário à sua evolução.. e não olho por olho dente por dente

    mas é apenas uma especulação, não me atrevo a ser o dono da realidade cósmica
    aceito o mistério.

    1. Raphael

      Bruno,

      Na minha opinião foi excelente a sua colocação sobre a proporcionalidade do Karma, também penso dessa forma. Creio que o sofrimento é justamente uma breve inadequação do ser diante daquelas forças que o foram manejadas imprudentemente.

      Karma tem realmente tudo a ver com responsabilidade, mas devemos compreender que qualquer forma de evolução necessariamente é um ajuste, pois o indivíduo sempre haverá de transmutar algo em si para expandir sua consciência. Dessa forma quanto maior for essa expansão mais consciente estará o indivíduo de suas ações pretéritas e mais ele se sentirá incumbido de se responsabilizar pelos seus atos.
      O próprio ser personifica-se no Karma ao atuar como agente ajustador ou reparador do universo que vive e quando mais ele se adianta mais percebe que o Karma não é uma força ou impulso cego que não se pode compreender.

      Por isso então que, como você, acredito na proporcionalidade do Karma, pois essa proporção é justamente o reflexo do crescimento individual que não poderia ser outra coisa senão a consciência que se expande atingindo dimensões ainda não exploradas. Quanto mais expandimos a nossa compreensão mais poderemos compreender o alcance das nossas ações e assim a responsabilidade se torna maior e mais complexa.

  15. Benê

    Ótimo texto.
    Lei de causa e efeito, a semeadura é livre e a colheita é obrigatória.
    Aceitem que estão colhendo o que plantaram e plantem coisas mais positivas.
    Plantem o amor e o cultivem com toda sua vontade.
    A colheita será incrível.
    Quanto aos percalços da vida, apenas aceitem que as vezes o solo não é tão bom, o que significa que deverá semear com mais esmero.

  16. Cezar RJ

    O homem foi o mais didático que já vi, mas mesmo assim as pessoas não entendem. Esse é um dos motivos pelos quais parei de tentar explicar. Trata-se de uma questão de evolução. A coisa está mais clara que a luz, mas mesmo assim as pessoas não vêem. Preferem continuar acreditando no que sempre acreditaram. Não conseguem refletir sobre um mundo novo. Resumindo. Não dá para ensinar cálculo avançado na classe de alfabetização.
    Você fez sua parte e isso é o que importa.
    Magnífico texto.

  17. wilson

    Ninguém esta predestinado a ser vitimas de criminosos.

    Os espiritos se reencarnam para evoluírem pela pratica do bem e das virtudes se melhorando moralmente, dessa forma ele consegue se limpar de seus erros, faltas, vícios e crimes praticados em reencarnações passadas.
    Somente dessa forma os espiritos faltosos conseguem se quitar com as Leis espirituais, praticando o bem, a luz e as virtudes.
    Nenhum espírito se reencarna para praticar o mal, vícios, delitos, maldades, covardias e crimes, não existe predestinação para o mal.
    Ele se reencarna para evoluir e se limpar moralmente.
    Quando um encarnado se volta para o caminho do erro, das faltas, vícios e crimes ele o faz por livre vontade, ele esta cedendo as suas imperfeições morais e com isso ele trava a sua evolução espiritual e sua felicidade futura, gerando para si mesmo dividas espirituais para ser resgatadas em futuras reencarnações.

    E nenhum espírito se reencarna para ser vitimas de criminosos, para ser roubado, torturado, estrupada, violentada etc….
    Se isso fosse possível o mal seria uma necessidade e ninguém poderia reclamar do mal e dos criminosos, eles seriam necessários.
    Vamos raciocinar nessa questão.
    Perguntamos.
    O mal é uma necessidade????
    Roubar e matar é uma necessidade????
    Mentir e enganar é uma necessidade???
    O racismo é uma necessidade???
    A pedofilia é uma necessidade???
    Violentar e estrupar uma mulher é uma necessidade????
    Usar drogas é uma necessidade???

    CLARO QUE NÃO.

    O mal nunca é uma necessidade e ninguém se reencarna predestinado a ser criminoso, estrupador, racista, pedofilo, corruptor, picareta, desonesto, drogado ou um alcoólatra.
    O espírito se reencarna é para brilhar a sua LUZ com pensamentos elevados, com sentimentos nobres e com atitudes corretas e dignas.
    O nosso dever é praticar sempre o bem e as virtudes e nunca o mal.
    Um exemplo.
    Uma mulher que é violentada, estrupada covardemente e depois morta, isso não estava predestinado a ela, ela foi vitima da maldade humana da mais profunda ignorância espiritual e moral do ser humano.
    Isso não é provação e nem karma, por que, se fosse possível isso, o mal seria uma necessidade e a vitima deixaria de ser vitima para merecer essa maldade absurda.

    Vou repetir.
    A vitima deixaria de ser vitima e passaria a merecer isso, por que, ela em reencarnações passadas ela fez coisas erradas e agora ELA esta colhendo o que plantou.
    Ou seja, ela mereceu mesmo ser estrupada e morta por marginais.
    Essa forma errada de entender a Lei de causas e efeitos faz o mal ser uma coisa necessária e positiva.
    Isso ta completamente errado, os espiritos faltosos pagam seus erros, faltas, vícios e crimes de reencarnações passadas é praticando o bem e as virtudes através de reencarnações complicadas cheias de problemas, dores, aborrecimentos e sofrimentos.
    Sem a pratica do bem e das virtudes os espiritos faltosos não vão se limpar moralmente de seus erros e faltas de reencarnações passdas.
    Vou deixar essa questão.
    Se uma criança é abusada e morta por um pedofilo isso seria o karma negativo dessa criança, se for a vítima deixa de ser vitima e passa a merecer essa maldade absurda.
    Ou seja, ela mereceu mesma ser abusada e morta, deu para entender o grande erro disso tudo.
    Ninguém se reencarna predestinado a isso e o mal nunca é uma necessidade.

    O espírito se reencarna é para evoluir pela pratica do bem e das virtudes.

    Wilson Moreno

  18. wilson

    A nossa Missão

    1) Nenhum espírito se reencarna no mundo terra coma MISSÃO de praticar o mal, vícios, delitos, crimes, de ser uma pessoa falsa, desonesta, racista, egoísta, picareta.
    Ninguém tem essa missão.
    Se não o mal seria uma necessidade e ninguém poderia reclamar dele.
    O Bem e o mal esta no uso do Livre arbítrio.
    Nós temos liberdade moral para fazermos o bem ou o mal.
    Nós temos liberdade moral para praticar as Virtudes ou os vícios.
    Nós temos liberdade moral para seguirmos a Luz ou a escuridão.
    Sem livre arbítrio o ser humano seria uma maquina sem responsabilidades morais na vida.
    Pelo livre arbítrio nós temos inteira responsabilidade por nossos pensamentos, palavras e atitudes.
    Quando uma pessoa pratica maldades, vícios, delitos, covardias ela faz isso POR LIVRE VONTADE ela esta dando vazão aos seus maus instintos e as suas imperfeições morais.
    Mais ela se reencarna no plano terreno é para COMBATER os seus maus instintos e as suas imperfeições morais para poder evoluir espiritualmente.

    Ninguém vai conseguir evoluir no campo espiritual sendo falso, desonesto, picareta, bandido, sendo um racista, um drogado, um mentiroso.
    O mal trava a nossa evolução espiritual.
    Portanto, o mal não é uma necessidade se fosse o ser humano não conseguiria evoluir espiritualmente.
    Evolução espiritual é aprimoramento Moral e Intelectual.
    Praticar o bem e as virtudes é uma necessidade espiritual sem isso vc ficara travado na evolução.

    2) Quem com ferro fere com ferro será ferido.

    Quem pratica maldades, vícios, crimes, covardias, é falso, desonesto, racista e picareta vai criar para si mesmo dividas morais pesadas para resgatar em reencarnações futuras.
    Quem pratica o mal vai criar para si mesmo um karma negativo, sujo e pesado.
    Quem planta o mal vai colher o mal.

    Mais isso não quer dizer que a pessoa que tem um karma pesado e sujo devera ser vitimas de criminosos, como no caso João Helio, Liana e a Dentista para cumprir o seu karma negativo.
    Se isso fosse real o mal e os crimes seriam uma necessidade e ninguém poderia reclamar dos criminosos.
    Quem tem um karma negativo tem que REPARAR SEUS ERROS, FALTAS E CRIMES praticando o bem, as virtudes sendo uma pessoa correta, honesta, digna e luminosa.
    Somente pela PRATICA DAS VIRTUDES É POSSIVEL QUEIMAR O KARMA NEGATIVO DE REENCARNAÇÕES PASSADAS.
    Portanto, os espiritos faltosos cheios de erros, vícios e crimes praticados em reencarnações passadas, eles terão existências terrenas com muitos sofrimentos, dores, dificuldades financeiras, doenças, e terão que se elevarem moralmente praticando o bem e as virtudes.
    Para queimar esse karma negativo.
    Eles tem que se LIMPAREM MORALMENTE praticando ações dignas, elevadas e nobres.

    NINGUÉM SE REENCARNA PARA SER BANDIDO, CORRUPTO, DROGADO, ESTRUPADOR, RACISTA, PEDOFILO ETC…
    E NINGUÉM SE REENCARNA PREDESTINADO A SER VITIMAS DE CRIMINOSOS SE NÃO O MAL SERIA UMA NECESSIDADE E NINGUÉM PODERIA RECLAMAR DELE.

    O espírito se reencarna para praticar o bem e as virtudes e evoluir o nosso dever é seguir o caminho da Luz e praticar boas ações.

    3) A Punição

    O espírito é punido pelas suas próprias imperfeições morais, vícios, maus pensamentos, maus desejos.
    Ele planta o mal e depois vai colher dores, tormentos e sofrimentos
    E depois ele terá que REPARAR esse mal praticando ações dignas, nobres e elevadas.
    Deus não pune e nem perdoa.
    É o próprio espírito que vai se auto punir quando ele pratica ações negativas e impuras e é o próprio espírito que vai se auto perdoar quando ele pratica ações no bem e nas virtudes.
    Nossas virtudes vai nos beneficiar em nossa evolução espiritual.
    E nossos defeitos morais vai nos prejudicar muito em nossa evolução.

    João Helio e Liana e a Dentista que foi queimada viva ate a morte não estavam predestinados a isso, senão o mal seria uma necessidade e alguns espiritos teriam a MISSÃO de praticar o mal.
    Os caras que barbarizaram Liana não estavam predestinados a isso, eles não se reencarnaram com a MISSÃO DE ESTRUPAR, TORTURAR E MATAR
    Eles fizeram por LIVRE VONTADE por maldade e ignorância espiritual e moral esses desgraçados e malditos.

    Se o mal fosse necessário alguns espiritos teriam a missão de praticar o mal.

    O espírito se reencarna para praticar o bem, as virtudes e a luz, ele se reencarna para se limpar moralmente de seus erros e faltas de reencarnações passadas, sua missão é se auto iluminar e se elevar moralmente.
    Quando uma pessoa se volta para o caminho do mal, dos vícios e crimes é por livre vontade.
    É por isso que temos livre arbítrio.

    Wilson Moreno

Deixe uma resposta