Não olhe para mim como uma Pombagira que…

Umbanda

Recebido espiritualmente por J.U. Retirado do site Umbanda Sagrada e traduzido por Peterson Danda.

Não olhe para mim como uma mulher sensual, que ri e se diverte bebendo champanhe.

Não olhe para mim como uma mulher de muitos homens, que favorece seus caprichos e esconde sua verdadeira intenção.

Não olhe para mim como uma cúmplice de seus desequilíbrios e testemunha de sua ignorância quando atentas contra a Lei Maior.

Não olhe para mim pensando que eu venho pular de alegria com o seu ego, quando eu venho é para trabalhar.

Não olhe para mim à procura de pretextos para atrair alguém que lhe interessa, não estou para brincadeiras sexuais travestidas de minha suposta sensualidade .

Não olha para mim como uma mulher de palavras ruins, quando sua boca é dominada por emoções que não sabes enfrentar.

Não me veja como um espírito feminino que gosta de se vestir de mil cores, porque eu não me importo com aparências, sou o que sou.

Não confunda o seu entusiasmo em querer chamar a atenção com a minha personalidade.

Não olhe para mim com cara de fome, oferecendo sacrifícios de animais em troca de favores efêmeros e infantis. Não bebo sangue, o animal não me interessa, não sou das trevas, sou da luz trabalhando para Deus na escuridão…

Não olhe para mim pensando que sua loucura e descontrole ao incorporar são a minha suposta manifestação. Aprenda que é você o responsável por manter suas emoções ocultas no dia-a-dia.

Não olhe para mim supondo que eu vim para mostrar minha beleza. Eu não sou uma boneca de pano que você pode vestir como quiser. Eu vim para trabalhar, não para competir contra estupidez.

Não olhe para mim como um produto que você vende para os iludidos, procurando tirar dinheiro de seus caprichos, desespero e desequilíbrios. Eu sou um instrumento Divino, que não tem valor monetário. Faço caridade, não negócios.

Não olhe para mim como uma ex-prostituta, ou uma mulher de má fé. Sou um ser que trabalha nas trevas, a favor de Deus, pois assim ele desejou, não pelo que eu fui.

Não olhe para uma Pombagira supodo ser uma mulher de Exu, e que tem um filho que se chama Exu Mirim. Somos mistérios separados trabalhando pelo bem da humanidade.

Não olhe para uma Pombagira como um espírito que depende de sangue, de bebida, anéis, braceletes, vestidos, maquiagem, perfume, sapatos, etc, etc… Não sou marionete de teu ego, nem da tua mediocridade. Não vim para adornar seu corpo como se você fosse um manequim. Estou aqui para demonstrar a simplicidade e determinação do Criador em suas ações.

Não olhe para uma Pombagira como uma degustação de milagres baratos que se pagam com lágrimas e gritos de animais sangrado entre falsos centros e falsos espíritos… O melhor milagre é que despertes do sonho do carnaval profano que chamam de gira ou sessão, e se volte para a realidade onde a Lei Maior e a Justiça Divina trabalham a favor da humanidade.

Pombagira é um instrumento de Deus, um mistério que executa as ações da Justiça Divina.

Pombagira não é o escândalo que se veem nas manifestações de alguns médiuns ególatras mergulhados na ilusão

Pombagira vai além da aparência. Estende-se à vontade do ser humano, à vontade do Criador, no estimulo da evolução, da expansão de consciência, da maturidade mental e emocional…

Pombagira transita pelas trevas lutando contra seres que perturbam a Luz.

Pombagira merece respeito, por isso venho hoje passar essa mensagem. Para que pares, reflitas e olhe ao seu redor e pergunte:

O que você faz com a sua Fé? Um circo de ignorância ou uma demonstração de respeito pela religião?

:::: Pombagira Maria Padilha :::: 

——————————————————————————————————————————————

Leia Também:

Dona Rosa Caveira, uma Pombagira dos Himalaias

– Um esclarecimento espiritual dos Exus-Amparadores

– Prosa com Exu – Um diálogo sobre vaidade

Este post tem 59 comentários

  1. felipe

    Finalmente algo da falange das pombiras, belíssimo e esclarecedor texto.Parabéns !

  2. Silvestre

    Sensacional. Parabéns pelo trabalho Peter, te acompanho faz alguns meses, se não, mais que um ano… E agradeço pelo uso que você dá a palavras. Paz e Luz.

    Ps: Esperando pelo PodCast com a participação de Exu.

  3. Graveth

    Belo o texto, porém essa coisa de instrumento de deus, deus e etc, q vejo demais na umbanda. Eles parecem falar de deus como os cristãos falam dele, como q esse deus fosse algo palpável no “plano” que eles vivem, ou ele é?

    @Peterson: Deus, o Criador Incriado, é palpável em todos os planos e de todas as formas. Será que não é na sua mente que Ele está limitado a visão cristã que dão ao mesmo?

  4. Leon

    Não sei nada sobre pomba giras, mas este texto é invocador de emoções.

  5. ilham

    Interessante, fui a uma senhora que trabalha com magia branca ( Saint Germain) e ela me disse que eu sou pomba gira , ou , na verdade , fui. Nesta encarnação não passo de uma dedicada mãe de família e boa profissional. Dedico-me a muitos estudos e não sou aficcionada por filmes eróticos nem muito menos livros pornográficos. Mas, o interessante é que eu tive um sonho onde me via vestida de maneira sensual , com os ombrosà mostra, usando muita maquiallagem e fumando. Na verdade, não faço nem uso nenhuma dessas coisas. Será que , de fato, existe uma pomba gira no meu inconsciente ?

    Peterson: É possível sim que se tenha atuado em uma dessas linhas antes de reencarnas neste plano. O que é necessário ter em mente que os comentários que você fez em nada correspondem com a atuação de uma Pombagira, como o próprio texto explica. Ter sido uma Pombagira em outra encarnação não significa que você precise ter desejos carnais, fumar, beber, ou praticar pornografia. Isso é uma distorção histórica da atuação dessas Guardiãs, justamente por este arquétipo ter iniciado seus trabalhos no plano físico justamente para libertar as mulheres da opressão que sofriam na década de 60 +-.

    Não confunda Irmã: Pombagira não é prostituta, nem mesmo lida com o sexo sem limites. Suas vibrações atuam no campo dos Desejos sim, mas ESGOTANDO os desejos distorcidos e potencializando o desejo sadio nos 7 sentidos da vida, e não apenas na sexualidade. Para ser uma mãe de família competente, você precisa DESEJAR estar com seus filhos, seu marido… Isso também faz parte do campo de atuação de Pombagira.

    Saravá!

  6. Roby

    Belo texto. Esclarecedor e destruidor.

  7. Guilherme

    Pomba Gira Maria Padilha é só um nome., E corresponde à entidades que trabalham nessa mesma vibração ou energia da Quimbanda.

    NÃO TEM LÓGICA NENHUMA DIZER QUE MARIA PADILHA É UMA ÚNICA PERSONALIDADE QUE EXISTE e “BAIXA “EM VÁRIOS TERREIROS DO BRASIL!

    As que JÁ PRESENCIEI, trabalham no plano mais terreno e material. Fazendo acordos com os filhos da casa.

    Peterson: Guilherme, não entendi seu comentário. Onde foi dito isso?

    Como TODAS as entidades de Umbanda, o nome dado por elas é simbólico, e representa a vibração energética em que aquele ESPÍRITO específico trabalha. Consecutivamente, diversos espíritos podem se apresentar, ao mesmo tempo, com o mesmo nome simbólico, em diversos lugares do MUNDO.

    Há também a opção de um mesmo espírito trabalhar com diversos médiuns com o mesmo nome simbólico, mas isso é outro assunto.

    Axé!

  8. Rafael

    Pq o simbolo da umbanda retratado com um circulo com triangulo e uma cruz dentro,
    qual significado deste simbolismo?

  9. Diogo Mendes

    “… A cuia estava fervendo com azeite de dendê,
    Maria Padilha virou a cuia e a festa terminou,
    Hahaha só se vê gente correr!
    Hahaha só se vê gente correr!”

    Salve Maria Padilha!
    Graças a ela mudei minha vida, abriu minha mente!!

    Melhor psicóloga não há rsrsrsrs

  10. André

    Interessante, eu havia acabado de ler um texto na “apostil básica sobre umbanda” que conta a história dos “orixás” chegando a yemanjá trsites pela forma como os encarnados pretendiam usar suas obras e energias de maneira errada… veio bem no mesmo momento. Belos textos…
    Como em qualquer religião, filosofia, grupo, ordem…. 99% delas estão todas corretas, respeitando-se mutuamente, quem faz as coisas erradas somos nós, Humanos. Daí se percebe a Fé que as entidades, espiritos, anjos possuem em nós, mas do que nós neles, pois vivem tentando nos alertar..rsrs
    Paz

  11. Raphael Holanda

    Saudações aos seguidores.

    Perterson, sabes me dizer que outros nomes os espíritos aqui chamados de Pombagira podem receber em outras culturas e religiões?

    E o que significa ter uma delas como guardiã/guia?

  12. Guilherme

    Desculpe, acho que exagerei um pouco. Pensei que você não sabia disso, mas fui “foda” em não perceber que tu és um estudioso sério da Umbanda.
    Agora eu só não entendo porque alguns terreiros que já vi essa entidade baixar, a mesma sempre é muito dura, trabalha mais no plano dos desejos, gosta de receber presentes em troca de favores, recebe sacrifícios de animais, etc. Não que seja uma entidade tão pervesa, pois tem noção do bem e do mal, mas faz o que os filhos pedem de acordo com seus desejos e livre- arbítrio.

    “Aparências não identificam o saber, a sinceridade, nem as eternas verdades…”
    (W.W. da Matta e Silva). Paz e Luz!

    Peterson: Há, e sempre haverá, Terreiros e “Terreiros”. Alguns, onde quem trabalha são os verdadeiros Guardiões, e outros, onde ainda atuam espíritos sem compromisso com a Lei. Conheço 2 Senhoras Padilhas cujo trabalho e reto, direcionado à Lei e sem caprichos ou vaidades, assim como a médium que as carrega.

    Há também que se entender duas coisas: Primeiramente, a Lei da Afinidade: O médium e o terreiro atraem entidades cuja vibração se assemelha com os mesmos, e assim, “por tabela” também são seus consulentes. Um terreiro com médiuns de conduta duvidosa atrairá, na maioria das vezes, entidades de padrão semelhante. Há também diversas formas de se cumprir a Lei, e os Guardiões e Guardiãs as conhecem muito bem, e uma dessas formas é justamente “dar corda para se enforcar”…

    Segundo: Nem tudo é manifestação da entidade. Esse texto é justamente um diálogo entre uma Guardião e “sua médium”, mostrando que boa parte das cargas arquetípicas atribuídas a Pombagira, na verdade, são distorções de conduta do médium. Isso é muito comum nos trabalhos de esquerda, até mesmo com Exu Mirim que chuta a canela do consulente e fala palavrão…

  13. Ronaldo

    Foi com uma delas que conversei em minha primeira visita a um terreiro, como “aula prática” do curso de Kabbalah. Ela é assim mesmo, fala o que tem que ser dito, de forma meio ríspida porém necessária.

    Laroyê Maria Padilha!

  14. Murilo Stadkowiski

    Peterson , no livro “segredos da magia de umbanda e quimbanda”” , WW da Mata, diz que pomba gira Maria Padilha é uma maga negra…… e agora Arnaldo? foi penalti ou não?

    Abraços

    @Peterson: Pai Mata cometeu diversos equívocos quando se trata do trabalho de Exus e Pombagiras. Na Umbanda, as entidades que se apresentam através dos nomes simbólicos, como Maria Padilha, trabalham sob a Lei Maior. Essa afirmação não tem fundamento.

  15. Guilherme

    @Peterson: Pai Mata cometeu diversos equívocos quando se trata do trabalho de Exus e Pombagiras. Na Umbanda, as entidades que se apresentam através dos nomes simbólicos, como Maria Padilha, trabalham sob a Lei Maior. Essa afirmação não tem fundamento.

    Como assim você pode afirmar que o Pai Matta cometeu equívocos Peterson, só devemos acreditar na sua verterte do Pai Rubens?

    Se WW da Matta afirmou isso, foi através de sua prática e convivência não só no seu templo, mas também em outros com vários Umbandistas.

    Atualmente, estou pra conhecer um terreiro de Umbanda branca na verterte de Zélio Morais, e conversando com uma filha que acabou de entrar lá, a mesma falou que, a mãe desse templo, comentou que Maria Padilha seria uma entidade das trevas de baixa Hierarquia.

    Veja o que Matta diz:

    Porque, creiam, procurem saber, indaguem dos guias e protetores – quem é
    “Maria-Padilha”…
    Por certo ficarão surpresos, quando eles disserem que “Maria-Padilha” não é e
    nunca foi exu; é sim, uma maga-negra das “linhas do catimbó”… Cuidado com ela,
    irmãs!
    Toda médium que, por infelicidade ou por condições negativas quaisquer, tenha
    traído e caído nas “malhas” dessa entidade negra, acaba sendo “estourada” por ela
    mesma, compelida às decadências morais, para os desvios do sexo ou, quando não,
    para o vício da embriaguez…

    Lamento muito, mas alguns filhos que conheci que incorporavam ela, tinha uma vida descontrolada e desmoralizada, da mesma forma que Matta citou.
    Até Gays que não tinha controle da sexualidade.

    Conheci um que, só se livrou depois de raspar o santo no candomblé.

    Desde os 13 anos eu ando em terreiros, só agora atualmente não piso, pois tenho uma esperança em encontrar um terreiro sério ainda.

    @Peterson: Não estou aqui defendendo vertente ou Pai algum, falo baseado nos meus anos de experiência e no convívio com a religião. Não me baseio só em livros ou em achismos de pais de santos, busco conhecimento direto na fonte e não em fóruns de internet.

    Pai Matta cometeu equívocos sim, baseados no que acreditava conhecer na época, assim como muitos outros Pais de Santo também o fizeram. A Umbanda “escrita” é cheia disso, de preconceitos, de egos inflados e de distorções.

    A pluralidade da Umbanda permite esse pluralidade de opiniões, e eu considero isso muito saudável. O que não aceito são preconceitos e distorções baseados na opinião de um autor apenas. Se fosse assim, vamos ficar com a opinião de Aluízio Fontenelle, que afirma serem os Exus Demônios Goéticos, todos servindo a Lúcifer. Se ele pode falar absurdos como esse, porque Matta também não pode estar equivocado?

    Quanto a “se livrar de uma entidade fazendo santo no candomblé, nem vou comentar, já que é um tamanho absurdo querer colocar hierarquia de poder entre duas religiões de fundamentos diferentes.

    Como eu disse em outra resposta, semelhantes vibratórios se atraem. Pelas experiências que narra, eu sugiro que reveja seu padrão vibratório, pois, se só conhece terreiros tortos, algo em você também deve assim estar.

  16. Guilherme

    Peterson, leia bem o que eu disse pouco atrás.

    @ Peterson disse: Não estou aqui defendendo vertente ou Pai algum, falo baseado nos meus anos de experiência e no convívio com a religião. Não me baseio só em livros ou em achismos de pais de santos, busco conhecimento direto na fonte e não em fóruns de internet.

    Colega, falo do que ví poraqui e de minha convivência nesses terreiros onde moro. Seráque tdos estão errados? Também tenho que me basear em algum autor, pois o própio MDD e estudiosos da umbanda recomendo os livros do Matta.

    @ Peterson disse: Pai Matta cometeu equívocos sim, baseados no que acreditava conhecer na época, assim como muitos outros Pais de Santo também o fizeram. A Umbanda “escrita” é cheia disso, de preconceitos, de egos inflados e de distorções.

    Nãó é bem assim, acredito que Matta e um dos melhores autores de Umbanda. Podemos ver que muitos chamam seu livro Umbanda de todos nós como a bíblia da umbanda.
    E Umbanda é Lei, tem que ter uma base e tradição esotérica. agora as outras vetentes são agrupamentos de acordo com seus graus de consciência. O pai Matta defendia os filhos de qualquer grau vibratório, mas só que ele queria demostrar que a Umbanda tem lei e não é essa bagunça que a massa tem muito preconceito.

    Até Zélio Fernadinho não gostava de trabalhar muito com exus. Atualmente está acontecendo o que dizem como: “Exumania”

    @ Peterson: A pluralidade da Umbanda permite esse pluralidade de opiniões, e eu considero isso muito saudável. O que não aceito são preconceitos e distorções baseados na opinião de um autor apenas. Se fosse assim, vamos ficar com a opinião de Aluízio Fontenelle, que afirma serem os Exus Demônios Goéticos, todos servindo a Lúcifer. Se ele pode falar absurdos como esse, porque Matta também não pode estar equivocado?

    Umbanda tem que ter base, a puralidade são só nas práticas e formas de trabalhar de acordo com o mental dos médiuns. Mas a essência é a mesma. O que pode acontecer na umbanda seria novas adaptações De acordo com a evolução. Mas essas mudanças vai demorar muito, pois continua do mesmo jeito. Não adianta criar outro culto encima da Umbanda como muitos estão fazendo atualmente.

    O que Matta fez foi corrigir a mal fama da Umbanda e mostrar que não tem muita relação com cultos africanos, etc. Ele seguiu a base do médium que “incorporado com o cacloco da 7 encruaza” plocamou a Umbanda. E mostrou seu lado esotérico.

    @ Peterson: Quanto a “se livrar de uma entidade fazendo santo no candomblé, nem vou comentar, já que é um tamanho absurdo querer colocar hierarquia de poder entre duas religiões de fundamentos diferentes.

    Cara, cansei de ver isso aqui, mas deveria ser Quiumbas ou mudança de egrégoras. Mas quase todos do Camdonblés aqui no Ceará não gostam muito de Umbanda ou macumbas, pois não aceitam comunicações com Eguns como eles chamam. Sempre dizem que camdomblé tem mais força e poder.

    @ Petersom disse: Como eu disse em outra resposta, semelhantes vibratórios se atraem. Pelas experiências que narra, eu sugiro que reveja seu padrão vibratório, pois, se só conhece terreiros tortos, algo em você também deve assim estar.

    Amigo, essas experiências valeu como aprendizado. E os própios Guias da Umbanda me orientaram desses terreiros giradores de baixos planos. Pois, eu sempre era uma cara sério, queriar saber o que era umbanda, mas as entidades desses terreiros sempre ficava enrolando e enganadno. Mas teve uns que os médiuns tiveram bons contatos mediunicos. Depois decairam…niguem é perfeito né?

    A questão não é meu padrão vobratório, e sim, dos médiuns que existem na minha cidade. Sempre querendo dinheiro em nome da Umbanda e interreses mesquinhos.

    Atualmente muitos estão ganhando uma nota Preta em nome da Umbanda.

    Um coisa eu digo, cuidado com aparêcias demais e vaidade, pois eu caí nessa em terreiros. As entidades/kiumbas hipócritas sabem enganar muito bem. Só depois é que a casa cai, pois no começo tudo é mil maravilha, e logo, tudo se revela desmascarando a face.

    Os kiumbas dão tudo e mostram grande sabedoria. Cuidado!

    “Aparências não identificam o saber, a sinceridade, nem as eternas verdades…”
    (W.W. da Matta e Silva). Paz e Luz!
    Paz!

    @Peterson: Exumania? Ok. Boa sorte nos trabalhos sem a esquerda bem firmada. =)
    Como diz o ponto: “…Sem exu não se faz nada…”.

  17. Murilo Stadkowiski

    Pomba Gira Maria Padilha das 7 Encruzilhada!
    http://www.videodemediumpicareta.xxx

    Corro para as montanhas????

    @Peterson: Corra dos picaretas, isso sim. Se eu gravar um vídeo dizendo que sou o Marcelo Del Debbio, e falando um monte de besteiras, quem não conhece ele, vai acreditar que é verdade…
    Cada um busca o que está interessado e afinizado a encontrar…

  18. Guilherme

    @Peterson: Exumania? Ok. Boa sorte nos trabalhos sem a esquerda bem firmada. =)
    Como diz o ponto: “…Sem exu não se faz nada…”.

    Amigo, se vc segue a Umbanda Sagrada que é baseada no Zélio F. Morais, então olhe pra quem segue a risca e veja o que ele fala.
    Veja:
    http://registrosdeumbanda.wordpress.com/2009/08/21/exu-e-a-umbanda-branca-e-demanda/

    @Peterson: Eu pratico UMBANDA, não pratico uma vertente ou outra. Meus estudos Teológicos dentro da religião são estruturados a partir de uma linha de pensamento, mas, na prática, tudo é uma coisa só.

    A entrevista em questão foi dada em 1970. De lá para cá, muita coisa mudou em todos os âmbitos, principalmente, nos conhecimentos que foram revelados do Plano Astral para o Físico.

    Não podemos viver no passado. Não há mais a necessidade do medo, mas sim, o impulso pelo conhecimento. Se assim o astral desejasse, que continuássemos estagnados no que foi revelado por Zélio, estaríamos praticando uma Umbanda de Caboclo, Preto Velho e Criança, sem as diversas linhas auxiliares que em muito acrescentam a nossas práticas. Estaríamos ainda cegos seguindo dogmas que alguns “sacerdotes”, por falta de dedicação ao conhecimento dos fundamentos, continuam a propagar aos 4 cantos do Brasil.

    Eu, como um Livre-Pensador, escolhi buscar a fundo os conhecimentos teóricos e também as práticas. Não tenho medo do que autores antigos escreveram ou disseram, eu experimento e vou atrás dos conhecimentos na prática, e em diversas delas. Não me subjulgo a “sacerdotes” arcaicos ou terreiros de práticas infundadas, nem mesmo a entidades cujas falas são a transparência da necessidade de seus médiuns em adquirir respeito.

    Não estou aqui para pregar nada, nem mesmo ser o dono da verdade. Trago aqui o resultado de experimentos práticos, sem preconceitos e sem dogmas. Passo adiante o que me foi ensinado e me foi autorizado divulgar, sempre muito bem orientado pela espiritualidade SÃ.

    Se o que escrevo não serve para você, simplesmente IGNORE. Não tenho compromisso com nenhum sacerdote ou vertente, mas sim, compromisso com o trabalho sério em prol da Umbanda.

    Não mais levarei adiante essas discussões infundadas ou tentativa de defender o indefensável. Se você não concorda com o que aqui escrevo, procure um espaço próprio e dê vazão a suas ideias. Terei o prazer de lê-las e buscar o que me acrescentam, e não ficar pregando oposição cega.

    Axé!

  19. Guilherme

    “Eu pratico UMBANDA, não pratico uma vertente ou outra. Meus estudos Teológicos dentro da religião são estruturados a partir de uma linha de pensamento, mas, na prática, tudo é uma coisa só.”

    Eu sei amigo, mas estou apenas mostrando “contradições” que podem existir. E não estou desfazendo da sua vertente, apenas dialogando de forma sadia. Se eu fui duro, peço desculpas.

    Agora com maior respeito, em seus estudos teológicos qual a sua definição da Umbanda e o que é Umbanda?

    @Peterson: Não há contradições, há, de minha parte, o desprendimento a linhas conservadoras de pensamento. Justamente por ter uma visão ampla, que perpassa conceitos de outras religiões e práticas mágicas, não me atendo ou fixando em um único ponto de vista.

    Se necessário fosse definir a Umbanda em apenas uma frase, hoje, eu diria que ela é o resgate das formas primordias de magia e contato com o Uno, mas essa é uma visão muito particular.

    “A entrevista em questão foi dada em 1970. De lá para cá, muita coisa mudou em todos os âmbitos, principalmente, nos conhecimentos que foram revelados do Plano Astral para o Físico.”

    Sim eu sei que pode ter novas formas de expressão, práticas, e adaptações de acordo com a mentalidade. Mas Umbanda, acredito e outrem, sempre continuará com Regras e Leis desde sua “revelação” no Brasil.
    Mestre WW da Matta sempre afirmava que outros viriam trazer mais luz e revelações sobre Umbanda, mas dentro dos parâmetros, leis, adaptações; sem erotismo, vaidade, charlatanismo em nome da Umbanda.

    @Peterson: Veja, não é uma questão de novas formas de expressão, mas sim, uma atualização dos conhecimentos existentes. Como eu disse anteriormente, nos primórdios desconhecíamos a existência de outras linhas de trabalho, como a dos marinheiros, por exemplo. Se seguirmos a lógica do conservadorismo, seriam esses kiumbas se passando por seres de luz? A vaidade está em crer que apenas um autor, mesmo sendo Zélio, seria o dono da verdade. A Umbanda é trazida do astral para o físico, seguindo as regras DE LÁ. Se os espíritos decidem contextualizar conceitos e práticas ao nosso século, estão eles errados? Ser uma religião dinâmica é uma qualidade da Umbanda, e isso fica notável quando se analisa o contexto histórico da inserção de algumas falanges nos trabalhos. Recomendo estudar historicamente o aparecimento da falange de Pombagiras por exemplo, terá uma surpresa bastante interessante. =)

    Acredito que Umbanda tem relação com antigas iniciações dos magos da antiquidade e sempre vem seguindo seu conjunto de Leis Divinas, regras, etc. Assim, suas Leis eternas só ficam fora de moda do ponto de vista do modismo superficiais.
    Como exemplo, digo: “E não há nada de “desatualizado” em Platão ou Pitágoras, e tampouco nos Upanixades, no Tao Te King, no Bhagavad Gita ou no conceito de Metempsicose.”
    O caminho espiritual não foi inventado no século vinte, e até mesmo a limitada Bíblia cristã afirma que há uma sabedoria anterior ao mundo. Repetindo a antiga filosofia oriental, o Eclesiástico afirma:
    “A areia do mar, os pingos da chuva, os dias da eternidade, quem os poderá contar? A altura do céu, a amplidão da terra, a profundeza do abismo, quem as poderá explorar? Antes de todas estas coisas foi criada a Sabedoria, e a inteligência prudente existe desde sempre.”

    Então, é o que está acontecendo com a falange de Exu. Pois será que ela mudou sua fusão? Suas regras e leis? Estão idolatrando demais os Guardiões(batizados) e eles estão gostando disso. E esquecem os Caboclos, pretos velhos e crianças?
    Isso vem acontecendo na mesma forma no ocultismo e magia, querendo modernizar demais e relativar verdades universais. Vejamos que, alguns ocultistas, estão dizendo que feitiçaria é algo simples e comparado à Alta magia. Algo que Eliphas Lévi e Papus mostraram que não é bem assim. E temos a Umbanda na prática que mostra que feitiços não condizem com magia do bem e evolução. Mas, deixamos eles se destruírem, pois as conseqüências sofreram.

    @Peterson: Não é uma questão de desatualização, mas sim, de desconhecimento. Talvez não fosse possível compreender os Upanixades antigamente com a mesma possibilidade que se tem hoje, correlacionando com outras linhas de pensamento por exemplo. Nada mudou na estrutura de Umbanda, os fundamentos ainda permanecem intocados. O que acontece, como eu já disse, é o aprofundamento dos conhecimentos em relação aos papeis magísticos das falanges, além, novamente, da adequação ao contexto em que se vive. Não se relativiza nada, apenas se compreende e se aceita o trabalho e o papel dos Guardiões dentro de sua linha de atuação. Seriam os Exus que estão sendo idolatrados ou nós que cada vez mais baixamos nossos padrões e estamos a mercê de obsessores, e, consecutivamente, necessitados de um auxílio mais “terra”, como o dos Exus? A Umbanda mudou ou nós baixamos cada vez mais nosso padrão?

    Falando em vertentes, pelo que li e vivi na prática da vertente de Mata, os Exus que nela atua ainda não superaram totalmente o processo de Exunização, por isso todo o zelo que ele mantem em seus livros. Ano passado tive a oportunidade de visitar um terreiro que segue esta linha em uma gira direcionada a Exus e o que vi foi justamente isso, poucos Exus batizados e muitos ainda espadados, o que justifica os escritos deixados por ele. Porém, isso é papel DESTA vertente, e não dialoga com o que acontecem com a Umbanda Sagrada, por exemplo. Nesta segunda, os Exus que se apresentam já atingiram um grau de evolução que lhes dá o pleno conhecimento de “bem e mal” e de seu papel na Lei, não deixando brechas para deslizes. Há uma vertente pior ou melhor? Claro que não! Há trabalhos e trabalhos, como o de Caboclos e Exus. Se os segundos fossem assim tão inconstantes, os Caboclos deixariam seus médiuns sob a guarda desses espíritos?

    Perceba que mesmo no tempo de Zélio, quando a coisa apertava, eles recorriam aos trabalhos de Exu, mesmo que de uma forma velada, e isso era perfeitamente correto para o contexto da época. Há sim a Exumania, assim como existem todos os tipos de aberrações possíveis com diversas falanges (Eres que comemoram seu aniversário, incorporações de Cavalo de Ogum, e por aí vai…). O problema com Exu é o resquício católico/cristão dos primórdios da Umbanda. A incompreensão da dualidade humana e tripolaridade energética de Exu. Falando da Umbanda Sagrada, nenhum terreiro prioriza o trabalho de Exu em detrimento a outras linhas de trabalho, muito pelo contrário, é uma das “vertentes” mais plurais quando se fala em linhas de trabalho. O que acontece, e isso posso afirmar com vivência de terreiro, é que os terreiros que praticam a Lei são cada vez mais atacados em busca de desestabilizar suas estruturas e o trabalho para o astral, e neste ponto Exu é crucial justamente por serem os soldados de fronte. Muitos terreiros iniciam hoje o desenvolvimento de seus médiuns fortalecendo sua esquerda exatamente pelos ataques que estes sofrem no intuito de afastá-los da senda espiritual. Por que você acha que as igrejas neo-pentecostais realizam teatros de possessão sob o nome simbólico de diversas falanges de Exus e Pombagiras? Seriam esses espíritos responsáveis mesmo pelas possessões ou uma estratégia covarde de afastar os desentendidos de seus guardiões e, consecutivamente, do seu caminho espiritual e de ascensão? Pense nisso…

    Também, muitos vêm com essa papo dizendo: “Isso é Dogmatismo, etc.” Com intuito em não aceitar verdades já ditas e comprovadas. Evolução não é invenção ou modismo.
    Espero que não se estresse comigo e entenda como compreendo seus estudos. Mas tente aprender com meus erros e acertos. ASSIM como eu aprenderei com os seus.
    Apesar dos pesares, a Umbanda continua complexa ainda. Uns seguem com teorias de Kardec, outros com teosofia, outros com Candomblé, alguns com ocultismo, kabalismo, salada de frutas, etc.
    Tem um artigo muito legal falando de bagunceiros na umbanda veja: http://vozesdearuanda.blogspot.com.br/search?q=Umbanda+atemporal

    Pax e Luz!

    @Peterson: Como diziam os sábios de outrora “Todas as verdades são meias verdades”, justamente porque a Verdade ainda está longe dos olhos da maioria de nós, sobressaindo então a “nossa verdade”. Eu aprendo com MEUS erros diariamente, pois neles consigo utilizar as medidas adequadas para a minha realidade. Não posso me basear na experiência de outros, que vivem uma realidade totalmente diferente da minha e não sentem/percebem o mesmo que eu, e tiveram construções mentais e preconceitos que eu não possuo, por exemplo. O gostoso da Umbanda é justamente ser essa “salada de frutas”, justamente por seus fundamentos serem anteriores a todas essas construções humanas.

    Como eu disse, você talvez nunca sinta e veja o mesmo que eu vejo dentro da Umbanda, e justamente por isso, talvez nunca compreenda o que eu escrevo. Isso não mais me importa, jogo minhas palavras aqui e sigo os ensinamentos antigos. Aqueles que estiverem prontos, os mestres interiores aparecerão, e talvez minhas palavras sirvam como farol para encontrarem seu próprio caminho.

    Saravá!

    1. Rev.Breno

      Sempre achei que a graça da umbanda é essa polivalência, a possibilidade de abrir e fechar os preceitos da senda.

  20. Guilherme

    @Peterson: Se necessário fosse definir a Umbanda em apenas uma frase, hoje, eu diria que ela é o resgate das formas primordias de magia e contato com o Uno, mas essa é uma visão muito particular.

    Gostei, achei bem interessante essa definição.

    @Peterson: Falando em vertentes, pelo que li e vivi na prática da vertente de Mata, os Exus que nela atua ainda não superaram totalmente o processo de Exunização, por isso todo o zelo que ele mantem em seus livros. Ano passado tive a oportunidade de visitar um terreiro que segue esta linha em uma gira direcionada a Exus e o que vi foi justamente isso, poucos Exus batizados e muitos ainda espadados, o que justifica os escritos deixados por ele. Porém, isso é papel DESTA vertente, e não dialoga com o que acontecem com a Umbanda Sagrada, por exemplo. Nesta segunda, os Exus que se apresentam já atingiram um grau de evolução que lhes dá o pleno conhecimento de “bem e mal” e de seu papel na Lei, não deixando brechas para deslizes. Há uma vertente pior ou melhor? Claro que não! Há trabalhos e trabalhos, como o de Caboclos e Exus. Se os segundos fossem assim tão inconstantes, os Caboclos deixariam seus médiuns sob a guarda desses espíritos?

    Como assim não superaram o processo de Exunização? vejamos que, da mesma forma que certos Exus guardiões trabalham na sua casa, da mesma forma também pode trabalhar ou evoluir na raiz de Guiné.

    Além do mais, O Matta mostra em seus livros que trabalhavam mais com “batizados”, afirmando que esses já tem sabedoria sobre o bem e o mal. E alertava sobre os “rabos de encruza” ou de ciclos mais inferiores.

    PODE ME DIZER QUE SÃO OS DIRIGENTES DESSE TERREIRO? POIS SE FOR DO RIVAS, FICO COM UMA “PULGA ATRÁS DA ORELHA”. VC DEVE SABER PORQUE. MOSTREI NAQUELE BLOG;)

    TIVE CONTATO COM OS QUE SEGUEM A RISCA SUA RAIZ ´POR E-MAIL, E Alguns JÁ PASSARAM PELO NOVO SISTEMA DE Rivas Neto. Depois, acabaram seguindo a raiz pura de Guiné.

    Lembrando também que , existem muitos dirigentes que tentam seguir os livros do Matta, mas tentam deturpar de toda forma. Seguem suas ideias. Aí confundem o “jôio do trigo.”

    Por isso, cada vetente de umbanda tem suas formas de agrupamentos e iniciações no astral, de acordo com suas capacidades de sintonia mental com tais Guias.

    Um filho bem antigo do velho Matta disse que nem tudo pode ser dado em livros, pois certos conhecimentos o Matta passou de boca para ouvido, assim como no seu sistema deve ter.

    Será muito difícil só com os livros para se “sitonizar” com o agrupamento da raiz de guiné. Então, tem que ser iniciado por um de seus legítimos filhos de fé, para que possa aprender outros connhecimentos mais secretos que o Matta passou.

    Que pena não existir aqui no Ceará iniciados na raiz de guiné. Pois me identifico muito. Também a de Umbanda Sagrada não deve existir em Fortaleza.

    Se o astral decidir e o meu Karma, quem sabe eu viajarei para iniciar rrsrsrsrs….

    Paz, Luz e Saravá!

    @Peterson: Uma coisa são os livros, outra é a prática… O que eu vi foi um belo trabalho de Exunização de espíritos em recuperação, orientados sim por Exus Batizados. Não há nenhum problema em se ter espíritos de pouca luz trabalhando, eles apenas não dão consulta, pois ainda não foram liberados para tal.

    Como já comentaram aqui, Luz e Trevas são partes da Criação e do Criador, não há como separá-las. Os Espíritas ortodoxos erram quando expulsaram de suas mesas Pretos Velhos e Caboclos por terem preconceito com a roupagem que apresentaram, e alguns Umbandistas cometeram e ainda cometem a mesma falha quando aplicam este preconceito sob a figura de Exu. Leia O Guardião da Meia Noite e verá que a Exus que já atingiram um grau de conhecimento e discernimento absurdo, mas que optaram seguir no fronte de batalha justamente em pról da Luz.

    Axé

    1. Noob

      Antes de mais nada, adorei o texto, muito emocionante.
      Agora, venho trazer a(s) seguinte(s) questão(ões): comecei a freqüentar casas de terreiro que mistura “umbanda” e “candomblé”. Aqui no extremo sul da BA a reputação da “umbanda” é muito… duvidosa(pra ser educado) e a imagem q temos é de algo como um candomblé mais “sujo” por lidar com os Eguns(cuja reputação não é mt boa sendo usado até como referência de coisa ruim principalmente aqui na web) onde seria utilizada a magia mais para fins malignos mesmo. Por outro lado o candomblé(q tb não é flor sem espinho) faz sacrifício animal e etc, isso já me deixa com os dois pés atrás. E ainda rola essa tal de umbanda ~SAGRADA~ na internet(veiculo de [des]informação cuja reputação TBM não é mt boa). Quer dizer, tem a umbanda sagrada e a profana? Como vou saber qual é qual? Claro que não tem como saber se o terreiro é correto ou não sem nunca pisar os pés lá dentro, mas e se eu pisar justamente no “incorreto” e ficar preso por algum trabalho ou o sacerdote/sacerdotiza prender meu guia(ainda tem essa!)?
      O que eu to querendo dizer é que tem gente assim como eu que não aguenta mais tanta desinformação e não tem orientação nenhuma porém precisa MUITO de alguma e só quem oferece isso hj em dia são msm os terreiros até pq nem todo mundo mora em SP ou qualquer outro lugar que tem templo e sacerdote de td. Talvez seja até vantagem pq ficaria mais difícil ainda se encontrar. Só que a gente só ouve falar mal tanto de um quanto de outro e ainda rola uns papos do MDD de terreiros aparentemente nos conformes mas q não passa de terreiro controlado por entidades vampíricas que vão sugar nossa energia vital. Então, afinal de contas, como descobrir a legitimidade de uma casa? Como saber se ela é séria e que as entidades ali presentes são msm entidades e não atores nem vampiros level over nine thousand? “Ah, seus guias vão te mostra e te guiar” sim, mas e se eu não sou médium e não me comunico com meus guias e estou buscando justamente essa comunicação com eles, será que há formas práticas de se descobrir essas coisas?
      Fica aí a dica para um tema de um futuro post para os perdidos como eu e estão tentando se encontrar. Será que no final é tudo “kiumba” msm e não faz diferença? Eu acho que não. Eu ESPERO sinceramente que não. Se não bastasse isso tudo ainda tem a lenda a se vc abandona uma casa e passa a frequentar outra te consideram traidor e certamente vc vai levar umas rebombada nas costas. Aí parece que é a escolha da vida, q se escolher errado vai ficar errado msm e não tem volta. Desculpa os termos chulos e sem muita cultura mas nem todo mundo é um MDD da vida nem atingiu todos os graus possíveis das ordens mais secretas possíveis nem leu todos os livros sobre o assunto. Não sou noob, estou noob. Mas não quero ser noob pro resto da vida. Espero ao menos ter conseguido transmitir minha mensagem de maneira no mínimo compreensível. Espero ter contribuído com um questionamento construtivo. Mas se não, desculpa ter perdido o tempo de vcs com esse comentário.
      Paz e harmonia à todos.

  21. Guilherme

    Outra coisa Peterson que esqueci de comentar sobre os marinheiros e outras linhas de trabalho.

    Pelo que já ouvi falar poraqui e “baixar” sobre marinheiros são bem antigas do que agente imagina. E apenas conheci um tal de “Sibamba” é um marinheiro. Ta mais pra mestre bêbado do que pra principe ou coisa parecida.

    Lembrando que nesses terreiros de baixos planos que frequentei e me decepcionei, baixam muito essas entidades que vc conhece como: Zé Pilintra, Malandro, Maria Padilha, Baiano, Marinheiros, etc.

    tem outros estranhos como: “Exu de duas cabeças”, Paulina, Rainha das trevas eoutras.

    Em muito complexo essas questão.

    @Peterson: Marinheiros não são bêbados! Isso é uma visão preconceituosa e ignorante. Quem já incorporou um sabe que aquela aparência ébria é fruto da vibração aquática que eles atuam. Mesmo sem ter contato com alguma bebida, a sensação é de não conseguir ficar parado, de cambalear, como se estivesse em um porre gigantesco, sem contar a sensação de maresia… Posso afirmar com propriedade o que estou falando.

    Agora, se nos terreiros que você foi, essa “Marinheiro” bebia litros de Rum, o problema é outro. Não espelhe uma religião inteira em médiuns ignorantes e/ou mal intencionados. Enquanto você só quiser ver o lixo, apenas o lixo se mostrará a você…

    Exu de Duas Cabeças existe, mas não da forma como se vê por aí, metade Exu e metade Pombagira. Se você procurar estudar um pouco mais a religião e abandonar os preconceitos e visões distorcidas que os terreiros podres lhe deram, talvez você aprenda um pouco mais e comece a entender como as coisas funcionam.

    Umbanda é magia, e como tal, é cheia de simbolismos. Basta pensar um pouco que é possível entender o significado iniciático do “Duas Cabeças”. Tudo são nomes simbólicos e remetem a vibrações e energias específicas. O problema está em viver no Século retrasado achando que os nomes simbólicos são literais, alias, foi esse pensamento que atrasou a Umbanda até hoje, e é por isso que Rubens Saraceni é criticado, pois os mestres da luz que o orientam vieram elucidar a magia de umbanda e tirar o poder dos pseudo pais de santos e da pseudo oralidade que assombra a Umbanda, e que, nunca é nem nunca foi uma característica sua, e sim, das religiões de matriz africana, o que a Umbanda NÃO É!

    Axé

    1. Inominado

      Você idealiza uma realidade de forma um tanto esquisofrênica na Umbanda Guilherme. Entidades de caráter “trevoso” são tão necessárias quanto as de essência “luminosa”, todas obedecem a Lei, inexoravelmente.

      Existem terreiros ruins, mas nem todos os terreiros do país são obrigados a seguir o padrão do Matta ou do Rubens, cada um tem sua ciência e deve ser respeitado. Se você tem receio ou medo, isso é algo pessoal seu que você tem de resolver. Pare de por a culpa nas entidades e nos terreiros e tente ver a si mesmo de forma mais honesta: como um indivíduo com preconceitos e receios.

      Só assim talvez sua mentalidade mude.

    2. Murilo Stadkowiski

      Prezado Peterson, já que tocou no assunto de incorporações, poderia explicar para nós (pra mim heheh) , como funciona essa questão da incorporação, marinheiros são espiritos da água? por isso andam cambaleando, e os pretos velhos, andam curvados pela energia que trabalham ? e os exus que andam se arrastando,poderia indicar uma leitura a esse respeito?
      Grande abraço

      @Peterson: Salve irmão! As manifestação arquetípicas das entidades carregam bastante do padrão vibratório em que elas atuam, em especial, ao Trono Regente em que respondem diretamente. Além da Ancestralidade da Entidade, cada linha de trabalho é vinculada a um Trono/Orixá, e isso interfere nas características da manifestação. Por exemplo, Marinheiros trabalham na linha de Iemanjá, em consequência disso, numa vibração aquática, sua manifestação cambaleante reflete esta vibração. Os Preto Velhos são regidos por Obaluayê, e desse padrão vibratório reflete a postura curvada que carregam.

      Claro que há outros fatores que influenciam isso, como o arquétipo cultural aplicado a cada linha de trabalho na Umbanda. Além das vibrações, cada linha foi caracterizada com um arquétipo “social”, visando a interação com os encarnados, como é o caso do Arquétipo do Ancião carregado pelos Pretos Velhos.

      Vou preparar um post no A&L falando melhor sobre essas questões, está na fila a tempos…

      Saravá!

  22. Guilherme

    @Inominado: “Você idealiza uma realidade de forma um tanto esquisofrênica na Umbanda Guilherme. Entidades de caráter “trevoso” são tão necessárias quanto as de essência “luminosa”, todas obedecem a Lei, inexoravelmente.

    Existem terreiros ruins, mas nem todos os terreiros do país são obrigados a seguir o padrão do Matta ou do Rubens, cada um tem sua ciência e deve ser respeitado. Se você tem receio ou medo, isso é algo pessoal seu que você tem de resolver. Pare de por a culpa nas entidades e nos terreiros e tente ver a si mesmo de forma mais honesta: como um indivíduo com preconceitos e receios.

    Só assim talvez sua mentalidade mude.”

    Eu sei que tudo é últil, mas não vou aturar mentiras e trapassas. E foi isso que eu passei nesses terreiros de fato. Só decepções.

    1. Inominado

      Isso porque você quer algo que só existe na sua cabeça. Você está iludido ainda.

  23. feironmaiden

    Parabens pelo texto. Seu texto deveria estar na porta de 99% dos ditos terreiros pelo Brasil.

  24. Ronaldo

    Da minha parte posso afirmar que a Maria Padilha com a qual conversei em minha primeira visita a um terreiro falou coisas que eu precisava ouvir, apontou defeitos, sugeriu melhorias.

    Em que pese a minha falta de experiência com terreiros, fica complicado aceitar que a entidade que agiu desta forma seja essencialmente “do mal” ou “maga negra”.

  25. Guilherme

    @Peterson: Marinheiros não são bêbados! Isso é uma visão preconceituosa e ignorante. Quem já incorporou um sabe que aquela aparência ébria é fruto da vibração aquática que eles atuam. Mesmo sem ter contato com alguma bebida, a sensação é de não conseguir ficar parado, de cambalear, como se estivesse em um porre gigantesco, sem contar a sensação de maresia… Posso afirmar com propriedade o que estou falando.

    @ Guilherme: Estou achando muito interresante esse papo e acredito que vai ajudar em nossos estudos. Então tenho algo acrescentar ainda.

    Apesar de Admirar a Umbanda, tenho minhas dúvidas em relação as roupagens dos Guias, etc.

    Ex: uma entidade “baixa” para consultar um medium -magista ou estudioso no assunto, então, acredito que a mesma não precisaria “fingir” como preto velho e falar “errado” na consulta. Usaria mais esse linguajar para pessoas mais humildes e simples sem entedimento.

    Agora esse negócio de cambalear , parece uma desculpa ou criação para não dizer que é um espírito bêbado.
    Já vi vários tipos de entidades que baixam como bêbado como se fosse uma linha. Mas nunca ouvi falar nessa linha na umbanda(De bêbado).

    @ Peterson:Agora, se nos terreiros que você foi, essa “Marinheiro” bebia litros de Rum, o problema é outro. Não espelhe uma religião inteira em médiuns ignorantes e/ou mal intencionados. Enquanto você só quiser ver o lixo, apenas o lixo se mostrará a você…

    Gui: Não! não bebia litros de Rum. Até era um médium firme e já falei com várias entidades nele na Época. Acabou “raspando o santo” no camdonblé.
    E nessa época eu não tinha conhecimentos de nada sobre Umbanda, espiritismo, ocultismo, etc. Não queria ver o lixo… só entender que religião era essa.

    @ Peterson: Exu de Duas Cabeças existe, mas não da forma como se vê por aí, metade Exu e metade Pombagira. Se você procurar estudar um pouco mais a religião e abandonar os preconceitos e visões distorcidas que os terreiros podres lhe deram, talvez você aprenda um pouco mais e comece a entender como as coisas funcionam.

    Gui: Não é bem assim, só vi “baixar” em tais médiuns e nunca me disseram nada a respeito sobre eles. Agora pode-se deduzir sobre a questão de polaridades, gênero, etc. para quem tem estudos ocultos na umbanda.

    Mas essa entidade pelo que vi em terreiros são Exus que trabalham mais na “densidade”, pois pelas vibrações e ponto que observei, diz tudo.

    Veja só o ponto:” Exu que tem duas cabeças, ele vai fazer sua Gira com fé…Bis
    Um é “satânas do inferno” a outra é Pombo Gira Mulher..Bis”

    Em vários terreiros o ponto é dessa forma que já presenciei.

    E não estou dizendo que nomes simbólicos é literal.

    Engraçado é que num desses terreiros que fui ludibriado, baixavam sempre essas entidades conhecidadas como malandros, Padilhas, exus de duas cabeças, Cibambas, Pilintras, etc.

    Me lembrei daquilo que vc disse: sobre opinião de Aluízio Fontenelle, que afirma serem os Exus Demônios Goéticos, todos servindo a Lúcifer. Se ele pode falar absurdos como esse, porque Matta também não pode estar equivocado?

    Você não pode afirmar que Fontelelle esteja equivocado totalmente, pois Exus podem ter relação com Demônios Goéticos mesmo. Mas claro que não da forma que ele explica.

    Só pra variar veja um comentário do MDD relacionando A Quimbanda com goécia.

    Veja: “1. MDD,aproveitando a pergunta do Triunvirat sobre oferendas:
    Trabalho em uma empresa que possui reflorestamentos e lá existem reservas de matas nativas (lei ambiental).
    Bem, uma época encontramos uma trabalho feito na reserva próxima à um córrego que continha : o corpo bode pendurado de cabeça para baixo, porém sem cabeça; embaixo, a cabeça estava em um prato com farofa; vários cigarros; conhaque e cachaça; velas ao redor do prato e a faca que deve ter sido sacrificado o bode.
    Embaixo prato estava uma foto de uma moça (bem bonita por sinal) e um pequeno travesseiro pequeno com várias agulhas fincadas nele.
    Bem, eu sei de tudo porque se tratando e uma área particular (empresa) e eu responsável pela área ambiental a gerência ordenou que retirássemos o trabalho daquele local pelo motivo que as velas poderiam provocar incêndio na mata, o bode iria cheirar mal etc. A pergunta é:
    1 – Nós que interrompemos um trabalho, poderíamos sofrer alguma coisa no plano astral por essa atitude?
    2 – Você saberia dizer a intenção desse trabalho?
    @MDD – Esse trabalho foi feito pra um demônio da Goécia (que eu não vou falar o nome porque na internet só tem retardado) que é conhecido na quimbanda como “Exú quebra-galho” (que tem este nome porque quando se manifesta na floresta, escuta-se o som de vários galhos se partindo/quebrando conforme ele vai se densificando próximo da oferenda). O trabalho foi feito para separar um casal, sem nenhuma dúvida quanto a isso. É um pagamento pesado, mas dependendo do tempo que vocês levaram pra tirar (a entidade usa o prana do animal morto para formar sua capacidade de manifestação no plano físico) pode ter até atrapalhado o resultado. O processo ocorre nos primeiros 3 dias e provavelmente não trará problemas para vocês. A entidade quer o pagamento pelo trabalho, se não recebeu ou se tiraram, ele vai atrás do pai-de-santo ou de quem pagou o serviço (mais provavel, porque um quimbandeiro desse naipe normalmente tem todo tipo de proteção contra estes problemas).
    Eventualmente pode ter algum médium entre o pessoal que mexeu naquilo, então eu recomendo que as pessoas que mexeram no despacho tomem um banho de ervas de proteção, com manjericão e arruda, só por prevenção (você sabe preparar, né? eu ensinei em um dos posts).”

    Viu só, será que o MDD está equivocado?
    Veja o que ele afirmou:” Esse trabalho foi feito pra um demônio da Goécia (que eu não vou falar o nome porque na internet só tem retardado) que é conhecido na quimbanda como “Exú quebra-galho”

    Então, ele da o parecer que são os mesmo seres ou semelhantes nas formas de trabalhos.

    E tem mais: Pergunta: 1 Marcelo, por que a maioria dos ocultista…ocultistas de veradade não esses magos fajutos de net viciados em Aleister Crowler e samael aun weor…por que a maioria dos ocultistas se sentem desconfortaveis a respeito da goetia, são muito poucos aqueles que tratam desse assunto, Lon Milo é um desses poucos. Na minha opinião, se é que ela conta, os demonios da goetia nada mais é que o proprio mago…se somos deuses, se criamos deuses em nossa mente, também temos a nossa cota de demonios que nos infernizam…muitos crentes tem “Legiões” deles reprimidos. acho que esse assunto deveria ser mais aberto e não visto como algo do tipo: demonios que comem a alma se voce os envocarem, isso ficou no passado, o unico perigo que a realmente nos demonios da goetia são aqueles que o mago se recusa a aceitar como parte dele mesmo, do seu subconciente.
    @MDD – Os demonios da Goecia NAO são o próprio mago, isso esta em um texto tosco que circulou no Morte subita. Goecios sao entidades semelhantes aos exus, kiumbas ou djinns, vistos pela perspectiva de um europeu do século XVII. Estou terminando um post sobre isso e deve ficar pronto semana que vem.

    E considero o MDD um estudioso muito sério… Vc não acha?

    Ele já afirmou pra mim até que, espíritos sérios e de iniciados de grande magos, não vão sair poraí publicando livros em psicografias. Foi numa dúvida que tive em ralação a isso. Vou procurar se eu lembrar.

    Paz e Luz!

    @Peterson: Mais uma prova de que homens cometem equívocos… Enquanto você buscar as respostas em livros, fóruns, blogs e afins, sempre encontrará discordâncias e contradições. Essa é a superfície, o filtro que afasta os curiosos dos estudantes de verdade.

    1. Inominado

      Nada contra o MDD e seu trabalho, mas ele não é autoridade suprema em se tratando de magia e umbanda. Procure um sacerdote de umbanda INICIADO e que trabalhe na corrente para tirar suas dúvidas Guilherme. Ficar na teorética somente não adianta. A prática é totalmente diferente da teoria.

      Isso porque eu tenho notado que você fica usando a opinião alheia para tentar desmerecer os motivos e argumentos alheios e querer causar argh entre o dono do blog e um colunista especializado em umbanda.

      @Peterson: Justamente!

      Me responsabilizo apenas sobre o que EU escrevo aqui. Não sou obrigado a corroborar com tudo que o MDD escreve nem concordar com as opiniões dele. Temos vivências diferentes e, consecutivamente, pontos de vistas diferentes.

      Sob meus conhecimentos, Goécios são não nascidos, e EM NADA tem a ver com o trabalho dos Guardiões. Talvez, em algumas vertentes que não a Umbanda, outras entidades estejam sob a ordenação de um deles, acho isso perfeitamente plausível. Estamos falando de Umbanda por enquanto, e vamos ater-se a este tema.

      Axé!

      1. Inominado

        Peterson,

        A única relação que um goético pode ter um outro ente de outro sistema e cultura é o pano de fundo trabalhado, e só. Orobas e um Exú podem ser “trevosos” (uso esse termo por falta de outro melhor) e tratarem de “conhecimento”, mas não necessariamente “hod”. Eu não sei qual a mania desse povo em misturar sistemas quando ambos funcionam perfeitamente isoladamente. Até hoje não vi nenhum pai-de-santo de mão cheia que necessitasse disso. É para isso que existem os entes de umbanda para quem é adepto da corrente.

        @Peterson: Justamente, não creio que haja a necessidade de misturar culturas. Há uma insistências por alguns Ocultistas no Brasil em correlacionar Goécia com Quimbanda, o que, para os verdadeiros Quimbandeiros, não faz sentido algum. Tudo isso vem das pataquadas de Aluízio Fontenelle e seu famoso livro sobre Exu, que causa pesadelos até hoje em quem não busca conhecimento de verdade.

        No podcast com o Sr. Tranca Rua das Almas ele inclusive comenta sobre os não nascidos Goécios e essa “não relação” com os Exus. Aguardem e ouvirão!

  26. Guilherme

    @feironmaiden disse: Parabens pelo texto. Seu texto deveria estar na porta de 99% dos ditos terreiros pelo Brasil.

    É, mas vai ser difícil isso acontecer.

    só 5% no Brasil trabalham Dessa forma.

  27. Guilherme

    Ronaldo disse: Da minha parte posso afirmar que a Maria Padilha com a qual conversei em minha primeira visita a um terreiro falou coisas que eu precisava ouvir, apontou defeitos, sugeriu melhorias.

    Em que pese a minha falta de experiência com terreiros, fica complicado aceitar que a entidade que agiu desta forma seja essencialmente “do mal” ou “maga negra”.

    GUI: Talvez esse Médium gostasse muito desse “arquétipo”, então algum guardião se manifestava com esse nome respeitando a crença do filho. E não seria a Maria Padilha mesmo.

    Será que Matta estaria totalmente Equivocado? um iniciado que lutou quase toda a sua vida em prol da Umbanda? visitou e pesquisou mais de 600 terreiros? etc.

    1. astrogildo

      O Matta e Silva não comenta que todo o Tarô está errado já que o correto (ao menos de acordo com ele) é que são 21 arcanos maiores e 57 menores? Quer asneira maior que essa? Isso desmerece o trabalho dele? De forma alguma, apenas faz com que nós tenhamos que prestar mais atenção e ser mais críticos com o que ele fala.
      Ou você acha também que o correto é 21 arcanos maiores?

  28. Guilherme

    @ astrogildo disse:O Matta e Silva não comenta que todo o Tarô está errado já que o correto (ao menos de acordo com ele) é que são 21 arcanos maiores e 57 menores? Quer asneira maior que essa? Isso desmerece o trabalho dele? De forma alguma, apenas faz com que nós tenhamos que prestar mais atenção e ser mais críticos com o que ele fala.
    Ou você acha também que o correto é 21 arcanos maiores?

    Não considero asneira já que ele tinha Guias do astral superior lhe orientando. E ele não concorda com essa cabala modifica e bagunçada. Magia não depende dela.

    Os grandes magos teurgicos dos antepassados não usavam essa cabala judaica. Era mais astrologia, etc. Existia conhecimentos anteriores a essa tradição.

  29. Guilherme

    @Peterson: Mais uma prova de que homens cometem equívocos… Enquanto você buscar as respostas em livros, fóruns, blogs e afins, sempre encontrará discordâncias e contradições. Essa é a superfície, o filtro que afasta os curiosos dos estudantes de verdade.

    Gui: Eu apenas dei um exemplo que vc não pode afirmar que tais autores estão equivocados. E o MDD é um ótimo estudioso de Ocultismo e Umbanda. Mas não concordo muito com essa teoria de dizer anjos cabalisticos são as mesmas entidades das Umbanda. Desencarnados.

    E o que eu falou já mostrei que foi atrav´s de conivÊncia etc.

    Também vc busca respostas em livros do Rubens ou não? Blogs de Umbanda.

    existem blogs sérios ou não? agora vc discorda dos outros e só sua opinião está certa?

    1. Inominado

      Guilherme você é muito troll meu! Se não ter argumento para de ficar dando argumento do espantalho! Uma coisa é você discordar, outra é querer ser a única opinião conclusa. Para de sair pela tangente meu, fica só enrolando.

      Ser um ótimo estudioso não quer dizer ser o único e o último sobre o assunto. Respeite também o conhecimento alheio e o esforço que os outros tem para abordar qualquer tipo de assunto.

  30. Inominado

    Sinceramente Peterson, não sei como você consegue aturar esse tipo de troll e chateação. Sinceramente torra a paciência de qualquer um…

  31. Guilherme

    @ inominado disse:Guilherme você é muito troll meu! Se não ter argumento para de ficar dando argumento do espantalho! Uma coisa é você discordar, outra é querer ser a única opinião conclusa. Para de sair pela tangente meu, fica só enrolando.

    Ser um ótimo estudioso não quer dizer ser o único e o último sobre o assunto. Respeite também o conhecimento alheio e o esforço que os outros tem para abordar qualquer tipo de assunto.

    GUI: e vc fica se escondendo com esse nome inominado. Apareça Thelemita! só pode ser um…

    Seja como eu que não tem medo de por o nome e mostrar verdadeiramente.

    Vc que é Trola em não ver minha sinceridade, apenas estou apredendo com meus acertos e defeitos.

    1. Inominado

      Inominado é só um pseudônimo, tem muita gente que comenta aqui sob alguma alcunha. Você está partindo para argumentos baixos e desviando do foco uma vez que você não detêm moral suficiente para embasar qualquer tipo de argumento coerente. Agora tem que ser Thelemita para discordar de você? Me poupe!…

      Eu não questiono sua sinceridade, mas sua falta de respeito em respeitar o estudo e esforço alheio. O Peterson teve uma paciência divina em tratar contigo educadamente e você ficou desmerecendo o conhecimento do cara de forma dogmática. O cara PRATICA umbanda, não somente estuda! Você pode se pautar na teoria, mas vai ficar somente preso a ela enquanto não tirar os preconceitos e traumas da sua mente.

      O cara tem a posição dele e você a sua. Adianta você querer fazer briga por nada? Claro, você é troll…

      Sugiro um tratamento psicológico urgente para a tua esquisoterice.

      Peterson, desculpe a confusão de posts, mas não dá pra ficar calado com esse tipo de opinião rasteira…

  32. Guilherme

    Digo inominado, pois parace muito um Thelemita que conheço. Sua forma de escrever e comunicar.

    A maioria deles gostam de travar discursão e ser o “sabichão”.

    Não estou fazendo briga! perceba desde o começo minha opinião do que vi…

    Agora se muitos gostam de defender a opinião dos outros problema seu cara.

    1. Inominado

      Hahahaha, e você critica isso mas toma a mesma postura de “sabichão”, acrescentando a falsa humildade. Me poupe Guilherme, não é a primeira vez que vejo você comentando asneiras aqui no TdC. Ainda mais criticando os “thelemitas” e até hoje não vi nenhum ligando para as tuas pérolas por aqui hahaha.

      “Agora se muitos gostam de defender a opinião dos outros problema seu cara.”

      hahaha, e você vive defendendo opiniões que não são suas, alheias dos livros que você lê, fica provocando discussão sem sentido e quando se sente acuado foge. Bonito Guilherme, bonito…

  33. tina

    ok, agora parem tá na hora de meditar e trabalhar em prol dos que precisam.

  34. simone

    lindo texto!! não sei nada, nunca estudei, sequer li algo a respeito, mas sempre a imaginei dessa forma….

  35. Mahamudh

    Pergunta bem fora do contexto mas não achei outro lugar onde eu poderia perguntar.
    Frequento um terreiro de umbanda tambor de mina, o que eu gostaria de saber é sobre as entidades pois na umbanda temos diversas linhas, pretos-velhos, caboclos, eres, baianos, boiadeiros etc, no tambor de mina em geral trabalha-se com todas essas linhas e uma linha de encantados com maior ênfase, inclusive, no terreiro que frequento o guia chefe é um encantado. Estas entidades podem ser os pretos-velhos e caboclos que se apresentam sob essa roupagem para atender os requisitos culturais do ambiente onde se iniciou essa vertente da umbanda( Maranhão e Pará) ? Ou são entidades completamente diferentes?
    Obrigado!!

    @Peterson: Segundo essa cultura, encantados são humanos que, durante sua vida carnal, “encantaram-se” e ascenderam a um outro nível consciencial e outra vibração, não tendo assim desencarnado. Isso é a única informação que sei sobre esta linha.

    Você já tentou conversar com o guia chefe ou o sacerdote sobre isso?

    Axé!

    Peterson D.

    1. Mahamudh

      Realmente é o que o guia chefe já disse a respeito dos encantados, que realmente eles não conheceram o desencarne.
      Sobre isso eu ainda não perguntei mas me veio a mente uma outra questão que eles me disse lá e gostaria de saber se você compartilha dessa opinião. A sacerdote disse que todos os caboclos se manisfestam também como exus, ela não disse exatamente com essas palavras mais foi isso que ela quis dizer. Concorda com esta afirmação?

      @MDD – Nao. Sao entidades diferentes. Pelo menos, até hoje, nunca vi algum exu ou caboclo que tenha afirmado que algum dia tenha se manifestado em outro terreiro como caboclo/exu…

      @Peterson: Há a possibilidade da ascensão de graus de um espírito, como por exemplo, um Exu atuar, após um tempo de serviços nessa linha, como um Boiadeiro, mas não é uma convenção nem uma necessidade. Nesse sentido, um Caboclo poderia ter sido um Exu, mas é praticamente inviável o contrário, e muito menos eles usarem ao mesmo tempo ambas as roupagens.

    2. Mahamudh

      Talvez tenha sido dito isso para que algumas pessoas (eu entre eles) que ainda não entendiam os exus perdessem o medo e o preconceito com os mesmos. Hoje eu já entendendo a função dos exus e principalmente que eles tem muita sabedoria.

      Obrigado!

      @Peterson: O medo de Exu é um reflexão do cultura Judaico/Cristã em que convivemos, onde há um eterno bem x mal, nossas sombras internas são desconsideradas e não há uma compreensão sobre a dualidade que existe em tudo.

  36. Rafael Pim

    Para uma reflexão maior sobre Exu e Pombogira, recomendo esses dois videos disponiveis no youtube, trata-se de uma “entrevista” como diz a entidade, se for para o bem e divulgar a doutrina da Umbanda que mal há ! já que a mesma sofre com a falta de conceito das pessoas.

    Sou suspeito a falar, pois eu estava presente no momento, o video é longo, mas é otimo.

    Laroye Exu !! Exu é de mojuba !!

    https://www.youtube.com/watch?v=jT6i8M9z8GA – Video 1
    https://www.youtube.com/watch?v=OS9UaPTXW0Q – Video 2

    É otimo ver pessoas como vc Del Debbio, esclarecendo as crendices e falta de conhecimento, mas estamos aqui para aprender sempre.
    Grande Abraço.

  37. Wilson

    Ola Marcelo, eu resolvi mandar um texto mais forte sobre esses assuntos espirituais para debate, caso você ache pesado é só deletar tudo, seria bom colocar esse texto na pagina principal para promover o debate.

    As Vagabundas do plano astral.

    Somente espíritos inferiores, atrasados e ignorantes como são essas pomba giras ou Maria mulambo podem fazer trabalhos para o mal, os espíritos luminosos jamais vão fazer alguma coisa para prejudicar uma pessoa, evocar espíritos desencarnados para fazer trabalhos de amarrações ou separar casais, mostra claramente a pobreza moral dessas entidades das sombras.

    @MDD – Wilson, esse texto é uma bosta, sem pé nem cabeça, sem lógica nenhuma, coberto de ignorância, preconceito e estupidez. Eu tenho tido bastante paciencia com voce, mas seus textos puxados de algum pastor evangelico kardecista sao apenas o retrato da ignorancia espiritualista nos dias de hoje. Não acho o texto “pesado”, acho uma porcaria sem fundamento nenhum nem para se começar algum debate, vindo de um autor que nao faz a menor ideia do que seja uma Pomba Gira.
    Eu ja respondi seus textos umas 5-6 vezes e tudo o que voce consegue fazer é tentar postar mais textos iguais e sem sentido, repetindo as mesmas baboseiras. Parece que voce nao é capaz de evoluir no pensamento.

  38. wilson

    E agora Marcelo da uma olhada nessa mensagem do exu serpente.

    Vejamos uma observação interessante e importante de um umbandista que pensa e raciocina.

    Certa vez acompanhei uma questão abordada com um grande amigo Exú Serpente a respeito de corte na Umbanda, se isto é válido ou não. Como este Exú não tem “papas na língua” foi logo dizendo:

    — “FILHOS, QUEM PRECISA DE SANGUE OU É VAMPIRO OU É SANGUE-SUGA, ENTÃO QUE TIPO DE ESPÍRITOS VOCÊS PRETENDEM ALIMENTAR COM SANGUE? QUE TIPO DE ESPÍRITOS EXIGEM SANGUE? COISA BOA NÃO HÁ DE SER. Espíritos realmente evoluídos não atentam contra a vida, a criação divina. Estes espíritos que estimulam o uso de sangue em trabalhos espirituais são, na verdade, espíritos vampirescos que induzem as pessoas a cometerem este absurdo de MANEIRA MUITO INTELIGENTE.”

    — “Considerem ainda que não podemos atentar contra a vida do que quer que seja para tentar ajudar o próximo. Atentar contra a vida é atentar contra as leis divinas. Como poderia o Pai permitir que uma vida fosse tirada pelas nossas mãos para que outra fosse salva? Como poderia o Pai permitir que se lhe fosse destruída a vida que Ele construiu? Não estaríamos infringindo a própria lei de Deus? Quem somos nós para fazermos esse tipo de justiça? Se prezamos pela vida e pela natureza como manda a Lei de Umbanda por que tentamos sempre destruí-la em benefício de terceiros (mesmo que seja o próximo)?”.

    Vou realçar essa Observação que é muito importante.
    — “FILHOS, QUEM PRECISA DE SANGUE OU É VAMPIRO OU É SANGUE-SUGA, ENTÃO QUE TIPO DE ESPÍRITOS VOCÊS PRETENDEM ALIMENTAR COM SANGUE? QUE TIPO DE ESPÍRITOS EXIGEM SANGUE? COISA BOA NÃO HÁ DE SER.

    ESPÍRITOS REALMENTE EVOLUÍDOS NÃO ATENTAM CONTRA A VIDA, A CRIAÇÃO DIVINA.

    Como bem disse esse espírito, quem precisa de sangue ou é Vampiro ou é Sangue- suga, que tipo de espírito desencarnado vocês pretendem alimentar com sangue???
    Que tipo de espíritos desencarnados exigem sangue???
    Coisa boa não há de ser.
    Essa é a questão chave.
    Os espíritos de luz ou espíritos elevados não precisam de coisas matérias, como, sangue, cigarros, farofa, velas, charutos, cachaça e despachos.
    Somente espíritos desencarnados ainda apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos, é que pedem essas coisas matérias.

    Trecho de entrevista concedida por Pai Agenor:
    “P – O sacrifício de animais, um dos ritos mais comuns e simbólicos do candomblé, é contestado pelo senhor. Por quê?
    R – ACHO QUE É UMA MALDADE. Os orixás, que são fragmentos da natureza, precisam de sangue? Matar os animais que representam a natureza? Matar, além de tudo, com uma faca, devagarinho, com cantiga, até chegar em uma palavra para tirar a cabeça do bicho. Não dá! Sou contra a matança. Na vida, tudo evolui com o tempo. O candomblé podia ter evoluído um pouquinho, ser mais moderado. O candomblé, hoje, é um luxo.”

    Vou realçar essa observação.
    ACHO QUE É UMA MALDADE. OS ORIXÁS, QUE SÃO FRAGMENTOS DA NATUREZA, PRECISAM DE SANGUE? MATAR OS ANIMAIS QUE REPRESENTAM A NATUREZA? MATAR, ALÉM DE TUDO, COM UMA FACA, DEVAGARINHO, COM CANTIGA, ATÉ CHEGAR EM UMA PALAVRA PARA TIRAR A CABEÇA DO BICHO.

    2) Trecho extraído do livro: “A Magia das Oferendas na Umbanda”
    – autoria: Pai Juruá
    Nas encruzilhadas de rua e de cemitério habitam os seres mais estranhos e terríveis, verdadeiros monstros, que alteraram a forma de seu corpo astral (zoantropia), devido a sua própria conduta mental e emocional. adulteraram completamente seus sentidos e seus objetivos na caminhada evolutiva, sendo seres viciados, dementados e na sua maioria perversos, coléricos e vingativos. estes são os famigerados quiumbas, seres que habitam a contraparte astral de locais como prostíbulos, matadouros, casas de jogos, cemitérios, bares e mesmo churrascarias, pois são loucos por sangue, morte, bebida e vícios, os mais variados.
    e são eles que recebem nas encruzilhadas de rua e de cemitério as oferendas feitas com sangue, animais mortos, ossos e todos os tipos de materiais de baixa vibratória.
    estes seres se agregam na aura dos infelizes que realizam tais práticas, como se realmente os vampirizassem, fomentando-os a realizarem sempre tais oferendas sangrentas no intuito de alimentá-los vibratoriamente.
    achamos importante, para esclarecer os irmãos umbandistas, repetir que fazer entregas em encruzilhadas de rua ou de cemitério é atividade perigosíssima, principalmente quando estas entregas levam elementos animais ou mesmo materiais densamente negativos

    ACREDITAMOS – POIS TEMOS CERTEZA – DE QUE O SANGUE ATRAI ESTA CLASSE DE ESPÍRITOS DO QUAIS FALAMOS.

    MATAR UM ANIMAL OU VÁRIOS E ENTREGÁ-LOS NO SEIO DA NATUREZA É UMA VIOLAÇÃO E UMA AFRONTA A ESTA MESMA NATUREZA

    3)Vejamos claramente que somente espíritos inferiores apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos pedem sacrifícios de pobres animais.
    ESTES SERES SE AGREGAM NA AURA DOS INFELIZES QUE REALIZAM TAIS PRÁTICAS, COMO SE REALMENTE OS VAMPIRIZASSEM, FOMENTANDO-OS A REALIZAREM SEMPRE TAIS OFERENDAS SANGRENTAS NO INTUITO DE ALIMENTÁ-LOS VIBRATORIAMENTE.
    Esse trecho é a Prova da quilo que eu falo, somente espíritos apegados a matéria, espíritos maldosos e ignorantes, podem pedir o SANGUE de animais, para absorver os fluidos vitais, numa pratica nefasta de vampirismo psíquico.
    Esses espíritos desencarnados possuem um perispirito denso, grosseiro, turvo, escuro e DEFORMADO, eles possuem uma forma perispiritual animalesca.
    NAS ENCRUZILHADAS DE RUA E DE CEMITÉRIO HABITAM OS SERES MAIS ESTRANHOS E TERRÍVEIS, VERDADEIROS MONSTROS, QUE ALTERARAM A FORMA DE SEU CORPO ASTRAL (ZOANTROPIA), DEVIDO A SUA PRÓPRIA CONDUTA MENTAL E EMOCIONAL.

    Como esses espíritos inferiores e obsessores não possuem mais seus corpos físicos para saciarem seus desejos e vícios, eles vão procurar ou caçar algum encarnado que tenha uma vontade fraca e tenha vícios, para serem vampirizados.
    ESTES SERES SE AGREGAM NA AURA DOS INFELIZES QUE REALIZAM TAIS PRÁTICAS, COMO SE REALMENTE OS VAMPIRIZASSEM, FOMENTANDO-OS A REALIZAREM SEMPRE TAIS OFERENDAS SANGRENTAS NO INTUITO DE ALIMENTÁ-LOS VIBRATORIAMENTE.

    Essas observações do pai juara estão de acordo com as minhas.
    MATAR UM ANIMAL OU VÁRIOS E ENTREGÁ-LOS NO SEIO DA NATUREZA É UMA VIOLAÇÃO E UMA AFRONTA A ESTA MESMA NATUREZA

    Um umbandista CRITICANDO os sacrifícios de animais, isso mostra o grave erro de matar um pobre animal nesses rituais, por que, somente espíritos inferiores pedem isso.
    Vocês acham que um espírito de Luz vai pedir sangue????

    4) Na obra Nos Domínios da Mediunidade pelo espírito de Andre Luiz, psicografado por Chico Xavier, encontramos esses trecho.

    “…As emanações do ambiente produziam em nós indefinível mal-estar.
    JUNTO DE FUMANTES E BEBEDORES INVETERADOS, CRIATURAS DESENCARNADAS DE TRISTE FEIÇÃO SE DEMORAVAM EXPECTANTES.
    ALGUMAS SORVIAM AS BAFORADAS DE FUMO ARREMESSADAS AO AR, AINDA AQUECIDAS PELO CALOR DOS PULMÕES QUE AS EXPULSAVAM, NISSO ENCONTRANDO ALEGRIA E ALIMENTO. OUTRAS ASPIRAVAM O HÁLITO DE ALCOÓLATRAS IMPENITENTES.
    Indicando-as, informou o orientador:
    — Muitos de nossos irmãos, que já se desvencilharam do vaso carnal, se apegam com tamanho desvario às sensações da experiência física, que se cosem àqueles nossos amigos terrestres temporariamente desequilibrados nos desagradáveis costumes por que se deixam influenciar.
    — Mas por que mergulhar, dessa forma, em prazeres dessa espécie?
    — Hilário — disse o Assistente, bondoso —, O QUE A VIDA COMEÇOU, A MORTE CONTINUA… ESSES NOSSOS COMPANHEIROS SITUARAM A MENTE NOS APETITES MAIS BAIXOS DO MUNDO, ALIMENTANDO-SE COM UM TIPO DE EMOÇÕES QUE OS LOCALIZA NA VIZINHANÇA DA ANIMALIDADE. Não obstante haverem frequentado santuários religiosos, não se preocuparam em atender aos princípios da fé que abraçaram, acreditando que a existência devia ser para eles o culto de satisfações menos dignas, com a exaltação dos mais astuciosos e dos mais fortes. O chamamento da morte encontrou-os na esfera de impressões delituosas e escuras e, como é da Lei que cada alma receba da vida de conformidade com aquilo que dá, NÃO ENCONTRAM INTERESSE SENÃO NOS LUGARES ONDE PODEM NUTRIR AS ILUSÕES QUE LHES SÃO PECULIARES, PORQUANTO, NA POSIÇÃO EM QUE SE VÊEM, TEMEM A VERDADE E ABOMINAM-NA, PROCEDENDO COMO A CORUJA QUE FOGE À LUZ…”
    Essa observação colocada por Andre Luiz, mostra que são os espíritos apegados a matéria e aos vícios, que se utilizam dos encarnados viciosos, para absorverem os fluidos da nicotina e da bebida, portanto, esses espíritos desencarnados que pedem bebidas, fumo, charutos e despachos, são espíritos presos as paixões e vícios matérias, espíritos de baixa evolução moral, eles estão numa faixa vibratória muito densa e grosseira.
    Como disse Andre Luiz.
    JUNTO DE FUMANTES E BEBEDORES INVETERADOS, CRIATURAS DESENCARNADAS DE TRISTE FEIÇÃO SE DEMORAVAM EXPECTANTES.
    ALGUMAS SORVIAM AS BAFORADAS DE FUMO ARREMESSADAS AO AR, AINDA AQUECIDAS PELO CALOR DOS PULMÕES QUE AS EXPULSAVAM, NISSO ENCONTRANDO ALEGRIA E ALIMENTO. OUTRAS ASPIRAVAM O HÁLITO DE ALCOÓLATRAS IMPENITENTES.

    Resumindo.
    Os espíritos de luz ou espíritos elevados não possuem necessidade matérias, eles não pedem velas, cigarros, charutos, cachaça e despachos, somente espiritos apegados a matéria pedem essas coisas.

    Para finalizar deixo essa observação de Andre Luiz para nossa reflexão.

    No livro Missionários da Luz, André Luiz nos traz um exemplo interessante, mostrando a necessidades que os espíritos de baixa vibração têm de vitalidade, ao ponto de extraí-lo do sangue dos animais mortos em um abatedouro:
    “Pelas vibrações ambientes, reconheci que o lugar era dos mais desagradáveis que conhecera, até então, em minha nova fase de esforço espiritual. Seguindo Alexandre de muito perto, via numerosos grupos de entidades francamente inferiores que se alojavam aqui e ali. DIANTE DO LOCAL EM QUE SE PROCESSAVA A MATANÇA DOS BOVINOS, PERCEBI UM QUADRO ESTARRECEDOR. GRANDE NÚMERO DE DESENCARNADOS, EM LASTIMÁVEIS CONDIÇÕES, ATIRAVAM-SE AOS BORBOTÕES DE SANGUE VIVO, COMO SE PROCURASSEM BEBER O LÍQUIDO EM SEDE DEVORADORA…
    Alexandre percebera o assombro doloroso que se apossara de mim e esclareceu-me com serenidade:
    – Está observando, André? Estes infelizes irmãos que nos não podem ver, pela deplorável situação de embrutecimento e inferioridade, ESTÃO SUGANDO AS FORÇAS DO PLASMA SANGUÍNEO DOS ANIMAIS. SÃO FAMINTOS QUE CAUSAM PIEDADE.
    Poucas vezes, em toda a vida, eu experimentara tamanha repugnância. As cenas mais tristes das zonas inferiores que, até ali, pudera observar, não me haviam impressionado com tamanho amargor.
    DESENCARNADOS À PROCURA DE ALIMENTOS DAQUELA ESPÉCIE? MATADOURO CHEIO DE ENTIDADES PERVERSAS? QUE SIGNIFICAVA TUDO AQUILO? Lembrei meus reduzidos estudos de História, remontando-me à época em que as gerações primitivas ofereciam aos supostos deuses o sangue de touros e cabritos. Estaria ali, naquele quadro horripilante, a representação antiga dos sacrifícios em altares de pedra? Deixei que as primeiras impressões me incandescessem o cérebro, a ponto de sentir, como noutro tempo, que minhas idéias vagueavam em turbilhão.
    Alexandre, contudo, solícito como sempre, acercou-se mais carinhosamente de mim e explicou:
    – Porque tamanha sensação de pavor, meu amigo? Saia de si mesmo, quebre a concha da interpretação pessoal e venha para o campo largo da justificação. Não visitamos, nós ambos, na esfera da Crosta, os açougues mais diversos? Lembro-me de que em meu antigo lar terrestre havia sempre grande contentamento familiar pela matança dos porcos. A carcaça de carne e gordura significava abundância da cozinha e conforto do estômago. COM O MESMO DIREITO, ACERCAM-SE OS DESENCARNADOS, TÃO INFERIORES QUANTO JÁ O FOMOS, DOS ANIMAIS MORTOS, CUJO SANGUE FUMEGANTE LHES OFERECE VIGOROSOS ELEMENTOS VITAIS. Sem dúvida, o quadro é lastimável; não nos compete, porém, lavrar as condenações. Cada coisa, cada ser, cada alma, permanece no processo evolutivo que lhe é próprio. E se já passamos pelas estações inferiores, compreendendo como é difícil a melhoria no plano de elevação, devemos guardar a disposição legítima de auxiliar sempre, mobilizando as melhores possibilidades ao nosso alcance, a serviço do próximo.”
    A EXPLICAÇÃO DADA PELO INSTRUTOR QUE ACOMPANHAVA ANDRÉ LUIZ É PROFUNDA, MOSTRANDO O O PORQUÊ DO SACRIFÍCIO DE ANIMAIS EM CERTOS RITUAIS DE QUIMBANDA E CANDOMBLÉ.
    Vou realçar essa observação importante de Andre Luiz.
    DIANTE DO LOCAL EM QUE SE PROCESSAVA A MATANÇA DOS BOVINOS, PERCEBI UM QUADRO ESTARRECEDOR. GRANDE NÚMERO DE DESENCARNADOS, EM LASTIMÁVEIS CONDIÇÕES, ATIRAVAM-SE AOS BORBOTÕES DE SANGUE VIVO, COMO SE PROCURASSEM BEBER O LÍQUIDO EM SEDE DEVORADORA…
    ESTÃO SUGANDO AS FORÇAS DO PLASMA SANGUÍNEO DOS ANIMAIS. SÃO FAMINTOS QUE CAUSAM PIEDADE.
    DESENCARNADOS À PROCURA DE ALIMENTOS DAQUELA ESPÉCIE? MATADOURO CHEIO DE ENTIDADES PERVERSAS

    Nessas explicações na obra de Andre Luiz, vemos que o objetivo dos espíritos desencarnados de baixo padrão vibratório é absorver os fluidos vitais do sangue dos animais que são sacrificados nesses centros de candomblé e quimbanda, existe alguns centros de umbanda sem estudo que pratica também esses sacrifícios.
    O objetivo é o Vampirismo psíquico praticado por espíritos inferiores de baixas vibrações mentais e morais, da mesma forma esses espíritos atrasados absorvem os fluidos da nicotina e da bebida dos encarnados que se entregam a esses vícios deprimentes.
    Os espíritos elevados ou espíritos de luz não possuem necessidades matérias e nem apego as coisas matérias, eles estão moralmente depurados dessas coisas.
    Os espíritos de luz estão num padrão vibratório elevado livre das paixões matérias e desejos e vícios terrenos.
    Somente espíritos inferiores de baixas vibrações mentais e morais, podem precisar ou pedir coisas matérias como, cigarros, cachaça, charutos e sacrifícios de pobres animais.

    Wilson Moreno na busca da Verdade.

    1. Mauricio

      Viu, Wilson, mas você diz e se contradiz, não entendo, de que religião você é? a verdade é uma só, que o ser humano passa por vários campas até atingir sua evolução, essa é verdade que tudo está em transição, nada é parado, lindas flores nascem mas eventualmente morre, tudo é transitório.

  39. Mauricio

    Olá, gostaria de perguntar uma coisa, Exu Belzebu, ele é um Kiumba?

    @MDD – depende da casa… qualquer um pode se dizer “exu qualquer-coisa” mas pra ser Exu tem de trabalhar dentro da Lei”. Exu nao faz amarração, nao organiza vingança, nao traz a pessoa amada e nem faz pactos… se o fulano falar que é exu e fizer qualquer uma dessas coisas, ja sabemos que é um trambiqueiro astral se passando por exu.

  40. Mauricio

    Olá, tem algum problema, ter imagens de um ou vários exus dentro de casa? além de eu ter o meu Exu guardião, tenho outros que são de minha fé, mesmo o meu guardião, pedindo para por uma quartinha com agua, e outra com Wisky, tem algum problema? nunca pediram sacrifícios, nem nada dessas coisas, e também não pede nada em troca, e minhas entregas sempre são feitas em encruzas de terra, e nunca com carne, sempre fruta, ou outras coisas.

    @MDD – provavelmente nao.

  41. Mauricio

    Eu entendo tudo isso que você disse, espirito em evolução, tipo de casa, qualidade do espirito, só que temos que saber que a Umbanda é uma só, hoje existe um monte de Umbanda, Umbanda Branca, Umbanda Kardecista, Umbanda de Zambi, nada haver, a Umbanda é uma só, e problema da Umbanda nesses tempos é que sofre muita influencia cristã, é onde surge os charlatões, e se for puxar pela raiz, a Umbanda que veio de angola pelos negros da África, não era cristianizada, por exemplo, Oxalá, não é cristo, é uma divindade africana é um Orixá Africano, e sim, a Umbanda tem sim seu lado negativo, no qual vira Quimbanda, pois não existe centro de Quimbanda, já viu alguma faixada escrito “Templo de Quimbanda” eu nunca vi, a entidade trabalha de acordo com a cabeça do médium, você sabe disso, de acordo com o médium é doutrinado, a entidade também se doutrina, não posso concordar em uma situação que um homem arranca tua mulher na magia, e você fica chupando o dedo, e pedir a cristo que os abençoe, isso é ridículo, desculpe, mas quem faz isso não é muito certo da cabeça, e concordo sim, em usar a magia para trazer seu amor que foi tirado de você.

    1. Marcus

      Se for puxar pela raiz a Umbanda não veio veio da Africa trazida pelos escravos. A Umbanda é uma forma de religião genuinamente brasileira que absorveu elementos das diversas culturas que formam a nossa nação, como o panteão de orixás africanos, a cultura indígena e também o cristianismo europeu. Por isso não podemos dizer que a Umbanda é uma só, ela é plural e universalista. O senhor está equivocado nas suas argumentações.

      Recomendo a leitura da História da Umbanda de Alexandre Cumino, nesse livro ele fez uma vasta pesquisa e bem fundamentada, com dados e registros históricos mostrando a origem da Umbanda e em que momento ela adquiriu este viés africanista.

Deixe uma resposta