Magia Negra no Feng Shui

Sabedoria do Tao

Bank_of_China_Tower

Por Gilberto Antônio Silva

As pessoas de modo geral têm uma visão bastante equivocada do Feng Shui. Acham que é aquilo que aparece nas revistas de decoração e programas femininos, onde se coloca um sofá cor de mostarda na sala para harmonizar o “cantinho da prosperidade”. Isso tudo é bobagem. O Feng Shui tradicional chinês é uma poderosa ferramenta para se manipular energia. E manipulação de energia pode ser usada para qualquer fim que se deseje, benéfico ou não. Vou mostrar um bom exemplo disso.

Antes gostaria de deixar clara minha definição de “magia negra”, que muitos poderão achar simplista, mas que considero muito prática e objetiva: Magia Negra é toda manipulação de energia sutil ou forças naturais com finalidades egoístas e/ou que causem prejuízos a outros de modo deliberado.

Dentro do Feng Shui existem várias técnicas de estudo das formas do ambiente que se incluem nas chamadas “Escolas das Formas” como “Luan Tou” (“Topo da Montanha”) ou “Xing Fa” (“Método da Forma”). Acredito que não precise explicar aqui a importância das formas geométricas e suas influências energéticas, fartamente exploradas pelos grandes iniciados antigos, dentre eles os taoistas chineses.

Ainda hoje a Escola da Forma é uma das principais escolas utilizadas pelos consultores tradicionais do Feng Shui chinês e essencial para se compreender muitas coisas sobre a localização do imóvel e suas influências. Começa-se uma análise de Feng Shui tradicional sempre pela região ao redor do imóvel e só depois é que se passa a examiná-lo especificamente. Primeiro procura-se sentir o que o ambiente transmite ao objeto de nosso estudo para que possamos começar a compreender o conjunto de influências que se apresenta.

Uma das noções básicas das formas está nas chamadas Flechas ou Setas Envenenadas. Isto é um perigo real que deve ser cuidadosamente verificado e neutralizado. Ou utilizado para outros fins, dependendo da motivação do usuário.

Por Seta Envenenada compreendemos qualquer coisa que aponte em linha reta para outro local. Linhas retas não existem na natureza, de modo que isto altera as configurações de Qi e cria um Qi nefasto chamado de “Sha Qi” (“energia mortal” em tradução livre). Coisas banais podem ter Sha Qi, como o caminho de cimento entre o portão de uma casa e a porta principal. Se ele for reto, o Qi irá ser direcionado em maior velocidade e fluxo do que o normal, o que acarretará problemas em todo o imóvel, pois a entrada principal é justamente o lugar mais importante por onde o Qi entra. Como é uma forma artificial, ela cria um fluxo artificial de Qi de grande intensidade e direcionamento. Por isto é algo nocivo.

Em Hong Kong a utilização do Sha Qi para incomodar a concorrência comercial ou desafetos particulares é bastante comum. As fotos mostram um exemplo recorrente disso, que utilizei em meu livro “Dominando o Feng Shui”. É a sede do Banco da China em Hong Kong, que é formado por uma torre extremamente alta com três lados em seu topo e muitas faces na base, de modo que seus vértices formem “setas envenenadas” contra seus concorrentes. Isso atinge diretamente o Deutsche Bank, o Citibank, o HSBC, Bank of América e o Centro Financeiro do Extremo Oriente, por exemplo. Desse modo ele minaria alguma parte, ao menos, do poder de seus concorrentes.

Acontece que uma destas “flechas” acabou apontada para um prédio onde ficava o gabinete do governador de Hong Kong. Um especialista em Feng Shui foi imediatamente consultado e mandou plantar uma árvore grande entre o gabinete do governador e a “flecha envenenada”, neutralizando sua ação. Existem diversas técnicas para neutralizar esse tipo de influência nociva e, se desejado, devolvê-la ao agressor na forma de um contra-ataque.

Isso derruba a idéia leiga muito em voga de que “se não der certo, mal também não faz”. Toda manipulação de energia acarreta um efeito, um resultado. O Ba Gua colocado na porta da residência é um destes exemplos de coisas que podem ser feitas sem conhecimento e que podem prejudicar muito as pessoas. Podemos discutir melhor isso posteriormente.

______________________________________
Gilberto Antônio Silva é Parapsicólogo, Terapeuta e Jornalista. Como Taoista, atua amplamente na pesquisa e divulgação desta fantástica cultura chinesa através de cursos, palestras e artigos. É autor de 14 livros, a maioria sobre cultura oriental e Taoismo. Sites: www.taoismo.org e www.laoshan.com.br

Este post tem 19 comentários

  1. Diego Castro

    Olá Gilberto,

    Ótimo texto, por favor continue publicando!

    1. Gilberto

      Agradeço o interesse, Diego. Temos uma parceria forte com o Marcelo e vamos publicar todos os meses aqui, em primeira mão!

  2. TP

    Matéria incrível.

    Algumas dúvidas: provavelmente outras pessoas poderão pensar em outros exemplos, mas uma água represada e não-incomodada, como numa caverna subterrânea, não é um exemplo de linha reta na natureza? Mesmo se as paredes, ou o fundo daquilo que a comportar, sejam inclinadas, pela gravidade, ela ficará “perfeitamente” reta.

    Outra questão: a teoria da flecha envenenada pode explicar a influência que instrumentos de cordas (retas) exercem sobre o humor das pessoas?

    Abraços.

    1. Gilberto

      Na verdade, não. Para ser uma “seta envenenada” ela precisa ser sólida e direcionada. A superfície da água não aponta, em realidade, para nada. Você diria que a água em um copo na sua frente está “apontando” para você? 🙂

      1. TP

        Com certeza não! Rsrs.

        Desculpe se me expressei mal. Com relação ao lago, não me referia à seta envenenada, mas a essa parte da matéria:

        § 6º “Linhas retas não existem na natureza.”

        Ou seja, o que quis perguntar foi: a superfície da água é um exemplo de linha reta na natureza, por mais que não aponte para nada, certo?

        Obrigado pela matéria, ela para mim foi incrível e me despertou a vontade de voltar a estudar mesmo que superficialmente o I Ching, para quem sabe um dia poder estudar e entender o Feng Shui.

        1. Gilberto

          Legal que tenha se animado a estudar o I Ching. Ele é a base de todas as técnicas taoistas. Sobre a linha reta, talvez eu precise explicar melhor meu ponto: a superfície de um lago não é uma “linha reta”, mas uma “superfície plana”, definiçáo de geometria. 😉

  3. Cristiane Emmilene Deretti

    Oi,

    Que livros seria indicados para estudar realmente o feng shui Del Debbio ou Gilberto, (além do próprio Gilberto)?

    Abraços.

    1. Gilberto

      Olá, Cristiane. Qualquer livro de Eva Wong é muito recomendado. Ela tem um excelente, “Feng Shui – A Antiga Sabedoria do Viver em Harmonia nos Tempos Atuais”. Também a obra do arquiteto Carlos Solano, “Arquitetura Ambiental Chinesa”, é muito interessante para se entrar no espírito da técnica. Só náo recomendo obras da Escola do Chapéu Preto por não ter nada a ver com o Feng Shui tradicional chinês.

      1. Cristiane Emmilene Deretti

        Grata Gilberto.

  4. Jonathan

    Oi Gilberto, que livros você recomendaria para quem deseja começar a aprender o Feng Shui? Obrigado, o texto está excelente.

  5. Gilberto

    Olá, Jonathan. Para iniciantes que desejam começar no Feng Shui tradicional chinês eu recomendaria meu livro “Dominando o Feng Shui”. Porque diferente de outros, ele é um curso completo em 24 aulas – cada capítulo é uma aula. Didaticamente ele vai desde o “zero” até técnicas avançadas e complementares. Era o mesmo conteúdo de meus cursos que eu converti em livro para facilitar a divulgação dessa técnica. Por coincidência, ele está em promoção esta semana. Confira em:
    https://clubedeautores.com.br/book/37958–Dominando_o_Feng_Shui?topic=filosofia#.VZxbSLVWpec

    1. Jonathan

      Muito obrigado Gilberto.
      Realmente me faltava um conteúdo que explicasse do zero.
      Gratidão

  6. Franco-Atirador

    Sensacional. Mas o que faz a energia que passa pelo banco (no caso do exemplo), e é transformada em Sha Qi, “atacar”, ser direcionada apenas à outros bancos e não dispersa de forma aleatória ou pelo fluxo natural pelo ambiente?

    1. Gilberto

      Exatamente as quinas do prédio. Elas direcionam a energia que se move rapidamente e em maior quantidade do que se fosse dispersa pelo ambiente. A flecha envenenada é apenas isso: um direcionamento de energia. Se você tem um lago, a água é tranquila. Mas se colocar um cano para fora em uma extremidade, como ocorre nas represas, a água vai sair por lá com grande velocidade, e na direção em que o cano apontar.

      1. Franco-Atirador

        Sim, isso eu entendi. O que não entendi é por que essa água vai em direção a outros bancos (continuando no exemplo) e não pra frente ou qualquer outro lugar. Seria um trabalho em conjunto com uma egrégora? u]Uma intenção que direciona a energia a prejudicar outros bancos?

  7. Franco-Atirador

    … Ao invés de, por exemplo, desembocar na barraquinha de pastéis do senhor Myagui.

    1. Gilberto

      A seta envenenada vai para onde aponta, não importa se é um banco ou a casa do governador, como coloquei no texto. É a direção que importa, pois energia não pensa. 😉

  8. Wilson

    Gilberto, boa noite !

    Excelente texto, muito interessante mesmo, vou procurar os livros que mencionou em comentários anteriores ! Uma dúvida que surgiu ao ler o texto e os comentários, quinas internas em uma casa por exemplo, configurariam então setas envenenadas ? Por quina interna estou falando por exemplo de minha casa, onde entre a sala e a copa, há um lavabo, sendo então que ele se configura como se fosse um “retângulo” colocado dentro de casa, de modo que ele oferece então 2 quinas, uma “apontada” para um determinado ponto da sala, outra “apontada” para um determinado ponto da copa… neste caso, seriam 2 setas envenenadas dentro de casa ?
    Obrigado !

    Wilson

    1. Gilberto

      Olá, Wilson. Sim, as quinas internas também constituem setas envenenadas. Nesse caso o melhor é não colocar nada importante no caminho delas, nenhum lugar em que pessoas fiquem muito tempo. Essas quinas internas têm uma ação mais forte em relação às pessoas. Se for apenas passagem ou TV, fogão, geladeira, estante, não tem problema. Um abraço

Deixe uma resposta