Hermes, Benedito e a Cadeira

Agora que sou um colunista neste Portal, estive pensando no que seria o conceito principal que procuraria defender e elaborar aqui. Como tendo a ver a espiritualidade de forma ecumênica, acredito que essa “conciliação de pensamentos”, esse ponto de encontro de diversas doutrinas e filosofias diferentes, parece ser uma causa nobre a ser buscada. Mesmo ateus e agnósticos, quando seres de certa espiritualidade, hão de concordar que o Cosmos é um lugar sagrado, que a Natureza é divina, e nesse caso não é necessário erguer um “deus barreira” entre nós… Talvez, o verdadeiro Deus esteja exatamente no entendimento, no movimento de um em direção ao outro, enfim, no amor possível entre todos nós – os seres da Criação.

Bem, e este diálogo é em homenagem a esta ideia:

(Hermes) Vê aquela cadeira, Benedito?

(Benedito) Claro, um belo exemplar talhado em madeira nobre.

(H.) Você sabe quem a talhou?

(B.) Certamente algum carpinteiro, mas não o conheci…

(H.) Do que necessitou para fazer esta obra?

(B.) Bem, além da madeira, provavelmente as ferramentas para o entalhe.

(H.) Ignoremos as ferramentas, você concordaria comigo em que o material principal foi à própria madeira, certo? Pois bem, imaginemos este nobre carpinteiro prestes a executar o entalhe, o que diria se no seu ateliê não existisse nenhuma madeira?

(B.) Bem, que ele certamente precisaria ir a alguma madeireira para comprar mais madeira…

(H.) Mas e se não existissem madeireiras?

(B.) Como assim? Nesse caso teria ele mesmo que ir derrubar árvores e extrair a madeira.

(H.) E se não existissem árvores? E se não existisse nenhuma madeira no mundo?

(B.) Porque suas conversas sempre ficam tão estranhas?

(H.) Isso não importa agora, o que importa é que você pense no que lhe falei…

(B.) Bem, supondo que não existissem árvores, nós tampouco existiríamos, e esse carpinteiro subitamente se torna alguma espécie de deus, ao meu entender.

(H.) Mas pensemos na cadeira: mesmo que não houvesse madeira nenhuma, ainda assim ela já estaria pronta, concorda?

(B.) Pronta aonde?

(H.) Na mente do carpinteiro. Ou você acredita que um carpinteiro possa dar sequer o primeiro entalhe nalgum bloco de madeira antes de ter a cadeira pronta em sua mente?

(B.) Compreendo. De fato: mesmo que não existisse madeira nenhuma no ateliê, o carpinteiro já poderia ter a cadeira pronta na própria mente, apenas esperando a madeira para construí-la.

(H.) Mas se não existisse madeira nenhuma, ela antes teria de ser inventada…

(B.) Aonde quer chegar?

(H.) Ora, e não é óbvio? Para se construir uma cadeira à partir do nada, antes é necessário inventar todo o Cosmos!

***

Posts relacionados a este tema, no meu blog:

» Como criar um universo (trecho do Projeto Ouroboros)

» Reflexões sobre o nada (em 3 partes)

» Maldito Benedito (em 2 partes)

***

Crédito da imagem: Photo2217

 

O Textos para Reflexão é um blog que fala sobre espiritualidade, filosofia, ciência e religião. Da autoria de Rafael Arrais (raph). Também faz parte do Projeto Mayhem.

» Ver todos os posts da coluna Textos para Reflexão no TdC

 

Este post tem 15 comentários

  1. HiroNakamura

    Abstratismo e realismo,
    A terra a água o fogo e o ar são realismo para nós. Mas se pensarmos bem vivemos na mente de deus, então a terra a água o fogo e o ar são abstratismos também. Nós próprios seriamos abstratismos. Então o que é real? Eu diria que a consciência é real. Não essa consciência limitada da personalidade, mas a consciência que se encontra na essência do que somos.
    Vivemos em um mundo abstrato, fruto de nossa mente. No entanto abstrato e real é relativo ao observador. O físico é um realismo para a personalidade e um abstratismo em planos mais sutis. Já uma idéia é um abstratismo no físico e pode ser um realismo em outro plano. Porém a idéia quando “materializada” (uma pintura) não se tornou um realismo? Ou seria um abstratismo/realismo? Mas ao se tornar real, a idéia tomou uma forma limitada ao físico, se ela tinha cheiro, profundidade, movimento, nada disso estará na pintura. Ao pintar a cena idealizada, o artista limitou o potencial de desenvolvimento da idéia, ela ficou vinculada a uma imagem estática. Por outro lado, uma outra pessoa ao ver aquela imagem tentará abstraí-la, e enxergar profundidade, movimento, cheiro, criando ou desenvolvendo uma nova idéia, um novo abstratismo, algo que lhe parece mais “real” do que aquela imagem.
    @raph – a água é sempre mais pura e cristalina na fonte, porisso as vezes temos de subir a montanha, se quiseremos beber da água mais pura…

    1. Luiz

      raph meu chapa realmente acho que é isso que me falta agora, subir mais um pouco =]
      obrigado por essa ajuda indireta rs o/

  2. Francisco

    Carl Sagan, em Cosmos.
    @raph – Isso é interessante, ver como é um assunto abrangente. Carl Sagan inicia um episódio de Cosmos com essa frase (citada noutro comentário aqui), mas também o “Caibalion” (3 Iniciados) toca no assunto, bem como a “Ética” (Espinosa) e certamente muitos outros filósofos, ocultistas, espiritualistas e cientistas não citados. Este é o ponto de encontro: o momento em que, não importa nossa crença ou descrença, temos de analisar conjuntamente, pois de fato ocorreu – algo existe.

  3. Este post fica ainda mais interessante, se olharmos da perspectiva da existência de vários mundos e da superposição do papel de cada um. Onde o pensamento toma forma, a cadeira já está materializada…

  4. Mariana

    “If you wish to make an apple pie from scratch, you must first invent the universe.”
    — Carl Sagan
    @raph – Exato, eu só não linkei o vídeo do Cosmos em que ele inicia falando isso porque retiraram do ar no YouTube 🙁
    @raph – Eu encontrei o vídeo apenas em inglês, então atualizei o post original no meu blog. Para quem consegue entender inglês e ainda não conhece o Cosmos de Sagan, vale a pena dar uma olhada: “A torta de maça” – http://textosparareflexao.blogspot.com/2008/02/torta-de-maa.html

  5. Curioso

    MDD , não é relacionado ao post, mas são umas dúvidas que tenho quem sabe você pode responder. Eu sei que você é da AMORC.
    Qual a difença entre a AMORC e a Fraternidade Rosacruz ?
    Porque a AMORC cobra pelos cursos de correspondências e impõe mensalidades ao seus membros e “comercializa” esse conhecimento , inclusive vendendo livros com preços caros ?,
    Porque a Fraternidade Rosacruz não cobra pelos cursos de correspondência, não cobra taxas ou mensalidades de seus membros, seus livros lançados são vendidos a preços baixos e disponibilizados de graças via PDF ?
    @MDD – A resposta para sua pergunta é simples: Porque água, luz, aluguel, correios e gráficas ainda são serviços cobrados no mundo profano. Todas as Ordens que tenham templos físicos (maçonaria, rosacruzes, o que seja) e enviem monografias fisicas (livros, revistas, etc) tem gastos, e estes gastos são cobrados dos membros. São gerenciamentos diferentes e que em nada tornam uma melhor ou pior que a outra.

    1. Renato Cardoso

      Curioso,
      Peço licença para complementar a resposta do Frater Marcelo já que você tocou num ponto que incomoda muita gente.
      A Amorc não cobra pelos ensinamentos porque muita coisa já se encontra no mundo profano, temos como a projeciologia (já existe até federação), visualização criativa, leia o livro “O Segredo”, e outras coisas que é só procurar que vai achar. Logicamente existem assuntos que fazem parte da Tradição Rosacruz que são tratados e conhecidos somente pelos membros da AMORC, mas o fato é que, a AMORC é considerada até pelos seus antagonistas a maior organização mística existente. Convenhamos, existem despesas de impressão de monografias, correios, caso você não tenha recebido algum lote de monografias ou revistas é só ligar que enviam outro lote ou revista gerando assim mais despesa. As pessoas que trabalham na Grande Loja tem que receber salário, a demanda é grande e o serviço é muito sério para ficar na mão de voluntários que muitas vezes não tem compromisso. Outro aspecto é a metodologia, na Loja Belo Horizonte Loja esta em que sou filiado conheci um Frater que já passou por 22 Ordens, e ele foi muito claro, não existe metodologia melhor, não existe seqüência de ensinamentos com tanta coerência e inter-relação quanto ensinamentos da AMORC. Por tanto meu caro, se existe simpatia ou você sentiu interiormente que deve se afiliar vá sem medo. E não se preocupe com essas questões, porém se isso realmente te incomoda você também é livre para buscar outra Organização, desde que esta se comprometida com os ideais místicos de evolução e reintegração com o Deus do seu coração e da sua compreensão. Tudo na vida é como um livro de leis naturais aberto a todos que adquiriram a capacidade de lê-lo. Acredito que você já ouviu ou leu a frase “Todas as respostas já foram dadas, cabe a cada um a tarefa de fazer as perguntas certas”.
      Paz Profunda

      1. Hounston Santos

        Alguns Fratres e Sorrores, que também já passaram por outras ordens, me disseram praticamente a mesma coisa.

  6. Roberto .'.

    Isso me lembrou o Raulzito: “Carpinteiro do universo eu sou”
    @raph – Heh, não lembrava disso, qual é a música dele que tem esse trecho?

    1. Roberto .'.

      A música se chama Carpinteiro do Universo mesmo, excelente a propósito!
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Não sei por que nasci
      pra querer ajudar a querer consertar
      O que não pode ser…
      Não sei pois nasci para isso, e aquilo,
      E o inguiço de tanto querer.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Humm…Estou sempre,
      pensando em aparar o cabelo de alguém.
      E sempre tentando mudar a direção do trem.
      À noite a luz do meu quarto eu não quero apagar,
      Pra que você não tropece na escada, quando chegar.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      O meu egoismo, é tão egoísta,
      que o auge do meu egoismo é querer ajudar.
      Mas Não sei por que nasci
      pra querer ajudar a querer consertar
      O que não pode ser…
      Não sei pois nasci para isso, e aquilo,
      E o inguiço de tanto querer
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou.
      Carpinteiro do universo inteiro eu sou (Ah eu sou assim!).
      No final,
      Carpinteiro de mim!
      @raph – Que legal, eu realmente não conhecia essa… encontrei no YouTube também: http://www.youtube.com/watch?v=gPI_UX1qnBg Obrigado!

      1. Felipe

        Difícil achar uma música do Raul que não tenha um “toque” =]
        Sou suspeito pra falar porque também sou “fã”. Ouvindo Raul, em momentos de reflexão que passei, percebi MUITAS coisas interessantes =]

  7. Jonatas Carneiro de Arruda

    “Penso, logo existo” Tem alguma coisa relacionada ou estou viajando?
    @raph – Não, isso tem a ver com o tema também, embora não esteja diretamente claro no diálogo. Quem falou isso foi Descartes, e Espinosa foi seu continuador… Embora Descartes tenha dividido a natureza em duas substâncias – a física e a espiritual -, Espinosa postulou que no fundo havia somente uma única substância, a “substância que não poderia criar a si mesma”, da qual tudo o que há no Cosmos se irradiou… Maiores detalhes sobre esse assunto no link ali acima: “Maldito Benedito”.

  8. Curioso

    Renato Cardoso e MDD, grato pela resposta.
    Na realidade a questão econômica não me incomodou no geral, o que incomodou foi porque duas organizações que trazem o “mesmo conhecimento” agiam de formas diferentes na transmissão desses conhecimentos. Fui dá uma pesquisada e descobri que na Fraternidade Rosacruz eles não cobram para dá cursos por correspondência e procuram vender seus livros pelo menor preço possível e que esses mesmos livros são disponíveis em PDF para serem baixados gratuitamentes. A idéia de compartilhar isso de forma gratuita foi uma da exigência transmitidas a Max Heindel, dito por “Irmãos Superiores”.
    A Fraternidade Rosacruz é muito ligada com o Cristianismo de uma forma indissociável, já a AMORC não dá toda essa enfâse.
    Uma pessoa que esteja na AMORC pode está associada a muitas outras ordens, já na Fraternidade Rosacruz eles só dão continuidade a um membro fazer parte da ordem de forma definitiva se o membro for exclusivo da Fraternidade Rosacruz ( tem exceções a serem membros de igrejas, as quais não são consideradas Ordens).
    Ficou no ar para mim, o porque da Fraternidade RosaCruz se centrar no cristianismo, já que houve muito “avatares” iluminados que passaram pelo nosso mundo, tais como Buda . É como se o avatar Jesus fosse superior ou melhor que os anteriores, pessoalmente isso me colocou em dúvidas.
    Também não entendi o porque da exclusividade numa única ordem. Por exemplo se o MDD fosse da Fraternidade Rosacruz ele não poderia ser filiado a nenhuma das inúmeras ordens a qual ele faz parte. Por esse lado, a AMORC dá mais liberdade.
    Eu me interesso muito em fazer parte de uma ordem ligada a Rosacruz, e estou em dúvidas entre a Fraternidade Rosacruz e a AMORC. Vejo vantagens e desvantagens em ambas, mas não nego que a liberdade dada pela AMORC me atrae mais.

  9. Peterson

    “viver não é necessário; o que é necessário é criar”
    Parabéns pelo texto Raph. Sempre trazendo pontos de vista interessantes para nossa reflexão.

  10. Leonardo

    If you wish to make an apple pie … you must first invet the universe ..

Deixe uma resposta