Espíritos

Já viram aquele disquinho cheio de cores que, quando girado em alta velocidade, fica branco? Fascinante, não? Nos dá uma idéia do quão deficiente é nosso olho pra registro de imagens em velocidades (vibrações) mais elevadas. Ainda não entendo como alguns podem pensar que o ser humano é o supra-sumo da evolução em todos os departamentos, que o que ele não vê (nem pode provar que vê) não existe. Alguns animais, como a abelha e o beija flor, enxergam em freqüências que o ser humano não consegue. Os gatos e cachorros freqüentemente percebem coisas que nós não percebemos. Já viram um cachorro latindo pra parede? Já viram um gato acompanhando com os olhos algo que você não está vendo? Já perceberam que, em ambos os casos, eles olham pra altura da cabeça de um ser humano, e não no nível deles?

Os gatos eram venerados no Egito. Os egípcios eram fascinados pela idéia de vida após a morte. Diziam que o gato era um facilitador da passagem pro outro mundo, um mediador (médium). Os gatos (não sei se todos) possuem sensibilidade para ver espíritos (não sei em que freqüência, nunca entrevistei um gato), assim como alguns médiuns humanos. Mas, o que leva algumas pessoas a verem espíritos e outras não? Boa pergunta… Aliás, ótima pergunta. Se alguém provar que é algum gene defeituoso pode ganhar o prêmio Nobel de Medicina. Muitos livros já foram escritos, mas pelo visto nenhum veio com a resposta definitiva, pois parece envolver um monte de fatores, como campo magnético, sensibilidade da pessoa, missão na Terra, etc. Mas o fato de não ter uma resposta concreta pra esse fenômeno não pode descaracterizar o fato de que muitas pessoas vêem!! Não se pode negar a existência de espíritos só porque você não quer acreditar no que outras pessoas relatam em circunstâncias que não deixam margem pra dúvida. Os espíritos não vão deixar de existir por causa de pessoas que não acreditam nisso. Nem Deus vai deixar de ser Deus porque existem ateus. O mundo seria melhor se todos nós víssemos espíritos? Não tenho certeza… os crimes iriam diminuir drasticamente, quando as pessoas mortas aparecessem ao pé da cama do assassino todas as noites, mas também não haveria mais privacidade pra ninguém. Os mais paranóicos iriam instalar gaiolas Faraday em volta das suas casas, as crianças iriam ser todas traumatizadas com os “bichos papões” e outras desgraças do umbral que ficam circulando por aí.

Deus sabe o que faz em nos poupar de certas coisas. É por isso que, enquanto não dispormos de ética, amor e responsabilidade com os semelhantes, certas ferramentas (os Siddhas) ficam automaticamente inacessíveis, para nosso próprio bem.

Mas, o que seriam os espíritos? Seria uma mentira que nasceu nas mais diversas culturas e se perpetuou até hoje, do pesquisador francês ao índio no Xingu? Da antiga Grécia às tribos da Nova Zelândia? Uma coisa é ser cético, outra é ser desonesto consigo mesmo e com os outros, e querer varrer pra debaixo do tapete um conhecimento global, multifacetado e milenar, simplesmente porque vai contra as suas aspirações! É algo que no mínimo merece ser analisado cuidadosamente. Como não gosto de tomar partidos, não vou dizer que o espiritismo responde a todas as questões sobre espíritos, muito embora seja a doutrina que mais se dedicou em esclarecê-los. E se os espíritos forem na verdade falhas no véu do tempo, e estaríamos assim apenas assistindo a cenas do passado? Isso pode acontecer (em castelos, ou lugares “mal-assombrados”) mas a teoria falha em abarcar todos os fenômenos, pois é mais comum que os espíritos interajam nesta realidade, neste tempo. Se formos tomar as explicações dos espíritos como verdade, eles então seriam pessoas como nós que morreram pra esta dimensão mas continuam as mesmas, em outro plano vibracional mais alto, invisível para nós. Isso pode ser verdade do ponto de vista deles, mas será que é assim mesmo? E se eles forem reflexos individuais de algo muito maior? Como softwares que são descartados mas não se dão conta disso, e continuam executando o trabalho para o qual foram programados? E se o Universo for como um holograma, e cada personalidade for um pixel (ponto) de luz com certa característica e luminosidade, e, juntando todos esses pontos, formar uma imagem? Não seríamos indivíduos formando uma unidade?

Bem, essas são só questões pra fazer vocês pensarem. Não tenho a menor pretensão de respondê-las, porque não sei. Questionem, duvidem, não a dúvida cega de quem se acha dono da verdade, mas a dúvida daquele que SABE que a vida é um grande mistério, que não pode ser totalmente decifrado, mas sim experimentado.

“Ainda tenho muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora. Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras.”
(João 16:12-13)

Este post tem 12 comentários

  1. Cleidson

    O que são Siddhas? Não achei muita coisa que me fosse satisfatóriamente explicada no Google.rs

    1. Caio

      Siddhas são as pessoas que obteram os siddhis, que são poderes “sobrenaturais” ou paranormais, por meio de práticas espirituais (como meditação, p. ex.). É um tema comum no Hinduísmo, Budismo e Yoga. Alguém me corrija se falei bobagem.

    2. Bruno Mais

      No texto transmite , a ideia dos conhecimentos que levariam a consciência suprema ( pura) . É um termo da língua Tâmil que tanto pode designar o “caminho em si” ou as “ferramentas” para atingi-lo.

  2. Laura

    Oque seria essas “desgraças do umbral”?

    E se na verdade eles fossem de um mundo paralelo, e não pessoas mortas desse mundo, como a maioria pensa?
    só eu acho um pouco assustador pensar nisso? haha

    1. Henriquess777

      dá uma lida no “Livro dos Espíritos” do Kardec.

      ah, procure aqui no blog por Zoantropia.

    2. Juliano

      Eu tento pensar que isto também é parte da criação de Deus, e Deus é amor… então se Ele permitiu, eu posso não entender, mas é bom 🙂

    3. Caique

      Laura, pelo que eu já estudei do espiritismo, Umbral é o local onde ficam os espíritos moribundos e que ainda não se recuperaram o suficiente para receber ajuda e ascender à níveis superiores na escala de evolução do espírito. Lá ficam espíritos maus e problemáticos, uma espécie de purgatório.

    4. sessalie

      Quando eu era pequeno, em um apartamento em que morei sempre via um ser meio cavalo meio homem com traços cadavéricos/esqueléticos, trajando manto negro passando pelo corredor. Não sei como descrever direito, mas imagine um zumbi centauro hahaha
      Morria de medo, e meus pais tinham que sempre deixar a luz ligada do corredor, e muitas vezes só conseguia dormir enfiado debaixo das cobertas mesmo no calor. Para os meus pais eu falava que tinha um “monstro”, eles nunca acreditaram hahaha
      Depois que nos mudamos nao vi mais isso.

  3. Ian Gil

    Texto bem bacana, cara! Realmente, o excesso de ceticismo também produz o pseudocético. Esses dias eu tava assistindo a um episódio da série “Paranormal Witness”, do canal Sy-Fi, sobre uma família que experimentou manifestações de espíritos em casa. Em um dado momento, eles experimentaram uma situação bizarra: entraram, há uns minutos antes, no quarto do bebê recém-nascido do casal (estava o casal e a irmã da mulher do cara), e todos os ursinhos de pelúcia estavam alinhados numa estante na soleira da janela do quarto, então, eles saíram dali, e depois voltaram, uns minutos mais tarde, e todos os ursinhos estavam sentados em círculo no tapete do quarto, sem que ninguém tivesse entrado ali… O que os “ssientiçtas” vão querer dizer? Que foi uma alucinação coletiva? Vão colocar o mágico Cronos (um ilusionista, e não um parapsicólogo! hahahaha) pra dizer que aquilo é uma fenômeno perfeitamente natural, onde um físico teórico de uma USP da vida viria dizer que isso é perfeitamente possível de acontecer, porque os “átomos dos ursinhos se ligaram de uma forma anormal, mas não havia nada sobrenatural ali”? Nojento, cara. Esses sim são os reacionários da Ciência.

    Grande abraço!

  4. Alemão

    Introduzindo a ponta minúscula desse iceberg:
    Com a “limitação” de visão dos humanos, foi possível ver (no sentido de saber) a existência do próton e neutron (10^-15 metros) que formam o núcleo de cada átomo existente no universo.
    Com a mesma limitação se determinou a existência de bilhões de estrelas em nossa galaxia, bem como, a existência de bilhões de galaxias no universo, seu tamanho e sua idade aproximados.

    A inexistência (atual) de limitações do ser humano pode ser medida pelo quanto a ciência já evoluiu até o momento. Chegando ao ponto de desenvolver computadores com processamentos altíssimos e rede de transmissão de dados que serve para que pessoas se manifestem de maneira crítica a respeito do ser humano, e suas limitações. 😉

    Parabéns pela reflexão e o diálogo aberto do texto.
    Concordo que só poderemos evoluir utilizando dessa ferramenta.

  5. rodrigo santos

    Seria possivel impedir a entrada de espiritos na minha casa? E possivel construir ou fazer algo semelhante a uma gaiola de faraday com o objetivo de impedir que eles tenham acesso a coisas que eu falo e a minha intimidade? Preciso de ajuda…. minha vida virou um inferno pela falta de privacidade.

    @MDD – Nao existe “privacidade” rsrsrsrsr acostume-se com a ideia que a terra é um grande Big Brother espiritual.

Deixe uma resposta