Devoção e Razão


Vivemos em um país onde nossas crenças, até certo ponto, são respeitadas. Não precisamos, como em certos países do Oriente Médio, escondê-las. Mas mesmo assim, é evidente o modo como estas crenças vistas de modo individual, às vezes beiram ao fanatismo de torcidas organizadas. Neste Brasil onde os eleitores são chamados de “curral eleitoral”, além de outros motivos, acredito que também por causa do mesmo fanatismo que os leva às ruas com camisas e cores do partido para, logo após seu candidato depois de eleito, mais uma vez esquecer de tudo.
A que ponto eu quero chegar com toda esta conversa? Bom, quero mostrar o quanto a crença cega de diversos ramos como: torcedores de futebol, crentes, ateus-ortodoxos e por que não os esquisotéricos, é nociva.

“Intolerância religiosa é um termo que descreve a atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar as diferenças ou crenças religiosas de terceiros. Poderá ter origem nas próprias crenças religiosas de alguém ou ser motivada pela intolerância contra as crenças e práticas religiosas de outrem. A intolerância religiosa pode resultar em perseguição religiosa e ambas têm sido comuns através da história. A maioria dos grupos religiosos já passou por tal situação numa época ou noutra.” Fonte: Wikipédia
Normalmente a crença é encarada como uma doença mental grave por ramos mais ortodoxos de intelectuais modernos. Aí está o outro lado da moeda. E a razão é tida da mesma forma pela contraparte “crente”.
Em minha humilde concepção, estas duas faculdades do espírito humano cortaram relações quando a devoção fanática abafou o intelecto. Indo historicamente desde o assassinato brutal da grande Hipátia de Alexandria, até o fim da temida Idade das Trevas.
Depois do final a muito tempo esperado da Era da Ignorância, mentes célebres do iluminismo aclararam a humanidade novamente. Pena que com o tempo, a razão, pela sua enorme vontade, abafou a crença. Mas se não fosse ela, ainda teríamos sacrifícios a homicidas deuses de raça. Pois o maior motivo dos homens de pensamento não engolirem a idéia de religião, é porque muitas pessoas ainda vivem à época das religiões de raça. Onde se crê apenas em um deus se suas necessidades materiais e imediatas forem supridas. O Cristianismo Místico e o Budismo, sendo as religiões mais avançadas hoje, pregam o desapego, a individuação (não individualismo) e a crença em uma Fraternidade Universal.
Entretanto, como muito bem evidenciou Eliphas Levy, o vulgo é mais de admirar do que conhecer. Portanto, vendo desta forma, o intelecto que provém da razão, necessária para uma compreensão científica. E a devoção, que é originada na crença em uma religião não-egóica (seja o que for, o que importa é que te dê um solo para se apoiar), necessária para uma manifestação plena da vontade no ser, são inseparáveis. E seu afastamento cria a irrealidade e o aleijo do espírito humano. E na união, o Templo de Deus se manifestará.
Não há emoção, há paz.
Não há ignorância, há conhecimento.
Não há paixão, há serenidade.
Nao há caos, há harmonia.
Não há morte, há a Força.

Este post tem 17 comentários

  1. raph

    E eu achando que o título era algo como “Terapia Jedi”… Imagina uma terapia dessas hehe…
    Que a Força esteja com você!
    @”L”: haha Muita gente já me disse isso. Obrigado por comentar, Raph. 🙂

  2. Leon

    “JEDI”,”L”,HAUHAUAH.Mto bom o texto.
    Agora me veio uma duvida.Pq sera que nós “Nerds”(No sentido de sermos fãs de Ficção,Fantasia,Mangas,Animes,Comics,RPG………)temos essa inclinação a espiritualidade?
    Sera que foi toda a cultura oriental que a gente recebeu na infância vindo de, Yu Yu Hakusho,DragonBall,etc e Toda a Magia Medieval vindo de Cav. do Dragão,SdA ,…?
    @”L”: hEaHue Obrigado. Kra, nunca parei pra pensar nisso. Mas isso é bem válido pra uma pesquisa mais profunda.
    Abs

  3. Gustavo Costa

    Não vai ter nenhum comentario sobre o lado negro da força ? – ahhhhhhhh, ta bom, eu vou ler a coluna do lhp hehe –
    Mas otimo texto, para vermos o quanto os extremos são parecidos no final e que ha de se buscar o equilibrio no agir, pensar e ser.
    @”L”: Ótima colocação. Não adianta alguém dizer que é ”do bem” e não ter equilíbrio. Bem e mal são só forças antagônicas. Mas não dissemelhantes. ”Os extremos se tocam” – O Caibalion

    1. Carolina Scodeler

      Dizem por aí que o segredo de todo grande mestre é conseguir pensar, sentir e agir da mesma forma.
      Ótimo texto, neguinho.
      Trabalho!
      Shalom.
      @”L”: Carol! \o/ Eu ainda quero entender como os mestres fazem isso… u_u Obrigado!
      Shalom!

      1. Roberto Vasconcelos

        Taí, questionamento pertinente esse do Leon. Eu por exemplo, sempre fui muuuuuuito cético em relação a tudo, contudo, sou bastante emotivo, o que me facilita conexões emocionais profundas, algo importantíssimo na magia. Daí, treinar kung fu e aprender uma merrequinha de chi-kung foi um pulo! Hehehehe!
        Outra coisa importante, acho, seria haver mais material, por assim dizer, básico sobre o “lado negro” da magia. Não para ensinar, claro, mas para o principiante, principalmente, saber se onde ele está pisando vai ajudar realmente a ascender espiritualmente ou apenas vai contribuir pras inúmeras ordens negras que existem por aí.
        PP!
        @”L”: As emoções são bons condutores, mas se forem bem domadas. Elas não devem ser reprimidas, e sim transmutadas. O medo pode se tornar coragem, e a raiva, ímpeto. Por isso que devemos saber dosar. Já sobre o “manual prático contra siths”, fica difícil. Porque teria muita gente interessada apenas em ferrar com algumas ordens por conteúdos ditos “obscuros” o que na maioria das vezes é apenas algo chocante para afastar os profanos. É apenas com a prática que tudo se torna visível. Abraços.

  4. Lúcio

    Interessante o texto. Mau posso esperar para os outros.
    Eu regeito qualquer tipo de fanatismo, seja ele religioso, político ou mesmo esportivo, como no caso das torcidas de futebol. Apesar da palavra fanatismos ser bastante associada à religião, esquecem que este mau atinge outras esferas sociais.
    Abraço
    @”L”: Muito obrigado. ^^ O maior problema das pessoas é entender isso. Ainda colocam umas características ligadas apenas à certas áreas.

  5. Murilo

    A resposta do porque os “NERDS” são mais inclinados à espiritualidade pode ser explicada, por exemplo, pela cabala. O caminho de malkuth à yesod é obtido através da imaginação. E isso temos de sobra. à partir da imaginação, tudo começa…….

  6. Jonatas Carneiro de Arruda

    Muito legal o texto e ainda mais a associação com os Jedis e afins coisa que todo nerd gosta ne =D
    Quando as pessoas entenderem que a maioria dos defeitos que apontam nos outros eles carregam em si o mundo sera bem melhor.
    Abraços.

  7. Jeff Alves

    Ótimo post, meu conterrâneo. =P
    @”L”: Olha os potiguares aí! kkkk

  8. “Será que existe vida em Marte?
    Janelas de hotéis
    Garagens vazias
    Fronteiras
    Granadas
    Lençóis
    E existem muitos formatos
    Que só têm verniz e não tem invenção
    E tudo aquilo contra o que sempre lutam
    É exatamente tudo aquilo o que eles são
    Marcianos invadem a Terra
    Estão inflando o meu ego com ar
    E quando acho que estou quase chegando
    Tenho que dobrar mais uma esquina”
    (Marcianos Invadem a Terra – legião Urbana)
    Apesar de sermos um país dito ‘laico’ ainda impera o cristianismo, e isso é visto pelas midias sociais (Globo e derivadas), sobre as torcidas organizadas, é uma forma de se ver como a organização, independente do fim, pode ser perigosa, como o carinha qeu se deixa levar pelo grupo e sai fazendo arruaça pela rua depois do jogo, ou fiéis num suicidio coletivo. Todo excesso é prejudicial.
    Estamos numa sociedade onde quem é bom só se dá mal, na maioria das vezes essas pessaos param de crescer para não sofrer mais, pela hostilidade da concorrência, e quem é mal… é mal e vai pagar de alguma forma. Como disse certo monge taoista, nem bom nem mau, e sim o equilibrio.
    O segredo é agir quando se deve agir, e parar quando se deve parar, mas enquanto quisermos agir quando devemos parar e parar quando devemos agir as coisas não vão muito longe. E para saber isso deve-se buscar a si mesmo.
    Pela história vemos que pulamos de um canto ao outro da moeda, sempre nos extremos. Não estar com uma enciclopédia em uma mão, e uma Biblia embaixo do outro braço, mas saber a quem recorrer nos momentos certos.
    Dai a Deus o que é de Deus, dai a Cesar o que é de Cesar
    @”L”: Perfeito!

  9. Gabriel Lazarin

    Meus pais são evangélicos e fazem a maior pressão para que siga eles sendo que eu não quero isso.
    Não respeitam nem um pouco a minha escolha de participar de grupos como o Mayhem ou de algumas Ordens como a Demolay (Por causa da minha idade).
    Mas, consigo equilibrar isso para que não se crie uma “Guerra Santa” aqui em casa..
    Muito bom o texto, já visitei seu blog algumas vezes e tem coisas bem legais lá.
    Paz e Luz
    Que a força esteja com você!
    Apesar de eu gostar mais da frase do Darth Vader
    “Come to the Dark Side” kkkkkkkk’
    @”L”: Tente encarar a reação dos teus pais como uma Ordália Mágica. Tolerância e paciência. Obrigado por acompanhar meu blog. 🙂
    Abraços

  10. Lucas

    Todos as colunas são boas, mas Jedi e Luciferiana me conquistaram primeiro. ;~P
    Espero por mais post seus.
    @”L”: Obrigado. 🙂

  11. TiagoMazzon

    Bem Vindo ao TdC, caro irmão Jedi.
    Busquemos o equilíbrio na Força, em todos os lugares que passarmos e estivermos!
    Repetindo o mantra:
    Não há emoção, há paz.
    Não há ignorância, há conhecimento.
    Não há paixão, há serenidade.
    Nao há caos, há harmonia.
    Não há morte, há a Força.
    @”L”: Que a força esteja com você. 🙂

  12. Pablo

    Você acertou quando disse que :”Vivemos em um país onde nossas crenças, até certo ponto, são respeitadas”… ATÉ CERTO PONTO !!! Já vimos diversas vezes em automóveis aqueles adesivos com o simbolismo da igreja católica, alguns com o do judaímo… mas para meu espanto, quando inseri no meu automóvel um adesivo da umbanda, acabei com o carro riscado. Isso mesmo… no local onde estava o adesivo, algum fanático religioso – só posso pensar dessa forma – riscou o adesivo e o meu carro. Por isso a intolerância religiosa ainda existe e olha que nosso país é uma mistura de várias religiões. Espero que isso modifique, para o nosso próprio bem.
    ”L”: O problema das pessoas é o encarar suas crenças como ”a minha é melhor”. Quando elas perceberem que nomes e atributos divinos são mera dialética, talvez eles parem. Mantenha a fé. 🙂

  13. NOX

    Gostei muito do seu texto! É bom ver gente abrindo a mente das pessoas. A regra n° 0 do meu código de convivência é “respeite o livre arbítrio de todos” (isso inclui fazer-se respeitar no seu).
    Também gostaria de comentar a pergunta do Leon: Eu começei a me interessar e a praticar magia PORQUE assisti STAR WARS! Qualquer coisa que faça você questionar a realidade a sua volta faz você ficar esperto pra coisas não materiais. Também concordo que isso exercita a imaginação, pré-requisito para trabalhos mágicos. (não confundir com a fantasia, que leva ao fanatismo!).
    Que a Força esteja com você!
    ”L”: Este é outro ponto importante. Fantasiar. Mas nós também somos acusados de loucos apesar de nossas experiências. Mas é aquela velha história, em terra de cego quem tem um olho é rei e quem tem dois é doido.

Deixe uma resposta