Cristo, Buda e Krishna

Hans Küng, teólogo suíço, escreveu: “não haverá paz no mundo se não houver paz nas religiões e não haverá paz entre as religiões se não houver diálogo”. Eu poderia escrever um longo texto sobre tolerância religiosa. Ou quem sabe, sobre o diálogo entre as religiões, suas semelhanças, suas diferenças e etc. Mas preferi me calar e expor o que os próprios representantes do Grande Arquiteto do Universo tem a dizer.

???????????????????????????????

O Conselho dos Avatares

Buda: A causa do sofrimento humano encontra se, sem dúvida, nos desejos do corpo físico e nas ilusões das paixões humanas. Os homens se apegam obstinadamente à vida de riqueza e fama, de conforto e prazer, de excitamento e egoísmo, sem saber que estes desejos são a fonte do sofrimento humano.

Krishna:  Sábios dotados de perfeita sabedoria não se apegam aos frutos do seu trabalho, e com isto se libertam para sempre da escravidão de nascimento e morte, e atingem o estado de beatitude absoluta.

Cristo: Não acumuleis para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os destroem, onde os ladrões penetram e roubam. Acumulai para vós tesouros nos céus, onde nem a traça nem a ferrugem os destroem, onde os ladrões não penetram nem os roubam. Pois onde está o tesouro, aí também está o teu coração. 

Buda: O rico se preocupa com seu patrimônio; preocupa-se com sua mansão ou outras propriedades. Aflige-se, enfim, com o desastre que lhe possa acontecer: incêndio em sua mansão, roubos ou sequestro. Preocupa-se com a morte e a disposição de sua fortuna. Com efeito, seu caminho para a morte é solitário: ninguém o acompanhará em sua morte.

Cristo: Por isso vos digo: não vos dê cuidados a vida, o que haveis de comer e o que haveis de beber; nem o vosso corpo, o que haveis de vestir. Não vale, porventura, mais a vida que o alimento, e o corpo mais que a vestimenta?

Krishna: Quem a tudo renuncia, jubiloso, alcança, já agora, a mais alta paz de espírito; mas quem espera vantagem das suas obras é escravizado por seus desejos.

Buda: Muitos homens, por alimentar o amor ao bem-estar do corpo, não percebem os males que seguem o conforto (…)   Estes desejos, que surgem das diferentes sensações, são as mais perigosas armadilhas. Sendo apanhados por elas, os homens se enredam nas paixões mundanas e sofrem. Devem aprender um meio pelo qual possam escapar dessas ciladas.

Cristo: Não andeis, pois, inquietos, nem digais: que havemos de comer? Que havemos de Beber? Com que havemos de nos vestir? Os mundanos é que se preocupam com todas essas coisas. Vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas. Buscai, pois, em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça, e todas essas coisas vos serão dadas de acréscimo.

Buda: Se o desejo, que se aloja na raiz de toda paixão humana, puder ser removido, aí então, morrerá esta paixão e desparecerá, consequentemente, todo o sofrimento humano.

Krishna: Porque quando o homem é perfeitamente liberto de todos os desejos do ego finito e alcança a paz da alma pela realização do Eu divino, então é um homem de perfeita sabedoria.

Cristo: Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.

Buda: O meio de vida, isento de toda a paixão mundana e do sofrimento, somente é conhecido através da Iluminação.  Aqueles que buscam a Iluminação devem sempre se lembrar da necessidade de manter constantemente puros o corpo, a fala e a mente.

Cristo: Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Krishna: Entretanto, árduo é esse caminho para os que procuram encontrar o Imanifesto por meio de um amor afetivo; difícil é esse caminho para os que ainda vivem em corpo carnal.

Cristo: Entrai  pela porta estreita. Pois larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição – e são muitos os que entram por ele. Quão apertada é a porta e quão estreito o caminho que conduz à vida – e poucos são os que acertam com ele!

Buda: É muito difícil seguir o caminho da Iluminação, mas será muito mais difícil, se os homens não tiverem a mente para procurar este caminho. Sem a Iluminação, haverá infindável sofrimento neste mundo da vida e da morte.

Krishna: Verdade é que o saber espiritual é melhor que o fazer material; porém, melhor que ambos é o amar integral – e isso requer total desapego; quem a tudo renuncia por amor, este está perto da meta final.

Buda: Para se manter o corpo puro, não se deve matar qualquer criatura vivente, não se deve roubar ou cometer adultério.

Cristo: Tendes ouvido que foi dito aos antigos: não matarás e quem matar será réu em juízo, Tendes ouvido que foi dito: “Não cometerás adultério”.

Krishna: Quem não quer mal a ser algum e, liberto do ódio e egoísmo, é benévolo para com todas as criaturas; quem permanece fiel a si mesmo, no prazer e no sofrimento, sempre sereno e paciente, este me é querido.

Cristo:  Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.

Buda: O Esforço Correto significa dar o melhor de si, com diligência, para realizar nobres ações.

Krishna: Quem dá esmola em tempo e lugar corretos, de espírito alegre e por compaixão, inspirado no senso do dever, sem nada esperar em retribuição – este também é guiado pela sapiência da razão.

Cristo: Quando, pois deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita, para que tua esmola fique às ocultas; e teu Pai, que vê o que é oculto, te há de recompensar.

Buda: Para se manter pura a fala, não se deve mentir, abusar, ludibriar ou se perder em vãs conversas.  Mas evitar as palavras falsas, inúteis, abusivas e ambíguas.

Krishna: Quem age indeciso, sem rumo certo, sem jeito nem critério, procurando iludir os outros – este age sob o signo do desmazelo.

Cristo: Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna.

Buda: Para se manter pura a mente, deve-se remover toda a cobiça, ira e o falso julgamento.

Cristo: Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir vós.

Krishna: E ainda que a mente volúvel se rebele e tente fugir para longe, disciplina-a pela força do amor e a reconduz ao Ser Supremo.

Buda: À mente impura seguem atos impuros e estes trarão sofrimentos. Assim, é de suma importância que se conservem puros a mente e o corpo.

Cristo: O que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem. Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, fornicação, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.

Krishna: Realmente perseverante é o homem quando domina os impulsos do coração, a força vital e os sentidos – e isso provém do conhecimento da Verdade.

Cristo:  E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará.

***

Na tentativa de construir um só diálogo,  retirei  as falas de Krishna da Bhagavad Gita, as falas de Cristo dos Evangelhos e as falas de Siddharta Gautama do livro “A Doutrina de Buda”. Os ensinamentos desses três avatares são tão similares, que foi preciso pouco esforço para construir tal diálogo.

Vejo cada religião como uma bela sinfonia, diferentes entre si, tal como as diferenças que percebemos ao ouvir uma sinfonia de Mozart, Beethoven ou Bruckner. Diferenças estéticas à parte, somos capazes de apreciar o que cada uma delas tem de melhor. No fim, todo compositor possui os mesmos recursos: uma pauta de cinco linhas e sete notas. A única diferença é a maneira como elas se organizam.

facebook.com/filosofiauniversica

Fábio Almeida é bacharel em administração de empresas, especializado em filosofia, teologia e história. Um eterno aprendiz, amante das artes e do livre-pensar.

Este post tem 23 comentários

  1. Thiago Neves

    Você deveria ter se calado mesmo Fabio rsrs… você continua demonstrando com maestria a sua incapacidade de falar sobre religiões.

    @FDA – Mas não foi o que fiz? Eu mesmo não escrevi quase nada rsrsrs, apenas inseri as “falas” de cada um. Neste caso quem fala sobre religião ou espiritualidade é Cristo, Buda e Khrishna, o post foi composto com suas respectivas citações =)

    Bem, você cita esse tal Hans Küng com orgulho como introdução do seu post, mas não deve saber que esse senhor foi execrado da Igreja e, ainda por cima, é um propagandista assumido da ONU através das falácias do ECUMENISMO.

    @FDA – Sim, a “fogueira” da idade média não se apagou. Mas não foi só com ele que isso aconteceu, vejamos: Galileu Galilei, Nicolau Copérnico, Giordano Bruno, Nicolau Maquiavel, Erasmo de Roterdã, Baruch de Espinosa, John Locke, Berkeley, Denis Diderot, Blaise Pascal, Thomas Hobbes, René Descartes, Rousseau, Montesquieu, David Hume, Immanuel Kant… e a lista continua a ser preenchida até os dias de hoje.

    Este é da extirpe de Leonardo Boff, Frei Beto…

    @FDA – É importante dizer que, de certo modo, também pertenço a esta “extirpe” como você diz. Não na qualidade de escritor, o qual realmente tenho muito o que aprender, mas digamos que na “linhagem de pensamento”. Nesse caso, é até admirável que você acompanhe os textos da minha coluna com tanta assiduidade.

    Ademais, você tenta fazer comparações entre essas religiões, sendo que elas são impossíveis de serem comparadas.

    @FDA – Posso levar a culpa por reunir as citações, mas não por serem tão parecidas. Afinal, não fui eu o autor dos Evangelhos, da Bhagavad Gita, dos textos Budistas e tantos outros manuscritos sagrados 😉

    Em suma, as religiões NÃO são espécies do mesmo gênero, pois elas NÃO atendem a mesma demanda.

    @FDA – Imagine a luz branca atravessando um prisma, ela se desdobra em sete cores, certo? A luz branca simboliza o caos primordial, a interposição do prisma, representa o homem tentando organizar esse caos, a fim de compreendê-lo. As diferentes religiões são como as diferentes nuances de cores do espectro solar

    Desta forma, eu aconselharia a leitura das obras do Frithjof Schuon – que foi e é um dos maiores estudiosos sobre religiões comparadas – em especial o livro: “Da Unidade Transcendente das Religiões”.

    @FDA – Você mesmo disse: “você tenta fazer comparações entre essas religiões, sendo que elas são impossíveis de serem comparadas” o trabalho de Frithjof Schuon é exatamente este! Aliás, a linhagem de pensamento do Schuon é muito semelhante ao modelo proposto pela filosofia univérsica.

    Enfim, todo esse post poderia ser resumido numa frase do professor Hermógenes: “Pedi a benção a Krishna e o Cristo me abençoou, orei ao Cristo e foi Buda que me atendeu, chamei por Buda e Krishna me respondeu”.

    1. Tiago

      Fabio: Sua paciencia para lidar com esse tipo de gente é incrivel! parabéns.
      @FDA – 😉

    2. Caio Pinheiro

      Gratidão pelo dialogo construtivo . a outra face , o amor vencendo … gratidão.

  2. Acauã Silva

    Excelente!

  3. Guilherme

    Belo texto! Esse Tiago Neves deve ser algum ateu ou um ocultista revoltado. Ou talvez um “Motista”, rsrsrs….

  4. Thiago Neves

    Vou refutar apenas 2 comentários seu para não estender muito e, no qual, merecem atenção pela quantidade de erros repetidos por pagagaios miméticos.
    Segue abaixo:

    @FDA – Mas não foi o que fiz? Eu mesmo não escrevi quase nada rsrsrs, apenas inseri as “falas” de cada um…

    Thiago Neves: Mas a sua intenção foi de traçar semelhanças entre eles, ou não? Logo, mesmo que você não tenha usado suas palavras, você fez insinuações; desta forma, fica bem claro seu intuito em equipará-los.

    @FDA – Sim, esse é, e sempre será o intuito da coluna. Filosofia Univérsica: Unidade com a mais alta Diversidade! Mas mesmo que os ensinos dos avatares sejam tão semelhantes, você tem o direito de achar que são diferentes.

    @FDA – Sim, a “fogueira” da idade média não se apagou. Mas não foi só com ele que isso aconteceu, vejamos: Galileu Galilei, Nicolau Copérnico, Giordano Bruno, Nicolau Maquiavel, Erasmo de Roterdã, Baruch de Espinosa, John Locke, Berkeley, Denis Diderot, Blaise Pascal, Thomas Hobbes, René Descartes, Rousseau, Montesquieu, David Hume, Immanuel Kant…

    Thiago Neves: hehehe… bem, vai dar um pouquinho de trabalho, mas vamos lá… de uma forma bem objetiva.

    – Galileu não sofreu perseguição.

    @FDA – Ah sim, e a Terra é o centro do Universo rsrsrs

    – Giordano Bruno já afirmava que Cristo não era Deus e sim um hábil mágico, que o espírito santo era a alma do mundo e que o diabo seria salvo.
    – Maquiavel? Puts… bem, é o criador de um plano revolucionário de destruição do cristianismo desde dentro e subjugá-lo a um Estado economicamente igualitário e politicamente totalitário, que hoje diríamos um Estado socialista.
    – Baruch de Espinosa foi excomungado pela própria sinagóga em que ele pertencia, ou seja, pelos próprios JUDEUS; mais tarde ele foi “perseguido” sim pela igreja cristã pelo simples motivo que ele tinha uma concepção panteista de Deus.

    @FDA – Então quer dizer que todos eles mereciam a perseguição da igreja? E terem sua liberdade de pensamento jogada na “fogueira”? (Sorte que nasci no séc.XX)

    – Denis Diderot foi um gênio da propaganda revolucionária; ele tinha como intuito por meios singelos e até lúdicos a destruição dos valores morais. Ou seja, o sujeito era um socialista, então quer o que?

    @FDA – De repente me deu uma vontade de jogar Arkanum, acho que você é a materialização daqueles personagens descritos no suplemento “Inquisição” kkk

    – Thomas Hobbes foi um apologista-materealista-ateu que dispensa comentários.

    @FDA – Fogueira nele!

    – Montesquieu, Rousseau e Voltaire foram 3 figuras anticristãs, ora meu saco! E, inclusive, foi por grande influência de Voltarie que a idade média ganhou conotações tacanhas.

    @FDA – Interessante como você tenta justificar que eles deveriam mesmo serem perseguidos, não? Justamente porque Voltaire foi um grande defensor da Liberdade de Pensamento, conceito que, até que prove o contrário, você tem demonstrado não compreender. Saiba que graças aos desdobramentos do pensamento de Voltaire, hoje consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos em seu artigo XVIII, que “todas as pessoas tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião”. Voltaire não foi ateu, aliás, é dito que meses antes da sua morte, escreveu para o seu secretário Vagnière: “Morro adorando Deus, amando meus amigos, não odiando meus inimigos e detestando a superstição”. Ele era sim, um grande combatente do pseudo-cristianismo e da opressão.

    – Kant defecou pela boca ao afirmar que a realidade é absolutamente caótica e irracional e, logo, quem cria a racionalidade é o intelecto humano, ou seja, para ele a ordem foi imposta pelo intelecto e não por um princípio criador. Ele é um bom exemplo do que se chama de paralaxe cognitiva.

    @FDA – Filho, entenda, não existe nada que justifique a proibição do livre-pensar!

    Eu poderia citar muitos outros que foram de suma importância desde a idade média até a contemporâneidade, mas se tornaria muito cansativo.
    Enfim, levaria muito tempo para abordar a fundo a história destes que foram citados e de outros que faltaram, mas pelo menos, em breve palavras, eu mais uma vez provei que você é muito desinformado, apesar de ter sido cordial em suas respostas;

    @FDA – Sinceramente acho que você não refutou nada, apenas expôs sua visão um tanto quanto limitada, inquisidora e deturpada dos fatos históricos. O que, dado as condições culturais dos pseudo-cristãos, não me é nenhuma novidade. Outro detalhe, você fugiu completamente do tema abordado no post, pois teria que refutar as palavras de Cristo, Buda e Krishna. Mas pra isso você teria que distorcer os manuscritos, tal como fez ao dizer que Galileu Galilei não sofreu perseguição alguma e todo aquele seu papo de Inquisidor.

    Estou aberto a discussões e, sim, eu vou continuar lendo suas postagens. =)

    @FDA – É no mínimo incoerente continuar lendo algo de alguém desinformado, como você afirmou, mas tudo bem. Eu ainda acho, que sua manifestação aqui no blog, se deve ao fato de que esse tipo de texto chacoalha seus alicerces fundamentalistas, no fundo isso bom. Pelo menos eu acho que seja… até porque a intenção desta coluna não é provar nada para ninguém. Os leitores do TdC sabem que são apenas minhas humildes e limitadas visões, influenciadas por tantos outros pensadores é claro. Somos apenas livre-pensadores, simples aprendizes. Apenas pensamos, e uma vez que o transmitimos, a lei é a mesma que ocorre nas redes sociais: gostou? curta! quer dividir com mais alguém? compartilhe! Não gostou? Viva a Diversidade!

    1. cristiano

      a melhor resposta possível para toda a ignorância de Thiago Neves:

      “Não, não”

  5. Michel

    Nó! MOEU!!!

    Chega de discutir notas de rodapé, todos os deus são um só!!!

  6. Rafael Weiss Brandt

    Isso é influência de um digníssimo Sr. que se diz filósofo, Mr. “Hellograndpa of Oak” (para quem não captou, Sr. Olavo de Carvalho).
    Deixe que ele despeje seu próprio fundamentalismo aqui. A necessidade de tanto expor revela a falta de confiança naquilo mesmo que se deseja gritar aos quatro cantos.

  7. Ludvig Berzin Filho

    Desculpem-me a intromissão. Achei brilhante a compilação e louvável a paciência, Se meditarmos nos ensinamentos dos Avatares, veremos que fundamentalistas que se julgam donos da Verdade, que se dirigem a nós, simples “papagaios miméticos” com sobranceria, são necessários a fim de pormos em prática estes mesmos ensinamentos. Difícil é o caminho. Manter a serenidade. Amar quem nos difama. Conhecer a extensão da própria ignorância. Não jactar-se. Devemos amar o Thiago. É difícil, nos alertaram os Mestres. Mas está dentro da ordem natural das coisas.

    @FDA – Concordo contigo Ludvig, Abs.

  8. rodrigo

    Muito obrigado pela compilação, excelente trabalho!

    @FDA – por nada 😉

  9. Eduardo

    Que confusão hein Sr. Fábio! Onde estava Buda, e Krishna enquanto grande parte da história, arqueologia, crenças então tão bem documentadas nas escrituras sagradas que são profusão de toda nossa existência…

    @FDA – Estavam onde sempre estiveram… A diversidade existe, mas querer aprender com ela é uma opção.

  10. Osmar Silva

    Fábio, incrível. Seu trabalho foi listar algumas das similaridades entre os textos dos Avatares, mas muito em boa hora. O mundo seria muito melhor se todos pudessem absorver estes ensinamentos sem partidarismos e preconceitos.

    @FDA – Obrigado Osmar! Nem todos querem aprender com a diversidade. Ainda há quem prefira estudar as diferenças. Eu prefiro estudar as semelhanças. Abs.

  11. José Elias

    Fábio, gostei muito do paralelo que você fez!

    @FDA – 😉

  12. Juliano

    Muito bom, muito obrigado!
    Abraço, Juliano.

    @FDA – às ordens 😉

  13. Paulo Vinicius

    Olá, super parabéns pelo post.

    Sou novo aqui, e o primeiro post que leio e achei
    uma simples leitura com um conteúdo magnífico,
    apesar que eu iria achar uma leitura totalmente controversa.

    Enfim, ganhou um novo leitor! 🙂

    Mesmo assim ainda acho que essa trindade acima citada
    estão brincando com nossa mente limitada.

  14. Pedro

    Parabens… que continue a sua busca pela iluminação, amor e paz
    que o Avatares esteja com vos

  15. Mario

    Então…..queridos leitores, estive lendo alguns comentários e li todo o texto do autor, e observei o quanto é fácil julgar uma opinião do ponto de vista de um escritor que só está tentando mostrar ensinamentos destintos de religiões que são as bases fundamentais delas, e que de certa forma se cruzam no mesmo contexto….parabéns a pessoa que escreveu ?
    ..só pra finalizar as religiões São apenas um meio para um fim
    Que cada um viva sua fé, sem julgar a fé do outro que caso ocorra ou aconteça seria considerado preconceito e isso traz muita dor de cabeça e muito desentendimento entre as pessoas …..busque e ache aquilo que realnente importa que é a espiritualidade e a paz de espírito, pois assim você encontra o divino que está em todas as coisas ….salve todas as religiões ✋

    @MDD – “cada um que siga a propria religião” desde que nao venha encher o saco dos outros, se metendo em assuntos de política, direitos humanos ou educação, ne?

  16. Felipe Soares

    Bacana seu post Fabio. O ponto de questionamento do Thiago seria digno de atenção desde que não ofendesse a opinião de outra pessoa. Concordo com você na grande semelhança entre as religiões, que a verdade seja fragmentada e cada um tenha que buscar muito entre as várias vertentes até que chegue em um ponto onde perceba que apenas a linguagem e as diferenças culturais diferem no expressar da verdade, mas que filtrado e filosofado todo o assunto fala da mesma coisa.
    Se as pessoas parassem de perder tempo tentando provarem estar certas que as “suas verdades” são únicas, talvez estaríamos bem mais próximos da verdade universal.
    Eu saúdo a Cristo, Oxalá, Buda, Krishna, ao sol, a Tipheret, enfim, todas as egrégoras da esfera solar e a todas as outras.
    A diversidade existe para que depois de trilha-la, estuda-la e compará-la possamos voltar à unidade.
    “Omnia in unum”

  17. Leonardo G. de Melo

    Peço perdão, primeiramente, por esta atrasado nesse post. Vi em seus ensinamentos muitas similaridade com a Ordem. Foi de agrado meu ler esse dialogo entre os avatares mostra muito suas semelhanças e isso é grandioso, pois tira dos ignorante a visão direta esquecendo o seus arredores. A meu julgar se vc não é da fraternidade deveria ser, é um desperdicio um pensador tão grande como você não fazer parte de algo que almejo muito alcançar um dia. Obrigado pelo seu trabalho e mais uma vez me desculpe por estar 2 anos atrasado.

  18. Mariana

    Até agora não entendi a dificuldade dessas pessoas de entenderem que mesmo essas ”entidades” serem de religiões e culturas diferentes, ainda assim pregam o mesmo estilo de vida.
    É obvio que as falas trazidas dos respectivos livros sagrados de todas essas culturas não são idênticas, mas a ideia central é a mesma.
    Nossa, muito chato essas pessoas que não fizeram uma 5a serie bem feita e não sabem interpretar um texto.

  19. Raquel Leite

    Boa noite, concordo em estudar e valorizar as semelhanças. Sou uma católica budista e muito feliz assim. Leio tb sobre religiões, e incluo aí o espiritismo. Parabéns pelo trabalho!

Deixe uma resposta para Anônimo Cancelar resposta