Autoridades – 1984


“Obediência não é o suficiente. A não ser que uma pessoa esteja sofrendo, como você pode ter certeza que ela está obedecendo à sua vontade e não à dela? O poder está em infringir dor e humilhação. O poder está em rasgar mentes humanas em pedaços e colocá-las juntas de volta em novas formas escolhidas por você mesmo. Você começa a enxergar agora o tipo de mundo que estamos criando? (…) Não haverá lealdade, a não ser lealdade ao partido. Não haverá amor, a não ser amor ao Grande Irmão. Não haverá riso, apenas o riso de triunfo sobre um inimigo derrotado. Não haverá arte, literatura ou ciência. Quando formos onipotentes, já não haverá mais necessidade de ciência. Não haverá distinção entre a beleza e a falta dela. Não haverá mais curiosidade, nem alegria no processo da vida. Todos os prazeres competitivos serão destruídos. Mas sempre — não se esqueça disso, Winston — sempre haverá a intoxiacação do poder, sempre aumentando e sempre crescendo sutilmente. Sempre, a cada momento, haverá o tremor da vitória, a sensação de pisar num inimigo que já está sem esperença. Se você quer uma imagem do futuro, imagine uma bota pisando num rosto humano — para sempre.”

Este texto é um manifesto contra a autoridade despótica e um alerta para os perigos que podem vir a surgir de um governo totalitário. Ele amedronta os que acreditam nele, os que andam com ele, descrever essa quase irreversível sociedade os faz refletir sobre o privilégio que é o livre-arbítrio e a importância da sua constante manutenção. Pena que a cada dia essa liberdade se deteriora mais.
Não podemos sobrestimar o medo e deixarmo-nos dominar por ele, nem subestimá-lo e negligenciar a sua força. É-nos exigida uma clara noção do que é isso afinal do medo, bem como do nosso enquadramento na realidade para que o medo permaneça de certo modo sob o nosso domínio. O medo resulta sempre de um desfasamento real ou imaginado em relação à realidade.
O medo chega até nós diretamente ou é trazido por alguém que o sente mais do que nós. Nós podemos não estar levando a sério os perigos que a realidade comporta. Mas o medo pode ser acentuado indevidamente por quem dele pensa beneficiar através do domínio exercido sobre os outros. Muitas pessoas colocam-se do lado do medo, outras são preparadas pela família e pela sociedade para viverem desse mesmo lado, outros viciam-se nessa vivência em que o medo se exerce sobre os outros e nunca sobre si próprias.

Este post tem 23 comentários

  1. Victor

    Um dos melhores livros de todos os tempo!
    Guerra é Paz,
    Liberdade é Escravidão,
    Ignorância é Força.
    Com um Nobel da Paz em guerra, a “liberdade” que o sistema capitalista oferece às pessoas (vc tem a liberdade de se adaptar ao sistema, ou ser excluído), e nossos governantes demonstrando que a ignorância do povo é a sua força, cada vez mais fica evidente o quão certo Orwell estava.

  2. A coerção sempre foi uma arma forte e não é diferente nos dias de hoje, seja por um governo abertamente totalitário como temos na China ou em um governo acobertadamente nazista, como temos hoje no Brasil.
    Esse pensamento, sendo a antítese do “Faze o que queres…”, demonstra como a cada dia a população fica mais cega, apoiando-se em muletas e criando uma dependência maior dessa grande Malkuth ilusória.
    Faz-se o governo do passado com palavras do futuro.

  3. Roberto .'.

    Por coincidência (ou não), faz exatamente um ano que eu comecei a ler este livro. Guardei a data, e lembro que 3 dias depois já havia terminado.
    Com certeza um dos melhores livros que eu já. Chocante e revelador
    T.’.F.’.A

  4. Luiz Felipe

    Que livro!
    Cada vez mais me convenço de que estamos caminhando para algo assim… Com o povo sendo gado acomodado, governantes corruptos (não só no Brasil) e o desprezo ao conhecimento sendo exaltados.

  5. Felipe Metal

    “Faze o que tu queres, há de ser tudo da Lei!”
    “Amor é a Lei, Amor sob Vontade!”
    “Amor só perdura em Liberdade!”
    Logo, você deve fazer o que quiser. O que você quiser é a Lei. Amor é a Lei. Portanto tu queres Amor. Se Amor só dura em Liberdade, teu Amor só existirá se tu fizeres a tua Vontade.
    Tendo isso em mente, podemos concordar que as pessoas serão livres quando aprenderem a Amar e a respeitar a liberdade das outras pessoas. Fazendo assim sua Vontade, que é Amar.
    “Ninguém pratica o mal por vontade própria. Pratica-o por confundí-lo com felicidade.” (autor que ñ me lembro quem é)
    XP (percebi isso agora, mas com certeza alguém já se ligou nisso antes).

    Dica: “O Banquete”, by Platão.

  6. Morcego

    Precisa mesmo olhar para outra nação para perceber isso acontecer ?? isso pode estar dentro da sua casa, dentro da sua família, dentro da sua empresa… é só abrir os olhos e analisar o quanto de liberdade vc acha q tem.

  7. Roberto

    Não viram o caso da Uniban? Mais e mais, o ser humano mostra que é porco, e que jamais devem ser dada pérolas a eles. Inclusive, um pensamento constante que me persegue é se não devo apressar logo a minha passagem… =/

  8. Livio

    George Orwell escreveu 1984. Aldous Huxley escreve Admirável Mundo Novo.
    Orwell temia aqueles que banem os livros.
    Huxley temia que não houvesse razão para banir livros, por que ninguém mais se interessaria em ler algum.
    Orwell temia a censura das informações.
    Huxley temia que nos oferecessem tanta informação que seriamos reduzidos à passividade e ao egoísmo.
    Orwell temia que a verdade fosse ocultada de nós.
    Huxley temia que a verdade fosse soterrada em um mar de irrelevância.
    Orwell temia que nós nos tornassemos uma cultura oprimida (capturada).
    Huxley temia que nos tornassemos uma cultura irrelevante, trivial, preocupada com “some equivalent of the feelies, the orgy porgy, and the centrifugal bumblepuppy”.
    Em 1984, as pessoas eram controladas pela dor.
    Em Admirável Mundo Novo, elas eram controladas por prazer.
    No final, Orwell temia que o medo nos arruinasse.
    E Huxley temia que o desejo nos arruinasse.
    Qual cenário parece ser mais convincente nos dias de hoje?

    1. Fenix777

      Estamos no cenário Huxley.

  9. Ranieri

    “Não existe morte,a morte é viver sob uma bota.” – Besouro-o Filme

  10. Israel

    Vejo de tempos em tempos, em minhas próprias vivências, que tenho medo, muito medo.
    Mas estou começando a analisar estes medos de minha vida.
    Por duras “surras” da vida, talvez esteja perdendo um pouco dos medos. A cada investida das ordálias, encontradas no caminho, muitas lagrimas e sofrimento mostram que o apego e o medo tentam nos fazer desistir, voltar para trás, e nos tornarmos como gado cego. Pois durante as tristezas nos “dizem” para que ficar sofrendo volte a sua vidinha simples, comoda de “pão e circo”, será melhor para você.
    Agora creio que sei um pouco do que o marcelo afirma que as provações (ordálias) separam os ocultistas das criancinhas.
    Não me considero um ocultista ainda – não tenho vivência suficiente no caminho – mas como iniciante já dá para sentir a diferença em enfrentar as convenções da sociedade.
    O engraçado é que tudo o que acontece de difícil e complicado poderia ser evitado com atos simples, como usar uma palavra X em vez de Y.

  11. Kalel

    Sim Roberto!!! Corte os pulsos ….Queremos sangue ha ha ha!!!

  12. B...

    Um livro pequeno e q vale a pena ler é “A Revolução dos Bichos” tb do George Owell, qualquer semelhança com o que acontece aqui no Brasil é mera coincidência.

  13. Marcell

    Um dos livros mais honestos e sombrios que eu já li.
    É REALMENTE um que devia ser lido por cada ser humano do mundo pra entender como nossos governantes atuam.
    “Se um dia viermos a falhar, essa luz se apagará… e a escuridão tomará conta do país.”

  14. RU

    Sensacional o comentário do Livio com os paralelos de Orwell e Huxley.
    Por esses pontos que você colocou, eu diria que tentaram controlar pelo método de Orwell, mas viram que não deu 100% certo, então o de Huxley é mais eficiente para dominação.
    Atualmente, vivemos numa mistura dos temores de ambos os autores. Oscilando em uma constante transição entre os medos de Orwell e o de Huxley. Por fim, parece mais provável que o de Huxley leve a melhor.

  15. Vinicius

    Oi marcelo, “Grande Irmão” é uma referência ao Big Brother (O Estado vigiando a todos)?

  16. Andrea

    Mas Marcelo e quando houve realmente liberdade?
    O Mundo ocidental viveu sobre as botas da igreja catolica durante quase 2000 anos… A diferença hj é q tudo q acontece tem efeito global.. se o cara tosse na Russia a gente fica sabendo..
    qual é a diferença entre um governo totalitário e uma religião totalitária? O tipo de sapato? as sandalias machucam menos?
    Eu sinceramente acho que quer queira ou não evoluimos.. e talvez tenhamos caido em outras armadilhas de poder.. mas sempre estamos rodeados por elas.. o poder é embriagante, uma droga que vicia… ou vc nunca ouvi a famosa frase… vc sabe com quem vc ta falando?
    acho que é um defeito do ser humano..
    claro q temos lutar sempre pra manter a liberdade.. ditadura não pode existir.. mas é so uma mudança do poder de opressão de um grupo para outro..
    @MDD – Anyway, estamos evoluindo… O povo se esquece que os Inquisidores também reencarnam… mas pelo menos hoje diminuiu bastante os lugares no mundo onde eles podem queimar as pessoas.
    ***
    Livio .. adorei os paralelos…
    ***
    Roberto.. vai q vc abrevia o seu tempo aqui e nasce em um lugar com muito mais opressão.. pq existem lugares muito piores que o Brasil por ai.. pense nisto! heheheheh

  17. raymond k hessel

    os Estados Unidos e Israel sabem bem como usar esse “medo”, já que são os dois maiores propagadores do terrorismo de estado do planeta, que lhe provém benefícios em diversas áreas, principalmente a bélica,petrolífica e de base, afinal as empresas que estão civilizando e reconstruindo os países que eles invadem sao empresas desses países,por exemplo a nicarágua e porque não o mundo árabe,
    tendo em vista que até a produção de ópio do afeganistão que é a maior do mundo, eles tomaram, pra quem nao sabe o ópio serve tanto como droga como na producao de morfina para uso medicinal…
    esses dois países sao parasitas que só sabem destruir o mundo e a civilização e espero o dia que alguem( osama bin laden é só um fantoche para eles poderem invadir os locais em busca dele e fazerem a “reconstrução” do local depois.) dê cabo dessas desgracas.

  18. francisca voutat

    O medo é o oposto do amor, o ódio é uma emoção.
    Acredito que o medo nos leva para longe da nossa essencia universal!

  19. Caio Calandrino

    O dia que todos os seres humanos conseguirem propagar o amor incondicional, universal nunca irá existir!
    Se isso ocorrer, não vamos precisar mais reencarnarmos, pois teremos atingido a evolução máxima e SEMPRE existirá alguém reencarnando em alguma parte do mundo!

  20. CGomez

    O Totalitarismo é uma ameaça constante. O filme A Onda, adaptação recente do ensaio A Terceira Onda do professor Ron Jones, retrata bem a realidade desta questão.

  21. Jose ademilson

    O governo autoriza o exterminio de sua populacao e è considerado como um deus.Mata milhares de pessoas e diz que sao apenas rebeldes baderneiros.

Deixe uma resposta para Buscador Cancelar resposta