Astronomia, Matemática e Música


A fonte de onde emana o mundo é sempre uma fonte sonora.

A Metafísica Ocidental, não seria a mesma se Pitágoras não descobrisse a íntima ligação existente entre os números e a música.  Isto fez com que a Astronomia, a Música, a Matemática e a Geometria fossem disciplinas básicas de uma Cosmologia que perdurou por toda Idade Média.
Os quatro caminhos, também denominado quadrivium, era o conjunto destas quatro matérias ensinadas nas universidades medievais, uma ressonância da Fraternidade de Pitágoras que procurava unir a ciência e a religião, a matemática e a música, a cura e a cosmologia.

Depois do trivium (gramática, lógica e retórica), o quadrivium era a parte secundária do currículo descrito por Platão em “A República“. Destas disciplinas originou-se a idéia da Música das Esferas, onde a disposição dos astros correspondiam à escala musical, e que a música tocada pelo Cosmos, mesmo que além dos limites da nossa audição, seria inteligível.
A partir das suas descobertas em relação aos fundamentos matemáticos das consonâncias musicais, Pitágoras visualizou uma relação mística entre a matemática a música e a astronomia. Para ele a música era o elo de união entre o homem e o cosmos. Em sua cosmologia cada planeta produzia uma nota musical, e esta orquestra celeste executa uma harmonia cósmica tão perfeita, que nós humanos não seríamos capazes e talvez nem merecedores de ouvi-la.
Em 1766 Johann Titias, acreditando que os planetas formavam naturalmente uma cadeia de oitavas, observou que todos os planetas conhecidos na época tinham distâncias que se tornavam progressivamente maiores na razão 2:1, a razão da própria oitava. Apesar das distâncias não serem exatamente na razão 2:1, outras leis harmônicas, como a velocidade dos movimentos dos planetas na descrição das suas órbitas, podem ter passado de maneira despercebida pelos astrônomos.
Imaginando os planetas dispostos em uma linha reta a partir do Sol, a harmonia poderia ser representada pelas frequências de alturas dos planetas ao entrarem em conjunção um com o outro. O interessante é que algumas conjunções planetárias ocorre em determinados períodos de tempo que refletem com exatidão considerável as razões de comprimento necessárias para produzir as notas diatônicas de uma oitava.
Cientistas, após detectarem oscilações na superfície do Sol, que acreditam originarem-se de ondas acústicas em seu interior, o descreveram como um grande instrumento musical. A Voyager 2 demonstrou-nos que todos os planetas irradiam tons através do vácuo, embora os sons capturados não correspondam exatamente à Música como a conhecemos, eles refletem a nossa busca constante pela harmonia presente no Universo.

Fabio Almeida é membro do Projeto Mayhem e foi autor do blog Sinfonia Cósmica (desativado)

Este post tem 10 comentários

  1. Livio

    Só faltou colocar com todas as letras, o que é que estudavam quando eles iam procurar os astros… 😛 – por que “astronomia” é um termo “mudernu”
    @FDA – Concordo plenamente Lívio 😉

  2. Mariana

    Lindo texto. Como seria bom poder ouvir a música que os astros fazem…
    Perguntas 1: eu posso então dizer que o seu mapa astral mostra a melodia ou os acordes que estavam tocando quando você nasceu?
    @FDA – Sim
    Pergunta 2: Fabio, há quanto tempo você estuda música? Toca algum instrumento?
    @FDA – 12 anos, violino.

  3. Musashi

    Parabens pela coluna ^^
    Leva a milhares de perguntas, como sempre haahha
    Offtopic – Avisa o pessoal ai que o outro post está fora do AR!! hehehe
    vlw
    abras

  4. Rocket

    No Livro dos Espíritos também encontramos uma passagem que fala da música celeste. Interessante!!!

  5. Emmanuel

    Sabe o álbum “A Tábua de Esmeralda” do Jorge Ben, de 74? Ele diz que é inspirado no hermetismo, alquimia…
    Pode ser interessante pra um post.

  6. Lucas Albuquerque

    desculpe não compreendi : tons propagados no vácuo? mas ondas sonoras não se propagarem um meio onde há ausência de matéria! esse último parágrafo realmente não compreendi!
    @FDA – Deixei a palavra tom de propósito mesmo… Apesar de no espaço não existir nada material pro som se propagar, existem ondas de partículas eletromagnéticas carregadas, que vem do “Vento Solar”, Ionosfera e da Magnetosfera planetária. A NASA conseguiu gravar sons de vários planetas e suas luas com um equipamento especializado, e depois transformaram essas ondas em som audível ao ouvido humano. Nesse link AQUI você ouve os “sons” de Saturno por exemplo. Você acha mais desses no YouTube, alguns grupos musicais utilizam estes sons em suas composições…

    1. Lucas Albuquerque

      deixa eu ver se entedi:
      eles codificaram as ondas eletromagnéticas para ondas acústicas ou lançaram um dispositivo (um robô, etc) no planeta (improvável). Se não é nehuma dessas formas, qual seria? Sério gostaria mesmo de entender como fizeram isso!
      obrigado
      @FDA – Os sons foram captados por receptores, de ondas eletromagnéticas, colocados nas sondas Voyager I e II (se não me engano) e os sinais foram convertidos em som.

      1. Lucas Albuquerque

        ahhh agora faz todo o sentido
        ai sim
        obrigado pelo esclarecimento!

  7. Alexandre

    Por acaso, vc conhece o arqueômetro?
    Dizem que une esses conhecimentos.
    Abraço

Deixe uma resposta