A Metáfora, por Joseph Campbell

Joseph Campbell é foda! É meu autor favorito, cuja leitura considero obrigatória para qualquer pessoa que deseje ter um mínimo de conhecimentos sérios sobre ritualística e simbologia. E, sem estas duas ferramentas, é simplesmente impossível tornar-se um ocultista sério.

Deixe-me começar, explicando a historia de meu impulso para colocar a metáfora no centro de nossa exploração da espiritualidade ocidental.
Quando o primeiro volume do meu Historical Atlas of World Mythology:
The Way of Animal Powers foi publicado, os editores me enviaram numa turnê publicitária. É o pior tipo de turnê possível porque você tem de se encontrar, sem a menor vontade, com locutores de rádio e repórteres, eles próprios indispostos a ler o livro sobre o qual devem conversar com o entrevistado, para gerar visibilidade.

A primeira pergunta que me faziam era sempre:

“O que é um mito?”

É um bom começo para uma conversa inteligente.

Em uma cidade, porém, entrei numa estação de rádio para um programa de meia hora, ao vivo, em que o entrevistador era um jovem com ar de astuto e que imediatamente me alertou:

“Sou difícil, já vou lhe avisando. Sou um cético.”

A luz vermelha acendeu e ele começou, argumentativo:

“A palavra ‘mito’ significa ‘uma mentira’. Mito é uma mentira”.

Repliquei com a minha definição de mito.

“Não, mito não é uma mentira.

Uma mitologia completa é uma organização de imagens e narrativas simbólicas, metafóricas das possibilidades de experiência humana e da realização de determinada cultura em certo momento”.

“É uma mentira”, ele retrucou.

“É uma metáfora”.

“É uma mentira”.

Isso continuou por uns vinte minutos.

Quatro ou cinco minutos antes do fim do programa, percebi que o entrevistador não sabia o que era uma metáfora. Resolvi tratá-lo da mesma maneira como estava sendo tratado.

“Não”, eu disse.

“Eu lhe digo que algo é meta­fórico. Dê-me um exemplo de metáfora.”

Ele respondeu.

“Dê-me você um exemplo”.

Eu resisti.

“Não, agora eu estou fazendo a pergunta”.

Eu não tinha lecionado por trinta anos à toa.

“E eu quero que você me dê um exemplo de metáfora”.

O entrevistador ficou totalmente pasmo e chegou a dizer:

“Vamos chamar um professor.”

Finalmente, depois de um minuto e meio, ele se recompôs e disse:

“Vou tentar. Meu amigo John corre muito. Dizem que ele corre como um veado. Isso é uma metáfora”.

Enquanto se passavam os últimos segundos da entrevista, eu repliquei.

“Isso não é metáfora. A metáfora seria: John é um veado”.

Ele revidou: “Isso é uma mentira”.

“Não”, eu disse. “É uma metáfora”.

E o programa terminou.

O que esse incidente sugere sobre a nossa compreensão de metáfora?

Ele me fez refletir que metade da população mundial acha que as metáforas de suas tradições religiosas, por exemplo, são fatos.
E a outra metade afirma que não são fatos, de forma alguma.

O resultado é que temos indivíduos que se consideram fieis porque aceitam as metáforas como fatos, e outros se julgam ateus porque acham que as metáforas religiosas são mentiras.

Este post tem 39 comentários

  1. caronte

    Joseph Campbell é o cara, comecei os meus estudos de ocultismo através dele, a forma como ele aborda simbolismo, mitologia é fantástica. Recomendo “Isto é Tu”

  2. EPU

    Sim!
    Joseph Campbell
    Eu tenho uma cópia do documentário “O Poder do Mito” aqui comigo…sensacional!
    valeu DD

    PP
    EPU

  3. Joakim

    Otima expliçao, um dos motivos que as pessoas tem muita dificuldade em seguir instruçoes, a falta de compreessao de texto pua e enorme (educaçao basica mesmo), eu vivo isso todos os dias, as pessoas nao sabem a diferença entre algo inclinado ou declinado ou a diferença entre colocar os pes sob ou sobre um banco, imagina falar em metafora com algumas. Mas conversando com a pessoa voce sente que a falha foi na escola mesmo.

    Posso estar muito enganado, mas aqui parece que atrai pessoas mais conectadas em tudo: Egregora do Tio MArcelo????

    (os sinais de acento nao estao funcionando aqui)

  4. Campbell faz parte da minha santa trindade, com Jung e Nietzche. Além de absolutamente genial, era corajoso e atemporal. Nem precisa dizer que estava se lixando para o politicamente correto.Citar sua ponderação a respeito da possibilidade (uma das, bem claro) homossexualidade ser um método de fuga contra o rito de passagem masculina para o mundo adulto sempre dá briga. É divertido…

  5. Petri, o Inominável

    Quando vi o DVD de O Poder do Mito achei bem bacana, mas só descobri quem o autor realmente era na biblioteca da escola.

    Adorei o texto tio!

  6. raph

    Haha e geralmente ninguém sabe o que é metáfora… tem toda a razão.

    Também adoro ele, principalmente sua entevista em DVD no rancho do George Lucas (O Poder do Mito) – que deve ainda vender na Saraiva (recomendo!).

    Ele também é intimamente relacionado a Jung, já que muitas de suas teses são teses de Jung revisitadas…

  7. Tiago

    Joseph Campbell é o cara que me fez compreender, junto com Jung, os aspectos metafísicos desde mundo.

  8. Vinicius Lira

    Sugeres algum livro dele pra gente que ta iniciando começar a ler?

  9. Lucas

    Engraçado, há alguns dias eu estava pensando em estudar mitologia, como um hobby, porque eu acho que esses mitos primordiais, por existirem há tanto tempo, deveriam revelar muita coisa sobre a natureza humana, principalmente onde eles se intersecionam, mas estava sentindo falta de uma referência. Quando eu li esse post e dei uma procurada no google sobre o autor, descobri “As máscaras de Deus” e “O herói de mil faces”. Vou ver se compro esses livros.

    @MDD – e puxando a sardinha pro meu lado, não esquece de comprar a Enciclopédia de Mitologia.

  10. IRR

    Nossa ele falou tudo no ultimo parágrafo. Eu estava quase ateu por causa disso. Mas depois que conheci o budismo e soube que existia o cristianimo dos essênio, mudei totalmente meu ponto de vista sobre tudo. Pois vi que havia uma unidade verdadeira ligando todas essas religioes e mito.

  11. Remy

    Joakin disse:

    “…eu vivo isso todos os dias, as pessoas nao sabem a diferença entre algo inclinado ou declinado ou a diferença entre colocar os pes sob ou sobre um banco, imagina falar em metafora com algumas. Mas conversando com a pessoa voce sente que a falha foi na escola mesmo.”

    hahahaha

    É verdade Joakin. É nosso Brasil brasileiro, que ‘sobe uma subida’ e ‘desce uma descida’!
    Eu, não sou nenhum senhor em português, também cometo minhas gafes, mas parte de minha descendência genética germânica contribui para minha irritação quando alguém estufa o peito, fala uma bobagem, e se acha senhor da verdade.

    Preciso fazer yoga… rsrs

  12. IndoMitus

    Muito bom esse texto, parece ateh aqueles contos zen.
    To lendo agora o Poder do Mito.
    Abracos

  13. AD&D

    DD da um help
    1º após ter meu sigilo devo refazer o ritual e “gravar” ele no meu amuleto da sorte? (feito no dia 25)

    2º achei muito importante o post da cruz cabalistica
    “- Fique de pé, no centro do local onde você irá traçar o círculo, voltado para o LESTE.”
    não entendi a parte do circulo..

    Podia ter um outro post ligado a cruz, ja que é um dos assuntos mais importantes desse ano.

    Forte abraço

  14. Douglas Penna

    As máscaras de Deus tá esgotado em diversos lugares, só se encontra o volume 1 e o volume 4.

    Outro que ninguém falou, mas que é tão pop quanto O Poder do Mito é o livro “Mitos de Luz”. Este vale muito a pena também como leitura básica sobre a mitologia oriental.

  15. fmp

    DD e o Osman Spare, que não praticava a ritualistica classica, qual sua opinião sobre ele, suas tecnicas e toda a galera que ele influencia ?

    @MDD – A diferença entre o Spare e os kaoistas de orkut é que o Spare sabia o que estava fazendo.

  16. Tim

    Tio, vc viu isso:

    http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/2059/artigo132366-1.htm

    @MDD – Que triste… O pior é que eu tive o desprazer de conhecer quase todos os picaretas do ramo esquisotérico, e são muitos, muitos, muitos. Já fui em um evento dos bam-bam-bans do tarot onde menos de 10% deles sequer sabia o que era Kabbalah (antes da Madonna, claro… agora todos devem “fazer uma idéia” do que seja). Na astrologia é pior ainda… Quirons, liliths, sputiniks, Ofiucos e afins abundam no cenário… numerologia, então, do jeito que está, é uma piada. A numerologia funciona sim… em hebraico. Chama-se Gematria e não tem nada a ver com as maluquices que eu tenho visto por ai… Não é à toa que os céticos se esbaldam…

  17. Missiato

    Marcelo,
    Seria possível criar um post sobre livros e logo depois uma categoria com o mesmo nome, indicando livros para as pessoas que possuem interesse em se aprofundar nos conhecimentos aqui divulgados. Não sei se é pedir muito, mas poderia também dividí-los em básicos e primeira leitura, como Allan Kardek, intermediários e hard core.

  18. Alef

    “É necessário a verdade para os sábios, é necessário a dúvida para os irracionais, é necessário a fábula para os loucos e para as crianças.

    Conta uma fábula a um sábio e verás nela uma verdade. Diz uma verdade a um pensador e este a revogará como dúvida; diz uma verdade a um louco e este a tornará como uma fábula.”
    Tio Levi

    “Aquele que acha que a Besta é mesmo uma Besta, está pensando besteira. hehe”.
    Alef

  19. Cleber

    Não conhecia ele, valeu mesmo MDD acabei de achar vários documentários dele irei assistir todos e depois ler os livros…

    Muita luz!!!

  20. marga

    Joseph Campbell não era foda era fodão; Lembrei-me da parábola’ Logo lhe cairam dos olhos como escamas,e recuperou a visão. ( Atos;9;17e18) A pior cegueira e a espiritual.

  21. Felipe Metal

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk… essa foi foda! Esse cara é mto bom, mto bom. Deus o abeçoe! Rsrsrsrs. Vou espalhar esse texto por aí. Hehehe. Mto bom! Joseph Campbell! Maravilhosamente Excelente! 😉

  22. Missiato

    Link da transcrição da entrevista de Joseph Campbell por Bill Moyers:

    http://www.culturabrasil.pro.br/campbell.htm

    MOYERS: Não a primeira causa, mas uma causa mais alta?

    CAMPBELL: Eu diria uma causa mais interior. “Mais alta” é apenas lá em cima e não existe nenhum “lá em cima”. Sabemos disso. Aquele velho lá em cima foi mandado embora. Você precisa encontrar a Força dentro de você mesmo. É por isso que os gurus orientais são tão convincentes para os jovens, hoje em dia. Eles dizem: “Está dentro de você. Vá e encontre-o”.

  23. Prof. Gilsmy Boscolo

    Não há algo mais ou menos assim: “Quele que pensa que sabe não sabe nada. Aquele que sabe que nada sabe, sabe tudo” .

  24. João Henrique Silla Salvático

    Ótimo. Simplesmente ótimo.

  25. IRR

    Você pensa em falar da mitologia hindu? O que tem a dizer sobre o Bhagavad-gita?

  26. Joseph Campbell nos fez nascer de no na compreensão de nós mesmos e do universo,assim como é em cima é embaixo,hoje os jesuitas ensinam que o livro de jonas é apenas mitologia judaica,jesus usou muito o mito,a sombra, e as mascaras de todos nós ,com ele podemos enxergar o diabo que somos nós quando nos olhamos no espelho,e,tentar mudar nossos demonios interiores,em,anjos,combatendo guerras desnecessárias internas e externas,com ele a poesia se apossou da vida,e, o inconsciente se mudou em algo mais comprennsivel,sou psicanlista didata e devo a campbel três quartos do meu suscesso profissional curativo e resolutivo

  27. Guilherme

    Tio,
    No “Poder do Mito” Campbell diz que:
    “Todos os homens são competentes para conhecer a mente de Deus”.

    O que você acha da afirmação dele?

  28. Luiz Filipi

    Nada de assombroso a constatação do cético. Vivemos numa sociedade marcada pelo pragmatismo e unilateralidade. Não é nem uma questão de educação básica, mas sim de condicionamento unilateral dessa educação e cultura, que, desta forma, nos conduz a dificuldade de leitura relativa das coisas. Ou seja por nos focarmos drasticamente num ponto positivista e objetivo “anulmos”a subjetividade.

Deixe uma resposta para Leo Cancelar resposta